Navegando Posts em Paulistão

Santos 0 x 1 Novorizontino

Data: 15/03/2019, sexta-feira, 20h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 11ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público e renda: 10.079/R$ 215.767,00
Arbitragem: Salim Fende Chavez
Auxiliares: Neuza Ines Back e Evandro de Melo Lima.
Cartões amarelos: Diego Pituca (S); Adilson Goiano, Jean Patrick e Matheus Sales (N).
Gol: Murilo (30-1).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Aguilar e Felipe Jonatan; Diego Pituca, Carlos Sánchez e Cueva (Felippe Cardoso); Soteldo (Copete), Rodrygo (Eduardo Sasha) e Jean Mota.
Técnico: Jorge Sampaoli

NOVORIZONTINO
Vagner; Lucas Ramon (Dudu Vieira), Everton Sena, Edson Silva e Paulinho; Adilson Goiano, Matheus Sales, Jean Patrick (Danielzinho) e Murilo Henrique (Carlinhos); Cléo Silva e Felipe Marques.
Técnico: Roberto Fonseca



Santos joga mal, perde para o Novorizontino e é ultrapassado pelo Red Bull

O Santos jogou muito mal e perdeu por 1 a 0 para o Novorizontino na noite desta sexta-feira, no Pacaembu, pela 11ª rodada do Campeonato Paulista. O gol foi marcado por Murilo.

Com a derrota, o Peixe foi ultrapassado em um ponto pelo Red Bull Brasil na liderança do Grupo A e também na classificação geral do Paulistão. O Novorizontino segue na segunda colocação do Grupo B, agora com 19 pontos, e perto de se classificar às quartas de final.

Com vaga garantida nas quartas, mas agora atrás na briga pela liderança e a vantagem de decidir em casa, o Santos voltará a campo para enfrentar o Botafogo na quarta, em Ribeirão Preto, pela última rodada da primeira fase. O Novorizontino receberá a Ferroviária, no mesmo dia.

O jogo

O Santos iniciou bem o jogo e o gol parecia questão de tempo. Aos oito minutos, Rodrygo fez boa jogada e tocou para Cueva marcar. Matheus Sales, debaixo da trave, impediu.

Aos 15, foi a vez de Cueva deixar Rodrygo em boas condições. Depois de boa tabela, o camisa 11 finalizou em cima do goleiro Vagner.

Com as chances desperdiçadas, o Peixe diminuiu o ritmo e o Novorizontino melhorou. O castigo veio aos 30, depois de erro de Sánchez, drible fácil de Felipe Marques em Victor Ferraz e finalização precisa de Murilo para abrir o placar.

E quem esteve mais perto de marcar novamente foi o Novorizontino. No minuto 40, Diego Pituca errou, Felipe driblou Vanderlei e quis cavar o pênalti. A arbitragem não foi na dele.

O cenário da segunda metade do primeiro tempo se manteve na etapa final. O Santos sem criatividade diante de um Novorizontino concentrado e bem estruturado defensivamente.

Como o Peixe só chegava por cruzamentos, o técnico Jorge Sampaoli mudou o jeito de jogar e colocou três atacantes bons pelo alto: Felippe Cardoso, Copete e Eduardo Sasha. Não funcionou.

Nos contra-ataques, o Novorizontino foi quem mais esteve perto de marcar e teve três chances com Felipe. A única oportunidade dos donos da casa veio em cabeceio de Felipe, aos 45.

O Santos decepcionou os pouco mais de 10 mil presentes no Pacaembu, foi derrotado e ultrapassado pelo Red Bull Brasil na liderança do Grupo A e também na classificação geral do Paulistão.

Sampaoli diz que derrota não pode ‘confundir’ o Santos: “Sabemos o caminho”

O técnico Jorge Sampaoli não quer que a derrota por 1 a 0 para o Novorizontino “confunda” o Santos. O Peixe começou bem na noite desta sexta-feira, no Pacaembu, mas desperdiçou chances, sofreu o gol e não teve repertório para reagir.

“Perdemos os gols, arrancamos bem e com domínio. Não convertemos, eles fizeram e nos complicaram pois não fomos precisos. Dizer que falta centroavante depois de uma derrota pode parecer uma desculpa. Temos que continuar melhorando e nos prepararmos bem para os playoffs”, disse Sampaoli.

“Seguimos em formação, formando um grupo para chegar da melhor forma às definições do Paulista e Copa do Brasil e preparando para o Brasileirão, que é muito mais difícil. Esses eventos, dois jogos sem ganhar, não podem confundir a gente. Sabemos o caminho”, completou.

O treinador destaca a ansiedade da equipe e revela a busca de variações táticas para sofrer menos no mata-mata. O adversário das quartas de final será o Red Bull Brasil.

“Buscamos a todo tempo os caminhos e não encontramos. Estivemos no campo rival, não sofremos com transições, mas futebol tem disso. Ficamos ansiosos, não concretizamos as chances e se foi a partida. Hoje não fomos contundentes em nenhuma das duas áreas”, explicou.

“Estamos buscando variações e não teremos alguns selecionados contra o Red Bull. Escolhemos quem pode jogar melhor o futebol, se são mais altos ou baixos é consequência”, emendou.

Por fim, Sampaoli optou por valorizar o esforço dos jogadores ao invés de estimular a “caça às bruxas”.

“Não ganhar incomoda sempre. Nessa sociedade, quem ganha é bom e quem perde é descartável. Eu valorizo mais do que o resultado, o esforço dos jovens. Tratam de mudar o jeito e defender a ideia. Hoje não conseguimos, mas esforço foi o mesmo”, concluiu.

Luiz Felipe destaca variações táticas e vê Santos no caminho certo

Apesar da derrota por 1 a 0 para o Novorizontino, Luiz Felipe vê o Santos no caminho certo. O Peixe perdeu chances e não teve repertório para vencer a equipe do interior na noite desta sexta-feira, na Vila Belmiro.

O zagueiro, de volta ao time depois de lesão muscular na coxa direita, destaca as variações táticas para tentar não tornar o estilo de jogo “manjado” para os rivais.

“Temos confiança, sabemos do nosso trabalho correto e vamos manter nossa linha”, disse Luiz Felipe.

“Variamos nosso estilo de jogo, três ou dois zagueiros, três, dois e um volante. Sabemos que o adversário vai monitorar para aproveitar os nossos erros e temos que fazer o mesmo para fazer o adversário sofrer”, completou.

Homenagem a Coutinho



Corinthians 0 x 0 Santos

Data: 10/03/2019, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 10ª rodada
Local: Arena Corinthians, em São Paulo, SP.
Público: 41.737 presentes (41.404 pagantes)
Renda: R$ 2.197.534,00.
Árbitro: Douglas Marques das Flores
Auxiliares: Marco Antonio de Andrade Motta Júnior e Evandro de Melo Lima.
Cartões amarelos: Fagner (C); Alison, Mateus Ribeiro, Derlis (S).

CORINTHIANS
Cássio; Fagner, Manoel, Henrique e Danilo Avelar; Ralf, Júnior Urso e Sornoza; Pedrinho (Love), Clayson (André Luis) e Boselli (Mateus Vital).
Técnico: Fábio Carille

SANTOS
Vanderlei; Aguilar, Alison (Cueva) e Gustavo Henrique; Victor Ferraz, Jean Lucas (Rodrygo), Diego Pituca e Felipe Jonatan; Carlos Sánchez (Matheus Ribeiro), Derlis González e Jean Mota.
Técnico: Jorge Sampaoli



Corinthians domina, mas Santos arranca empate em Itaquera

O Corinthians foi melhor, fez talvez sua melhor partida em 2019, mas não conseguiu passar de um empate por 0 a 0 com o Santos diante de 41.737 pessoas na Arena de Itaquera. O Peixe encontrou muitas dificuldades para fugir da marcação e segurar o ímpeto corintiano. Ainda assim, segurou o empate e sondou um triunfo nos minutos finais.

O resultado não garante a classificação antecipada do Corinthians às quartas de final do Campeonato Paulista depois de 10 das 12 rodadas previstas nessa primeira fase. O time da capital é líder do Grupo C com 15 pontos. Já os santistas, já classificados, somam 23 pontos e seguem tranquilos na ponta do Grupo A.

Antes do clássico, muito se falou sobre o duelo de estilos entre Fábio Carille, tratado como pragmático, e Jorge Sampaoli, fã do jogo ofensivo e de posse de bola. Mas, quem surpreendeu foi o comandante corintiano, que teve toda a semana livre para trabalhar antes do encontro desse domingo.

O jogo

O Timão avançou suas linhas, pressionou, criou jogadas de gol, fez Vanderlei trabalhar e também conseguiu matar as tentativas ofensivas do Peixe logo no início das jogadas. Os corintianos se viram apreensivos apenas nos sustos causados pelo zagueiro Henrique.

Apesar do amplo domínio, explícito principalmente pelas jogadas combinadas entre Fagner e Pedrinho pela direita, os mandantes não conseguiram abrir o placar antes do intervalo.

O treinador argentino do Santos, então, resolveu agir. Não só isso. Resolveu ousar. Durante o primeiro tempo, Sampaoli mexeu no posicionamento dos santistas diversas vezes em busca de soluções. Sem efeito, o técnico voltou para a etapa final com Cueva e Rodrygo.

Nos primeiros minutos, o jogo até apresentou um novo equilíbrio, com os times se contra-atacando. Mas, não demorou para o Corinthians retomar seu domínio. A entrada de Vagner Love também contribuiu para isso.

Os dois goleiros contribuíram para as jogadas de gol criadas pelas equipes. Tanto Cássio quanto Vanderlei foram mal quando exigidos com os pés e só não se tornaram vilões pela ineficiência dos atacantes.

Assim, com tantos problemas nos momentos decisivos, Corinthians e Santos não saíram de um empate sem gols, apesar do bom jogo na Arena.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli admite erro e destaca melhora do Santos em clássico “interessante”

O técnico Jorge Sampaoli viu um 0 a 0 “interessante” no clássico entre Corinthians e Santos neste domingo, em Itaquera. O argentino ficou incomodado com o primeiro tempo, admitiu erro e destacou a melhora na etapa final.

“Foi um jogo interessante e muito disputado. Jogadores se ofereceram, os jovens dos dois times fizeram jogo intenso, no segundo tempo fomos buscar o jogo, modificamos taticamente e tivemos controle. Para os treinadores, foi interessante. Esteticamente, não sei. Como técnico, é uma aprendizagem e temos que continuar crescendo”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

“Ideia era jogar no 3-4-1-2, com gente no espaço, por isso Carlos e Derlis entre centrais e laterais. Pensamos na pressão exagerada no Corinthians e isso poderia gerar um oito versus seis, mas não deu certo. A inclusão de Alison de zagueiro era porque no amistoso os cruzamentos do Corinthians foram muito perigosos e com meias que chegavam. Colocamos um zagueiro para livrar os laterais da bola cruzada. São planos e que não terminaram com solução. Ocorreram outras coisas que prejudicaram nosso jogo e isso tem a ver comigo”, completou.

Sampaoli explicou o problema nos primeiros 45 minutos e a dificuldade de enfrentar equipes de “hierarquia”.

“Corinthians fez pressão alta, nós não encontramos a saída com tanta gente no nosso campo. Tivemos que modificar a estratégia porque sofremos e não pudemos jogar no primeiro tempo. No segundo, encontramos as chances de poder entrelaçar o jogo do início para ter chances que não tivemos no primeiro. Foi mérito do Corinthians”, analisou.

“Equipes maiores têm mais hierarquia, condição distinta. Esse cenário, como o do Palmeiras, geram maior rendimento para os jovens. Tentamos com plantel jovenzinho protagonizar contra rivais de destaque. Temos que tentar melhorar para defendermos mais com a bola. Sem a bola, defendemos bem na área no último passe. Também tem a ver com a hierarquia dos rivais que repetirão o que ocorreu hoje”, concluiu.

Sampaoli cogita Pituca de 1º volante e mira testes por ausência de gringos

O técnico Jorge Sampaoli cogita utilizar Diego Pituca como primeiro volante do Santos. No 0 a 0 com o Corinthians neste domingo, em Itaquera, o meio-campista foi recuado depois das saídas de Alison e Jean Lucas no intervalo. E atuou bem.

“Pituca fez uma grande partida, outro dia de lateral, hoje de volante de contenção, no primeiro de volante misto. Interpreta muito bem o jogo e se encontra mais controle de posição, pode ser primeiro volante pois tem bom passe e isso ajuda muito”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

O treinador também falou sobre encontrar alternativas por causa da ausência dos selecionados. Convocados para Uruguai, Peru e Paraguai, respectivamente, Carlos Sánchez, Cueva e Derlis González são desfalques certos no primeiro jogo das quartas de final do Campeonato Paulista. Felipe Aguilar e Soteldo ainda podem ser chamados para as seleções da Colômbia e Venezuela.

“Estamos vendo algumas alternativas. Se não modificam o calendário, jogaremos sem os selecionados. Buscaremos formas diferentes, jogamos um partida na Copa do Brasil e agora menos de 72 horas (contra o Corinthians). Evidentemente o time sentiu, pensei no time com outros jogadores. Rodrygo e Cueva nos deram um novo ar, ameaçaram, poderiam ter convertido. Nossa equipe quase não sofreu no segundo tempo. Partido muito agradável para analisar para o futuro. Jogar contra equipe de hierarquia contra o Corinthians muda alguns detalhes e temos que impor nosso estilo depois do que nos passou hoje”, analisou o argentino.


Santos 3 x 2 Oeste

Data: 02/03/2019, sábado, 19h00.
Competição: Campeonato Paulista – 9ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 9.486 presentes (8.123 pagantes e 1.363 não pagantes)
Renda: R$ 249.544,00
Arbitragem: Thiago Duarte Peixoto
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho e Gustavo Rodrigues de Oliveira.
Cartões amarelos: Aguilar e Rodrygo (S); Bruno Lopes, Matheus Jesus, Alyson e Lídio (O).
Gols: Bruno Lopes (14-1), Betinho (41-1, contra) e Matheus Jesus (42-1); Derlis González (16-2) e Victor Ferraz (50-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Aguilar, Gustavo Henrique e Felipe Jonatan; Yuri (Carlos Sanchez), Jean Lucas, Jean Mota e Cueva (Felipe Cardoso); Soteldo (Rodrygo) e Derlis González.
Técnico: Jorge Sampaoli

OESTE
Matheus Cavichioli; Tony, Maracás, Kanu e Alyson; Matheus Jesus (Lídio), Betinho, Elvis, Mazinho (Jheimy) e Roberto; Bruno Lopes (Bruno Xavier).
Técnico: Renan Freitas



Santos vence Oeste nos acréscimos e garante classificação antecipada

O Santos é o primeiro clube classificado às quartas de final do Campeonato Paulista. Na noite deste sábado, após sair em desvantagem diante do Oeste, o time dirigido pelo técnico Jorge Sampaoli venceu por 3 a 2 com um gol de Victor Ferraz nos acréscimos e assegurou a vaga.

Com 22 pontos e sete vitórias, o Santos permanece na primeira colocação do Grupo A e não pode mais ser alcançado pela Ponte Preta, que tem 10 pontos e duas vitórias. O Oeste, por sua vez, figura na liderança do Grupo D com 12 pontos e corre risco de ser ultrapassado pelo São Paulo (10), que ainda visita o Bragantino no domingo.

O jogo

Atrapalhada pela chuva, a partida começou com 1h25min de atraso e, depois de tomar um susto em chute de Derlis Gonzalez, o Oeste saiu na frente. Aos 14 minutos do primeiro tempo, Bruno Lopes acertou belo chute de fora da área e encobriu Vanderlei.

O Santos tentou pressionar em busca do empate, mas teve dificuldades para criar boas chances de gol. O time praiano igualou o marcador apenas aos 41 minutos do primeiro tempo, quando Jean Mota levantou na área em cobrança de falta e Betinho desviou contra a própria meta.

Os santistas nem tiveram tempo de comemorar o empate, já que o Oeste retomou a vantagem no marcador no minuto seguinte. Roberto subiu com liberdade pela direita e cruzou para uma cabeçada certeira de Matheus Jesus diante de Vanderlei.

O técnico Jorge Sampaoli voltou para o segundo tempo com Carlos Sanchez e Rodrygo nas vagas de Yuri e Soteldo. Encorpado pelas alterações, o Santos chegou ao empate aos 16 minutos. Victor Ferraz recebeu de Jean Mota pela direita e cruzou para Derlis Gonzalez completar de primeira.

O Oeste quase marcou o terceiro logo depois. Após cobrança de escanteio pelo lado esquerdo, Kanu cabeceou firme e Vanderlei fez boa defesa. No rebote, o próprio Kanu bateu por cima. O goleiro voltou a salvar o Santos ao sair diante de Jheimy e teve seu nome gritado pela torcida.

Empurrado pelos quase 10 mil torcedores que foram ao Pacaembu, o Santos buscou a virada de forma franca e conseguiu aos 50 minutos da etapa complementar. Após corte do goleiro Matheus, Rodrygo tocou para Victor Ferraz, que definiu a partida com um chute forte e cruzado.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli celebra classificação antecipada às quartas do Paulista

Com uma sofrida vitória por 3 a 2 sobre o Oeste, alcançada na noite deste sábado, o Santos garantiu a classificação antecipada às quartas de final do Campeonato Paulista. Satisfeito, o técnico argentino Jorge Sampaoli celebrou o feito de sua equipe no Estádio do Pacaembu.

Dono da primeira colocação do Grupo A, o Santos contabiliza 22 pontos e sete vitórias no torneio estadual. Com quatro jogos por disputar na primeira fase, a Ponte Preta, hoje no terceiro lugar, não pode mais alcançar o time praiano, já que tem 10 pontos e apenas dois triunfos.

“É uma alegria muito grande para um grupo de jogadores em que ninguém acreditava e foi crescendo com o tempo. Sabemos que as próximas etapas serão muito mais difíceis, mas valorizamos esse grupo de jovens que mudou a história imaginada por todos. Muitos atletas encontraram um valor que não tinham”, disse o técnico.

Por meio de Bruno Lopes, o Oeste conseguiu inaugurar o marcador no Pacaembu. Ainda no primeiro tempo, o Santos empatou com um gol contra de Betinho, mas o time visitante marcou o segundo com Matheus Jesus. Na etapa complementar, a equipe praiana definiu graças a Derlis Gonzalez e Victor Ferraz.

“Gostei muito da decisão do time no segundo tempo. Foi buscar o resultado sem medo de se expor, contra um adversário bem postado em campo. O time gerou várias chances e o jogo ficou bem aberto. O Santos buscou a vitória até o final e conseguiu”, disse Sampaoli.

Autor do gol da virada, Ferraz cita inspiração na torcida santista

O Santos sofreu para garantir uma vaga antecipada nas quartas de final do Campeonato Paulista. Autor do gol que definiu o triunfo por 3 a 2 contra o Oeste na noite deste sábado, o lateral direito Victor Ferraz citou a torcida alvinegra como inspiração para a virada no Estádio do Pacaembu.

No primeiro tempo, o Oeste saiu na frente com Bruno Lopes, o Santos empatou em um gol contra de Betinho e o time visitante retomou a vantagem por meio de Matheus Jesus. Na etapa complementar, Derlis Gonzalez igualou novamente e Victor Ferraz, aos 50 minutos, determinou o placar final.

“O Santos tem um pouco disso. A torcida já canta que somos o time da virada e isso foi o combustível para tentarmos o jogo inteiro reverter o placar. Durante muito tempo, o Oeste causou bastante dificuldade e parou o jogo, mas, no final, fomos honrados com o gol da vitória”, declarou o lateral em entrevista ao Premiere.

O jogo entre Santos e Oeste, atrasado em 1h25min por conta da tempestade que atingiu o estádio, foi acompanhado por um público total de 9.486 torcedores no Pacaembu. A exemplo de Victor Ferraz, Jean Mota celebrou a virada de sua equipe.

“Como o Sampaoli sempre diz, temos que jogar com alegria. Não começamos da forma que queríamos. Tomamos o gol e saímos atrás, mas tivemos a garra, a luta e a vontade para buscar a virada. Estivemos sempre atrás no placar, mas buscamos a virada e o grupo está de parabéns”, declarou.

Chuva causa incerteza e vibração entre juiz e santistas no Pacaembu

Uma tempestade atingiu a região que abriga o Pacaembu durante a tarde deste sábado e atrapalhou a realização do jogo entre Santos e Oeste, pela nona rodada do Campeonato Paulista. Antes do triunfo santista, a chuva causou incerteza e uma inusitada vibração entre árbitro e torcida no estádio.

Assim que a tempestade começou, os torcedores que já estavam no Pacaembu buscaram refúgio sob as marquises. Choveu intensamente durante muito tempo, o que deixou o gramado do estádio municipal sem condições de receber uma partida de futebol às 19 horas, horário do jogo.

Encarregado de decidir sobre a realização da partida, Thiago Duarte Peixoto fez seguidas inspeções no gramado e procurou manter o tom otimista. A situação piorou ainda mais no momento em que uma das torres de iluminação do Pacaembu ficou com apenas um refletor funcionando.

A partida, antes prevista para as 19 horas, teve seu começo adiado. Pouco antes das 20 horas, com a iluminação já reestabelecida, Peixoto voltou ao campo e experimentou jogar a bola no gramado. Ao ver que ela rolou sem maiores problemas, árbitro e torcida vibraram juntos.

Peixoto conduziu a situação de maneira bem-sucedida e, além de convidar representantes dos clubes para a tomada de decisão, explicou o andamento do processo por meio de entrevistas. O sistema de drenagem do Pacaembu mostrou que está em dia e, durante toda a partida, a bola rolou sem problemas.

Após 1h25min de espera, os 9.486 torcedores que estiveram no estádio municipal viram cinco gols. Bruno Lopes e Matheus Jesus marcaram para o Oeste, mas o Santos, classificado de forma antecipada, virou por meio de Betinho (contra), Derlis Gonzalez e Victor Ferraz.

Classificado no Paulista, Santos pode rodar elenco e priorizar Copa do Brasil

Com a vitória por 3 a 2 sobre o Oeste no último sábado, no Estádio do Pacaembu, o Santos foi o primeiro e único clube até o momento que assegurou vaga para as quartas de final do Campeonato Paulista. Dessa forma, o técnico Jorge Sampaoli pode finalmente rodar o elenco nos jogos finais do Estadual.

Nesta quinta-feira, por exemplo, o Peixe pega o América-RN, novamente no Pacaembu pela Copa do Brasil. Everson deverá ser titular no confronto. No restante, o treinador argentino mandará a força máxima.

Entretanto, três dias depois, o Alvinegro da Vila Belmiro terá o clássico contra o Corinthians, em Itaquera. Mesmo se tratando de um jogo importante, o Santos pode colocar alguns jogadores considerados reservas, a exemplo do que fez no empate sem gols diante do Palmeiras, no Allianz Parque.

Das competições que estava disputando em 2019, o Peixe já adeus à Copa Sul-Americana, ao ser eliminado de forma vexatória para o modesto River Plate-URU, após empatar em 0 a 0 no Uruguai e 1 a 1 em São Paulo.

Santos lidera estatísticas de passes e cruzamentos certos no Paulistão

Além de liderar o Grupo A e ser o primeiro geral no Campeonato Paulista, o Santos está na ponta em outros quesitos no Estadual: o de time que mais troca passes e cruza de maneira correta. O Peixe até o momento já deu 3970 passes certos na competição, segundo a Footstats.

Os dois jogadores que mais trocaram passes no Paulistão também são do Alvinegro da Vila Belmiro. Os zagueiros Gustavo Henrique e Felipe Aguilar deram 606 e 444 passes, respectivamente.

Isso diz muito sobre o estilo de jogo implantado por Sampaoli. Ou seja, tocar a bola em busca de espaços para furar a defesa do adversário. Se defender para o Santos, consiste em manter a pelota consigo, assim, não sofrerá com chegadas dos rivais. A criação das jogadas começa desde lá atrás com o goleiro e os defensores.

Além disso, os zagueiros precisam ter qualidade para organizar os ataques e ter a paciência necessária para trocarem bolas entre si quando encontrarem um sistema defensivo bem armado pela frente.

Cruzar de forma aleatória também não é do feitio deste atual Santos. O time lidera a estatística de cruzamentos certos, são 68 ao total. Jean Mota é quem mais alça a redonda para a grande área.

Como consequência, o Peixe tem o melhor ataque do Paulistão, honrando o seu DNA ofensivo. São 19 gols até o momento. O artilheiro da equipe e do campeonato é Jean Mota, com sete gols anotados.

Amor pelo balón. É isso que o Santos de Sampaoli vem fazendo até o momento. Resta saber se a filosofia implantada pelo argentino dará frutos ao longo da temporada.


Palmeiras 0 x 0 Santos

Data: 23/02/2019, sábado, 19h00.
Competição: Campeonato Paulista – 8ª rodada
Local: Allianz Parque, em São Paulo, SP.
Público: 33.980
Renda: R$ 2.144.518,00
Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza
Auxiliares: Alex Ang Ribeiro e Tatiane Sacilotti.
Cartões amarelos: Weverton e Antonio Carlos (P); Yuri, Jean Lucas e Cueva (S).

PALMEIRAS
Weverton; Marcos Rocha, Luan (Antonio Carlos), Gustavo Gómez e Victor Luis; Thiago Santos, Moisés (Bruno Henrique) e Raphael Veiga (Ricardo Goulart); Felipe Pires, Dudu e Borja.
Técnico: Luiz Felipe Scolari

SANTOS
Everson; Victor Ferraz, Felipe Aguilar, Gustavo Henrique e Copete (Orinho); Yuri, Jean Lucas, Diego Pituca (Carlos Sánchez) e Cueva; Rodrygo e Derlis González (Jean Mota).
Técnico: Jorge Sampaoli



Borja perde gol incrível, goleiros brilham e Palmeiras e Santos empatam sem gols

Palmeiras e Santos fizeram um bom clássico neste domingo, no Allianz Parque, mas não conseguiram balançar as redes. Depois de um primeiro tempo apenas com duelos táticos e novo gol incrível perdido por Borja, a partida ganhou emoção na etapa final e os dois times pararam em grandes defesas de Weverton e Everson. Pior para o Verdão que viu os quase 34 mil pagantes vaiarem após o apito final.

Com o empate, o Palmeiras segue líder do Grupo B com 15 pontos. O Verdão volta a campo diante do Ituano, na próxima quarta-feira, às 21h30 (de Brasília), no Allianz Parque. O Santos também lidera sua chave, soma 19 pontos e só volta a jogar pelo Paulistão no sábado, diante do Oeste, às 19h, no Pacaembu. Antes, o Peixe encara o River Plate pela Copa Sul-Americana, às 19h15 também no Pacaembu.

O jogo

O clássico começou interessante no Allianz Parque. As duas equipes buscaram a marcação no campo ofensivo, mas a pressão dos mandantes durou poucos minutos. Logo, a apatia de Miguel Borja e o despreparo físico de Raphael Veiga pesaram para que o Verdão desse espaço ao Santos.

Isso, somado à boa ‘saída de três’ armada por Sampaoli, com Yuri recuado quase como terceiro zagueiro, deu espaço para Jean Lucas, o melhor do Peixe aparecer no jogo. Quando Moisés avançava para tentar acirrar a marcação, o camisa 30 do, hoje dourado, Santos aparecia bem às costas dos volantes palestrinos, mas nada que evoluísse para jogadas claras de gol.

O Alviverde, por sua vez, tentava copiar a fórmula de saída de bola adversária, mas o passe de Thiago Santos dificultou o recurso. Foi o primeiro time misto do Maior Campeão do Brasil na temporada. Ao invés das já conhecidas formações ‘A’ e ‘B’, Felipão misturou suas duas escalações e o Verdão sofreu.

Apenas Felipe Pires conseguiu destaque, infernizando o inseguro Copete pelo lado direito. Dudu tentou dobradinha com Victor Luis na esquerda, mas pouco apareceu, enquanto Raphael Veiga e Borja fizeram nova péssima partida. Com todo este cenário, a única real oportunidade de gol do clássico saiu após 40 minutos já jogados.

Dudu tentou jogada individual pela esquerda, perdeu a bola e ela sobrou para Victor Luis, que avançou até a área e cruzou rasteiro. Everson e Raphael Veiga tentaram alcançar, mas a bola chegou no segundo poste, onde Borja entrou livre. O colombiano deu um carrinho com o pé direito, mas ela bateu em seu pé esquerdo e foi fraca na direção do gol. Em cima da linha, Gustavo Henrique afastou.

O panorama da etapa final foi diferente. Por erros de passe, botes e cobertura, os dois times conseguiram criar. Com apenas três minutos, Derlis González teve espaço para arriscar de fora da área, e Yuri entregou bola para Raphael Veiga dominar sozinho, na meia-lua e finalizar duas vezes em cima da zaga. Felipe Pires, livre pela direita, esbravejou muito com o companheiro.

O Alvinegro, por sua vez, reclamou de duas penalidades. Primeiro, de um toque de mão de Gustavo Gómez em finalização de Jean Lucas. Depois, de um empurrão em Jean Mota após cruzamento na área.

Contando com as falhas visitantes e abusando das jogadas pelas pontas, o Palmeiras foi encurralando o Santos, mas abrindo espaço para os contra-ataques. Tentando armar, o Peixe só conseguia respiro quando seus dois zagueiros, além de Yuri, tocavam a bola.

Com 14 jogados, após cruzamento de Dudu, três palmeirenses tocaram de cabeça, mas ninguém mandou para as redes. Pouco depois, o camisa 7 levantou mais uma área, Felipe Pires finalizou, mas a bola estava muito alta e foi para fora.

A esperança verde aumentou com a entrada de Ricardo Goulart, já metade do segundo tempo. As arquibancadas vibraram quando o camisa 11 foi chamado por Felipão, mas chiaram quando a placa indicou que Raphael Veiga era quem deixaria o campo, ao invés de Borja. Ambos fizeram péssima jornada e o último reforço do ano melhorou o Verdão.

O placar só não foi alterado na reta final pela bela defesa de Weverton, em finalização de Matheus Ribeiro e o brilho de Everson. O goleiro do Santos fez um milagre para defender a cabeçada de Dudu e mostrou reflexo para parar Gustavo Gómez, em nova jogada pelo alto.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli elogia Everson, mas banca Vanderlei na Sul-Americana

O técnico Jorge Sampaoli elogiou Everson depois do empate do Santos em 0 a 0 com o Palmeiras neste sábado, no Allianz Parque, mas bancou o retorno de Vanderlei diante do River Plate-URU, terça-feira, no Pacaembu, pela volta da primeira fase da Sul-Americana.

Everson foi o grande destaque do Peixe no empate do clássico. O goleiro ainda reserva fez pelo menos três grandes defesas e ainda mostrou categoria na reposição e tranquilidade nos recuos.

“Era uma partida importante para Everson demonstrar seu potencial, mostrar que está pronto. Na terça-feira vai jogar Vanderlei. É bom saber que Everson também tem nível para estar no time”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

Sampaoli analisa um rodízio entre Vanderlei e Everson, mas, antes disso, dará algumas chances esporádicas ao jogador ex-Ceará.

Na decisão de terça, o Santos contará com o retorno de Alison, suspenso pelo terceiro cartão amarelo contra o Palmeiras. Rodrygo, por punição da Conmebol, e Cueva e Jean Lucas, não inscritos a tempo, serão desfalques.

Victor Ferraz, Carlos Sánchez e Jean Mota, poupados neste sábado, estarão à disposição. Soteldo, com dores musculares na coxa direita, é dúvida.

Jean Lucas ganha elogios de Sampaoli e diz: “Jogador sem personalidade não joga”

Jean Lucas foi um dos destaques do Santos no empate em 0 a 0 com o Palmeiras neste sábado, no Allianz Parque, pela oitava rodada do Campeonato Paulista.

O ex-flamenguista marcou e apoiou com qualidade e quase fez o gol da vitória nos acréscimos em finalização de fora da área.

A boa atuação e a personalidade chamaram a atenção do técnico Jorge Sampaoli.

“Jean Lucas jogou uma boa partida. Mesmo com pouca experiência jogou bem num palco muito grande. Esta à altura de poder jogar neste time”, disse o treinador, em entrevista coletiva.

Antes de deixar a arena palmeirense, Jean Lucas disse que está contente com suas atuações.

“Estou feliz e tenho muito a melhorar. E jogador sem personalidade não joga hoje em dia”, concluiu.

Jean Lucas não foi inscrito a tempo e será desfalque diante do River Plate-URU na terça-feira, no Pacaembu, pela volta da primeira fase da Copa Sul-Americana.

Everson explica sugestão aceita por Sampaoli e diz que ainda não pediu para bater falta

Destaque do Santos no empate em 0 a 0 com o Palmeiras neste sábado, no Allianz Parque, Everson também chamou a atenção pela leitura tática.

Quando Cueva foi derrubado na meia-lua, o goleiro correu para o banco de reservas na direção do técnico Jorge Sampaoli. Parecia um pedido para cobrar falta, algo feito no Ceará, mas foi uma sugestão.

Everson viu Yuri, o líbero, recuado na defesa santista e pediu para o volante adiantar e ele próprio fazer a função de terceiro zagueiro.

“Foi uma questão tática, gostamos da saída de três e Yuri estava afundado e eu acabava apertado. Falei para o Yuri adiantar e eu fazer o terceiro homem, e ele concordou. Yuri foi flutuar e eu fiz o terceiro homem com a bola nos pés”, disse o goleiro, antes de analisar a sua atuação.

“Foi um bom jogo, seguro, nas coberturas que eu fiz, pude sair bem no jogo aéreo e debaixo do gol, sorte no lance do Borja e finalização fraca, fiz boas defesas e separo a cabeçada do Dudu, rápida. Marcos Rocha bateu lateral, sabíamos da jogada e vacilamos. Cabeceio não ia tanto no campo, mas foi para o chão, difícil e nunca é fácil prever onde a bola vai”, completou.

Ainda reserva de Vanderlei, Everson afirmou que ainda não pediu a Sampaoli para cobrar faltas.

“Vim muito focado em defender o Santos e cavar espaço aos poucos e mais para frente, com confiança e liberdade, vou pedir liberação para treinar e bater falta. Hoje fico feliz pela contribuição lá atrás”, concluiu.

Santos 3 x 0 Guarani

Data: 18/02/2019, segunda-feira, 20h00.
Competição: Campeonato Paulista – 7ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 14.708 presentes (12.952 pagantes e 1.756 não pagantes)
Renda: R$ 399.272,00
Árbitro: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral (SP)
Auxiliares: Neuza Ines Back e Leandro Matos Feitosa (ambos de SP).
Cartões amarelos: Alison (S); Victor Ramos e Carlinhos (G).
Gols: Jean Mota (37-1); Jean Mota (35-2) e Rodrygo (44-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Aguilar, Gustavo Henrique e Copete; Alison (Jean Lucas), Diego Pituca, Carlos Sánchez (Yuri) e Jean Mota; Cueva (Rodrygo) e Derlis González.
Técnico: Jorge Sampaoli

GUARANI
Giovanni; Léo Principe, Ferreira, Victor Ramos e William Matheus (Inácio); Deivid (Carlinhos) e Ricardinho; Lucas Crispim (Álvaro), Thiago Ribeiro e Jefferson Nem; Fernando Viana.
Técnico: Osmar Loss



Com show do artilheiro Jean Mota, Santos vence o Guarani no Pacaembu

O Santos venceu o Guarani por 3 a 0 na noite desta segunda-feira, no Pacaembu, pela sétima rodada do Campeonato Paulista. Jean Mota fez dois e Rodrygo completou.

O Peixe dominou todo o jogo e, mesmo com 1 a 0 parcial no intervalo seguiu em cima do Bugre. Jean se isolou na artilharia do Paulistão, agora com sete gols. E o novo camisa 11 fechou o placar na estreia pelo Alvinegro na temporada depois do Sul-Americano Sub-20 com a seleção brasileira.

O Santos, líder geral do Estadual, voltará a campo no clássico diante do Palmeiras, sábado, na arena do rival. No mesmo dia, o Guarani receberá o São Caetano.

O jogo:

O Santos, como de costume, controlou o jogo desde os primeiros minutos e voltou a enfrentar uma boa defesa. O Guarani encurtou os espaços do Peixe assim como feito pelo Mirassol na última rodada.

O Peixe ficou com a bola, não sofreu na defesa e só foi perigoso na primeira metade da etapa inicial pelo alto. Gustavo Henrique teve duas boas chances e desperdiçou.

Quando o lado direito passou a ser mais acionado com Victor Ferraz e Derlis González saiu da área para buscar espaços, o Alvinegro cresceu. Aos 35, na primeira boa triangulação, a arbitragem marcou impedimento duvidoso de Sánchez. Dois minutos depois, veio o primeiro gol.

A jogada foi precisa. Tabela de Victor Ferraz com Cueva, passe para trás, chute cruzado de Sánchez e Jean Mota, artilheiro do Campeonato Paulista com seis gols, aproveitou na pequena área. 1 a 0 parcial.

O segundo tempo foi mais aberto. Em cinco minutos, três oportunidades foram criadas – duas para o Guarani, com Thiago Ribeiro e Viana, e uma do Santos, com Carlos Sánchez.

O Bugre se expôs e ofereceu espaço ao Peixe. Os donos da casa, porém, voltaram a mostrar falta de pontaria e não mataram o jogo.

O Alvinegro teve diversas oportunidades na bola parada e, em uma delas, quase marcou um golaço. Carlos Sánchez bateu escanteio para trás, Derlis fez o corta luz e Jean Mota bateu bonito, rente à trave, aos 22. Aos 28 e 29, Sánchez e Aguilar voltaram a assustar no jogo aéreo.

No minuto 33, o Santos teve mais um gol anulado. Em novo escanteio perigoso, Copete desviou e Derlis guardou. Paraguaio, porém, estava à frente. Na sequência, o Guarani sucumbiu. Jean Mota marcou o segundo dele em cobrança de falta direta para o gol e decretou a vitória.

Nos minutos finais, o Santos administrou o resultado e ainda deu tempo de fazer o terceiro. Aos 44, Derlis caiu na área e optou por cruzar ao invés de reclamar de pênalti. Rodrygo, sozinho, cabeceou para o fundo do gol. Vitória do líder geral do Campeonato Paulista.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli cita “religião” do Santos e cogita poupar contra o Palmeiras

Após vencer o Guarani por 3 a 0 nesta segunda-feira, no Pacaembu, o técnico Jorge Sampaoli citou a “religião” do Santos: estar perto do gol adversário.

“Estamos com uma estrutura de trabalho que nos permite trabalhar dessa forma. Mas o mais importante é a vontade de ir para frente, a vontade dos jogadores de desfrutar o jogo, tratando de crescer, tratando como se o jogo e o gol rival fosse nossa religião. Estamos construindo essa ideia e tomara que desfrutemos dela”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

O treinador também cogitou poupar titulares diante do Palmeiras, sábado, na arena do rival, pela oitava rodada do Campeonato Paulista. O Peixe terá o jogo de volta contra o River Plate-URU na terça, no Pacaembu, pela Sul-Americana.

“Sabemos que teremos uma partida difícil contra o atual campeão Brasileiro. Temos também a partida da Sul-Americana, vamos valorizar as duas partidas. As duas são importantes”, afirmou.

“Palmeiras tem um elenco muito bom. Temos que ver com quais jogadores vamos atuar, pensando nas duas partidas (Palmeiras e Sul-Americana)”, concluiu.

Sampaoli vê plenitude de Jean Mota e fala em “pegar no pé” de Rodrygo no Santos

O técnico Jorge Sampaoli vê Jean Mota em sua “plenitude” pelo Santos. Com os dois gols diante do Guarani, nesta segunda-feira, o meia se isolou como artilheiro do Campeonato Paulista, com sete no total.

“Está tendo uma temporada fantástica. Está nos ajudando muito com sua capacidade goleadora e com seu jogo. Está vivendo um movimento de plenitude. Quando chegamos vimos que ele tinha muitas condições de jogo, por isso queríamos ele no clube. Agora está mostrando sua qualidade. Está fazendo gols porque também tem muita confiança. Tem muitas virtudes que não haviam sido descobertas”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

“Fiquei surpreendido. O nível de confiança que ele tem, atuando em diversas posições. Ele interpretou muito bem o jogo de posição. Ele sabe se mover dentro e fora da área, joga bem com ou sem a bola. Há jogadores que entendem rápido essa forma de jogar, ele foi um deles”, completou.

Sampaoli também comentou sobre Rodrygo. De volta após o Sul-Americano Sub-20 com a seleção brasileira, a joia marcou o terceiro gol do Peixe diante do Bugre. O argentino pegará no pé do jovem antes da ida para o Real Madrid-ESP, em julho.

“Chegou com um cansaço do Sul-Americano. Mas ainda estamos nos conhecendo. Ele será muito importante para o Santos, é um jogador que se destaca. Ele precisa se comprometer nesses poucos meses que ficará no Santos, é obrigação. Estaremos em cima dele”, concluiu.

Victor Ferraz destaca gols “treinados” e “construídos” do Santos

Capitão, Victor Ferraz destaca os gols trabalhados do Santos. O primeiro diante do Guarani, nesta segunda-feira, teve tabela, triangulação, e o meia Jean Mota na pequena área para completar.

O segundo, também de Jean, veio depois de um pedido de Jorge Sampaoli para falta lateral cobrada na direção do gol. O terceiro teve Derlis González, o “falso 9”, pela ponta antes de cruzamento perfeito para Rodrygo surgir como 9 e fechar o placar.

“As jogadas estão saindo, as jogadas que a gente treina, os gols estão saindo de forma construída. Continuar com os pés no chão, porque é só o início do campeonato”, disse Victor Ferraz, ao SporTV.

“A gente treina isso. O Sampaoli sempre pede para bater em cima do goleiro, porque se não pega em ninguém fica difícil para o goleiro”, afirmou Jean Mota.