Santos FC x Querétaro FC






Santos Futebol Clube x Querétaro Fútbol Club


Retrospecto:

01 jogo
00 vitória
01 empate
00 derrota
00 gol pró
00 gol contra
00 saldo

Resultados:

10/07/2018 – Santos 0 x 0 Querétaro-MEX – Amistoso – La Corregidora


Querétaro 0 x 0 Santos

Data: 10/07/2018, terça-feira, 23h20.
Competição: Amistoso
Local: Estádio Corregidora, em Querétaro, México.
Cartões amarelos: Gómez (Q); Dodô e Victor Ferraz (S).
Cartão vermelho: Dodô (S, 41-2).

QUERÉTARO
Tiago Volpi; Andrés Pérez (Paul Uscanga), Hiram Mier, Luis Romo (Milke), Diego Novarretti e Miguel Samudio (Hernández); Jaime Gómez, Erbin Trejo (Arellano) e Daniel Villalva (Everaldo); Matías Brito e Camilo Sanvezzo (Cortizo).
Técnico: Rafael Puente del Rio

SANTOS
Vanderlei (Vladimir); Victor Ferraz, Gustavo Henrique, David Braz (Luiz Felipe) e Dodô; Yuri (Léo Cittadini) (Gabriel Calabres), Diego Pituca e Jean Mota; Copete (Yuri Alberto), Rodrygo (Vitor Bueno) e Eduardo Sasha (Fernando Medeiros).
Técnico: Jair Ventura



Santos empata com o Querétaro em amistoso no México

O Santos empatou com o Querétaro em 0 a 0 no amistoso realizado na noite desta terça-feira, no Estádio Corregidora, no México. Essa foi a segunda das duas partidas da turnê do Peixe. Na primeira, derrota por 1 a 0 para o Monterrey, no último sábado.

O alvinegro foi melhor em boa parte do jogo e poderia ter vencido. O pior momento foi no fim da primeira etapa, quando Dodô chegou a evitar, em cima da linha, gol do atacante brasileiro Sanvezzo.

No segundo tempo, o Santos criou boas chances com Copete e Eduardo Sasha, mas não abriu o placar. O técnico Jair Ventura fez alguns testes e deu minutos para Vladimir, Luiz Felipe, Léo Cittadini, Fernando Medeiros, Gabriel Calabres, Vitor Bueno e Yuri Alberto.

Depois da pausa para a Copa do Mundo na Rússia, o Peixe voltará a campo de forma oficial para enfrentar o Palmeiras, no dia 19, no Pacaembu, pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O jogo:

O primeiro tempo foi bem movimentado. O Santos começou melhor, quase marcou com Rodrygo, aos 11, e viu um gol anulado de Copete após falta em rebote de chute de Jean Mota, aos 21.

Depois de resistir à pressão, o Querétaro melhorou e passou a entrar com facilidade na defesa dos visitantes. O goleiro Vanderlei reclamou dos companheiros em várias oportunidades.

A principal chance veio com o brasileiro Sanvezzo, aos 43 minutos. O atacante avançou pela direita, encobriu Vanderlei e Dodô tirou em cima da linha. Os mexicanos pediram o gol.

O técnico Jair Ventura voltou para a segunda etapa com Vladimir na vaga de Vanderlei e Léo Cittadini no lugar de Yuri. Outros testes foram feitos no decorrer dos 45 minutos: Yuri Alberto no Copete, Luiz Felipe no David Braz, Vitor Bueno no Rodrygo, Fernando Medeiros no Eduardo Sasha e Gabriel Calabres no Cittadini.

Depois de muita movimentação no primeiro tempo, o jogo esfriou. O Santos só criou a primeira chance clara aos 16, quando Dodô cruzou rasteiro, Léo Cittadini passou da bola e Copete chutou por cima do travessão. Sete minutos depois, Yuri encontrou Sasha na área, mas o atacante chutou no meio do gol.

O Peixe seguiu melhor, com a posse de bola e perto do gol, mas não foi efetivo e manteve o zero no placar, sem balançar as redes nos dois jogos no México. E aos 39, o Querétaro quase fez. Britos arrancou sozinho e acertou o travessão de Vladimir. Antes do apito final, Dodô foi expulso após cotovelada.

Bastidores – Santos TV:

Jair diz que Santos poderia ter vencido o Querétaro por 5 a 2

O Santos só empatou em 0 a 0 com o Querétaro no amistoso realizado nesta terça-feira, no Estádio Corregidora, no México, mas o técnico Jair Ventura gostou da atuação do Peixe.

Na avaliação do treinador em entrevista coletiva, pelas oportunidades criadas ao longo da partida, o alvinegro poderia ter goleado os mexicanos por 5 a 2.

“Queríamos vencer e fazer gols, mas maior objetivo foi preparação para o Palmeiras, não perdemos jogadores e vejo a falta de gols, mas com controle de jogo. Tivemos cinco ou seis chances de gol e Querétaro teve duas, poderíamos ter perdido. Se todos tivessem feito, seria 5 a 2. Dentro de uma projeção física, foi bom. Vemos como importante esse intercâmbio, trazer a marca gigante. Estava conversando com um mexicano e me contava sobre muitos anos sem um clube brasileiro aqui. Para a gente é gratificante. Apesar de não vencermos, saímos fortes e é secundário por não valer três pontos, mesmo nós sendo muito competitivos. Vimos evolução física, técnica e tática. Fizemos várias mudanças, Fernando (Medeiros) jogou, teve oportunidade, olhamos jogadores mais de perto. E agora é voltar para o grande objetivo, que é o Campeonato Brasileiro e o clássico. Vamos com mais vontade ainda de vencer o Palmeiras”.

O Santos não venceu e nem fez gols na turnê no México, com a derrota por 1 a 0 para o Monterrey, no último sábado, no Estádio BBVA Bancomer, e o empate em 0 a 0 com o Querétaro nesta terça.


Monterrey 1 x 0 Santos

Data: 07/07/2018, sábado, 23h00 (de Brasília).
Competição: Amistoso
Local: Estádio BBVA Bancomere, em Monterrey, México.
Árbitro: Alejandro Funk Villafañe
Auxiliares: Pedro Emmanuel Ramírez Puga e Jonathan Maximiliano Gómez Olmos.
Cartões amarelos: Vangioni (M) e Rodrygo (S).
Gol: Hurtado (12-1).

MONTERREY
Marcelo Barovero (Carrizzo); Stefan Medina (Gutiérrez), Jesús Molina, José Basanta e Leonel Vangioni; Jonathan González (Sanchez), Rodolfo Pizarro e Celso Ortiz (Alvarado); Dorlan Pabon (Cantú), Jorge Benítez (González) e Avilés Hurtado (Rodríguez).
Técnico: Diego Alonso

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, David Braz e Dodô; Yuri (Diego Pituca), Renato (Jean Mota) e Léo Cittadini (Copete); Bruno Henrique, Rodrygo (Vitor Bueno) e Eduardo Sasha (Yuri Alberto).
Técnico: Jair Ventura



Santos é dominado pelo Monterrey e perde amistoso no México

Com a elite do futebol brasileiro paralisada durante a Copa do Mundo da Rússia, o Santos marcou dois amistosos no México. Na primeira partida, disputada na madrugada de sábado para domingo, o time alvinegro acabou dominado pelo Monterrey e perdeu por 1 a 0.

Na etapa inicial da partida disputada no moderno Estádio BBVA Bancomer, o colombiano Avilés Hurtado colocou a equipe mandante em vantagem. No segundo tempo, marcado por uma série de substituições, os dois times criaram chances, mas a vitória mexicana permaneceu.

Em seu segundo e último compromisso no México, o Santos volta a campo para enfrentar o Querétaro às 23 horas (de Brasília) desta terça-feira, no Estádio Corregidora. Às 20 horas de 19 de julho, pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro, o time alvinegro pega o Palmeiras, no Pacaembu.

O jogo:

O Monterrey sufocou o Santos no começo da partida e conseguiu inaugurar o marcador logo aos 12 minutos da etapa inicial. Após cruzamento de Pabon da direita, Hurtado se antecipou a Renato, tabelou com Benitez e finalizou com sucesso diante do goleiro Vanderlei.

O time comandado por Jair Ventura, dominado pelo Monterrey, não conseguiu ameaçar o gol defendido por Barovero no primeiro tempo. Os velozes Bruno Henrique e Rodrygo tentaram algumas jogadas individuais, especialmente pelo lado esquerdo, sem sucesso.

O time mexicano ainda teve mais duas chances claras para ampliar. Primeiro, Basanta conseguiu furar rebote de Vanderlei em chute de Benitez e permitiu a recuperação do goleiro. Para completar, o mesmo Benitez aproveitou sobra de rebatida ruim de Gustavo Henrique para acertar a trave.

O Monterrey retornou atento para a etapa complementar e voltou a assustar Vanderlei nos primeiros instantes. Medina desceu pela direita e cruzou rasteiro para o meio da área. Sem ser incomodado, Pizarro completou para o gol, com muito perigo para a meta brasileira.

O Santos esboçou uma melhora e criou sua melhor oportunidade para empatar em uma jogada do lado direito. Victor Ferraz levou até a linha de fundo e rolou rasteiro para chute forte de Rodrygo. Colocado no intervalo no lugar de Barovero, Carrizzo saiu bem e defendeu.

Durante a etapa complementar, os técnicos Jair Ventura e Diego Alonso aproveitaram para fazer uma série de mudanças nas respectivas equipes, já que não havia limite de substituições. Na última chance do Santos, já nos acréscimos, Jean Mota cobrou escanteio pela esquerda e Gustavo Henrique, de cabeça, quase empatou.

Bastidores – Santos TV:

Jair comenta derrota para o Monterrey e alerta para parte física do Santos

O Santos foi derrotado pelo Monterrey no primeiro dos dois amistosos que realizará no México, em meio ao recesso motivado pela Copa do Mundo da Rússia. Na madrugada deste sábado para este domingo, no Estádio BBVA Bancomer, o Alvinegro praiano foi sufocado pelos donos da casa no início do jogo, levou o gol com 12 minutos de bola rolando e não conseguiu igualar o marcador. Após o apito final, o técnico Jair Ventura comentou a partida, exaltando a oportunidade de fazer um teste diante de um adversário tão qualificado.

“A gente vem de uma inter-temporada, enquanto o Monterrey já fez dois amistosos, com duas vitórias. Eu fiz um treino específico para cada situação do jogo, de organização, de marcação, de bola parada. Apenas um treino. Vai ser de maneira gradativa que a gente vai alcançar nosso melhor desempenho. Lógico que sabemos da força do Monterrey, do investimento feito no futebol mexicano, e é um prazer poder encarar este grande jogo, contra uma grande equipe”, afirmou o comandante, em coletiva de imprensa pós-jogo.

Por mais que os mexicanos tenham dominado o primeiro tempo, pressionando o Peixe e inviabilizando a criação de jogadas por parte dos brasileiros, Jair não ficou tão incomodado com a atuação de seus jogadores. Segundo o treinador, já era de se esperar um confronto difícil.

“Se nós quiséssemos algum jogo mais fácil, simplesmente pela vitória, teríamos ficado no Rio, procurando um time de terceira, quarta divisão, para vencer e achar que está tudo certo. Nosso objetivo foi encarar uma equipe forte como a que encaramos hoje. O jogo foi muito igual, em que o Monterrey começou com uma pressão muito forte e conseguiu fazer o gol. Depois, explorou bem as transições, contra-ataques, e o jogo ficou muito bom, aberto, com chances para os dois lados”, apontou.

O desgaste físico foi grande por parte dos santistas, que não atuavam desde a vitória sobre o Fluminense, pelo Campeonato Brasileiro, no dia 13 de junho. Como esperado, o técnico aproveitou a ocasião para rodar o elenco e dar chance a atletas que não vinham sendo tão utilizados nesta temporada. Porém, independentemente de quem esteve em campo, o que realmente incomodou Ventura foi o resultado negativo.

“A gente sabe que tem muita coisa a melhorar, na parte física também. Muitos jogadores cansados, com dificuldade de sustentar o jogo, e a gente fez diversas mudanças. O que eu menos gostei foi o resultado, porque somos extremamente competitivos, e quando você trabalha no Santos você tem que entrar para vencer, mesmo com um ou dois dias de treino”, admitiu.

Jair também aproveitou o amistoso para testar uma ‘nova’ formação de ataque. Pela primeira vez, o treinador pôde escalar duas de suas principais peças ofensivas em campo: Bruno Henrique e Rodrygo. Reconhecendo que a parceria precisa de tempo para afinar o entrosamento, o comandante alvinegro também ressaltou a necessidade de utilizar um deles fora da posição de origem, como meia armador, camisa 10, já que ambos gostam de atuar pelo lado esquerdo.

“Tenho certeza de que, com mais jogos e treinamentos, a gente vai conseguir um entrosamento melhor e um rendimento melhor. Principalmente ali na frente, já que foi a primeira vez que o Rodrygo e o Bruno (Henrique) jogaram juntos. A gente ainda está encaixando a melhor formação, já que são dois jogadores que gostam de atuar pelo mesmo lado do campo e, por vez, alguém vai ter que exercer a função de camisa 10, esse meia que estamos procurando. Enquanto não o temos, alguém tem que exercer essa função”, frisou.



Excursão México 2018 - Santos FC















O Santos FC inicia nesta quarta-feira (04/07) sua turnê internacional prevista para esta pausa da Copa do Mundo. A equipe comandada por Jair Ventura embarca para o México para cumprir dois compromissos contra equipes locais: o primeiro deles contra o Monterrey, no dia 7, às 21h no horário local (23h de Brasília), e o segundo contra a equipe do Querétaro, marcado para o dia 10 às 21h (23h de Brasília).

O técnico alvinegro relacionou 26 atletas para estes dois desafios contra as equipes mexicanas. Confira os selecionados:

Goleiros – João Paulo, Vanderlei, Vladimir;

Laterais – Daniel Guedes, Dodô, Victor Ferraz;

Zagueiros – David Braz, Gustavo Henrique, Luiz Felipe, Robson Bambu;

Meias – Diego Pituca, Fernando Medeiros, Gabriel Calabres, Guilherme Nunes, Jean Mota, Léo Cittadini, Renato, Vitor Bueno, Vecchio, Yuri;

Atacantes – Bruno Henrique, Copete, Diego Cardoso, Eduardo Sasha, Rodrygo, Yuri Alberto.

Quatro atletas desfalcam a delegação santista nesta etapa do projeto de internacionalização da marca. São eles: Alison (entorse no tornezelo esquerdo), Arthur Gomes (entorse tornozelo esquerdo), Gabriel (dores no púbis) e Lucas Verissimo (mialgia coxa direita).


Fluminense 0 x 1 Santos

Data: 13/06/2018, domingo, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 12ª rodada
Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 7.438 presentes (6.745 pagantes)
Renda: R$ 173.580,00
Árbitro: Rafael Traci (PR)
Auxiliares: Ivan Carlos Bohn e Rafael Trombeta (PR)
Cartões amarelos: Matheus Norton e Douglas (F); Alison, Diego Pituca, Renato (S).
Gol: Bruno Henrique (40-2).

FLUMINENSE
Julio Cesar; Ibañez (Sornoza), Nathan e Luan Peres; Matheus Norton, Gilberto, Richard, Jadson (Dodi), Marlon e Douglas; Pablo Dyego (Dudu) e Pedro
Técnico: Abel Braga

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, David Braz e Dodô; Diego Pituca, Alison (Copete), Léo Cittadini e Jean Mota (Renato); Bruno Henrique e Gabigol (Vitor Bueno)
Técnico: Jair Ventura



Sem Rodrygo, B. Henrique salva o Santos em retorno ao time titular

Enquanto dirigentes se reuniam para tratar sobre a venda de Rodrygo, o Santos tentava, em campo, vencer o Fluminense no Maracanã para ao menos amenizar a crise instaurada no clube. O problema é que sem a jovem promessa, o que já estava difícil ficou ainda mais complicado. O pragmatismo e a falta de criatividade voltaram a assolar o Santos no último compromisso antes da pausa para a Copa do Mundo.

Mas se por um lado o Peixe está prestes a perder umas de suas promessas e o desempenho do time está longe de honrar seu dito DNA, a partida dessa quarta-feira serviu para resgatar uma das grandes apostas do elenco santista: Bruno Henrique. Enfim, o atacante voltou a iniciar um jogo como titular depois de sofrer com duas lesões sérias, e foi justamente dele o gol da vitória por 1 a 0, marcado já aos 40 minutos do segundo tempo. Jair Ventura, que nem assim deixa de correr risco de demissão, extravasou à beira do campo, Bruno Henrique chorou, e a noite, que parecia desastrosa, terminou com sentimento de alívio.

A situação ficou feia mesmo foi para Abel Braga, outro que está na berlinda e teve de ouvir vaias e xingamentos após o apito final. Apesar do tricolor não ter podido contar com uma Gilberto, Ayrton Lucas, Léo, Gum, Renato Chaves, Marcos Junior e Matheus Alessandro, a tolerância com a má fase parece ter se esgotado diante da quarta derrota seguida, o quinto jogo consecutivo sem sair de campo com uma vitória.

A situação na tabela do Campeonato Brasileiro ainda é um pouco pior para os paulistas depois de 12 rodadas – o Santos tem um jogo a menos, a fazer com o Vasco –. O resultado levou o Santos aos 13 pontos, na provisória 15ª colocação, e ao menos livrou o clube do risco de passar todo o período de Copa do Mundo na zona de rebaixamento. Em 11º, também enquanto a rodada não termina, com 14 pontos, o Flu não vive situação mais cômoda, na prática.

No dia 19 de julho, os dois times voltam a campo para retomar a competição por pontos corridos. O Peixe, logo de cara, terá o clássico com o Palmeiras, no Pacaembu. Em São Januário, o Fluminense também fará clássico regional com o Vasco.

Bastidores – Santos TV:

Jair exalta Bruno Henrique, diz viver “loucura” e comemora pausa

A vitória do Santos em cima do Fluminense nessa quarta-feira esteve longe de mostrar uma nova cara do Peixe, ou de agradar com um desempenho vistoso. Mesmo assim, os três pontos, quer queira quer não, aliviam um pouco da pressão em cima da equipe e, principalmente sobre o técnico Jair Ventura, que no Maracanã voltou a falar sobre a situação de pressão que tem vivido no comando do Alvinegro Praiano.

“É a situação de todos os treinadores do Brasil. Eu me preparei bastante para isso. Tento fazer o mesmo e ser a mesma pessoa sempre. A minha permanência não depende de mim. Não vou pedir demissão. Sigo fazendo o meu melhor. Quando a bola entra, as coisas aliviam um pouco para a vida do treinador”, comentou o carioca, dono do retrospecto de 14 vitórias, 14 derrotas e sete empates.

“Um marco nosso foi a goleada contra o Vitória (goleada por 5 a 2). Fizemos um grande jogo, mas não conseguimos vencer o Corinthians. Aí perdemos em casa e hoje a gente retoma. Torcedor é paixão. Quando não vence, querem te matar, mas quando vence e joga bem, vem para o seu lado. Vida de treinador é essa loucura, sempre pressionado”, completou.

Nessa quarta, o herói do jogo para os santistas foi Bruno Henrique, atacante que não iniciava uma partida como titular ou ficava em campo por 90 minutos desde dezembro do ano passado por causa de duas lesões, uma no olho e outra na coxa esquerda.

“Um jogo bem equilibrado. Acho que o Santos teve as melhores chances. Aquela cabeçada do Bruno… Depois de tudo o que passamos contra o Corinthians, de jogar melhor e criar as melhores chances na casa do adversário, e a bola não entra, volta aquele filme. Falei para ele que a gente não poderia se abater. E acabou fazendo um lindo gol. É o primeiro jogo do ano dele (como titular). É um cara que eu falo desde que cheguei aqui, de quanto o Santos cresceria com ele. Ainda não está na melhor forma, mas foi importantíssimo”, comemorou.

Os elogios se estenderam ao grupo, já que mesmo sem tempo para treinar, Jair Ventura posicionou seu time em um novo sistema tático, no 4-2-2, diferente do que seus jogadores estão acostumados, muito em função dos desfalques de Rodrygo, Yuri Alberto, Sasha e Arthur gomes.

“Foi (mudança) tática. Perdemos quatro atacantes para esse jogo. Tive de fazer uma mudança tática. Tivemos de mudar por ordem de tudo que aconteceu. Mostra a força do grupo. Mesmo com tantas perdas, tivemos as melhores chances. Importante conseguir jogar no campo do adversário. Vitória estava batendo na trave algumas vezes e agora primeira vitória jogando fora”.

Agora, o Santos terá toda a intertemporada pela frente. Com a realização da Copa do Mundo, o elenco alvinegro ganhará dez dias de folga antes de voltar aos trabalhos, de olho no segundo semestre, que começará, na prática, dia 19 de julho, contra o Palmeiras, no Pacaembu, pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro. Para Jair, a pausa vem em boa hora.

“Positivo (parada), porque tivemos 12 jogos sem pausa. Praticamente não treina. Fiz mudança hoje sem treinar, essa é a verdade… Nossos melhores resultados foram com a semana cheia. Mas sabemos que não é só o Santos. Só vejo como benéfico (o tempo sem jogos). Muitos desfalques por conta dessa loucura do calendário e pela intensidade que se tornaram os jogos. A importância dessa paralisação é voltar com mais energia. Agora, vem os grandes jogos, os grandes momentos… Eliminatórias da Libertadores, e esperamos conseguir os objetivos”, concluiu.

Bruno Henrique se emociona com gol e comenta drama pessoal

Assim que soou o apito final no Maracanã, Bruno Henrique se entregou à emoção. E não é para menos. O herói do Santos nessa quarta-feira viveu uma noite especial na partida contra o Fluminense, a última antes da pausa para a Copa do Mundo, e ficou até meio perdido, sem saber ao certo o que fazer no gramado carioca com uma clara alegria que transbordava do seu interior.

“Todos sabem o que aconteceu, minha lesão, que me deixou afastado bastante tempo. Sempre fiquei falando: ‘Será que vou conseguir jogar?’ E os médicos que me trataram me incentivaram muito”, comentou, ao Sportv, para em seguida citar o momento de irritação pessoal pelo gol perdido minutos antes de balançar as redes.

“Hoje fui glorificado. O Gabriel falou ‘vai aparecer mais’ depois que perdi o gol. Na outra, tive calma e consegui mandar entre as pernas do goleiro. Dedico o gol à minha mulher, Gisele, e ao meu filho que vai nascer, Lorenzo”, concluiu.

Desde sua estreia na temporada, dia 17 de janeiro, Bruno Henrique não iniciava um jogo como titular do Peixe. Naquele fatídico dia, em Lins, com apenas oito minutos de bola rolando, o atleta de 27 anos sofreu cinco lesões na retina de seu olho esquerdo por causa de uma bolada.

Cirurgia, tratamento no exterior, receio de ser obrigado a deixar o futebol e, enfim, pouco mais de três meses depois, Bruno Henrique voltou a vestir a camisa alvinegra. Entrou no segundo tempo contra o Bahia, na Fonte Nova. Substituiu Rodrygo, ficou cerca de 20 minutos em campo e acabou sofrendo uma lesão no músculo posterior da coxa esquerda.

Lá se foram mais 36 dias afastado, no departamento médico. Aos poucos, Jair Ventura foi colocando Bruno Henrique no ritmo de seus companheiros. Até que nessa quarta, o treinador não só bancou a titularidade do camisa 27, como o deixou na partida até o fim, o que não acontecia desde 3 de dezembro do ano passado, pela última rodada do Campeonato Brasileiro.

A recompensa de Jair, a alegria de Bruno Henrique e o alívio para os torcedores santistas foram concretizados com o gol salvador marcado aos 40 minutos da etapa final. O tento livra o Peixe do risco de passar o período de Copa do Mundo da zona de rebaixamento e enche de esperança um dos principais jogadores do elenco alvinegro para o restante da temporada.

Diego Pituca e Alison vão desfalcar o Santos contra o Palmeiras

O Santos terá 35 dias para se preparar para a sequência da temporada por causa da pausa para a disputa da Copa do Mundo da Rússia. Mas, é bom o time ficar esperto, pois o primeiro desafio na retomada do Campeonato Brasileiro será logo contra o Palmeiras, no Pacaembu, dia 19 de julho.

Jair Ventura, se estiver no cargo até lá, já sabe que terá problemas para escalar sua equipe, pois nessa quarta-feira, durante a vitória em cima do Fluminense, Diego Pituca e Alison receberam cartões amarelos. Como estavam pendurados, ambos são desfalques certos no clássico.

Ex-jogador do Botafogo-SP, Pituca foi integrado ao time principal do Peixe depois de chamar atenção no Santos B. Desde a goleada em cima do Vitória, o volante vinha sendo titular absoluto.

Já Alison voltou ao time nessa quarta-feira ao se recuperar de um entorse no joelho direito, sofrido no clássico com o São Paulo, dia 20 de maio. Dessa forma, a dupla só fica à disposição para o confronto com a Chapecoense, fora de casa, dia 22 de julho.