Vasco 2 x 2 Santos

Data: 21/09/2016, quarta-feira, 21h45.
Competição: Copa do Brasil – Oitavas de final – Jogo de volta
Local: Estádio São Januário, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 17.393 pagantes
Renda: R$ 469.245,00
Árbitro: Jean Pierre Goncalves Lima (RS)
Auxiliares: Leirson Peng Martins e Mauricio Coelho Silva Penna (ambos do RS).
Cartões amarelos: Diguinho e Douglas (V); Rodrigão e Zeca (S).
Cartão vermelho: Andrezinho (V)
Gols: Copete (11-1), Nenê (24-1); Ederson (24-2) e Rodrigo (37-2, contra)

VASCO
Martin Silva; Yago Pikachu, Rodrigo, Luan e Julio Cesar (Allan); Diguinho (Madson), Douglas, Andrezinho e Nenê; Éderson e Júnior Dutra.
Técnico: Jorginho

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Zeca; Renato, Thiago Maia e Lucas Lima; Vitor Bueno (Elano), Copete e Rodrigão (Joel).
Técnico: Dorival Junior



Santos empata com Vasco e avança para as quartas da Copa do Brasil

Em uma partida muito movimentada, o Santos conquistou a classificação para as quartas de final da Copa do Brasil ao empatar por 2 a 2 com o Vasco, nesta quarta-feira, em São Januário. Como venceu o duelo de ida, os paulistas avançaram na competição de mata mata e vai conhecer seu adversário após sorteio na CBF.

O Santos sacramentou a classificação no início do jogo, com gol de Copete. O Vasco ainda empatou na etapa inicial com Nenê. No segundo tempo, os donos da casa viraram com Ederson, mas viram os paulistas empatarem em gol contra de Rodrigo, em jogada controversa.

As duas equipes voltam a campo no sábado. Pela Série A, o Santos vai até Recife para enfrentar o Sport. Já o Vasco terá o confronto direto pela liderança da Série B contra o Atlético-GO, novamente em São Januário.

O jogo

O Vasco tentou pressionar o Santos nos primeiros minutos em busca do gol. No entanto, os santistas logo impuseram seu toque de bola e em um contra-ataque rápido abriu o placar aos 11 minutos. Thiago Maia cruzou pela esquerda, Martín Silva saiu mal e viu Copete finalizar para a rede.

Os cruzmaltinos buscaram o empate depois do revés e por pouco não marcaram aos 13 minutos. Ederson foi lançado na área, mas finalizou na rede pelo lado de fora. O lance animou os donos da casa, que aumentaram a pressão e conseguiram o gol aos 24 minutos. Junior Dutra fez boa jogada pela direita e cruzou para Nenê chutar cruzado, sem chance para Vanderlei.

A partida seguiu movimentada após o empate do Vasco, mas o Santos quase ficou a frente no marcador aos 26 minutos. Vitor Bueno foi lançado na área, mas acabou travado por Rodrigo antes de finalizar. Depois disso, os vascaínos assustaram em dois chutes de fora da área. Primeiro, Douglas obrigou Vanderlei a fazer boa defesa. Depois, Junior Dutra quase acertou o canto do goleiro santista.

Com o passar do tempo, o Santos conseguiu segurar as boas jogadas do Vasco. Os cruzmaltinos continuavam tendo mais posse de bola, mas erravam muitos passes e quase buscavam as jogadas aéreas viam a zaga paulista tirar o perigo. Assim, o duelo foi para o intervalo com a igualdade no placar em São Januário.

No segundo tempo, o Vasco continuou tendo mais posse de bola, mas sem levar perigo ao Santos, principalmente pelo excesso de passes errados. Quase tinha a bola, os visitantes trocavam muitos passes para diminuir o ritmo da partida.

O Santos conseguiu equilibrar o jogo e desperdiçou grande chance aos 23 minutos. Os paulistas aproveitaram roubada de bola no meio e chegaram na área com facilidade. Copete recebeu passe na pequena área, mas Martín Silva se esticou para salvar os cruzmaltinos, que responderam em grande estilo no minuto seguinte. Nenê cruzou pela direita, Gustavo Henrique não cortou o perigo e viu Thalles dar de cabeça ara Ederson colocar na rede.

O gol fez a torcida inflamar em São Januário. Com isso, o Vasco voltou a pressionar e desperdiçou grande chance aos 30 minutos. Nenê lançou Yago Pikachu na área. O lateral tocou para Ederson na pequena área, mas o atacante finalizou para fora.

Quando o Vasco buscava o terceiro, tomou uma ducha de água fria aos 37 minutos. Em contra-ataque rápido, Joel cruzou rasteiro e o zagueiro Rodrigo, ao tentar cortar a bola, colocou na própria rede. Os vascaínos reclamaram muito de falta em Allan no início da jogada.

O revés desanimou torcida e jogadores do Vasco, que não teve mais força de buscar o resultado. Para piorar, nos minutos finais, Andrezinho foi expulso após entrada dura. Assim, o Santos passou a administrar o jogo até o apito final.

Bastidores – Santos TV:

Dorival vê mais acertos do que falhas em classificação contra o Vasco

O Santos conquistou a classificação para as quartas de final da Copa do Brasil ao empatar por 2 a 2 com o Vasco, nesta quarta-feira, em São Januário. Porém, engana-se quem pensa que foi um duelo fácil para o Peixe. Mesmo com a vantagem de ter vencido o jogo de ida por 3 a 1, o Alvinegro paulista abriu o placar no começo, mas levou a virada do Cruz-Maltino e sofreu para conseguir igualar o marcador e sair com a vaga.

Após perder uma chance clara aos 24 minutos da etapa final, o Santos viu o Vasco sair em contra-ataque e fazer 2 a 1, com Éderson. Logo em seguida, o próprio atacante vascaíno teve uma chance incrível na cara do goleiro Vanderlei e desperdiçou. Se a bola entrasse, o duelo iria para os pênaltis.

Apesar de sofrer dois gols e ser pressionado pelos cariocas, o técnico Dorival Júnior acredita que a atuação do Alvinegro Praiano foi boa em São Januário. “No somatório, fizemos muito mais coisas positivas do que negativas. Fomos infelizes em alguns momentos. Sofremos o segundo gol e não perdemos o equilíbrio em campo”, afirmou o comandante, em entrevista coletiva após o jogo desta quarta-feira.

Após se garantir nas quartas da Copa do Brasil, o Santos volta suas atenções ao Campeonato Brasileiro. No próximo sábado, o Peixe enfrentará o Sport, às 18h30 (de Brasília), na Ilha do Retiro, pela 27ª rodada da competição.

“A equipe busca uma recuperação dentro do Brasileiro. Vamos ver a sequência, o que vamos alcançar. Confio muito no grupo. Espero que melhoremos ainda mais para que possamos estar numa posição ainda melhor na competição”, concluiu Dorival.

Como o duelo contra o Sport também será longe de São Paulo, o Peixe não voltará a Santos. A delegação treinará em General Severiano nesta quinta-feira e depois embarcará para Pernambuco. Os santistas só retornarão para casa no domingo, após o jogo diante do Leão.

Lucas Lima reclama de “maldade” dos vascaínos e já pensa no Brasileirão

O Santos arrancou um empate em 2 a 2 contra o Vasco, em São Januário, na noite desta quarta-feira, e conquistou a classificação para as quartas de final da Copa do Brasil. Após abrir o placar, o Peixe levou a virada e buscou a igualdade em um lance polêmico. Aos 38 minutos do segundo tempo, Lucas Lima trombou em Andrezinho e armou a jogada que terminou com o gol contra do zagueiro Rodrigo. Os vascaínos pediram falta do meia santista, que não concorda com a reclamação.

“Não sei do que estão reclamando. Eles foram muito maldosos desde o começo do jogo e o juiz estava deixando seguir. Quem decide é a arbitragem. Não tem do que reclamar”, afirmou o camisa 10 do Alvinegro praiano, na saída do gramado.

Antes do lance polêmico no segundo gol, o Santos chegou a ter a classificação ameaçada, mesmo após abrir o placar no início do duelo. Aos 24 minutos da etapa final, o Peixe saiu na cara do gol com quatro jogadores contra o goleiro Martín Silva. Porém, o atacante Joel demorou para chutar e perdeu a chance claríssima. No contra-ataque, o alvinegro acabou levando a virada do Cruz-Maltino, após Éderson empurrar para o fundo das redes.

Logo após a virada, o Santos foi pressionado pelo Vasco e quase levou o terceiro gol. Porém, o alvinegro conseguiu empatar o duelo no fim e garantir a classificação. Para Lucas Lima, a pressão foi causada por falhas dos próprios santistas.

“Sofremos por culpa do nosso time, poderíamos ter matado a partida antes. Agora é descansar e pensar no Brasileiro”, completou.

Gustavo Henrique comemora classificação, mas admite “vacilos”

Logo aos 10 minutos de jogo, quando Copete empurrou a bola para o fundo das redes e abriu o placar contra o Vasco, em São Januário, a classificação do Santos para as quartas de final já era dada como certa. Afinal, os santistas haviam vencido o confronto de ida por 3 a 1, na Vila Belmiro, e os vascaínos precisavam marcar três vezes para levar a decisão para os pênaltis. Porém, mesmo com a larga vantagem, o Peixe sofreu no Rio de Janeiro.

Ainda no primeiro tempo, o Vasco buscou o empate. Já na segunda etapa, os torcedores do Santos certamente tiveram um déjà vu. Após perder uma chance clara com Joel, o Peixe viu o Vasco sair em contra-ataque fazer 2 a 1, com Éderson. O lance foi bem parecido com o segundo gol de Keno contra o alvinegro, no último domingo, no Pacaembu, na vitória santista por 3 a 2 sobre o Santa Cruz, pela 26ª rodada do Brasileirão.

Na saída de São Januário, o zagueiro Gustavo Henrique admitiu as falhas da equipe. “Vacilamos muito. Um time como o nosso, que joga junto há tempos, não pode deixar isso acontecer. Mas é bom para amadurecermos “, disse o defensor.

Mesmo após levar a virada do Cruz-Maltino, o Santos conseguiu arrancar o empate e saiu de campo classificado para as quartas de final da Copa do Brasil.

Copete vibra com gol importante e diz que Santos ‘ainda não ganhou nada’

Com a vantagem de ter vencido o confronto de ida por 3 a 1, na Vila Belmiro, o Santos praticamente garantiu a classificação às quartas de final da Copa do Brasil logo aos 10 minutos do primeiro tempo, quando Copete empurrou a bola para o fundo das redes e abriu o placar contra o Vasco, na noite desta quarta-feira, em São Januário. Para o colombiano, o tento foi importante para diminuir a pressão vascaína no início do duelo.

“Sabíamos que se marcássemos um logo cedo, nós teríamos uma grande diferença e eles teriam que vir pra cima, a torcida ia se desesperar, dando a possibilidade da gente jogar com calma e ter mais a bola”, afirmou o atacante santista.

Porém, mesmo com a vantagem e a vitória parcial, o Santos sofreu para sair do Rio de Janeiro classificado. O Cruzmaltino empatou o jogo ainda no primeiro tempo, com Nenê, e virou a partida na segunda etapa, após gol de Éderson. Logo em seguida, o próprio atacante vascaíno teve uma chance incrível na cara do goleiro Vanderlei e desperdiçou. Se a bola entrasse, o duelo iria para os pênaltis. Depois de suportar a pressão da equipe carioca, o Alvinegro Praiano arrancou a igualdade e garantiu a vaga.

“Acabou complicando um pouco no final, mas sabíamos que não seria fácil. Sabemos que é uma equipe que briga e que sempre está dando o melhor. Nós tivemos que controlar isso e também nossas emoções. Fizemos uma boa partida no geral e estamos felizes com a classificação. Agora é virar a página e seguir adiante”, disse Copete.

Agora, o Peixe muda o foco e volta suas atenções ao Brasileirão. No próximo sábado, os santistas enfrentam o Sport, às 18h30 (de Brasília), na Ilha do Retiro, pela 27ª rodada do torneio. Para Copete, o Santos tem condições de conquistar os dois campeonatos, mas precisa manter os pés no chão.

“Temos que ir passo a passo e tratar cada partida como uma final. Ainda não ganhamos nada, mas com essa sequência positiva nós demonstrando que podemos chegar nos primeiros lugares”, completou.

Santos 3 x 2 Santa Cruz

Data: 18/09/2016, domingo, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 26ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 28.763 pessoas (24.586 pagantes)
Renda: R$ 884.560,00
Árbitro: Francisco Carlos do Nascimento (AL).
Auxiliares: Pedro Jorge Santos de Araújo e Rondinelle dos Santos Tavares (ambos de AL).
Cartões amarelos: Luiz Felipe (S); Wellington Cezar (SC).
Gols: Copete (04-1); Keno (10-2), Jean Mota (26-2), Keno (39-2) e Vitor Bueno (41-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, Luiz Felipe e Zeca; Renato, Thiago Maia (Jean Mota), Lucas Lima (Yuri) e Vitor Bueno; Copete e Ricardo Oliveira (Rodrigão).
Técnico: Dorival Junior

SANTA CRUZ
Tiago Cardoso; Léo Moura, Néris, Danny Morais e Allan Vieira (Luan Peres); Derley, Jadson (Wellington Cezar) e João Paulo; Pisano, Keno e Grafite Bruno Moraes (Grafite).
Técnico: Doriva



Santos vence Santa Cruz no Pacaembu e encosta no Atlético-MG

O Santos alcançou a terceira vitória consecutiva no Campeonato Brasileiro neste domingo. Em uma noite chuvosa no Estádio do Pacaembu, o time alvinegro ganhou por 3 a 2 do Santa Cruz e consolidou sua posição entre os quatro primeiros colocados do torneio.

Atual quarto lugar, o Santos contabiliza 45 pontos, um a menos que o Atlético-MG e quatro a mais que o Corinthians. Às 18h30 (de Brasília) de sábado, o time visita o Sport. Já o Santa Cruz, penúltimo com 23 pontos, pega o Figueirense às 11 horas de domingo, em Santa Cruz.

Superior na etapa inicial, o Santos saiu na frente com um gol do colombiano Copete. No segundo tempo, atrasado por falta de energia elétrica no Pacaembu, Keno marcou dois gols para o Santa Cruz, mas a equipe alvinegra contou com Jean Mota e Vitor Bueno para ganhar.

O jogo

O Santos conseguiu inaugurar o placar no estádio municipal logo aos quatro minutos de jogo. Vitor Bueno desceu pela direita e cruzou para cabeçada de Ricardo Oliveira. A bola bateu no lateral direito Léo Moura e sobrou para conclusão certeira de Copete.

O time mandante quase aumentou sua vantagem aos 31 minutos do primeiro tempo. Vitor Bueno recebeu de Lucas Lima pela esquerda e rolou para Ricardo Oliveira. Livre de marcação, em uma situação que não costuma desperdiçar, o centroavante parou na saída do goleiro Tiago Cardoso.

O Santos dominou a metade inicial sem maiores dificuldades e não correu riscos no campo de defesa. Por outro lado, foi incapaz de ampliar sua vantagem. Durante o intervalou, houve falta de energia no Estádio do Pacaembu, o que atrasou o começo do segundo tempo.

Com a iluminação devidamente reestabelecida, a etapa complementar finalmente foi iniciada e, logo aos 10 minutos, o Santa Cruz chegou ao empate. Léo Moura recebeu dentro da área pela direita e cruzou. Victor Ferraz cortou e a bola sobrou para Keno, que limpou a marcação e finalizou com sucesso.

Com o jogo empatado, uma das torres de iluminação do Pacaembu apagou e o jogo foi paralisado por 15 minutos. Aos 26, o Santos retomou a vantagem. Em um lance pelo lado esquerdo, Ricardo Oliveira recebeu cruzamento de Copete e ajeitou para chute forte de Jean Mota, substituto de Thiago Maia.

No contra-ataque, o Santa Cruz empatou aos 39 minutos do segundo tempo. Keno recebeu de Grafite na cara do goleiro Vanderlei e tocou para o fundo das redes. Dois minutos depois, Vitor Bueno dominou pela direita, carregou para o meio e chutou da entrada da área para marcar um golaço.

Bastidores – Santos TV:

Autor de gol salvador, Vitor Bueno comemora triunfo sobre o Santa

O Santos sofreu para vencer o Santa Cruz por 3 a 2 na noite deste domingo, no Estádio do Pacaembu. Autor do gol decisivo, o meia Vitor Bueno festejou o triunfo da equipe praiana no Campeonato Brasileiro após ceder o empate duas vezes ao adversário de Pernambuco.

Superior no primeiro tempo, o Santos saiu na frente com um gol do colombiano Copete. Na etapa complementar, Keno empatou, Jean Mota descontou e o mesmo Keno decretou nova igualdade. Aos 41 minutos, em um belo chute, Vitor Bueno definiu o resultado final.

“Foi um jogo competitivo. O time deles está de parabéns pela entrega. Correram atrás do placar e conseguiram empatar duas vezes. O mais o importante foi a vitória. Superamos todos os obstáculos que encontramos na partida e saímos vencedores”, disse Vitor Bueno.

Autor de 10 gols, o santista é superado na lista de artilheiros do Brasileiro apenas por Robinho e Gabriel Jesus, que marcaram 11. “O Jean Mota lançou para mim. Eu dominei, cortei para o meio e chutei de esquerda”, simplificou Vitor Bueno ao descrever o lance decisivo diante do Santa Cruz.

Quarto colocado com 45 pontos ganhos, o Santos fica apenas um atrás do Atlético-MG e abre quatro em relação ao Corinthians. A 12 rodadas do final do Campeonato Brasileiro, o time praiano vê o líder Palmeiras com 51 pontos e ainda pensa grande no torneio.

“Para chegar, precisávamos da vitória. Foi na raça, do jeito que a torcida gosta e está todo o mundo de parabéns pela entrega. O jogo foi bom, com os dois times correndo atrás do resultado a todo momento. Vai ser assim até o final do campeonato e vamos em busca dos líderes”, declarou Vitor Bueno.

Dorival aprova recuperação “sem alarde” do Santos e elogia Keno

O Santos consolidou sua posição no G4 do Campeonato Brasileiro na noite deste domingo ao ganhar por 3 a 2 do Santa Cruz. Satisfeito com a recuperação do time, Dorival Júnior elogiou o rival no Estádio do Pacaembu e confirmou uma recente investida pelo atacante Keno, da equipe pernambucana.

Após tropeços contra Coritiba, Figueirense e Internacional, o Santos conseguiu triunfos diante de Corinthians, Botafogo e Santa Cruz. Quarto colocado com 45 pontos ganhos, o time praiano tem apenas um a menos que o Atlético-MG e abre quatro em relação ao Corinthians.

“Temos consciência do que podemos fazer no Brasileiro. Sofremos uma oscilação e estamos nos recuperando. O time já mostrou a capacidade de se reabilitar dentro do mesmo campeonato. Prefiro que nossa caminhada continue assim, sem alarde. A equipe pode se tornar perigosa em um momento importante do torneio”, disse Dorival Júnior.

O Palmeiras, líder do Campeonato Brasileiro, tem 51 pontos, um a mais que o Flamengo. A 12 rodadas do final do torneio, o Santos ainda sonha grande e volta a campo para enfrentar o Sport às 18h30 (de Brasília) do próximo sábado, na Ilha do Retiro.

“Há três rodadas, estávamos 10 pontos atrás do líder. É para mostrar que o Brasileiro proporciona surpresas e você não pode nunca se dar por satisfeito, porque muita coisa pode acontecer. Em 12 rodadas, os times que errarem menos vão brigar pelas melhores posições e espero que o Santos entre na disputa. Ainda não tem nada definido”, disse Dorival.

O Santa Cruz, superado na noite deste domingo, ganhou elogios do treinador santista pela performance no Pacaembu. Dorival Júnior ainda foi generoso ao comentar o desempenho de Keno, responsável pelos dois gols da equipe pernambucana.

“Quase finalizamos a contração do Keno antes do limite de jogos do Brasileiro. Chegamos perto, porém não houve acerto final. Foi uma pena, porque é um garoto de muita qualidade. Tem um potencial excelente e é agradável de ver atuar”, afirmou Dorival. “O Santa fez uma bela partida e jogou de igual para igual”, completou.

Copete mira dois títulos e não quer ser poupado contra o Vasco

Em 2015, o Santos chegou na reta final da temporada com duas oportunidades de conseguir a classificação para a Libertadores. Afinal, a equipe estava no G4 do Brasileirão e na final da Copa do Brasil. Porém, no final do ano, os comandados de Dorival Júnior acabaram perdendo a decisão do torneio mata-mata para o rival Palmeiras e ainda ficaram fora da zona de classificação para a competição internacional.

Novamente disputando os dois campeonatos, o Peixe não quer repetir os antigos erros. O colombiano Jonathan Copete não estava no elenco que fracassou em 2015 e quer o Santos focado na Copa do Brasil e no Brasileirão.

“Sabemos que somos uma equipe grande e temos que disputar todos os títulos. Temos que seguir disputando os dois torneios até o final”, afirmou o atacante, em entrevista coletiva nesta segunda-feira, no CT Rei Pelé.

Após a vitória do Alvinegro Praiano por 3 a 2 sobre o Santa Cruz, neste domingo, pela 26ª rodada do Brasileirão, o centroavante Ricardo Oliveira saiu com dores do gramado e fará exames nesta segunda-feira, para saber se tem condições de entrar em campo contra o Vasco, nesta quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), pelo jogo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil, em São Januário.

O técnico Dorival Júnior já afirmou que deseja escalar força máxima diante do Cruz-Maltino. Apesar do possível desgaste físico com a sequência de jogos, Copete não pensa em ser poupado e quer jogar na quarta. “Sempre quero estar em campo. Somos jogadores profissionais, estamos acostumados a partidas seguidas, dependemos muito da nossa recuperação”, completou.

O Santos voltou aos treinos nesta segunda-feira. Apenas os reservas participaram de uma atividade em campo, enquanto os titulares fizeram um regenerativo. O elenco treina novamente na manhã desta terça e depois viaja para o Rio de Janeiro.

Botafogo 0 x 1 Santos

Data: 14/09/2016, quarta-feira, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 25ª rodada
Local: Arena Botafogo, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 11.422 pagantes
Renda: R$ 185.240,00
Árbitro: Paulo Henrique Schleich Vollkopf (MS).
Auxiliares: Cicero Alessandro de Souza (MG) e Marcos dos Santos Brito (MS).
Cartões amarelos: Bruno Silva e Rodrigo Pimpão (B); Jean Mota (S).
Gol: Zeca (03-1).

BOTAFOGO
Sidão; Emerson (Rodrigo Pimpão), Renan Fonseca e Emerson Silva; Victor Luis, Bruno Silva, Dudu Cearense (Leandrinho), Camilo e Diogo Barbosa; Neilton e Canales (Vinícius Tanque).
Técnico: Jair Ventura

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz (Caju), Gustavo Henrique, David Braz e Zeca; Renato, Thiago Maia, Lucas Lima (Lucas Veríssimo), Vitor Bueno (Yuri) e Jean Mota; Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Junior



Com gol no início, Santos bate o Botafogo e entra no G4

O Santos entrou no G4 do Campeonato Brasileiro ao vencer por 1 a 0 o Botafogo nesta quarta-feira, no Estádio Luso Brasileiro. Com o resultado, os paulistas chegaram a 42 pontos, à frente do Atlético-MG. Já os cariocas permanecem com 35 e desperdiçaram a chance de encostar na zona de classificação para a Copa Libertadores da América.

O Santos chegou à vitória em sua primeira chance na partida. Zeca roubou a bola de Neilton na intermediária ofensiva e chutou forte, sem chance para Sidão. A partir dai, o Botafogo foi superior e desperdiçou diversas chances de empatar. Os santistas só conseguiram equilibrar as ações no início do segundo tempo, mas se defendeu bem no restante dos 90 minutos para sair de campo com a vitória fora de casa.

O jogo

Empurrado pela torcida, o Botafogo começou a partida tentando pressionar o Santos. No entanto, na primeira oportunidade, os paulistas abriram o placar aos três minutos. Zeca roubou a bola de Neilton já no campo de ataque e acertou chute forte, no canto esquerdo, sem chance para Sidão.

Os donos da casa sentiram o revés e viram o Santos dominar o jogo por um período. No entanto, o Botafogo se restabeleceu e criou boa chance aos 12 minutos. Diogo Barbosa arriscou de fora de área e obrigou Vanderlei a fazer boa defesa. Depois, foi a vez de Bruno Silva tentar de longe e parar em mais uma boa defesa do goleiro santista.

Após os lances, os cariocas aumentaram a pressão e passaram a criar mais chances de empatar a partida. Primeiro, Dudu Cearense aproveitou bola na área, mas finalizou sobre o gol. Depois, Gustavo Henrique tentou cortar um lateral para a área e acertou o travessão. Por último, Canales aproveitou cruzamento pela direita e cabeceou, mas a bola bateu na cabeça de Ricardo Oliveira e foi pela linha de fundo.

Na parte final, o panorama do jogo não mudou. O Botafogo seguiu na pressão em busca do empate, com o Santos apenas se defendendo. Os cariocas tiveram boa chance aos 39 minutos, quando Emerson cruzou rasteiro para Neilton finalizar, mas para fora. Assim, os donos da casa tiveram que se contentar em sair de campo com a desvantagem no placar.

No segundo tempo, o Santos voltou mais organizado e impediu a pressão inicial do Botafogo. Com o confronto equilibrado, as duas equipes tinham dificuldade em criar boa jogadas. Tanto que a primeira boa chance aconteceu somente aos 17 minutos. Em contra-ataque, Lucas Lima lançou Ricardo Oliveira, mas o atacante chutou sobre o travessão. Os cariocas responderam em seguida, em chute de Neilton que passou próximo ao gol santista.

Com o passar do tempo, o Botafogo voltou a dominar o confronto e quase empatou aos 29 minutos. Rodrigo Pimpão cruzou pela direita para o meio da área onde estaca Camilo. O meia chutou de primeira, mas Vanderlei estava atento e fez grande defesa.

Nos minutos finais, os donos da casa foram para cima na última esperança de chegar a igualdade no placar. No entanto, os cariocas sofreram com o nervosismo e pouco produziram. Somente nos acréscimos, o Botafogo teve duas chances, sendo a última em uma bicicleta do goleiro Sidão no último lance do jogo. Assim, o Santos conseguiu segurar o resultado até o fim.

Bastidores – Santos TV:

Após aguentar pressão, Dorival comemora: “Aprendemos a sofrer”

O Santos conquistou três pontos importantes no Campeonato Brasileiro. Na noite desta quarta-feira, o Peixe foi até o estádio Luso-Brasileiro, no Rio de Janeiro, e bateu o Botafogo por 1 a 0, pela 25ª rodada da competição. Quem não acompanhou o duelo pode até pensar que a vitória foi fácil. Porém, para o técnico Dorival Júnior, esse foi o triunfo mais complicado do alvinegro no torneio

“Em momento algum do campeonato a gente sofreu tanto. A equipe só amadurece quando suporta esse tipo de situação. Não foi um jogo técnico, mas nós aprendemos a sofrer”, afirmou o comandante em entrevista coletiva após o jogo desta quarta.

Após abrir o placar logo aos 3 minutos do primeiro tempo, o Santos recuou e foi pressionado pelo Botafogo. Com o fantasma dos gols sofridos nos minutos finais, Dorival optou por segurar o placar mínimo na reta final da partida, colocando o volante Yuri e o zagueiro Lucas Veríssimo nas vagas dos meias Vitor Bueno e Lucas Lima, respectivamente.

Apesar da pressão sofrida pelo Fogão, as mudanças surtiram efeito e o Peixe conseguiu sair com os três pontos. E segundo Dorival, a vitória vale mais que a atuação da equipe. “Foi um resultado importantíssimo para a nossa sequência. Com muita luta e sofrimento. Acredito que reencontramos o caminho. Se a gente manter a postura de hoje, podemos chegar mais perto dos times que estão na frente”, completou.

Paredão, Vanderlei vibra com vitória, mas critica gramado

Se o Santos saiu do Rio de Janeiro com a vitória por 1 a 0 sobre o Botafogo, na noite desta quarta-feira, pela 25ª rodada do Campeonato Brasileiro, muito se deve ao goleiro Vanderlei. Como um paredão, o arqueiro santista fechou a meta e, com várias defesas difíceis, garantiu os três pontos para o Peixe.

Apesar do triunfo, o camisa 1 criticou a situação do campo no Estádio Luso-Brasileiro. “Foi um jogo difícil. Infelizmente, o gramado estava ruim, mas, felizmente, a gente venceu”, afirmou o goleiro.

A vitória do Santos foi construída logo na primeira bola. Aos 3 minutos, Zeca desarmou Neilton já no campo de ataque e acertou chute forte, no canto esquerdo, sem chance para Sidão. Após abrir o placar, o Peixe viu o Botafogo partir pra cima e alçar muitas bolas na área. Porém, a equipe carioca parou na zaga e nas defesas de Vanderlei.

O goleiro acredita que a pressão dos cariocas foi algo normal e vibrou com o triunfo no Rio de Janeiro. “Tem que se fechar bem para não tomar o gol. A gente soube sofrer, sabíamos que tomaríamos muitas bolas na área. Para chegar, tem que vencer fora de casa. A gente fica feliz pelo bom trabalho”, completou.

Mesmo após sufoco, Ricardo Oliveira vê boa apresentação do Santos

“Meio a zero é goleada”. Esse famoso jargão do futebol pode definir o que foi a vitória do Santos sobre o Botafogo, nesta quarta-feira, no estádio Luso-Brasileiro, pela 25ª rodada do Campeonato Brasileiro. Após abrir o placar no início da partida em um belo chute de Zeca, o Peixe sofreu com a pressão dos botafoguenses, mas conseguiu sair do Rio de Janeiro com os três pontos.

Apesar das ótimas defesas do goleiro Vanderlei e do sofrimento até o último minuto, quando quase levou um gol de bicicleta do arqueiro Sidão, o centroavante Ricardo Oliveira acredita que o Alvinegro Praiano realizou uma boa partida contra o Fogão.

“Acho que nós fizemos uma boa apresentação. Fomos envolventes. É normal sofrer pressão. Equipes boas chegaram aqui e perderam os jogos. Tivemos a capacidade de sofrer dentro do jogo. Procuramos aproveitar os espaços, temos que valorizar bastante isso”, afirmou o experiente camisa 9 santista na saída do gramado.

Sequência favorável anima Dorival Júnior: “Podemos arrancar”

As três derrotas seguidas para Coritiba, Figueirense e Internacional, fizeram a disputa pelo título ficar distante para o Santos. Porém, como em torneio de pontos corridos tudo muda em pouco tempo, o alvinegro já começa a pensar novamente na liderança do Campeonato Brasileiro. Com a vitória por 1 a 0 sobre o Botafogo, nesta quarta-feira, no estádio Luso-Brasileiro, o Peixe engatou o segundo triunfo seguido e já voltou ao G4, com 42 pontos.

Além disso, os comandados de Dorival Júnior se apoiam na sequência favorável da tabela para dar uma arrancada de vez na competição. Dos próximos seis jogos, quatro são com mando santista e um é o clássico contra o São Paulo, no Pacaembu, considerada a ‘segunda casa’ do Peixe.

“Voltamos a acreditar que podemos estar dando uma arrancada no campeonato. Continuo achando que o Brasileiro está em aberto. Vai ser um perde e ganha até o final. Acho que reencontramos o caminho”, afirmou o técnico do Santos, em entrevista coletiva após a vitória sobre o Botafogo.

No domingo, às 18h30 (de Brasília), o Peixe pega o Santa Cruz, no Pacaembu. Depois, a equipe visita o Sport, no dia 24, na Ilha do Retiro. Em seguida, os santistas têm duas partidas na Vila Belmiro, diante de Atlético-PR e Fluminense. Logo depois, tem o clássico com o São Paulo, também no Pacaembu, mas com torcida são-paulina. Fechando a sequência, os comandados de Dorival Júnior encaram o Grêmio, dentro de casa.

Para buscar a liderança e o título do Campeonato Brasileiro, o técnico do Santos tira como exemplo a campanha do Flamengo em 2009. Naquele ano, a equipe carioca terminou o primeiro turno apenas na 10ª colocação. Porém, após uma arrancada nas 18 últimas rodadas, nas quais foi derrotado apenas duas vezes, o Rubro-Negro levou o caneco.

“Ainda não tem nada definido. Eu me lembro do Flamengo em 2009, onde eles deram uma arrancada. Acredito que até o oitavo colocado ainda tem chance. Campeonato não está decidido. Se as duas equipes da frente (Palmeiras e Flamengo) não tiverem uma boa sequência, acho que as coisas vão acontecer como no final do primeiro turno”, completou.

Santos 2 x 1 Corinthians

Data: 11/09/2016, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 24ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 8.610 pessoas
Renda: R$ 434.160,00
Árbitro: Raphael Claus (SP).
Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse e Danilo Ricardo Simon Manis (ambos de SP).
Cartões amarelos: Copete e Vecchio (S); Fagner (C).
Gols: Marlone (36-1); Vitor Bueno (25-2) e Renato (40-2).

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes (Caju), Gustavo Henrique, Luiz Felipe e Zeca; Renato, Thiago Maia (Vecchio), Jean Mota e Vitor Bueno (Walterson); Copete e Rodrigão.
Técnico: Dorival Junior

CORINTHIANS
Cássio; Fagner, Vilson, Balbuena e Uendel; Camacho, Giovanni Augusto (Willians), Marlone, Rodriguinho e Lucca (Romero); Gustavo (Marquinhos Gabriel).
Técnico: Cristóvão Borges



Santos vira para cima do Corinthians na Vila Belmiro e fica perto do G4

Apesar dos desfalques do lateral direito Victor Ferraz, do meia Lucas Lima e do centroavante Ricardo Oliveira, além de uma atuação ruim no princípio do clássico deste domingo, o Santos conseguiu reagir no Campeonato Brasileiro com uma vitória por 2 a 1 sobre o Corinthians, na Vila Belmiro. O time da casa havia sofrido um belo gol de Marlone no primeiro tempo, mas chegou à virada com Vitor Bueno, de pênalti, e Renato, de cabeça, no segundo.

O resultado deixou o Santos com 39 pontos ganhos, na quinta colocação, apenas um atrás do próprio Corinthians, o pior dos times que estão na zona de classificação para a Copa Libertadores da América. Antes do tropeço diante do rival, os comandados de Cristóvão Borges se mostravam entusiasmados, já falando em uma “possibilidade muito real” de conquistar o título.

O jogo

Com a mesma formação ousada utilizada no bom segundo tempo da vitória sobre o Sport, deixando Camacho como único volante de origem no meio-campo, o Corinthians pretendia se sentir em casa para atacar na Vila Belmiro.

Do outro lado, no entanto, o desfalcado Santos se apegou à torcida única presente no estádio para tentar se beneficiar da postura ofensiva corintiana e acuar o rival no princípio do clássico. Rodrigão chegou a cabecear a bola na trave logo aos seis minutos, porém o árbitro Raphael Claus viu impedimento na jogada.

O tempo passou, e o Corinthians controlou o ímpeto santista, sendo ainda mais incisivo quando atacava. Como aos 18 minutos, quando Fagner foi à linha de fundo do lado direito da área e cruzou para trás. Renato cortou mal, e o próprio lateral visitante emendou cruzado – para fora, mas com perigo.

O lado direito do ataque, onde Marlone jogava bem, parecia mesmo o melhor caminho para o Corinthians incomodar a defesa do Santos. Aos 34, Fagner voltou a aparecer, só que um pouco mais atrás, enfiando a bola para Rodriguinho avançar pelo meio. O armador concluiu na saída de Vanderlei, por cima do travessão. Era um prenúncio do que estava por vir.

Dois minutos mais tarde, o Corinthians abriu o placar. Marlone – pela direita – clareou e acionou Rodriguinho, que fez uma bela assistência de letra para o companheiro chutar para a rede já dentro da área. Um golaço.

A mudança no marcador desanimou a torcida santista. Enquanto um e outro ainda tinham forças para gritar que apoiavam “o time da virada”, o Corinthians ficou próximo de ampliar no final do primeiro tempo. Na melhor dessas chances, Rodriguinho completou de primeira um cruzamento da esquerda de Uendel, na pequena área, e Vanderlei teve reflexo para defender.

Sem alterações no intervalo, o Santos também não mudou muito de postura no começo da etapa complementar, permitindo que o Corinthians voltasse a ocupar o campo de ataque. O time da casa até se mostrava empenhado, mas sem criatividade, sentindo a ausência de Lucas Lima.

O técnico Dorival Júnior, então, resolveu recorrer à entrada de Vecchio no lugar de Thiago Maia – a princípio, quem sairia seria Jean Mota. No Corinthians, Cristóvão Borges trocou Gustavo pelo ex-santista Marquinhos Gabriel e colaborou com a estratégia adversária.

O Santos levou a melhor depois das substituições. Aos 24 minutos, Vilson trombou com Luiz Felipe dentro da área, e o árbitro enxergou pênalti no lance. Vitor Bueno se apresentou para a cobrança, deslocou Cássio e conferiu para empatar o clássico.

Satisfeito, Dorival mandou Caju a campo na vaga de Daniel Guedes, jogando Zeca para o lado direito. Já Cristóvão foi mais comedido quando Giovanni Augusto reclamou de dores musculares e optou pelo contestado Willians.

Empurrado por sua torcida, o Santos assumiu totalmente o controle do clássico a partir de então, tirando proveito do posicionamento defensivo do Corinthians, que já errava muitos passes. O gol da virada parecia questão de tempo. E era.

Aos 40 minutos, Jean Mota cobrou escanteio, e Renato se antecipou a Fagner para cabecear para dentro. De imediato, Cristóvão Borges sacou o inofensivo Lucca para gastar a sua última ficha com Romero, que pouco tempo teve para mudar os rumos do clássico na Vila Belmiro.

Bastidores – Santos TV:

Gustavo Henrique admite início ruim contra o Timão, mas destaca força do elenco

Vindo de três derrotas, o Santos começou perdendo para o Corinthians, com gol de Marlone, neste domingo, na Vila Belmiro, pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro. Após fazer uma apresentação ruim no primeiro tempo, o Peixe dava impressão de que seguiria com o jejum de vitórias. Porém, os comandados de Dorival Júnior cresceram na segunda etapa e buscaram a virada por 2 a 1. O zagueiro Gustavo Henrique reconheceu a má apresentação no início do clássico, mas vibrou com o resultado final.

“Primeiro tempo nós sofremos um pouco por causa do entrosamento, eles estavam marcando bem. No segundo nós mudamos nossa postura e conseguimos a vitória”, afirmou o defensor.

Para o clássico diante do Timão, o Santos entrou em campo sem Lucas Lima, Victor Ferraz e Ricardo Oliveira, suspensos. O volante Thiago Maia, que cumpriu suspensão contra o Internacional, na última quinta-feira, entrou em campo neste domingo. Porém, o volante não fez uma boa apresentação e foi substituído por Emiliano Vecchio.

Após a entrada do argentino, o Peixe empatou com Vitor Bueno, de pênalti, e buscou a virada aos 40 minutos do segundo tempo, com Renato. Segundo o zagueiro, as boas entradas de Vecchio e Jean Mota, que deu a assistência para o segundo gol, mostram a força do elenco santista.

“Sabíamos que estávamos mal, mas também temos consciência da força do grupo. Nos fortalecemos no intervalo. Falamos que o jogo não tinha acabado ainda e conseguimos vencer”, completou.

Com a vitória, o Santos se recuperou no Brasileirão, chegou aos 39 pontos e encostou no próprio Corinthians, que está em quarto, com 40.

Após vitória no clássico, Dorival elogia arbitragem: “Foi digna”

Apesar da virada por 2 a 1 sobre o Corinthians, neste domingo, na Vila Belmiro, pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Santos ainda não esqueceu a polêmica arbitragem na derrota para o Internacional, na última quinta-feira, em Porto Alegre. Na entrevista coletiva após o triunfo no clássico, o técnico Dorival Júnior elogiou o trio que apitou o jogo desta tarde, voltando a criticar o juiz Rodrigo Raposo, que expulsou Lucas Lima no Beira-Rio, após interpretar que o meia estava retardando o reinício da partida.

“A arbitragem hoje foi digna. Independentemente do que aconteceu, o trio de arbitragem foi bem de um modo geral. O que nós vimos na quinta pode ser considerada qualquer situação, menos uma arbitragem. E nós já tínhamos percebido isso desde o começo, não foi só com a expulsão”, disparou o comandante santista.

Com três derrotas seguidas antes do clássico, para Coritiba, Figueirense e Internacional, respectivamente, o Santos tinha se afastado do G4. Com a vitória sobre o Corinthians, o Peixe encostou novamente na zona de classificação para a Libertadores. Chegando aos 39 pontos, os santistas mantiveram a quinta colocação, mas colou no próprio Timão, que não saiu dos 40 e está em quarto.

O técnico Dorival Júnior destacou a importância do triunfo deste domingo e voltou a alfinetar o árbitro Rodrigo Raposo. “A derrota de quinta eu desconsidero, mas nós precisávamos dessa recuperação. Além de ser um clássico histórico, ganhamos de um rival direto na parte de cima da tabela”, completou.

Renato valoriza paciência do Santos para buscar virada no clássico

Aos 36 minutos do primeiro tempo, o meia Marlone tabelou com Rodriguinho e abriu o placar para o Corinthians contra o Santos, na Vila Belmiro. Com a derrota parcial, o Peixe ficava sete pontos atrás do Timão e se distanciava mais da briga pelo G4 do Campeonato Brasileiro. Além disso, a equipe já vinha com o peso de três derrotas seguidas no torneio, para Coritiba, Figueirense e Internacional. Por conta desses problemas, os santistas mostraram nervosismo no começo do clássico, tanto que até o experiente Renato estava cometendo erros pouco comuns.

Porém, após o intervalo, os comandados de Dorival Júnior colocaram a cabeça no lugar e pressionaram o Corinthians até conquistar a virada. E ela veio justamente com Renato. Aos 40 minutos do segundo tempo, o volante subiu mais do que todo o mundo e desviou a cobrança de escanteio de Jean Mota, decretando a vitória santista.

Após a partida, o camisa 8 destacou a paciência dos jogadores para buscar o resultado, mesmo com todas as adversidades. “Sofremos o gol e mantivemos a tranquilidade. Tivemos paciência e não fomos de uma vez porque poderíamos tomar o segundo. Essa foi a tônica do jogo. Fomos eficientes e fizemos o que sabemos” comentou o herói do clássico.

Para o duelo diante do Timão, o Santos entrou em campo sem Lucas Lima, Victor Ferraz e Ricardo Oliveira, suspensos. Para Renato, a vitória deste domingo mostrou que o Alvinegro praiano tem elenco para disputar o Brasileirão na parte de cima da tabela.

“Isso aqui é um grupo, e todos vão ter oportunidades. Todos treinam e aproveitam as chances. O Jean Mota jogou e deu o passe da virada. É uma vitória do grupo, que perdeu três jogadores fundamentais”, completou.

Herói no clássico, Renato recebe elogios de Dorival: “Impressionante”

Aos 37 anos de idade, o volante Renato dá demonstrações claras de que realmente é igual vinho. Mesmo com a experiência, o atleta segue em alto nível e sendo fundamental para o Santos nesta temporada. Neste domingo não foi diferente. Aos 40 minutos do segundo tempo, o camisa 8 subiu mais do que a zaga do Corinthians e desviou o escanteio para o fundo das redes, virando o jogo e decretando a vitória santista por 2 a 1, na Vila Belmiro, pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Ditando o ritmo do meio campo do Peixe, Renato também vem mostrando faro de gol. Além do tento diante do Timão, o volante já marcou na vitória sobre o Vasco, pelas oitavas da Copa do Brasil, e também foi decisivo na virada sobre o Coritiba, na segunda rodada do Brasileirão, no dia 25 de maio. Detalhe é que os três gols foram de cabeça.

Após a vitória no clássico deste domingo, o técnico Dorival Júnior rasgou elogios ao camisa 8. “Não é de hoje que o Renato faz uma campanha impressionante. Qualidade que dá, sequência e frequência com que trabalha. E acima de tudo um equilíbrio. Com Renato em campo, Santos tem padrão de jogo bem definido. Com postura e liderança que tem perante todo o grupo. E ele melhora a cada dia. É impressionante a longevidade dele como atleta. A maneira como se cuida e como se prepara. É um dos grandes profissionais com que trabalhei.”

Vitor Bueno ressalta personalidade para iniciar reação santista

Horas depois de ser decisivo para a vitória por 2 a 1 do Santos sobre o Corinthians, de virada, na Vila Belmiro, o meia Vitor Bueno já estava na TV Gazeta para participar do programa Mesa Redonda da noite de domingo. O jogador de 22 anos falou com orgulho do gol de pênalti que marcou no clássico paulista.

“Todo o mundo sabe que o nosso batedor oficial é o Ricardo Oliveira. Treino bastante também. Ele não estava, e eu já havia feito um gol de pênalti contra o Figueirense. Então, consigo me ver cobrando as bolas paradas do Santos. Tive personalidade para bater e fazer o gol”, comentou Vitor Bueno.

O meia garantiu que se preparou para a oportunidade da marca da cal na Vila, estudando as ações do goleiro Cássio, do Corinthians. “Sei que ele cai para aquele lado na maioria das vezes. Por sinal, é para onde mais bato”, sorriu. “Mas, na hora, já vou determinado a chutar para um canto. Não olho para o goleiro. Só vejo um pouco do reflexo dele e bato.”

Seja como for, Vitor Bueno converteu o pênalti e abriu caminho para o triunfo do Santos, que havia deixado a desejar no primeiro tempo, sofrendo um gol do também meia Marlone. Após o empate, o volante Renato sacramentou a virada com uma cabeçada já aos 40 minutos do segundo tempo.

“Tivemos desfalques importantes, mas quem entrou deu conta do recado. Realmente, não estávamos bem no primeiro tempo. O Corinthians criou bem mais chances e estava mais perto do segundo gol do que a gente do primeiro”, reconheceu, enaltecendo o trabalho do técnico Dorival Júnior. “O professor conversou com a gente no intervalo e mudou as nossas cabeças. Precisávamos ir para cima e entramos de outro jeito. Felizmente, saímos com a vitória”, celebrou.

Passado o clássico, Vitor Bueno agora já se concentra na sequência do Campeonato Brasileiro e em conquistar ainda mais espaço no Santos. O atleta vindo do Botafogo-SP para o clube do litoral paulista lembrou que poderá dar um grande retorno ao baixo investimento feito pela diretoria em sua contratação. “Não chegou a R$ 1 milhão”, apontou o meia.

Sem Copete, Santos terá retorno de três titulares contra o Botafogo

Apesar da virada por 2 a 1 sobre o Corinthians, neste domingo, na Vila Belmiro, pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro, o técnico Dorival Júnior tem pelo menos uma coisa para lamentar. Após tomar o terceiro cartão amarelo no triunfo sobre o Timão, o atacante Jonathan Copete é desfalque certo do Santos para o próximo compromisso no torneio, diante do Botafogo, nesta quarta-feira, no Rio de Janeiro.

Líder de assistências do alvinegro no Brasileirão, com quatro passes, o colombiano ainda não tem um substituto definido. Na tarde desta segunda-feira, Dorival começa a preparação para a partida contra o Fogão e deve dar pistas sobre a nova formação. O argentino Emiliano Vecchio, que chegou a treinar na vaga de Copete na semana passada, é o mais cotado para ficar com a vaga de titular.

Apesar da ausência do colombiano, o técnico santista tem três motivos para sorrir. Afinal, Victor Ferraz, Lucas Lima e Ricardo Oliveira retornam ao time, após cumprirem suspensão contra o Corinthians. Com isso, Daniel Guedes, Jean Mota e Rodrigão, que foram titulares no clássico, retornam ao banco de reservas.

Internacional 2 x 1 Santos

Data: 08/09/2016, quinta-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 23ª rodada
Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, RS.
Público: 29.996 pagantes.
Renda: R$ 763.100,00
Árbitro: Rodrigo Batista Raposo (DF)
Auxiliares: Daniel Henrique da Silva Andrade e José Reinaldo Nascimento Junior (ambos do DF).
Cartões amarelos: Anselmo, Eduardo Henrique e Fabinho (I); Gustavo Henrique, Ricardo Oliveira e Victor Ferraz (S).
Cartão vermelho: Lucas Lima (S).
Gols: Ricardo Oliveira (27-1) e Seijas (41-1); Aylon (16-2).

INTERNACIONAL
Danilo Fernandes; William, Paulão (Eduardo), Ernando e Geferson; Anselmo (Eduardo Henrique), Fabinho, Seijas e Valdívia (Alex); Nico López e Aylon.
Técnico: Celso Roth

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz (Rodrigão), Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Zeca; Renato, Léo Cittadini (Jean Mota) e Lucas Lima; Vitor Bueno (Walterson), Copete e Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Junior



Com expulsão polêmica, Inter vira sobre o Santos no Beira-Rio

O duelo entre Internacional e Santos, pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro pode ser definido com uma única palavra: polêmica. Com a bola rolando, o Peixe chegou a abrir o placar, com Ricardo Oliveira, mas viu o Colorado buscar a virada, com Seijas e Aylon, e conquistar a vitória por 2 a 1, na noite desta quinta-feira, no Beira-Rio. Porém, o arbitragem acabou chamando a atenção na partida. Aos 45 minutos do primeiro tempo, Lucas Lima foi expulso após o árbitro Rodrigo Batista Raposo entender que o meia estava fazendo ‘cera’. A expulsão gerou muitas reclamações por parte dos santistas.

Sem nada a ver com isso, o Inter finalmente conquistou uma vitória no Brasileirão. Após um jejum de 14 rodadas, o Colorado chegou aos 27 pontos e saiu da zona de rebaixamento, ocupando a 15ª colocação. Já o Peixe amargou sua terceira derrota seguida na competição. Com isso, a equipe de Dorival Júnior segue estacionada nos 36 pontos e continua na quinta posição.

O jogo

A partida em Porto Alegre começou com um susto. Logo aos 10 segundos, a defesa do Inter já bateu cabeça, literalmente. Os zagueiros Paulão e Ernando subiram ao mesmo tempo para desviar a bola e acabaram se chocando. Os dois caíram no chão e o atendimento médico foi chamado imediatamente. Após três minutos de paralisação, Ernando voltou para o jogo, enquanto.Paulão acabou sendo substituído por Eduardo.

Com a bola rolando, o Inter começou pressionando o Santos. Aos oito minutos, Copete saiu jogamdo errado e deu a bola no pé de Nico Lopez. O uruguaio avançou e bateu fraco, de fora da área, nas mãos de Vanderlei. No lance seguinte, Seijas chutou cruzado. O arqueiro santista rebateu e deixou no pé de Nico Lopez, que isolou.

O alvinegro só assustou aos 14 minutos. Lucas Lima cobrou falta na área e Gustavo Henrique desviou, assustando o goleiro Danilo Fernandes.

Após o ‘abafa’ inicial, o Inter diminuiu o ritmo e o Santos passou a pressionar a saída de bola colorada. E a pressão surtiu efeito. Aos 27 minutos, Geferson saiu jogando errado e deu a bola nos pés de Ricardo Oliveira. O artilheiro não perdoou. Ele ajeitou o corpo e bateu de esquerda, no canto direito baixo do goleiro Danilo Fernandes.

O Inter sentiu o gol. Após o tento sofrido, a equipe de Celso Roth não conseguia mais chegar com o ímpeto inicial. Mas quando o duelo caminhava para o intervalo, Seijas arriscou um chute de fora da área, aos 41 minutos. A bola desviou em Vanderlei e enganou Vanderlei, deixando tudo igual.

Após o empate, veio a grande polêmica do jogo. Lucas Lima, que já havia levado um cartão amarelo por demorar para bater uma falta, se posicionou para cobrar um escanteio. O meia resolveu deixar a cobrança para Vitor Bueno e saiu da posição. O árbitro Rodrigo Batista Raposo entendeu que o camisa 10 retardou o jogou e aplicou o segundo amarelo, expulsão o santista.

O cartão vermelho abalou Lucas Lima. Tanto que o meia sentou no banco de reservas e começou a chorar. A comissão técnica e os jogadores do Peixe reclamaram bastante do lance. Antes do intervalo, o árbitro acabou ainda amarelando o zagueiro Gustavo Henrique.

Além deles, Ricardo Oliveira, Victor Ferraz também levaram amarelo e desfalcam o Santos no clássico contra o Corinthians.

Com um jogador a mais, o Internacional começou o segundo tempo buscando a virada. Porém, com a pouca criatividade, a equipe de Celso Roth não conseguia furar o bloqueio defensivo montado pelo Santos.

Aos poucos, aproveitando a vantagem numérica e na base da insistência, o Colorado foi encontrando os espaços. Tanto que conseguiu a virada. Aos 16 minutos, Valdívia desviou cobrança de escanteio e Vanderlei fez linda defesa, espalmando pra cima. O atacante Aylon esperou a redonda cair e empurrou para o fundo das redes, de peito.

Depois de conquistar a virada, o Inter diminuiu o ritmo. Já pelo lado santista, o técnico Dorival Júnior colocou Jean Mota na vaga de Léo Cittadini e sacou Vitor Bueno para promover a estreia do jovem Walterson. Com a entrada dos dois, o alvinegro ameaçou uma reação.

Com um a menos, o Santos foi para cima, deixando espaços para o Colorado chegar no contra-ataque. O jogo ficou franco, com chances claras para os dois lados. Porém, ninguém marcou e a vitória ficou mesmo com os gaúchos.

Após expulsão polêmica, Ferraz dispara contra árbitro: “Ridículo”

A derrota por 2 a 1 para o Internacional, nesta quinta-feira, no Beira-Rio, pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro, vai demorar para sair da cabeça dos santistas. A expulsão polêmica de Lucas Lima, ainda no primeiro tempo, gerou muitas reclamações dentro e fora de campo.

O lateral-direito Victor Ferraz foi um dos mais exaltados na saída do gramado. O jogador admitiu as falhas da equipe, mas disparou contra o árbitro Rodrigo Batista Raposo.

“Não vou fugir da responsabilidade. A gente vem de algumas partidas ruins e temos também muita culpa. Mas hoje o jogo estava controlado, ele (árbitro) se atrapalhou inteiro. É complicado, posso pegar um gancho, mas o que aconteceu hoje aqui foi ridículo. O Inter é muito grande, poderia ganhar da gente sem isso. Ele disse que xingamos ele. Eu não falo um palavrão há 20 anos. Além de tudo, ele é mentiroso”, esbravejou o lateral, sobre a expulsão de Lucas Lima.

Aos 45 minutos do primeiro tempo, quando a partida estava empatada em 1 a 1, o camisa 10 do Peixe, que já havia levado um cartão amarelo por demorar para bater uma falta, se posicionou para cobrar um escanteio. O meia resolveu deixar a cobrança para Vitor Bueno e saiu da posição. O árbitro Rodrigo Batista Raposo entendeu que Lucas Lima retardou o jogou e aplicou o segundo amarelo, expulsando o santista.

Além da expulsão polêmica, o Santos ainda teve Ricardo Oliveira e Victor Ferraz amarelados. Por conta disso, a dupla, assim como Lucas Lima, não encara o Corinthians, no próximo domingo, às 16h (de Brasília), na Vila Belmiro, pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Santos perde Ricardo Oliveira, Lucas Lima e Victor Ferraz para o clássico

Como se já não bastasse a polêmica derrota por 2 a 1 para o Internacional, na noite desta quinta-feira, no Beira-Rio, o Santos também terá três problemas para a sequência da competição. Ricardo Oliveira e Victor Ferraz, que estavam pendurados, receberam o terceiro cartão amarelo e não encaram o Corinthians, neste domingo, às 16h (de Brasília), na Vila Belmiro, pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro. Lucas Lima, expulso, também não estará à disposição de Dorival Júnior.

Sem o trio, o comandante santista deve dar oportunidade a Daniel Guedes, Jean Mota e Rodrigão no time titular. Em compensação, Thiago Maia volta de suspensão e retorna à equipe. Assim, Léo Cittadini retorna ao banco de reservas.

Na manhã desta sexta-feira, o Peixe ainda treina em Porto Alegre na manhã antes de retornar a Santos. Dos últimos cinco jogos, o Alvinegro só venceu um – contra o Atlético-MG –, e perdeu para América-MG, Coritiba, Figueirense e Internacional.

O resultado no Beira-Rio determinou o fim de um jejum de 14 jogos do Inter no Brasileirão. A equipe colorada chegou a 27 pontos e saiu da zona de rebaixamento. Já o Santos manteve o quinto lugar, com 36 pontos, mas ficou distante do G4. O Corinthians, quarto colocado, chegou aos 40 pontos.

Santistas detonam árbitro após derrota para o Inter: “Vergonha”

O Santos foi derrotado pelo Internacional por 2 a 1 no Beira-Rio e chegou à terceira derrota consecutiva no Campeonato Brasileiro. Mas após o jogo, o resultado ficou em segundo plano, pois o principal assunto foi a arbitragem de Rodrigo Batista Raposo, que expulsou o meia Lucas Lima ainda no primeiro tempo.

Os jogadores do alvinegro não pouparam o árbitro do duelo desta quinta-feira, em Porto Alegre. No lance que resultou na expulsão, o camisa 10 santista estava preparando uma jogada ensaiada com Vitor Bueno, mas o árbitro entendeu que Lucas Lima estava retardando o início do jogo e aplicou o segundo cartão amarelo. Antes, Raposo já havia amarelado o meia por achar que ele estava fazendo ‘cera’ e ainda ignorou um pisão do volante Anselmo, que também já tinha cartão, no próprio Vitor Bueno.

“A gente veio com intuito de vitória, vínhamos jogando bem. Não se faz o que fez aqui. Vimos que ele veio mal intencionado e isso não pode acontecer. Não pode fazer isso porque aqui tem trabalhadores”, disparou o zagueiro Gustavo Henrique.

O atacante Ricardo Oliveira, na saída do gramado, não quis comentar a atuação da arbitragem e pediu para os jornalistas entrevistarem o juiz. Rodrigão, por sua vez, mostrou indignação, mas já quer o time pensando no próximo duelo, contra o Corinthians, na Vila Belmiro. “Isso é uma vergonha para o Brasil. Eles fizeram papel de casa e agora temos que levantar a cabeça porque domingo temos clássico”.

Dorival assume culpa por derrota, mas critica árbitro: “Crime”

Antes mesmo de começar a entrevista coletiva após a derrota por 2 a 1 para o Internacional, o técnico Dorival Júnior avisou que não iria comentar sobre a arbitragem. Porém, não tinha como fugir do assunto. Apesar de tentar evitar, o comandante do Santos não se conteve e disparou contra o juiz Rodrigo Batista Raposo.

Aos 45 minutos do primeiro tempo, o árbitro expulsou o meia Lucas Lima por entender que o camisa 10 estava fazendo ‘cera’ em uma cobrança de escanteio, quando a partida ainda estava empatada em 1 a 1.

“Aquilo foi jogada ensaiada. Um crime esse tipo de atitude. Nunca vi isso no futebol. Foi uma pena porque ali desarticulou o trabalho e a possibilidade de um resultado. Pensar que estávamos retardando o jogo vendo uma equipe que estava procurando a vitória, precisando de um resultado. Foi uma decisão muito infeliz”, afirmou Dorival.

Apesar das reclamações contra a arbitragem o técnico do Peixe assumiu a culpa pelas falhas da equipe na derrota desta quinta-feira. “O erro é meu, não dos jogadores, fomos infelizes na bola parada. É difícil sustentar uma situação com um a menos”, completou o treinador.

Modesto sugere favorecimento ao Corinthians e vê arbitragem como “vagabunda”

A arbitragem da partida entre Internacional e Santos segue causando polêmica. Após a controversa expulsão do meia Lucas Lima ainda na primeira etapa, quando o placar marcava 1 a 1, o presidente do Peixe, Modesto Roma Júnior, fez duras críticas ao trio formado por Rodrigo Batista Raposo, Daniel Henrique da Silva Andrade e José Reinaldo do Nascimento Júnior, classificando a arbitragem como “vagabunda”, “vergonhosa” e “mal-intencionada”, sugeriu um favorecimento para o rival Corinthians, pediu “a cabeça” de Sérgio Corrêa, presidente da Comissão de Arbitragem, e ainda falou sobre uma alteração no comando da CBF.

“Não adianta querer remediar um terremoto. Aí vem o senhor Walter Feldman dizendo ‘vamos pegar os melhores (árbitros) do Brasil, vamos ter trios fixos’. Um trio de vagabundos fixo o que teve ontem. Erro de arbitragem a gente perdoa, má-intenção a gente não pode perdoar. Ontem o árbitro estava mal-intencionado”, disse Modesto Roma, em entrevista à Espn.

“Estou reclamando porque ontem foi uma questão de má-intenção. Quando é questão de erro de arbitragem é uma coisa, entendemos que os árbitros são humanos. Quando é erro, agente até releva, mas ontem foi má-intenção. Os cartões que ele deu foram, o pênalti que ele não marcou, ele não se manifestar na briga do Luis Felipe com o atacante do Internacional, ele tolerar a ‘cera’ do Internacional no segundo tempo, isso tudo foi má-intenção. Um árbitro que foi lá com má-intenção”, completou.

O lance que causou maior revolta nos santistas foi a expulsão de Lucas Lima, nos minutos finais do primeiro tempo. Aos 19, o meia recebeu o primeiro cartão amarelo por retardar o reinício do jogo em uma cobrança de falta no campo de defesa. Depois, aos 45, o camisa 10 recebeu o segundo amarelo e, consequente o cartão vermelho, por ir em direção à cobrança de um escanteio, mas em seguida chamar o lateral Victor Ferraz para fazer o cruzamento. Além do jogador da Seleção Brasileira, Victor Ferraz e Ricardo Oliveira também receberam cartão amarelo e estão suspensos suspensos da próxima rodada, quando o Peixe encara o Corinthians. Modesto Roma sugeriu um favorecimento ao Timão e afirmou que o “Campeonato Brasileiro de 2016 está manchado”.

“Dos nove jogos que ele apitou de 2014 pra cá, teve uma vitória do visitante e um empate. Os outros sete foram vitórias dos mandantes na Série A. Ele é bom em expulsar para arrumar resultado, é sempre essa história. Dá todo o entendimento de que isso foi preparado, porque para bom entendedor meia palavra basta. Tirou três dos nossos melhores jogadores para domingo (contra o Corinthians). Isso foi claramente montado. Por quem? Não sei, não me compete dizer. Isso mancha o futebol brasileiro. Está manchado o Campeonato Brasileiro de 2016. O resultado beneficiou os quatro primeiros e o Internacional. Foi tendencioso e mal-intencionado”.

Bastante irritado, Modesto Roma seguiu suas reclamações motivadas pela arbitragem desta quinta-feira, mas que acabaram resultando no presidente da Comissão de Arbitragem, Sérgio Corrêa, à quem Modesto Roma pediu “a cabeça”, e no presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, que tem mandato se encerrando em 2018. O mandatário sugeriu uma união dos clubes para compor uma das chapas nas eleições da entidade brasileira.

“Vai continuar assim. O passado deu essa estrutura vergonhosa. Todo mundo sabe da incompetência do atual presidente da Comissão de Arbitragem da CBF (Sergio Corrêa) e ninguém tira esse cara de lá. Ele já me processou no STJD e se quiser processar de novo, me processe, mas ele não tem condição de comandar a arbitragem brasileira. O que foi feito ontem, colocar árbitro pra ser experimentado no Campeonato Brasileiro? Isso é uma vergonha, ou então é pior ainda. Espero que seja só uma vergonha”.

“Você lembra do caso que aconteceu em um jogo Santos e Corinthians? O David Braz foi expulso e o árbitro mentiu na súmula. Na semana seguinte, o árbitro estava apitando de novo. O problema é mais sério porque a arrogância da arbitragem é provocada por esse cidadão que é o rei da arrogância. Ele é o maior dos arrogantes. Quando eu falei que queria o escalpo dele, ele me processou no STJD, mas eu continuo querendo. Eu continuo querendo sua cabeça, Sérgio (Corrêa) porque você não tem competência para administrar a arbitragem brasileira”.

“A questão é, temos que respeitar o mandato, que vai até 2018. Eu só não entendo porque o Marco Polo (Del Nero), que fez uma mudança importante em São Paulo colocando o Coronel Marinho, que deu um jeito na arbitragem paulista, não toma nenhuma providência quanto a esse incompetente do Sérgio Corrêa. A gente sabe que quem veio de Brasília é isso mesmo. Uma péssima escola. O que aconteceu ontem foi imoral. Mas vamos fazer o quê? Greve pra derrubar o Marco Polo? Não vamos fazer isso. Vamos nos mobilizar em 2018 para colocar um novo presidente e resolver esse problema do futebol brasileiro. Hoje eu peço pessoalmente ao Marco Polo que salve a gestão dele tirando esses despreparados do futebol brasileiro”.

“Os clubes para se unirem e lançarem uma chapa hoje, precisa do apoio de 18 Federações, que tem os benefícios do poder. Tem que pensar isso com muita clareza. As Federações recebem mesada da CBF então querem mudar o estatuto? Não, não querem. Se conseguirmos esse favor das Federações, ganhar é mais fácil, mas é preciso que as Federações tenham o controle externo da CBF. Temos que mudar várias coisas, mas tenho certeza que temos unidade para isso. Não estou tirando a responsabilidade dos presidentes dos clubes, que também tem uma certa incompetência e vagabundagem, para falar a palavra clara. Acabamos nos acovardando frente a essas coisas.

Presidente do Inter rebate Modesto e defende expulsão de Lucas Lima

Após as fortes declarações do presidente do Santos, Modesto Roma Júnior, à Espn, sobre a arbitragem da partida entre Internacional e Santos, na última quinta-feira, o mandatário do Internacional, Vitorio Piffero, se manifestou, e contestou o comportamento do chefe do Peixe.

Na vitória do Colorado, por 2 a 1, o árbitro Rodrigo Batista Raposo, entre outros lances polêmicos, expulsou o meia Lucas Lima, deixando um dos principais nomes da equipe de Dorival Júnior fora do clássico contra o Corinthians, no próximo domingo. Para Piffero, porém, a exclusão do atleta foi correta.

“O Lucas Lima fez cera e tomou amarelo. Depois, repetiu o comportamento, então levou outro. O árbitro ia fazer o quê? O Lucas errou, e o Modesto vai perceber também”, afirmou Vitorio, também à Espn.

Sobre o fato de o presidente santista ter alegado má intenção do árbitro do jogo, o mandatário colorado também rebateu Roma, negando qualquer chance de atitude intencional de Raposo.

“A CBF coloca, mais ou menos, dez árbitros para o sorteio, é totalmente aleatório. Não tem como pensar na possibilidade de manipulação para prejudicar qualquer clube”, finalizou Piffero.

Com um a mais, o Inter conseguiu quebrar o jejum de 14 rodadas, vencendo de virada, por 2 a 1. De quebra, a equipe de Celso Roth saiu da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, ocupando agora a 15ª posição, com 27 pontos.

Estreia agrada Dorival e Walterson terá novas chances no Santos

Apesar da polêmica envolvendo a arbitragem na derrota do Santos para o Internacional, por 2 a 1, nesta quinta-feira, no Beira-Rio, pelo Campeonato Brasileiro, o técnico Dorival Júnior ainda conseguiu ver alguns pontos positivos na equipe santista. Um deles foi a estreia de Walterson. O atacante fez sua primeira partida como profissional em Porto Alegre e deve ter mais chances nos próximos jogos.

“O Walterson é um garoto com velocidade. Faz parte da minha procura por um novo jogador com a perda do Gabriel. Tenho que buscar uma opção. Ele vem se destacando no sub-23 e vai ter algumas oportunidades”, afirmou o treinador, após a derrota para o Colorado.

Walterson começou a carreira no São Bernardo, jogou o Campeonato Mineiro de 2014 pelo Guarani-MG e retornou à equipe do interior paulista, antes de vir para o Santos B, em maio deste ano. O jogador de 21 anos chamou a atenção na Copa Paulista. Por conta disso, foi chamado por Dorival para participar dos treinos na última semana. Mesmo com o pouco tempo entre os profissionais, o jovem foi relacionado e já fez sua estreia diante do Colorado.

“É a realização de um sonho. Nós, que viemos de times menores, sempre queremos chegar em time e ir para um jogo. Agradeço ao professor Dorival (Júnior) e a comissão técnica por estar confiando em mim”, afirmou o atleta, que usou a camisa 45 em Porto Alegre.

O atacante está emprestado ao Peixe com contrato válido até dezembro. Mas após o crescimento no clube, a diretoria já pensa em negociar a permanência do jovem. Walterson tem vínculo com o São Bernardo até 2020.

Herói da vitória colorada, Aylon comemora fim de jejum: “Alívio”

O atacante Aylon pode se considerar o herói do Internacional na noite desta quinta-feira. No Beira-Rio, o jogador fez o gol da virada na vitória por 2 a 1 sobre o Santos e ainda evitou o tento de empate do Peixe, já nos minutos derradeiros da partida válida pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro. Após o apito final, o camisa 18 comemorou o término de um jejum que durava 14 jogos ou 84 dias sem triunfos na competição.

“Alívio pela vitória, pelos três pontos, havia uma sequência grande que a gente não conseguia vencer. Agora é pensar todo jogo como uma final, pensar que no domingo tem outro jogo importante fora de casa e temos que buscar mais vitórias”, considerou Aylon ao canal Sportv.

O atacante de 24 anos ainda contou com a sorte nesta noite. Quando o placar ainda apontava o empate por 1 a 1, Aylon se posicionou bem após rebote em cobrança de escanteio, a bola tomou grande altura, mas caiu no peito do atleta, que só teve o trabalho de ficar parado para anotar o gol da virada colorada.

Aylon, no entanto, fez questão de dividir os méritos da vitória. “Teve ajuda dos companheiros, todo mundo correu, batalhou, as coisas mudaram um pouco. A bola bateu e voltou no meu peito. Agora no final tive a felicidade de tocar na bola senão o Copete ia fazer o gol, e ela saiu por muito pouco”, acrescentou, ressaltando o público de mais de 34 mil torcedores presentes no Beira-Rio.

“Acho que as coisas agora voltam ao normal, a confiança volta, temos que agradecer a torcida que nos empurrou e foi fundamental”, concluiu.

Certo é que, com a vitória, o Internacional, enfim, deixa a zona de rebaixamento ao somar 27 pontos, colocando-se no 15º lugar, superando Sport e Figueirense nos critérios de desempate.

Árbitro do jogo do Santos é retirado de escala pela CBF

Depois das declarações do presidente do Santos, Modesto Roma Junior, que criticou o árbitro da partida entre Santos e Internacional, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) retirou o juiz Rodrigo Raposo da escala da rodada deste final de semana do Campeonato Brasileiro.

O árbitro iria participar da partida entre Ponte Preta e América-MG, neste domingo, às 18h30 (de Brasília), como quarto árbitro, no entanto, a CBF realizou uma mudança na escala, retirando Rodrigo Raposo e o substituindo por Christiano Gayo Nascimento.

A principal polêmica envolvendo o árbitro no jogo entre Santos e Internacional, vencido pelo Colorado por 2 a 1, foi a expulsão do meia Lucas Lima ainda no primeiro tempo da partida, quando o jogo se encontrava empatado em 1 a 1. O primeiro cartão amarelo recebido pelo meia santista foi por retardar a partida, enquanto o segundo foi apresentado após o jogador se dirigir para a batida de escanteio e depois chamar o lateral Victor Ferraz para fazer a cobrança.

Além da expulsão de Lucas Lima, Rodrigo Raposo foi criticado pelo presidente Modesto por apresentar o cartão amarelo ao atacante Ricardo Oliveira e ao lateral Victor Ferraz, que estão suspensos para o próximo jogo da equipe, contra o Corinthians, neste domingo, na Vila Belmiro.