Atlético-GO 1 x 0 Santos

Data: 04/04/2019, quinta-feira, 19h15.
Competição: Copa do Brasil – 3ª fase – Jogo de ida
Local: Estádio Antonio Accioly, em Goiânia, GO.
Público: 10.525
Renda: R$ 212.185,00
Árbitro: Paulo Roberto Alves Junior
Auxiliares: Luciano Roggenbaum e Rafael Trombeta.
Cartões amarelos: Moraes, Lucas Rocha e Gilvan (A); Gustavo Henrique, Cueva e Soteldo (S).
Cartão vermelho: Gustavo Henrique (S, 06-2).
Gol: Jorginho (36-2).

ATLÉTICO-GO
Maurício Kozlinski; Jonathan, Lucas Rocha, Gilvan e Moraes (Reginaldo); Pedro Bambu, Washington (André Luis) e Jorginho; Matheus, Pedro Raul e Mike (Gilsinho).
Técnico: Wagner Lopes

SANTOS
Everson; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Jorge; Yuri (Alison), Jean Lucas e Cueva (Derlis González); Rodrygo (Luiz Felipe), Soteldo e Eduardo Sasha.
Técnico: Jorge Sampaoli



Com um a menos, Santos perde para o Atlético-GO e precisa de virada na Vila

Com um a menos, o Santos perdeu por 1 a 0 para o Atlético-GO na noite desta quinta-feira, em Goiânia, pela ida da terceira fase da Copa do Brasil. O gol foi marcado por Jorginho, aos 36 minutos do segundo tempo.

Gustavo Henrique recebeu o segundo cartão amarelo aos seis minutos da etapa final. Mesmo assim, o Peixe teve algumas chances e equilibrou a maior parte do jogo, mas levou o gol no fim.

A partida de volta ocorrerá na próxima quinta-feira, na reinauguração da Vila Belmiro. Como não há gol qualificado, qualquer decisão levaria a decisão para os pênaltis. Antes o Alvinegro enfrentará o Corinthians, segunda, no Pacaembu, pela volta da semifinal do Campeonato Paulista. Na ida, o rival venceu por 2 a 1.

O jogo

O primeiro tempo de 0 a 0 entre Atlético-GO e Santos teve emoção no início e no fim, com poucas chances na maior parte do tempo.

Logo aos quatro minutos, Pedro Raul recebeu sozinho na entrada área, tentou encobrir e deu no peito do goleiro Everson. Aos 15, Victor Ferraz rolou para Cueva isolar.

No minuto 25, Rodrygo fez boa jogada pela direita e cruzou para Sasha não alcançar na pequena área. Na sequência, o camisa 11 foi bem de novo pela ponta, achou Soteldo e o venezuelano rolou para Cueva bater fraco, de esquerda, para boa defesa de Mauricio Kozlinski.

No fim, o zero quase saiu do placar. Pedro Raul, de novo, cabeceou para boa defesa de Everson. No contra-ataque, Jorge fez boa jogada individual e chutou cruzado, Moraes afastou a bola que ia na direção do gol.

O Atlético-GO voltou a ter a primeira chance, aos cinco minutos. Pedro Raul deu bom passe para Matheuzinho chutar no pé da trave. E segundos depois, Gustavo Henrique foi expulso.

O zagueiro, amarelado por reclamação no primeiro tempo, agarrou Pedro Raul no contra-ataque e foi expulso justamente. Sampaoli imediatamente tirou Rodrygo e recompôs a defesa com Luiz Felipe.

E mesmo com um a menos, o Peixe ficou perto do gol aos 14. Alison chutou cruzado e Sasha, livre na pequena área, chutou mal de canhota antes de Lucas Rocha afastar o perigo.

Aos 27, o Atlético-GO ficou muito perto do primeiro gol. Jonathan chutou de fora da área, a bola desviou em Lucas Veríssimo e raspou a trave. Everson estava vendido no lance.

E no minuto 36, o Santos sucumbiu à pressão. Jonathan cruzou, Jorge ficou exposto contra dois adversários e Jorginho cabeceou para o fundo das redes.

Quando o placar marcava 43, o Atlético quase ampliou. Reginaldo recebeu cara a cara com Everson, se atrapalhou e o goleiro santista defendeu.

Sampaoli explica ‘mistão’ e diz que derrota ajudará a escalar Santos para clássico

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, explicou a decisão de time misto na derrota por 1 a 0 para o Atlético-GO na noite desta quinta-feira, em Goiânia, pela ida da terceira fase da Copa do Brasil.

O argentino diz que essa escalação o ajudará a decidir a equipe para enfrentar o Corinthians, segunda-feira, no Pacaembu, pela volta da semifinal do Campeonato Paulista. Na ida, o Peixe perdeu por 2 a 1 em Itaquera.

“Pensamos em tudo (não só no jogo de segunda). Nós temos uma viagem agora, temos que treinar amanhã, voltar, só dois dias para treinar para enfrentar o Corinthians. São jogadores que estão jogando muito. A equipe teve muita autoridade, contra uma boa equipe. Viemos buscar o resultado, como sempre, mas voltamos sem gol”, disse Sampaoli.

“Todo jogo é importante para todos os que vêm. Cada rival é diferente. Deste jogo teremos conclusões para termos a melhor equipe para segunda (contra o Corinthians) e na quinta (volta da Copa do Brasil)”, completou.

O treinador também comentou sobre a expulsão de Gustavo Henrique, aos seis minutos do segundo tempo. O gol de Jorginho ocorreu aos 37.

“Influenciou em muitos aspectos. Tive que sacar um atacante como Rodrygo para colocar um (zagueiro) central. Isso muda a partida. Foi outra partida. O rival se entusiasmou com a vantagem numérica e ganhou a partida”, concluiu.

Gustavo Henrique reclama de “árbitro rígido” após expulsão pelo Santos

Gustavo Henrique reclamou da rigidez do árbitro Paulo Roberto Alves Júnior na expulsão durante a derrota do Santos por 1 a 0 para o Atlético-GO, em Goiânia, pela ida da terceira fase da Copa do Brasil.

O zagueiro recebeu o cartão amarelo no primeiro tempo, por reclamação. E aos seis da etapa final, agarrou Pedro Raul em contra-ataque e foi expulso.

“O árbitro foi rígido. Todo mundo conversa com a arbitragem… Difícil falar. Ele me deu amarelo porque saí do meu setor para falar com ele. Fui conversar educadamente com ele, mas recebi o amarelo”, disse Gustavo, à Globo.

O Peixe precisará de uma vitória simples para levar aos pênaltis ou dois gols de vantagem para avançar na próxima quinta, na Vila Belmiro.

Everson diz que expulsão não justifica derrota do Santos para o Atlético-GO

Everson não vê a expulsão de Gustavo Henrique como justificativa para a derrota do Santos por 1 a 0 para o Atlético-GO na noite desta quinta-feira, em Goiânia, pela ida da terceira fase da Copa do Brasil.

O zagueiro recebeu o segundo cartão amarelo aos seis minutos do segundo tempo. O gol da vitória atleticana, de Jorginho, ocorreu aos 37 da etapa final.

“(A expulsão) Não justifica o placar, mas atrapalha. Poderíamos mesmo com um a menos termos feito um melhor jogo. Infelizmente sofremos o gol e agora temos que reverter esses dois jogos (Corinthians e Atlético-GO)”, disse Everson, ao SporTV.


Corinthians 2 x 1 Santos

Data: 31/03/2019, domingo, 16h00.
Competição Campeonato Paulista – Semifinal – Jogo de ida
Local: Arena Corinthians, o Itaquerão, em São Paulo, SP.
Público: 39.919 pagantes
Renda: R$ 2.467.185,50
Árbitro: Vinícius Gonçalves Dias Araújo
Auxiliares: Anderson José de Moraes Coelho e Bruno Salgado Rizo.
VAR: Rodrigo Guarizo, auxiliado por Fabrício de Moura e Thiago Peixoto.
Cartões amarelos: Sornoza (C) e Alison (S).
Gols: Manoel (03-1), Derlis González (07-1) e Clayson (31-1).

CORINTHIANS
Cássio; Fagner, Manoel, Henrique e Danilo Avelar; Ralf, Júnior Urso e Sornoza (Richard); Vagner Love (Pedrinho), Clayson (Mateus Vital) e Gustagol.
Técnico: Fábio Carille

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Felipe Aguilar (Lucas Veríssimo), Luiz Felipe e Felipe Jonathan; Alison, Diego Pituca, Carlos Sánchez (Soteldo) e Jean Mota; Cueva (Rodrygo) e Derlis González.
Técnico: Jorge Sampaoli



Corinthians aproveita melhor as falhas e sai na frente do Santos na Arena

O Corinthians foi melhor em um jogo de falhas individuais na tarde deste domingo, na Arena, contra o Santos, pela partida de ida da semifinal do Campeonato Paulista. Contando com um gol de Manoel e outro de Clayson, o time do Parque São Jorge só não teve uma vantagem maior porque Cássio saiu muito mal do gol no lance em que Derlis anotou o gol solitário dos visitantes. A disputa segue bastante aberta.

A decisão será apenas na segunda-feira, dia 8 de abril, no estádio do Pacaembu. Como a Vila Belmiro está em reforma, o Peixe escolheu o estádio municipal paulistano para exercer o seu mando e vai precisar de uma vitória por um gol de diferença para levar aos pênaltis. Dois gols de diferença ou mais dão a vaga ao time da Baixada, enquanto o Timão joga por todos os outros resultados.

Ambos os times têm compromissos no meio da semana, porém. Os comandados de Fábio Carille seguem em uma sequência caseira e encaram a volta da terceira fase da Copa do Brasil, frente ao Ceará, na quarta-feira, na Arena. Um dia depois, Sampaoli e seu elenco visitam o Atlético-GO, pela ida da terceira fase da mesma competição.

O jogo

O jogo poderia ter começado praticamente 1 a 0 para o Corinthians, mas o ritmo foi tão alucinante que o 1 a 1 já estava no placar aos sete minutos da etapa inicial. O primeiro gol saiu em cruzamento de Sornoza, batendo falta pelo lado esquerdo do ataque, que achou Manoel livre entre os zagueiros. O desvio foi leve, mas o suficiente para superar Vanderlei, que mal se mexeu. Sem encostar na bola, porém, o Timão viu o Peixe ganhar escanteio, Jean Mota bater e Cássio falhar feio, espalmando para Derlis cabecear ao gol vazio.

O empate tirou o que poderia ser um ritmo avassalador do Timão, aproveitando a empolgação da torcida. Até os 30 minutos, apenas um chute forte de Jean Mota e uma cabeçada torta de Henrique foram lances de perigo. Em um lance sem grande esforços dos corintianos, porém, Luiz Felipe afastou mal a bola em duas oportunidades e deixou Clayson no mano a mano com Victor Ferraz. Mérito do corintiano de cortar para dentro e acertar um chute rasteiro, sem chances para Vanderlei.

O gol animou os donos da casa, que tentaram aproveitar para ampliar a vantagem antes do intervalo. Em outro bom lance de Clayson, o atacante limpou dois adversários e cruzou na área, a zaga afastou e Fagner chutou para o que seria o terceiro gol. Vanderlei, porém, já havia aberto mão de fazer a defesa para socorrer Felipe Aguilar, desacordado após choque com Danilo Avelar. O processo teve até entrada de ambulância no gramado para retirada do atleta, esfriando o ânimo até o fim da primeira etapa.

O segundo tempo da partida prometia um outro duelo com alta intensidade, mas, em vez da bola jogada por baixo, a etapa final mostrou um jogo muito mais físico. Sampaoli, que optou pela entrada de Rodrygo na vaga de Cueva, viu seu time sofrer para impor o seu ritmo de marcação. Sem trocar passes, o Timão apostou na ligação direta para Gustagol e Vagner Love, normalmente no mano a mano com os zagueiros.

A estratégia deu certo durante cerca de meia hora, com os atacantes levando vantagem sempre que a bola chegava no ataque, mas pecando na hora da finalização. Love chutou uma vez por cima do gol. Depois, Clayson tentou de bicicleta, Vanderlei espalmou e conseguiu afastar no limite antes de Love concluir. O domínio permaneceu até as substituições de Carille, que mandou a campo Pedrinho, Richard e Vital.

Com jogadores mais leves, o Peixe viu seu espaço aumentar e o Corinthians recuar. Soteldo entrou para dar mais velocidade e o Peixe pressionou nos minutos finais, com escanteios e seguidas bolas alçadas na área. Rodrygo, em bom lance, quase achou Derlis no meio da área, mas Cássio assegurou o triunfo corintiano.

Santos tem maior posse, mas falha nos arremates contra Corinthians eficiente

O Santos teve um domínio enganoso no clássico deste domingo contra o Corinthians, na derrota da primeira semifinal do Campeonato Paulista. No quesito posse de bola, foi superior, com 61,1% contra 39,9% do adversário. Mas o Peixe falhou muito nas finalizações e encontrou um adversário extremamente concentrado e eficiente em Itaquera.

O Corinthians foi mais vertical na partida. Finalizou mais, foram oito chutes e acertou cinco na direção da meta do goleiro Vanderlei – um aproveitamento de 62,5%. Marcou dois gols, que lhe dão uma vantagem para o compromisso de volta no Pacaembu. Clayson foi o destaque: além do gol, acertou mais um arremate na direção do gol adversário.

O Santos, por sua vez, teve sete finalizações na partida deste domingo. E acertou apenas um, justamente o gol do atacante Derlis González. Jean Mota, grande destaque santista no Estadual, tentou duas vezes, mas desperdiçou as chances. O meia-atacante não estava inspirado no confronto.

Sampaoli reconhece superioridade do Corinthians sobre o Santos

O Santos acabou derrotado por 2 a 1 no primeiro jogo pela semifinal do Campeonato Paulista, disputado na tarde deste domingo. Sem fazer rodeios nem usar termos rebuscados, o técnico Jorge Sampaoli reconheceu a superioridade do Corinthians durante o confronto em Itaquera.

“O jogo correu como o Corinthians quis e não como nós queríamos. Não encontramos o jogo que estamos acostumados e jogamos como o adversário quis. Não fizemos uma boa partida e, agora, precisamos nos preparar para o que vem”, disse Sampaoli.

Logo no começo da partida, após cruzamento de Sornoza, Manoel marcou de cabeça. Pouco depois, Derlis aproveitou falha de Cássio para empatar. Ainda no primeiro tempo, Luiz Felipe vacilou feio e Clayson anotou o gol que garantiu a vitória corintiana.

“Houve méritos do adversário. Reitero que a chave na análise do jogo é que o Corinthians jogou como quis: prevaleceu, ganhou muito bem e nos neutralizou. Não nos sufocou, mas incomodou e não tivemos resposta. Mérito do rival e incapacidade nossa para gerar ataques”, declarou Sampaoli.

O segundo e decisivo confronto entre Santos e Corinthians está marcado para as 20 horas (de Brasília) da próxima segunda-feira, no Estádio do Pacaembu. Empate beneficia o time paulistano, enquanto triunfo por um gol da equipe praiana leva a decisão aos pênaltis.

“Temos que trabalhar muito para conseguir surpreender um time que se defende com bastante gente. Eles se multiplicam para defender e precisamos de outras variações para atacar”, disse Sampaoli, que pega o Atlético-GO às 19h15 (de Brasília) de quinta-feira, fora de casa.

Substituto de Aguilar, Veríssimo projeta virada sobre o Corinthians

Escolhido pelo técnico Jorge Sampaoli para substituir Felipe Aguilar, Lucas Veríssimo assegura que a saída do colombiano não influenciou no rendimento do Santos diante do Corinthians. O defensor, derrotado em Itaquera neste domingo, manifestou confiança na virada com o mando de campo.

Após choque de cabeça com Danilo Avelar, Aguilar caiu no gramado e chegou a ficar desacordado, causando preocupação entre os jogadores. Sem condições de seguir, o colombiano deixou o campo de ambulância e acabou substituído por Veríssimo já nos acréscimos do primeiro tempo, com o placar em 2 a 1 para o Corinthians.

“Infelizmente, foi uma fatalidade e espero que ele esteja bem. Estávamos até procurando informações. Mas acredito que isso não tenha influenciado. Treinei na equipe titular durante a semana. Então, foi uma mudança que acabou acontecendo, mas nosso time se comportou bem”, declarou Veríssimo.

Avaliado por neurologista no Hospital Sírio Libanês, Aguilar passou por tomografia e não teve qualquer alteração clinica detectada. O defensor passa a noite internado e será reavaliado na manhã desta segunda para possível alta após realização de nova tomografia.

Durante o segundo tempo, com Lucas Veríssimo em campo, o Santos não conseguiu assustar o Corinthians. “Está aberto, mas era um jogo em que a gente podia dar mais. Vamos atuar dentro de casa agora e, se Deus quiser, fazer uma boa partida para sair com a vitória e a classificação”, projetou o zagueiro.

O segundo e decisivo confronto entre Santos e Corinthians está marcado para as 20 horas (de Brasília) da próxima segunda-feira, no Estádio do Pacaembu. Empate beneficia o time paulistano, enquanto triunfo por um gol da equipe praiana leva a decisão aos pênaltis.


Red Bull Brasil 0 x 0 Santos

Data: 26/03/2019, terça-feira, 20h00.
Competição: Campeonato Paulista – Quartas de final – Jogo de volta
Local: Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, SP.
Público: 9.296
Renda: R$ 395.430,00
Árbitro: Leandro Bizzio Marinho
Auxiliares: Daniel Paulo Ziolli e Daniel Luis Marques.
Cartões amarelos: Jobson, Osman, Ytalo e Ligger (RB); Eduardo Sasha (S).

RED BULL BRASIL
Júlio César; Aderlan, Léo Ortiz, Ligger e Rafael Carioca (Pio); Jobson (Everton), Uillian Correia e Ytalo; Osman, Deivid e Roberson (Bruno Tubarão).
Técnico: Antônio Carlos Zago

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Felipe Aguilar, Gustavo Henrique (Luiz Felipe) e Felipe Jonatan; Alison, Diego Pituca e Jean Mota; Carlos Sánchez, Copete (Rodrygo) e Eduardo Sasha (Kaio Jorge).
Técnico: Jorge Sampaoli



Santos empata com o Red Bull e avança à semifinal do Paulistão

O Santos empatou em 0 a 0 com o Red Bull na noite desta terça-feira, no Estádio Moisés Lucarelli, e avançou à semifinal do Campeonato Paulista. Na ida, no Pacaembu, o Peixe havia vencido por 2 a 0.

O Alvinegro criou as melhores chances, mas esbarrou em grande noite do goleiro Júlio Cesar. A equipe de Jorge Sampaoli esteve sempre mais perto do gol e controlou a decisão.

O Santos foi ultrapassado pelo Palmeiras, que eliminou o Novorizontino com vitória, e agora tem a segunda melhor campanha do Paulistão. O Peixe enfrentará o terceiro melhor e saberá o adversário nesta quarta (Corinthians, São Paulo, Ituano ou Ferroviária). A semifinal terá início no fim de semana.

O jogo

O Santos, com a vantagem do 2 a 0, administraria o resultado e privilegiaria a defesa no Moisés Lucarelli, certo? Errado! Era o Peixe quem parecia precisar desesperadamente de gols.

Logo no primeiro minuto, Jean Mota deu lindo lançamento para Eduardo Sasha sair cara a cara com Júlio César. O goleiro do Red Bull Brasil saiu bem para defender.

Aos 3, Sánchez cobrou falta perigosa. Aos 7, o uruguaio cruzou bem, mas Copete cabeceou fraco para Júlio encaixar. No minuto 9, Diego Pituca levantou e Jean Mota finalizou de peito, com estilo, só que fraco.

O Santos seguiu em cima e quase abriu o placar em gol olímpico de Jean Mota – Júlio César espalmou de novo. E o RB só chegou com perigo aos 26, em chute de Aderlan na rede pelo lado de fora.

O Peixe voltou a ficar perto do gol com Pituca, depois de cruzamento perfeito de Sánchez – o goleiro do Red Bull foi novamente preciso. No contra-ataque, Deivid recebeu sozinho, com gol aberto, e furou.

O Alvinegro ainda teve tempo de ver Sánchez desperdiçar bom passe de Jean Mota aos 41. Na sequência, o meia bateu de fora da área, para fora.

O ritmo caiu para o segundo tempo. Depois de muita disposição e pouco futebol, Rodrygo fez fila, caneta em Aderlan e caiu na área aos 10 minutos. A arbitragem acionou o VAR, mas não marcou pênalti.

Quando o placar marcava 17, Osman recebeu em profundidade, aproveitou erro de Felipe Jonatan e bateu forte, de canhota. A bola explodiu no travessão.

Aos 27 minutos, Jean Mota deu mais um ótimo lançamento. Rodrygo dominou e bateu forte, de perna esquerda, mas a bola passou perto da trave. No minuto 31, Felipe Jonatan deixou Aguilar sozinho na área. O zagueiro bateu forte e Júlio César fez mais uma grande defesa.

Nos minutos finais, o Santos tentou, mas não penetrou a defesa do RB. E os donos da casa, sem reação, se despediram da competição.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli vê Santos “impressionante”, mas faz alerta para a semifinal

O técnico Jorge Sampaoli ficou impressionado com o desempenho do Santos nas quartas de final do Campeonato Paulista contra o Red Bull. O Peixe venceu a ida por 2 a 0, no Pacaembu, e empatou em 0 a 0 na noite desta terça-feira, no Moisés Lucarelli.

Sampaoli viu o empate injusto e fez um alerta para a semifinal – o adversário será definido nesta quarta. Como o Alvinegro teve a segunda melhor campanha geral, enfrentará o terceiro (Corinthians, Ferroviária, São Paulo ou Ituano).

“Atacamos muito. Ritmo intenso. Hoje deveríamos ter três ou quatro de diferença. Jogamos dois jogos impressionantes contra o Red Bull”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

“Qualquer jogo vai ser difícil. Nosso gol custa muito. Tivemos domínio, criamos e não fizemos. Contra equipes mais fortes, a conta vem”, completou.

O argentino ainda explicou a opção por Rodrygo no banco de reservas. Copete acabou substituído no intervalo.

“Sofremos no lado esquerdo no primeiro jogo. A gente quis proteger com Copete. E sabíamos que teria Rodrygo para o segundo tempo. O mais importante é a equipe”, concluiu.

Ferraz elogia atuação do Santos e analisa possíveis rivais na semi

O Santos empatou por 0 a 0 com o Red Bull Brasil e se classificou às semifinais do Campeonato Paulista na noite desta terça-feira. Após a partida, o lateral direito Victor Ferraz elogiou a postura do Peixe mesmo com uma vantagem de 2 a 0, construída no jogo de ida, no Pacaembu.

“Muitas pessoas esperavam que a gente esperaria atrás para achar contra-ataque, mas foi completamente diferente. Tivemos uma postura agressiva, tendo a maioria das melhores chances de gol. A gente queria vencer o jogo porque é o nosso DNA. É o que o nosso professor gosta”, afirmou, em entrevista ao Premiere.

Victor Ferraz também disse que não tem preferência por algum adversário nas semifinais. Com o empate desta noite, o Santos foi ultrapassado pelo Palmeiras e ficou no segundo lugar da classificação geral do Paulistão.

O Peixe enfrentará o time de terceira melhor campanha na próxima fase. Nesta quarta-feira, São Paulo e Corinthians tentam confirmar suas vagas diante de Ituano e Ferroviária, respectivamente.

“Qualquer um. Não é nem clichê. São muitas possibilidades. Não tem como dar Santos e Palmeiras. Quem sabe não pode ser uma possível final, mas antes disso pode ter um clássico na semi”, analisou, cauteloso.

“Temos que ter todo o respeito, porque o São Paulo cresceu no último jogo, o Corinthians vem crescendo há pelo menos 40 dias, e a gente vem numa crescente e chegando nas decisões muito focados”, concluiu.

Gustavo Henrique e Sasha têm edema e são dúvida no Santos para semifinal

Gustavo Henrique e Eduardo Sasha foram diagnosticados com “pequeno edema na coxa esquerda e são dúvida no Santos para enfrentar o Corinthians, domingo, em Itaquera, pela ida da semifinal do Campeonato Paulista.

A dupla faz fisioterapia e terá reavaliações diárias até a decisão. Ambos foram substituídos ao longo do jogo contra o Red Bull, na última terça-feira, no Moisés Lucarelli.

Em compensação, Cueva, Derlis e Soteldo retornam de amistosos no Peru, Paraguai e Venezuela, respectivamente, e ficam à disposição.

Se Gustavo Henrique não atuar, Luiz Felipe deve ser acionado novamente. No ataque, Derlis González deve retomar a vaga como falso 9.


Santos 2 x 0 Red Bull Brasil

Data: 23/03/2019, sábado, 19h30.
Competição: Campeonato Paulista – Quartas de final – Jogo de ida
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 20.615 presentes (18.475 pagantes e 2.140 não pagantes).
Renda: R$ 527.047,50
Árbitro: Douglas Marques Flores
Auxiliares: Anderson Coelho e Marco Antonio Andrade.
Cartões amarelos: Carlos Sánchez, Diego Pituca e Victor Ferraz (S); Ligger, Rafael Carioca, Osman e Jobson (RB).
Gols: Carlos Sánchez (10-1) e Diego Pituca (33-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Felipe Aguilar, Gustavo Henrique e Felipe Jonatan; Alison, Diego Pituca e Jean Mota; Carlos Sánchez, Rodrygo (Kaio Jorge) e Eduardo Sasha (Copete).
Técnico: Jorge Sampaoli

RED BULL BRASIL
Julio Cesar; Aderlan, Leo Ortiz, Ligger e Rafael Carioca; Jobson (Pio), Uillian Correia e Osman; Claudinho (Bruno Tubarão), Ytalo e Léo Castro (Rodrigo Angelotti).
Técnico: Antonio Carlos Zago



Santos volta a jogar bem, vence o Red Bull por 2 a 0 e fica perto da semifinal do Paulista

O Santos retomou o bom nível, venceu o Red Bull por 2 a 0 na noite deste sábado, no Pacaembu, e agora tem boa vantagem por uma vaga na semifinal do Campeonato Paulista. Os gols foram marcados por Carlos Sánchez e Diego Pituca, um em cada tempo.

As equipes fizeram uma etapa inicial frenética, com diversas chances e 1 a 0 barato no placar – o Peixe teve mais chances e poderia ter ido para o intervalo com vantagem maior. Diego Pituca ainda teve gol bem anulado por impedimento depois do auxílio do VAR.

No segundo tempo, o Red Bull rondou a área santista, mas sem criar. O Alvinegro diminuiu o ritmo, atacou menos e ainda ampliou o resultado na metade final.

A partida de volta será na próxima terça-feira, às 20h (de Brasília), no Estádio Moisés Lucarelli. O Santos joga por um empate para avançar.

O jogo

Diferentemente dos últimos jogos, o Santos demonstrou a intensidade da primeira rodada logo nos minutos iniciais e empurrou o Red Bull em sua defesa.

Na primeira chance, Sánchez demorou para tocar para Sasha, sozinho na pequena área. Na segunda, Rodrygo puxou contra-ataque e rolou para Pituca, impedido, marcar, aos cinco. A arbitragem anulou por meio do VAR.

A pressão, porém, não diminuiu e o primeiro gol saiu logo em seguida, aos 10 minutos. Sánchez bateu falta venenosa, a bola passou por todo mundo e venceu Julio Cesar. 1 a 0 Peixe.

O Alvinegro seguiu em cima e quase ampliou no minuto 12, em chute perigoso de Jean Mota. E na sequência, veio o susto. Osman cruzou, Victor Ferraz vacilou e Ytalo, completamente sozinho, perdeu chance inacreditável. Vanderlei já estava caído.

Depois do “gelo” por esse lance, o Red Bull passou a ficar mais perto do gol. Aos 28, Ytalo finalizou (dessa vez bem) e Vanderlei espalmou. No minuto 31, Victor Ferraz cruzou e Rodrygo cabeceou por cima.

Aos 32, Sánchez cobrou outra falta, Julio Cesar afastou e Rodrygo bateu forte. No minuto 35, as duas equipes ficaram perto de balançar as redes.

Primeiro foi Rodrygo quem entortou a defesa e bateu bem. Julio Cesar espamou e Sánchez perdeu o rebote. No contra-ataque Ytalo, sempre ele, chutou de fora da área e Vanderlei quase frangou. Para sorte do goleiro, a bola bateu na trave.

E ainda deu tempo de Pituca também perder uma chance clara. Sasha cruzou e Pituca, livre no segundo pau, bateu na rede pelo lado de fora.

O ritmo caiu completamente para a etapa final. Melhor no segundo tempo, O Red Bull rondou a área do Santos, só que sem levar real perigo por vários minutos. A primeira chance importante veio novamente com Ytalo, em cabeceio por cima do gols aos 31.

Na sequência, veio o castigo. Sánchez foi à linha de fundo e cruzou, a defesa afastou mal e a bola caiu no pé de Rodrygo. O camisa 11 rolou para Diego Pituca finalizar bonito e ampliar o placar.

O Red Bull tentou correr atrás do gol e ficou perto em cobrança de falta de Pio, aos 42 minutos, para boa defesa de Vanderlei. Pituca ainda ficou perto de fazer o terceiro no minuto 46. E parou por aí. Vantagem merecida do Santos em busca da semifinal do Paulistão.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli vê “Santos à altura” e destaca Pituca, Sánchez e Eduardo Sasha

O técnico Jorge Sampaoli ficou muito feliz com a vitória do Santos por 2 a 0 sobre o Red Bull Brasil na noite deste sábado, no Pacaembu, pela ida das quartas de final do Campeonato Paulista. Com o resultado, o Peixe pode até perder por um gol de diferença na próxima terça-feira, no Moisés Lucarelli, para avançar à semifinal.

“Foi uma das nossas melhores partidas. O rival fez com que fosse uma boa partida. Um rival que vinha sem perder há nove partidas, que nunca nos perdeu de vista na tabela. Não perdeu contra nenhuma grande equipe. O Santos esteve à altura. Agora é esperar a segunda partida, que com certeza será mais difícil”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

O treinador deu destaque para três atletas: Diego Pituca, Carlos Sánchez e Eduardo Sasha.

“Nós conhecemos um Pituca um pouco desorganizado, pouco voluntarioso, mas conosco está rendendo muito, é um jogador muito completo. Ele disputa o jogo inteiro com a mesma intensidade. Ele é o único jogador que jogou a partida anterior inteira e jogou essa. Vejo um jogador com um potencial enorme”, avaliou.

“É muito importante (Sánchez). É um jogador que nos ajuda muito na pressão inicial, na elaboração do jogo pela direita e se entende muito bem com Victor Ferraz e Rodrygo. O Sasha fez uma partida, posicionalmente, incrível. Nos deixa feliz que o Sasha tenha feito isso, nos faz pensar que erramos em não dar mais partidas para ele”, completou.

O Santos se reapresenta neste domingo, no CT Rei Pelé. Depois da boa atuação e o mea culpa de Sampaoli, Sasha deve seguir como titular.

Victor Ferraz diz que todos se pilharam antes de decisão: “O melhor Santos”

Em entrevista coletiva na última sexta-feira, o capitão Victor Ferraz chamou a responsabilidade e prometeu “a melhor versão do Santos” contra o Red Bull neste sábado, no Pacaembu, pela ida das quartas de final do Campeonato Paulista. O camisa 4 garantiu que o atraso de salário não seria preponderante. E deu certo.

O Peixe apagou as más atuações recentes e, com bom futebol e muita dedicação, conseguiu 2 a 0 e ficou perto da semifinal.

“Ainda não (pagaram o salário), mas eu não quero entrar nesse mérito. É o que menos importa nesse momento. O que mais importava era jogar bem, encaminhar a classificação. A gente entende que não tem nada resolvido. Temos que entrar na terça com a mesma postura que tivemos hoje. Quando eu me referi a ser o melhor Santos, eu sabia da necessidade de ser o melhor Santos para a gente poder vencer o RB Brasil. Se mesmo a gente jogando bem foi difícil, se não jogássemos nesse nível fatalmente teríamos perdido”, disse Ferraz.

“Como falei, a necessidade de jogar muito bem por ser uma eliminatória. Não teve um algo a mais. Deixamos a desejar em alguns jogos da fase de grupos. Sabíamos que se jogássemos como estávamos jogando não passaríamos pelo RB Brasil. Todo mundo se pilhou. Ouvi muita cobrança não só dos jogadores, mas também da comissão técnica, para que pudéssemos fazer um grande jogo e levar uma vantagem importante”, completou.


Botafogo-SP 4 x 0 Santos

Data: 20/03/2019, quarta-feira, 21h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 12ª rodada (última)
Local: Estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto, SP.
Público: 6.029 pagantes
Renda: R$ 87.200,00
Arbitragem: Raphael Claus
Auxiliares: Danilo Ricardo Simon Manis e Luiz Alberto Andrini Nogueira.
Cartões amarelos: Pará (B): Lucas Veríssimo e Matheus Ribeiro (S).
Cartão vermelho: Lucas Veríssimo (S).
Gols: Rafael Costa (01-1) e Plínio (18-1); Rafael Costa (05-2) e (43-2).

BOTAFOGO-SP
Darley; Bruno José (Evandro), Naylhor, Plínio e Pará; Willian Oliveira, Marlon Freitas e Nadson (Wellington Bruno); Rafael Costa, Felipe Saraiva e Erick (Ednei).
Técnico: Roberto Cavalo

SANTOS
Vanderlei; Matheus Ribeiro, Luiz Felipe (Rodrygo), Gustavo Henrique, Lucas Veríssimo e Copete; Yuri, Jean Lucas (Felipe Jonatan) e Diego Pituca; Eduardo Sasha e Felippe Cardoso (Orinho).
Técnico: Jorge Sampaoli



Com reservas, Santos é goleado em Ribeirão Preto e Botafogo se salva de rebaixamento

O time reserva do Santos jogou muito mal e perdeu por 3 a 0 para o Botafogo na noite desta quarta-feira, em Ribeirão Preto, pela 12ª e última rodada da primeira fase do Campeonato Paulista. Os gols foram marcados por Rafael Silva (3) e Plínio.

Com a derrota, o Peixe fechou a etapa inicial do Estadual na segunda colocação do Grupo A e terceiro no geral, ultrapassado pelo Palmeiras e atrás do líder Red Bull Brasil, seu adversário das quartas de final – o Alvinegro decidirá fora de casa.

O Botinha ultrapassou Mirassol e Bragantino e se livrou do rebaixamento. A equipe do interior foi lanterna do Grupo D, com 11 pontos.

O jogo

Seria normal o Santos, completamente reserva, não começar bem o jogo contra o Botafogo em Ribeirão Preto. Mas um início tão ruim nem o torcedor mais pessimista esperava.

Logo no primeiro minuto, Copete errou na saída da defesa, o Botafogo martelou pelo alto e abriu o placar com Rafael Costa. E o Peixe não reagiu depois da bola balançar as redes.

Os donos da casa seguiram em cima e empilharam chances contra um assustado Peixe. Aos 18, veio o segundo. Após ponte aérea em escanteio, Plínio desviou, sozinho na pequena área.

Com três zagueiros e três volantes, o Alvinegro foi frágil na defesa e inofensivo no meio-campo. A única chance chegou no minuto 43, quando Gustavo Henrique acertou o travessão.

Sampaoli desfez a linha de três zagueiros e sacou Luiz Felipe para a entrada de Rodrygo. Não funcionou e o terceiro gol veio logo aos cinco minutos.

Como num fim de pelada, a defesa do Santos ficou toda exposta em contra-ataque e Rafael Costa chutou por baixo de Vanderlei para marcar o segundo dele.

Com 0-3 no placar, o Peixe se desorganizou mais ainda e abusou da ligação direta para tentar reagir. O time até levou perigo com Eduardo Sasha e Jean Lucas, mas foi pouco. E aos 32, na expulsão de Lucas Veríssimo após o segundo cartão amarelo, qualquer chance de pontuar acabou.

E ainda deu tempo de Rafael Costa fazer seu hat-trick. Centroavante, sozinho contra a exposta defesa santista, deslocou Vanderlei e fechou o placar aos 43 minutos. Goleada e vexame alvinegro.

Após goleada, Sampaoli analisa 1ª fase “favorável” do Santos no Paulistão

Mesmo com a goleada de 4 a 0 para o Botafogo-SP e a queda para o terceiro lugar geral no Campeonato Paulista, o técnico Jorge Sampaoli analisa como “favorável” a primeira fase do Santos.

O Peixe terminou na segunda colocação do Grupo A, com 23 pontos, quatro atrás do Red Bull Brasil, seu adversário nas quartas de final. O Palmeiras foi o segundo no geral, com 25.

“Nossa primeira fase foi favorável no processo, mas sabendo que temos proposta nova, com muitos jovens e temos que implementar e melhorar. Sabendo que isso só se melhora com o trabalho, com essa condição. Chegamos aqui e agora temos bem claro o que temos e o que precisamos para enfrentar o que temos. E isso depende de outros fatores para sabermos o que se sucede”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

Sobre a derrota para o Botinha, Sampaoli lamentou o desempenho dos reservas e a falta de variações no elenco para o mata-mata.

“Preocupa, além de tudo, a forma (da derrota). Mais do que a alternância de hoje, queríamos jogar a bola, com variantes para tudo que vem pela frente, e não tivemos o jogo que pensávamos. Agora é pensar na partida de daqui a três dias e nos prepararmos bem”, analisou..

“Não temos um elenco grande e ele é jovem. A falta dos selecionados para os dois jogos contra o Red Bull nos incomoda, mas é a realidade. Temos que enfrentar com o que temos e pensar rápido no jogo do fim de semana”, completou.

Cueva, Derlis González e Soteldo, convocados para Peru, Paraguai e Venezuela, respectivamente, serão desfalques diante do Red Bull. O Santos decidirá fora de casa.

A Federação Paulista definirá em congresso técnico na manhã desta quinta-feira as datas, horários e mandos. As partidas de ida serão no sábado e domingo. E as de volta na terça e quarta.

Sampaoli confirma devolução de salário e pede diretoria “à altura do Santos”

O técnico Jorge Sampaoli confirmou a devolução do seu salário ao Santos. Como a comissão recebeu e o elenco não, o argentino optou por não ficar com o dinheiro. A informação foi antecipada pela Gazeta Esportiva na última segunda-feira.

O treinador disse que a diretoria precisa estar à altura da história do clube para resolver o problema financeiro. Os salários de fevereiro não foram pagos e há atraso de dois meses no direito de imagem.

“A condição financeira do clube não tenho motivo para saber. Cheguei com o conhecimento do elenco, da necessidade que tinha, da necessidade da equipe. É uma realidade que o clube tinha que resolver. Santos é um clube de grande história, e o clube tem que estar à altura, os dirigentes também”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva depois da goleada sofrida para o Botafogo-SP, nesta quarta-feira.

“Sobre os salários, a comissão recebeu e qualquer um teria feito o mesmo (de devolver). Tem que pagar o salário na mesma data para todos”, completou.

O Santos terminou a primeira fase como segundo colocado do Grupo A e terceiro no geral, atrás de Palmeiras e Red Bull Brasil. O RB será o adversário nas quartas de final. A Federação Paulista definirá em congresso técnico na manhã desta quinta-feira as datas, horários e mandos As partidas de ida serão no sábado e domingo. E as de volta na terça e quarta.

Sasha vê derrota justa do Santos e fala em “erguer a cabeça” antes do mata-mata

Eduardo Sasha, um dos reservas na goleada de 4 a 0 sofrida pelo Santos diante do Botafogo, em Ribeirão Preto, vê derrota merecida e pede para o time erguer a cabeça antes do mata-mata.

O Peixe enfrentará o Red Bull, melhor campanha da primeira fase do Campeonato Paulista, nas quartas de final. O Alvinegro decidirá fora de casa.

“Independentemente do time que entra, cada um tem que mostrar seu valor. Entrosamento atrapalha, mas temos que compensar na vontade. Agora é ver o que erramos, merecemos a derrota. É erguer a cabeça”, disse Sasha, ao Premiere.

“Temos jogo importante no fim de semana e temos tudo para retomar e fazer um bom jogo”, completou.