Navegando Posts em Notícias

O Santos pediu à Federação Paulista de Futebol (FPF) a transferência de seus jogos para o Pacaembu por dois meses a partir da estreia no Campeonato Paulista contra a Ferroviária, no dia 19, confirmada para a Vila Belmiro.

O Peixe não conseguiu fazer toda a reforma durante as férias do elenco e quer tempo para viabilizar outras mudanças. Veja a nota oficial abaixo.

“O Santos Futebol Clube está solicitando à Federação Paulista de Futebol (FPF) a transferência de seus jogos como mandante para o Pacaembu por período de 60 dias após a estreia contra a Ferroviária, marcada para o dia 19 de janeiro. A solicitação ocorre por conta de haver a necessidade da realização de manutenções de maior porte em determinados setores da Vila Belmiro, como a cobertura dos camarotes e revestimento da marquise, bem como algumas melhorias no entorno do gramado, especialmente atrás do gol da arquibancada do placar”.

Se a FPF aprovar, o Santos jogará quase toda a primeira fase do Paulistão e o início da Sul-Americana no Pacaembu. O presidente José Carlos Peres disse que o Peixe atuaria 60% dos seus compromissos na capital paulista.




Derrota por 2 a 1 para o Sport foi a última partida do treinador à frente do Peixe, que termina o Brasileirão na décima colocação, com 50 pontos; confira a coletiva de Cuca

Cuca se despediu do comando do Santos com uma derrota para o Sport por 2 a 1, na Ilha do Retiro, pela última rodada do Campeonato Brasileiro de 2018. Após a partida, o treinador se demonstrou aliviado com a campanha do Peixe, avaliou sua passagem como ‘positiva’ e desejou sorte ao futuro comandante do clube.

– Chegar na última rodada como hoje, é positivo. Se tivéssemos hoje como Fluminense, Chapecoense e Sport, é difícil. Dois anos, um para lutar e outro para voltar em uma partida. Em geral, foi trabalho bom e desejo toda sorte a quem vier no meu lugar – disse o treinador.

Em Recife, o Santos teve mais um desempenho ruim nesta reta final de Brasileirão e viu uma clara superioridade dos anfitriões durante os 90 minutos. Para Cuca, o resultado mais justo teria sido um empate.

– Controlamos bem o jogo, com posse de bola e seis conclusões a um no primeiro tempo. Perdemos a chance do gol, e o jogo é assim, uma bola, torcida pressionando, e aconteceu aos 40 pela nossa lateral, quando demoramos para fazer a cobertura e um belo gol do Rogério. Gol que decretou o início da vitória. De repente, o empate era mais justo – relatou Cuca, acrescentando:

– Não foi o resultado esperado, mas agora é para o Santos se preparar e fazer um 2019 melhor. Para o Sport, fica o desejo de boa sorte e que volte ainda mais fortalecido em 2020.

Cuca assumiu o Peixe no fim de julho, com o clube beirando a zona de rebaixamento. Desde então, sua equipe engatou uma ótima sequência na competição e brigou por uma vaga na Libertadores até as últimas rodadas, momento em que o Santos caiu de rendimento e acabou terminando o Brasileirão na décima colocação, com 50 pontos. Ao todo, foram 27 jogos, com dez vitórias, nove empates e oito derrotas.

Entidade vê erro do Peixe e decreta vitória do Independiente por 3 a 0 em jogo das oitavas da Libertadores; Sánchez pode jogar nesta terça, e clube vai recorrer ao Tribunal Arbitral do Esporte



A Conmebol puniu o Santos, em decisão divulgada nesta terça-feira, no Paraguai, por considerar irregular a escalação do meio-campista Carlos Sánchez no jogo de ida das oitavas de final da Libertadores, contra o Independiente, na Argentina – na última terça-feira, os times tinham empatado em 0 a 0, em Avellaneda. O clube vai recorrer da decisão, de acordo com o advogado Mario Bittencourt, que participou da defesa do Santos.

A entidade modificou o resultado da partida e decretou vitória do Independiente por 3 a 0. Nesta terça, no Pacaembu, o Santos terá que vencer por quatro gols de diferença para avançar direto para as quartas de final – 3 a 0 leva a disputa para os pênaltis.

O Tribunal de Disciplina da Conmebol divulgou comunicado às 10h49 da manhã, menos de nove horas antes do jogo de volta das oitavas de final da Libertadores, marcado para 19h30. Além da punição ao clube, a suspensão de um jogo ao atleta tinha sido mantida, mas a entidade voltou atrás: Sánchez está liberado para jogar nesta terça. A entidade deu prazo de sete dias para o Santos recorrer.

“A Conmebol resolve declarar como perdedor o Santos Futebol Clube na partida disputada em 21 de agosto, determinar o resultado de 3 a 0 a favor do Club Atlético Independiente e confirmar a suspensão do jogador Carlos Andrés Sanchez Arcosa”, diz trecho do comunicado.

O Santos promete recorrer também ao TAS, Tribunal Arbitral do Esporte, com sede na Suíça. O clube havia apresentado uma defesa por escrito na última sexta e pôde reforçar os argumentos oralmente na segunda. A delegação santista no Paraguai teve o presidente José Carlos Peres, o diretor jurídico Rodrigo Gama e o advogado Mario Bittencourt – este último conhecido como “o advogado do Fluminense”, por ter atuado no caso Héverton, que culminou no rebaixamento da Portuguesa e na salvação do Flu no Campeonato Brasileiro de 2013.

O Peixe protocolou uma petição pedindo a reconsideração da decisão com relação à parte da decisão da Conmebol que determina que o Sánchez não pode jogar nesta terça-feira porque isso é contrário às normas da Fifa, que diz que se os pontos foram tirados, o jogador não pode ser suspenso.

Um advogado especializado no tema consultado pelo GloboEsporte.com afirmou que o regulamento da Fifa não se aplica ao caso, apenas aos torneios da Fifa. O regulamento da Conmebol não é claro nesse sentido.

Até o final da tarde, o Santos vai dar entrada numa outra petição, para que a Conmebol anuncie os motivos que levaram a entidade a punir o clube. O Peixe quer fundamentar o recurso com as justificativas da entidade.

O Santos se pronunciou através de um comunicado oficial em seu site:

“O Santos FC vem a público manifestar o descontentamento e a resignação com a punição imposta ao Clube pelo Tribunal Disciplinar da Conmebol na manhã desta terça-feira.

Não bastasse o estranhar da lenta decisão, a punição publicada não tem o menor embasamento legal ou jurídico. Além do que, pune duplamente o Santos FC, com a perda do jogo e a manutenção da suspensão do jogador Carlos Sánchez.

Por fim, em busca do direito do torcedor santista, o Clube declara publicamente que irá à todas instâncias cabíveis, a fim de que a Justiça sobre o caso seja feita.”

Veja abaixo o comunicado da Conmebol, na íntegra:

“Considerando:

(i) Que os citados artigos 56 e 19.3 permitem a qualquer clube reclamar contra o resultado de uma partida por motivo de escalação indevida de um jogador do time adversário até 24 horas depois da partida e o Club Atlético Independiente interpôs a citada reclamação dentro do prazo e formato

(ii) Que o Santos Futebol Clube apresentou por escrito sua defesa no tempo e formato no dia 24 de agosto de 2018 e no dia 27 de agosto de 2018 foi concedido o direito de ser ouvido em audiência diante deste Tribunal antes da sua decisão

(iii) Que o Tribunal de Disciplina decidiu que o Santos não cumpriu o dever de se comunicar diretamente com a Unidade Disciplinaria conforme o artigo 9 do Regulamento da Conmebol Libertadores 2018

(iv) Conforme o Artigo 19.1 do RD (Regulamento Disciplinar), qualquer time que seja responsável por uma escalação indevida se considerará como perdedor desse jogo por 3-0

(v) Que o Tribunal de Disciplina decidiu o Santos Futebol Clube como responsável da infração de escalação indevida do jogador Carlos Andres Sanchez no cumprimento da sanção pendente de 1 partida de suspensão

Portanto, o Tribunal de Disciplina decidiu:

1) Fazer valer a reclamação apresentada pelo Club Atlético Independiente;
2) Declarar como perdedor o sanrtos Futebol Clube da partida disputada ante o Club Atlético Independiente, correspondente a ida das oitavas de final da Libertadores 2018 e, em consequência:
3) Determinar o resultado de 3 a 0 a favor do Club Atlético Independiente em conformidade ao artículo 19 do Regulamento Disciplinar da Conmebol
4) Confirmar a suspensão do jogador Carlos Andrés Sanchez Arcosa por uma partida, a qual deve ser cumprida na partida seguinte da Libertadores 2018 (o jogo desta terça no Pacaembu).

Tribunal de Disciplina da Conmebol”


Diretoria surpreende e acerta contratação de Cuca, que estava sem clube desde que deixou o Palmeiras, em outubro do ano passado

Cuca é o novo técnico do Santos. O anúncio foi feito pela diretoria nesta segunda-feira, exatamente uma semana após a demissão de Jair Ventura. Cuca estava sem clube desde outubro do ano passado, quando foi demitido do Palmeiras. Será a segunda passagem de Cuca pelo Santos como treinador. Ele jogou no clube em 1993 (era meio-campista).

– Feliz com o acerto com o Santos após um ano sem trabalhar para poder resolver questões pessoais. Estou renovado e motivado por assumir este grande desafio. Muito feliz e muito confiante. Amanhã estarei aí – disse Cuca, por mensagem.

Coube ao executivo de futebol, Ricardo Gomes, fazer o anúncio da contratação de Cuca. O contrato vai até o fim do ano que vem.

– Estamos aqui (para anunciar) um acordo com o Cuca. Isso foi uma boa escolha para o clube, para o Cuca. A expectativa é tê-lo já no treino de amanhã (terça) e no jogo da quarta-feira (contra o Cruzeiro). O contrato é válido até dezembro de 2019 – disse Ricardo Gomes, em entrevista coletiva.

– Começamos a negociação hoje pela manhã. Depois de duas ou três horas de negociação, chegamos a um consenso (…) É um treinador competente, com experiência, com títulos. É ofensivo. Reúne todas essas qualidades para o nosso trabalho – completou o dirigente.

O anúncio da contratação de Cuca foi feito pelo Santos no Twitter às 14h02, 21 minutos após o GloboEsporte.com publicar esta matéria bancando o acerto. No post, o Peixe reproduz uma frase dita por Cuca, que usou a camisa 10 do time em sua passagem como jogador:

– Quando você entrava no vestiário da Vila Belmiro, tinha um armário lacrado, do Pelé. Vestir a camisa 10 é um baque. Toda sua infância passa dentro de você. Eu falo que muitas coisas têm seu preço e algumas o seu valor. Essa tem um valor inestimável.

O time está num momento decisivo da temporada: pega o Cruzeiro pelas quartas de final da Copa do Brasil na quarta-feira, luta para se afastar da zona do rebaixamento no Campeonato Brasileiro e tem, em agosto, os dois duelos contra o Independiente, da Argentina, pelas oitavas de final da Libertadores.

A contratação de Cuca surpreendeu a todos. Desde a semana passada, o executivo de futebol tinha um acordo verbal com Zé Ricardo, mas a pressão interna contra o ex-técnico de Flamengo e Vasco pesou contra sua contratação. O vice Orlando Rollo e o presidente do Conselho Deliberativo, Marcelo Teixeira, preferiam Vanderlei Luxemburgo. Dorival Júnior era outro bem cotado. O colombiano Juan Carlos Osorio foi cogitado, mas descartado por ser muito caro e por estar estudando outras propostas no mercado internacional.

Passagem ruim pelo Santos em 2008

Ex-jogador do Santos no início dos anos 90, Cuca treinou o time em 2008, em substituição a Emerson Leão. E não foi bem. Depois de ganhar destaque como comandante do Botafogo, ele só treinou o Peixe em 14 partidas, com três vitórias, quatro empates e sete derrotas. Com Cuca, o time esteve o tempo todo na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro – acabou se safando da degola na penúltima rodada.

A despedida do treinador ocorreu após derrota de 3 a 2 para o Atlético-MG na Vila Belmiro. Logo depois do jogo, Cuca fez um pronunciamento e anunciou seu desligamento:

– Conversei com a diretoria e entendemos que é o momento de sair do Santos. Não é da maneira como a gente queria. Queria tocar o campeonato até o final, começar a trabalhar um grupo zerado, como gostamos de fazer. Infelizmente não foi possível. Falta pouco mais de um turno, tempo hábil para se fazer uma remodelagem. Deixo as portas abertas para um outro profissional pode tocar esse trabalho.

Cuca foi substituído por Márcio Fernandes, que conseguiu evitar o rebaixamento – o Santos terminou aquele campeonato em 15º.



Ricardo Gomes explica contratação de Cuca no Santos: “Competente, com experiência e títulos”

O Santos surpreendeu ao anunciar a contratação de Cuca como novo técnico nesta segunda-feira. Em entrevista no CT Rei Pelé, o executivo de futebol do Peixe, Ricardo Gomes, comentou a escolha pelo comandante de 55 anos. O vínculo do treinador será válido até dezembro de 2019.

– É um treinador competente, com experiência, com títulos. Tem o anseio da torcida do Santos, de ser ofensivo. Ele reúne todas essas qualidades para nosso trabalho. (…) Ele teve vários convites e não aceitou – disse Ricardo Gomes.

A contratação de Cuca surpreendeu a todos. Desde a semana passada, o executivo de futebol tinha um acordo verbal com Zé Ricardo, mas a pressão interna contra o ex-técnico de Flamengo e Vasco pesou contra sua contratação. O vice Orlando Rollo e o presidente do Conselho Deliberativo, Marcelo Teixeira, preferiam Vanderlei Luxemburgo. Dorival Júnior era outro bem cotado. O colombiano Juan Carlos Osorio foi cogitado, mas descartado por ser muito caro e por estar estudando outras propostas no mercado internacional.

Ricardo Gomes explicou a demora do Santos para acertar a chegada de Cuca e admitiu que o clube tinha outros dois nomes.

– O nome chegou há poucos dias. Saí daqui, na segunda, e falei que tinha dois nomes. Trabalhei nesses dois nomes. Depois, apareceu essa terceira possibilidade. Começamos a trabalhar. Não foi difícil. Hoje pela manhã, começamos a negociar. Em duas ou três horas de negociação, chegamos a um consenso. – comentou Ricardo Gomes.

O executivo do Santos afirmou confiar na capacidade de Cuca dar respostas rápidas nas competições.

– A busca por resultados é imediata. Essa parte da tabela não é o nosso lugar. Estamos longe da realidade. Não é a primeira vez que o Cuca passa por isso. Ele já provou competência. Conhece bem a situação, o time. Isso é importante. Vamos sair dessa.

O dirigente afirmou que vê em Cuca um estilo que casa com o elenco do Santos.

– O Cuca tem uma maneira de trabalhar que vai ajudar bastante. Acho que combina bastante com o modelo do Cuca de trabalhar: jogadores rápidos, o meio vai ficar ainda melhor para ele desenvolver o que pensa. Todo mundo vai sair mais forte.

Ricardo Gomes disse também que conta com o cumprimento de todo o período de contrato com Cuca – ou seja, até o final do ano que vem.

– Vou fazer de tudo para que o Cuca cumpra o contrato. Isso vai ser bom para mim, para o Santos e para o Cuca. Todos ganham nessa situação. Seria melhor (ele ter começado antes). Teria mais jogos e mais tempo para trabalhar. Temos uma pressa de resultados, de entrosamento, dos conceitos que ele vai implantar. Quero conversar com vocês em dezembro com tudo certo.


Técnico não resiste à pressão da torcida e à sequência ruim de atuações e resultados no Peixe

Fim da linha: Jair Ventura não é mais técnico do Santos. O treinador, que já estava bastante pressionado no cargo por parte dos torcedores, também perdeu o apoio da diretoria santista. O comandante não resistiu às más atuações da equipe após a pausa para a Copa do Mundo e foi desligado na tarde desta segunda-feira.

No duelo contra o Flamengo, na quarta-feira, o time será comandado interinamente pelo auxiliar Serginho Chulapa.

O clube anunciou nas redes sociais o desligamento do técnico santista.

– A direção do Santos Futebol Clube comunica que Jair Ventura não é mais treinador da equipe profissional. O Clube agradece o profissionalismo do técnico durante o tempo em aqui esteve no comando do Peixe – diz o comunicado.

Zé Ricardo, livre no mercado após pedir demissão no Vasco, é o nome que mais agrada a diretoria do Peixe. Abel Braga também já teve seu nome citado em reuniões recentes, mas não planeja assumir nenhum clube após se desligar do Fluminense.

No Santos, Jair Ventura somou 39 jogos, sendo 14 vitórias, 10 empates e 15 derrotas, um aproveitamento de 44,4%.

Jair Ventura iniciou seu trabalho no Santos no dia 3 de janeiro deste ano, na reapresentação do elenco das férias. Ele foi o primeiro técnico da gestão do presidente José Carlos Peres.

O técnico chegou ao Peixe após ótimo trabalho realizado no Botafogo. Por isso, a expectativa dos santistas sobre o comandante era grande, mas não se tornou realidade.

Parte da diretoria já defendia a demissão de Jair ainda no primeiro semestre, alegando que o time não tinha um padrão de jogo e que o famoso “DNA ofensivo” havia sido extinto.

Um dos problemas vividos por Jair no Santos foi a falta de um camisa 10. A diretoria do Peixe buscou atletas para repor a vaga deixada por Lucas Lima no ano passado por mais de sete meses, até contratar Bryan Ruiz, atleta que o comandante nem conseguiu utilizar. Nesses mais de seis meses de trabalho, o técnico testou diversos jogadores na função, mas nenhum engrenou.

Jair deixa o Santos com o time perto da zona de rebaixamento. O Peixe ocupa a 15ª colocação, com 15 pontos, mas com um jogo a menos, a ser disputado com o Vasco após a Copa do Mundo. O América-MG, primeiro clube da degola, tem um ponto a menos.