Linense 0 x 3 Santos

Data: 17/01/2018, quarta-feira, 19h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 1ª rodada
Local: Estádio Gilberto Siqueira Lopes, em Lins, SP.
Público: 5.866 pagantes
Renda: R$ 243.530,00
Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira
Auxiliares: Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo e Luiz Alberto Andrini Nogueira.
Cartões amarelos: Bileu (L); Renato, Romário e Alison (S).
Gols: Arthur Gomes (20-1), Rodrigão (47-1) e Arthur Gomes (10-2).

SANTOS
Vanderlei, Victor Ferraz, Lucas Veríssimo (Luiz Felipe), David Braz e Romário; Alison, Renato e Vecchio; Bruno Henrique (Arthur Gomes), Copete e Rodrigão (Yuri Alberto).
Técnico: Jair Ventura

LINENSE
Victor Golas, Reginaldo, Adalberto, Leandro Silva e Eduardo; Bileu, Marcão Silva, Danielzinho e Murilo (Thiago Humberto); Berguinho (Kauê) e Wilson (Kadu).
Técnico: Moacir Júnior



Com ataque afiado, Santos vence o Linense por 3 a 0 na estreia

O Santos estreou com pé direito no Campeonato Paulista. Na estreia do técnico Jair Ventura, o Peixe venceu o Linense, em Lins, por 3 a 0 na noite desta quarta-feira. Os gols foram marcados por Arthur Gomes (2) e Rodrigão.

Mesmo sem a condição física ideal no começo da temporada, o alvinegro controlou o jogo desde os primeiros minutos. A qualidade técnica da equipe fez a diferença no Estádio Gilbertão.

Arthur, artilheiro do jogo, substituiu Bruno Henrique aos sete minutos de jogo e correspondeu à altura. O camisa 11 deixou o campo chorando, após receber uma bolada no olho e ficar sem enxergar por alguns minutos. Ele passará por exames.

Vecchio e Rodrigão, dupla contestada no Santos, também se destacou. O meia participou dos três gols dos visitantes. E o centroavante fez um golaço de fora da área. Copete também foi bem.

O jogo

O começo de jogo foi monótono. O primeiro lance importante ocorreu aos sete minutos, quando Bruno Henrique levou uma bolada no rosto. E o que parecia algo simples virou preocupação para o departamento médico. O atacante do Santos teve de ser substituído por Arthur Gomes. Chorando, ele deixou o campo dizendo que não estava enxergando. A visão continuou embaçada por vários minutos.

Apenas aos 20 minutos, veio o primeiro lance de perigo. Vecchio lançou Arthur Gomes. Iluminado, o atacante bateu de primeira, com a perna esquerda, para abrir o placar. O passe do argentino foi bonito, mas ele pareceu tentar encontrar Rodrigão, e não Arthur, na área.

Depois de abrir o placar, o Peixe se postou na defesa e passou a procurar o contra-ataque. Com limitações técnicas, o Linense não conseguiu criar oportunidades de gol.

O único perigo dos donos da casa vinha do lado direito de ataque. Romário, com pouca ajuda de Renato e Arthur Gomes, parecia sobrecarregado, e levou cartão amarelo.

Nos minutos finais, o alvinegro voltou a atacar e aumentou a vantagem. O segundo gol esquentou com cabeceio de Rodrigão por cima do gol, aos 42 minutos. E nos acréscimos, o centroavante brilhou.

Após roubada de bola de Vecchio, Rodrigão recebeu na intermediária ofensiva e encheu o pé. Um golaço para o camisa 13, de volta ao Santos após empréstimo ao Bahia no Campeonato Brasileiro em 2017.

Aos sete minutos de segundo tempo, o Linense quase diminuiu. Kauê recebeu lançamento longo nas costas de Romário, driblou David Braz, ajeitou e chutou nos pés de Lucas Veríssimo, que salvou o Santos em um carrinho. O goleiro já estava batido no lance.

Três minutos depois, veio o castigo. Copete recebeu de Vecchio, disparou pelo lado esquerdo e cruzou com perfeição, na cabeça de Arthur Gomes, que empurrou para o fundo das redes de carrinho. 3 a 0 para o Santos.

Com a vitória encaminhada, o Peixe passou a ter ainda mais espaço para atacar. O Linense, desesperado, seguiu apostando no lado direito do ataque, principalmente com Reginaldo. Aos 18 minutos, o atacante aproveitou mais um vacilo de Romário e cruzou para a pequena área. Luiz Felipe salvou o alvinegro.

Aos 24 minutos, o Santos voltou a assustar. Vecchio, inspirado, bateu escanteio na cabeça de Rodrigão, que cabeceou no travessão. Segundos depois, Rodrigão cruzou na pequena área, Copete dividiu com a defesa e Victor Golas fez grande defesa.

Com as substituições de Moacir Júnior, o Linense melhorou nos minutos finais do jogo. A equipe deixou a organização de lado para abafar o Santos. Sobrou transpiração, mas faltou qualidade. Os chutes não passaram perto e o goleiro Vanderlei deixou o campo sem ser exigido. O único susto veio em chute fraco, mas na pequena área, de Leandro Silva, aos 41 minutos.

Bastidores – Santos TV:

Jair valoriza elenco do Santos após vitória na estreia: “Força dos meninos”

Estreante, Jair Ventura valorizou o elenco do Santos após a vitória por 3 a 0 sobre o Linense na noite desta quarta-feira, em Lins. O técnico comandou o Peixe pela primeira vez no Estádio Gilbertão.

Além de Lucas Lima e Ricardo Oliveira, negociados com Palmeiras e Atlético-MG, respectivamente, o alvinegro perdeu Bruno Henrique aos 10 minutos de jogo. O atacante recebeu uma bolada no olho, perdeu a visão por alguns minutos e deixou o campo chorando.

“Foi pouco tempo de trabalho, então é mérito total dos jogadores. Encontrei um grupo que me abraçou, que me aceitou no primeiro momento. Muito se falava nas perdas do Lucas Lima e do Ricardo Oliveira, e ainda perdemos o Bruno Henrique, uma referência técnica, mas mostramos a força dos meninos. Arthur Gomes entrou muito bem e ajudou a equipe. Mesmo com o peso da pré-temporada, e sete horas de viagem, fizemos um jogo muito competitivo”, disse Jair Ventura.

Arthur Gomes fez dois gols na vitória do Santos. Rodrigão completou o placar. E o treinador se referiu à viagem de ônibus para Lins. O Peixe optou por não pegar avião para a cidade no interior de São Paulo.

Arthur lamenta problema de Bruno Henrique, mas vibra por gols marcados

Arthur Gomes mostrou que tem estrela na noite desta quarta-feira. O atacante substituiu Bruno Henrique, aos 10 minutos, e fez dois gols na vitória do Santos por 3 a 0 sobre o Linense, no Estádio Gilbertão.

O jovem de 19 anos lamentou o problema do companheiro, que recebeu uma bolada no olho direito, ficou alguns minutos sem enxergar e deixou o campo chorando, mas não deixou de comemorar a boa atuação.

“Pude estrear bem no Paulista, uma pena que seja no lugar do Bruno Henrique, mas fiquei muito feliz pela nossa partida e pela minha também. Fico feliz pelos gols, mas principalmente pela boa vitória na estreia”, disse Arthur Gomes, ao SporTV.

Bruno Henrique passará por exame na noite desta quarta-feira para o departamento médico do Santos analisar a gravidade do ocorrido.

Bruno Henrique sofre bolada no olho e preocupa DM do Santos

Bruno Henrique foi substituído aos 10 minutos na vitória do Santos por 3 a 0 sobre o Linense na noite desta quarta-feira, em Lins. O atacante recebeu uma bolada no olho, perdeu a visão por alguns minutos e deixou o campo chorando.

Com o passar do tempo, Bruno recuperou a visão, que seguiu embaçada. Ele passou o primeiro tempo no banco de reservas, com gelo no olho direito. Depois do intervalo, ele ficou no vestiário.

O departamento médico do Peixe vai examinar o jogador na noite desta quarta-feira para saber a gravidade do ocorrido. Ele permaneceu no estádio e não foi para o hospital.

Substituto de Bruno Henrique, Arthur Gomes se destacou pelo alvinegro. Ele fez dois gols. Rodrigão também marcou.

O Santos inscreveu 21 jogadores profissionais no Campeonato Paulista, além de oito jogadores das categorias de base. O limite é de 26 atletas com mais de 20 anos de idade. Não há restrição para atletas nascidos até 1997.

Três das cinco vagas restantes já estão “reservadas” para o zagueiro Gustavo Henrique, o volante Yuri e o atacante Vitor Bueno. As demais lacunas serão preenchidas com reforços – há negociações em andamento pelo meia Lucas Zelarayán, do Tigres-MEX, Gabigol, do Benfica-POR, e Santiago Tréllez, do Vitória.

Gustavo Henrique e Vitor Bueno estão em fase final de recuperação após cirurgias no joelho. Yuri só não foi inscrito para a primeira rodada do Paulistão, contra o Linense, porque não havia assinado a renovação de contrato – ele estará regularizado na Federação Paulista de Futebol nos próximos dias.

O lateral-esquerdo Romário e o atacante Eduardo Sasha, contratados neste ano, estão à disposição do técnico Jair Ventura.

Fabián Noguera, Orinho, Serginho e Vladimir Hernández negociam com Estudiantes-ARG, Ponte Preta, América-MG e Atlético Nacional-COL, respectivamente. Leandro Donizete e Rafael Longuine também estão fora dos planos, mas ainda não receberam ofertas.

Reveja abaixo os inscritos do Santos no Campeonato Paulista:

Goleiros: Vanderlei, Vladimir e João Paulo;
Laterais: Victor Ferraz, Daniel Guedes, Romário e Caju;
Zagueiros: David Braz, Lucas Veríssimo, Luiz Felipe e Cleber Reis;
Meio-campistas: Alison, Vecchio, Jean Mota, Léo Cittadini, Matheus Jesus e Renato;
Atacantes: Rodrigão, Bruno Henrique, Copete e Eduardo Sasha.

A lista de jogadores da base:

Lateral: Emerson
Zagueiros: Robson Bambu e Matheus Guedes
Meio-campistas: Lucas Lourenço e Victor Yan
Atacantes: Arthur Gomes, Yuri Alberto e Rodrygo


Todos os jogos do Santos FC na temporada 2018. Clique no jogo para acessar a ficha técnica.



17/01/2018 – Santos 3 x 0 Linense – Paulista – Gilberto Siqueira Lopes
22/01/2018 – Santos x Bragantino – Paulista – Vila Belmiro
25/01/2018 – Santos x Ponte Preta – Paulista – Moisés Lucarelli
28/01/2018 – Santos x Ituano – Paulista – Pacaembu
04/02/2018 – Santos x Palmeiras – Paulista – Allianz Parque
08/02/2018 – Santos x Ferroviária – Paulista – Fonte Luminosa
14/02/2018 – Santos x São Caetano – Paulista – Vila Belmiro
18/02/2018 – Santos x São Paulo – Paulista – Morumbi
25/02/2018 – Santos x Santo André – Vila Belmiro
04/03/2018 – Santos x Corinthians – Paulista – Vila Belmiro
07/03/2018 – Santos x Novorizontino – Paulista – Jorge Ismael de Biasi
11/03/2018 – Santos x São Bento – Paulista – Vila Belmiro



Resumo da Temporada 2018:

– Campeonato Paulista:
– Copa Libertadores:
– Copa do Brasil:
– Campeonato Brasileiro:

Dados de jogos do Santos FC na temporada 2018:

XXX jogos
XXX vitórias
XXX empates
XXX derrotas
XXX pontos disputados
XXX pontos ganhos (XX,X% aproveitamento)
XXX gols pró (X,XX /jogo)
XXX gols contra (X,XX /jogo)
XXX saldo

Tabus:

XX jogos – Maior série invicto ( XV e XE, entre XX/XX/XXXX e XX/XX/XXXX )
XX jogos – Maior série sem vencer ( XD e XE, entre XX/XX/XXXX e XX/XX/XXXX )
XX jogos – Maior sequência de vitórias seguidas
XX jogos – Maior sequência de derrotas seguidas

Artilharia: 03 gols

02 gols – Arthur Gomes
01 gol – Rodrigão

Santos 3 x 2 São Paulo

Data: 09/07/2017, domingo, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 12ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 10.322 pagantes
Renda: R$ 422.935,00
Árbitro: Sandro Meira Ricci (SC)
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho e Marcelo Carvalho Van Gasse (ambos de SP).
Cartões amarelos: Copete, David Braz e Lucas Lima (S); Lucas Pratto, Lucas Fernandes e Júnior Tavares (SP).
Gols: Copete (43-1); Copete (08-2), Copete (21-2), Shaylon (30-2) e Robert Arboleda (41-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, David Braz, Lucas Veríssimo e Jean Mota; Thiago Maia, Renato (Leandro Donizete) e Lucas Lima; Thiago Ribeiro (Arthur Gomes), Copete (Vladimir Hernández) e Kayke.
Técnico: Levir Culpi

SÃO PAULO: Renan Ribeiro; Buffarini (Wesley), Arboleda, Rodrigo Caio e Júnior Tavares; Jucilei, Petros e Jonatan Gomez; Marcinho (Shaylon), Lucas Pratto e Denilson (Lucas Fernandes).
Técnico: Pintado (interino)



Com três de Copete, Santos entra no G4 e São Paulo vira vice-lanterna

Em clássico de dois times em lados opostos na tabela, o Santos se saiu melhor que o São Paulo, que chegou ao sétimo jogo seguido sem vitórias – cinco derrotas e dois empates. Na noite deste domingo, o time alvinegro fez valer o apoio da Vila Belmiro para vencer por 3 a 2 e entrar no G4 do Campeonato Brasileiro, mantendo o Tricolor na famigerada zona do rebaixamento.

Com três gols do colombiano Jonathan Copete, o Santos ultrapassou o Palmeiras e assumiu o quarto lugar, com 20 pontos ganhos. Já o São Paulo, que teve seus tentos anotados por Shaylon e pelo estreante Arboleda, perdeu duas posições e caiu para o 19º e penúltimo lugar, com míseros 11 pontos.

O jogo

Pressionando a saída de bola adversária, o Santos começou melhor e teve duas chances de abrir o placar logo aos nove minutos. Primeiro, Lucas Lima recebeu na esquerda e cruzou rasteiro para Thiago Maia chutar. A bola desviou e saiu em escanteio. Na cobrança, Lucas Veríssimo subiu sozinho e testou perigosamente, mas acima do gol de Renan Ribeiro.

Ligeiramente melhor na partida, o Santos desperdiçou, aos 37 minutos, uma chance incrível abrir 1 a 0: após boa trama de Lucas Lima e Thiago Maia na esquerda, a bola sobrou para Copete, livre na pequena área, isolar por cima do gol. O Tricolor respondeu pouco depois, com Denilson, que cortou o zagueiro na esquerda e arriscou de longe, exigindo boa defesa de Vanderlei.

Seis minutos depois, o atacante colombiano se redimiu diante da torcida alvinegra. Pela direita, Copete iniciou a jogada e passou para Kayke, que chutou de fora da área. A bola saiu sem tanta força, mas Renan Ribeiro espalmou para frente e o camisa 36 só teve o trabalho de empurrar para o fundo do gol, levando o Peixe em vantagem para o segundo tempo.

O Santos voltou para a etapa final em cima e não demorou a marcar o segundo gol. Aos oito minutos, em rápido contra-ataque, Thiago Ribeiro roubou a bola no campo de defesa, Thiago Maia driblou o marcador e passou para Kayke, que cruzou na medida para Copete, em grande noite, testar no contrapé de Renan Ribeiro, anotando o seu segundo tento no San-São.

Buscando reagir na partida, o São Paulo adiantou a marcação e esboçou uma pressão sobre o time da casa, mas continuou errando no último passe. E quem fez o terceiro gol da noite foi mais uma vez Copete. Após fazer ótima jogada individual na esquerda, Jean Mota cruzou para o colombiano, que bateu com uma espécie de voleio, sem chances para o arqueiro tricolor.

Logo em seguida, o time do Morumbi teve a oportunidade que queria para voltar para o jogo. Em jogada individual, Pratto invadiu a área e sofreu falta de David Braz. Na cobrança, o próprio argentino bateu, deslocou Vanderlei, mas mandou na trave esquerda. Cinco minutos depois, aos 30, o São Paulo finalmente diminuiu graças a dois jogadores que haviam acabado de entrar. Lucas Fernandes recebeu na esquerda e chutou forte. No rebote de Vanderlei, Shaylou tocou para a rede.

No apagar das luzes, aos 41 minutos, a bola ficou respingando na área do Santos após cobrança de falta e caiu nos pés de Arboleda, que fuzilou no ângulo esquerdo de Vanderlei. Os jogadores alvinegros reclamaram bastante de toque na mão de Petros, mas o juiz validou o gol que não evitou a derrota tricolor.

Bastidores – Santos TV:

Com queimadura na barriga, Copete celebra “noite dos sonhos” na Vila

O Santos teve no colombiano Jonathan Copete a sua grande figura na noite deste domingo, no clássico contra o São Paulo, na Vila Belmiro. Autor dos três gols na vitória por 3 a 2 do Peixe, um no primeiro e dois no segundo tempo, o jogador fez questão de mostrar uma queimadura na barriga, sofrida em um acidente doméstico, mostrando que jogava sem as melhores condições.

“Estou machucado, mas queria jogar, fazer as coisas bem. Agora é descansar”, disse o jogador, que explicou ter se lesionado ao cozinhar dentro de casa, com uma panela de pressão. “Foi um acidente que eu sofri, mas é algo que eu tenho que superar para jogar”, continuou.

A “revelação” do machucado foi na celebração do primeiro tento, quando tirou a camisa do Santos e uma segunda pele branca, que estava manchada de sangue. Ao levantar a vestimenta, mostrou uma grande marca de queimadura.

“A oportunidade foi muito boa de marcar três gols, o mais importante é que o time lutou até o final e conseguiu essa vitória”, explicou o atleta, bastante exaltado até pelos companheiros ao conseguir ser tão importante mesmo com os claros impeditivos no seu corpo.

“Foi a noite dele, tem nem o que falar, jogador que nos ajuda bastante, muito feliz por ele. Não falou para ninguém do machucado, jogou os dois jogos, a gente vê a raça e a disposição dele nessas horas”, concluiu.

Levir elogia clássico, vê vitória justa e diz que o Peixe vai melhorar

O técnico Levir Culpi deixou o gramado da Vila Belmiro contente com a vitória do Santos por 3 a 2 sobre o São Paulo, na noite deste domingo, pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro. Sorridente ao comentar o “justo” triunfo, na sua opinião, ele reconheceu, porém, que a equipe podia ter uma atitude melhor ao abrir três gols de vantagem frente a um rival.

“Jogo muito equilibrado, um meio campo com muito combate. Foi muito bacana de assistir. Sofremos um pouco por alguns erros que cometemos. São Paulo também. Mas o time fica ligado e agora joga todo para cima”, comentou o treinador, pedindo uma atuação mais linear dos seus comandados.

“Falta estabilidade nos 90 minutos. Eu acho que é o entendimento dos jogadores na questão tática. Precisamos chamar o torcedor e ter mais vibração. O Santos terá muita disputa. No conjunto podemos crescer tecnicamente e taticamente. Estamos estudando com vídeos e conhecendo um pouco de cada um. Temos tudo para crescer”, observou Levir.

Outro ponto que mereceu atenção de Levir foi o público de 10.322 torcedores que esteve nas arquibancadas da Vila. Triste por achar que o embate merecia mais pessoas no estádio, ele reconheceu que, talvez, o maior culpado seja o próprio Peixe.

“Acho pouca gente para um jogo dessa magnitude. É clássico. Talvez tenha sido problema com o time. Talvez o time não esteja jogando dentro do que a torcida espero. Mas sei que os jogadores se sentem muito melhor com a presença do torcedor. Com o torcedor causa pressão. A conta não fechou direito, mas apesar do pouco tempo, acho que é questão de chamar o torcedor e mostrar que queremos resultados”, disse, confiante na boa influência dos santistas sobre o elenco.

“A torcida tem uma força extra e pode levar o time à vitória. É muito importante e não tem graça jogar clássico com pouca torcida. Espero estarmos juntos. A caminhada é difícil e sem a torcida até podemos ganhar, mas não tem graça”, concluiu Levir.

Lucas Lima e Copete levam terceiro cartão e não encaram o Atlético-MG

O Santos celebrou uma vitória por 3 a 2 sobre o São Paulo na noite deste domingo, na Vila Belmiro, pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro, mas já sabe que não poderá com dois importantes figuras no meio de semana. Por terem levado o terceiro cartão amarelo, o colombiano Jonathan Copete e o meia Lucas Lima não poderão enfrentar o Atlético-MG, na quarta-feira, às 19h30 (de Brasília), no Independência.

O primeiro amarelado foi o artilheiro do clássico, com três gols, justamente na celebração do seu primeiro tento. Incomodado com uma queimadura grande na sua barriga, Copete fez questão de tirar sua camisa e uma segunda pele branca, com manchas de sangue, para mostrar o machucado com o qual tinha de lidar enquanto jogava.

Lucas, por sua vez, acabou sendo advertido já no segundo tempo, ao fazer falta no zagueiro equatoriano Arboleda, em dividida que estava claramente mais para o defensor do que para ele, no campo de ataque. Questionado sobre o assunto, o técnico Levir Culpi lamentou as baixas.

“Estou feliz com algumas coisas que ele está fazendo e triste com algumas coisas que ele está fazendo. Tirar a camisa é uma delas”, disse o treinador com relação a Copete. “Ele é especial, tem qualidades diferentes. É um cara que joga bem na bola aérea. É um cara muito interessante”, concluiu o comandante.

Sem os dois, Levir terá dois dias de treinamento para definir os jogadores que irá utilizar em Belo Horizonte. A expectativa, porém, é que o atacante Bruno Henrique, cortado do clássico, retorne à formação inicial frente aos atleticanos.

Pintado divide culpa por crise e crê em reação de Cueva com Dorival

A crise está, definitivamente, instalada no Morumbi. Com a derrota por 3 a 2 para o Santos, neste domingo, na Vila Belmiro, o São Paulo caiu para a vice-lanterna do Campeonato Brasileiro, com meros 11 pontos, e chegou ao sétimo jogo seguido sem vitórias. Para Pintado, que comandou o time de forma interina no clássico, a responsabilidade pela má fase do clube tem que ser compartilhada com todos.

A declaração do auxiliar, dada após a partida, contradiz o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, que afirmou na última terça-feira, um dia depois da demissão de Rogério Ceni, que a diretoria não tinha responsabilidade pelo mau momento da equipe.

“O presidente é a autoridade máxima do clube. Todos nós temos responsabilidade aqui dentro, ninguém pode fugir, escapar ou se esconder. Não dá para carregar em uma pessoa só. Todos nós temos de carregar porque todos estamos trabalhando, estamos incomodados e queremos sair dessa situação. E vamos sair. Não precisamos criar mais problemas, precisamos sair dessa situação e a solução é no campo”, bradou Pintado, no gramado do estádio santista.

Indagado sobre os motivos pelos quais nem sequer relacionou Cueva para o San-São, Pintado disse que tomou a decisão de forma unilateral, com o respaldo da diretoria, que estaria à espera de uma oferta da Turquia pelo peruano. “Foi uma decisão técnica, uma decisão minha. Ele não iria iniciar a partida”, garantiu.

Assegurou ainda não haver problemas entre ele e Cueva, apostando em uma reação do camisa 10 sob o comando de Dorival Júnior, que assumirá a equipe nesta segunda-feira. “Ninguém dentro do São Paulo tem melhor relacionamento com ele do que eu. A gente se conhece desde o México, sempre conversamos. É óbvio que, quando o conjunto tem dificuldade, o jogador que é responsável por criar, ser o melhor e aparecer também tem dificuldade. Com certeza, ele terá uma reação, se quiser, para crescer junto, porque o São Paulo vai reagir”, afirmou.

“O Dorival conhece muito bem a qualidade dele, o que ele pode dar ao São Paulo. Vamos fazer tudo juntos, o time não pode depender só de um, dois ou três. O São Paulo precisa reagir junto. Dois não podem carregar dez, mas dez podem carregar dois ou três. Isso que é importante”, exclamou.

Sobre a indefinição na escalação de Rodrigo Caio, o auxiliar da comissão técnica fixa garantiu que isso não pesou no rendimento da equipe na Vila Belmiro. O zagueiro, que tem uma proposta de 18 milhões de euros (R$ 67,8 milhões) do Zenit, da Rússia, não desceu a serra com a delegação tricolor no último sábado. Neste domingo, porém, se junto ao grupo, já que os europeus ainda não se definiram em relação ao pagamento, que deve acontecer nesta semana.

“Não me atrapalhou porque trabalhamos com e sem o Rodrigo. Em nenhum momento foi descartado, tanto que treinou normalmente. Quando foi liberado para jogar, se incorporou normalmente”, encerrou.

No 19º e penúltimo lugar do Brasileiro, o São Paulo volta a campo nesta quinta-feira, às 19h30 (de Brasília), para enfrentar o lanterna Atlético-GO, no Morumbi. Será a estreia de Dorival Júnior, que será apresentado nesta segunda-feira, às 12h30, no CCT da Barra Funda.




Atlético-PR 2 x 3 Santos

Data: 05/07/2017, quarta-feira, 19h15.
Competição: Copa Libertadores – Oitavas de final – Jogo de ida
Local: Estádio Vila Capanema, em Curitiba, PR.
Público: 13.770 pagantes
Renda: R$ 243.395,00
Árbitro: Roberto Tobar (CHI)
Auxiliares: Marcelo Barraza e Claudio Rios (ambos do CHI)
Cartões amarelos: Otávio, Thiago Heleno (A).
Gols: Nikão (06-1), Kayke (25-1); Bruno Henrique (11-2), Kayke (22-2) e Ederson (26-2).

ATLÉTICO-PR
Weverton; Cascardo, Thiago Heleno, Paulo André e Sidcley; Otávio, Lucho Gonzalez (Pablo), Rosseto (Gefita), Coutinho (Carlos Alberto); Nikão e Ederson.
Técnico: Eduardo Baptista

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Jean Mota; Renato, Thiago Maia e Lucas Lima (Vecchio); Copete, Bruno Henrique e Kayke (Fabián Noguera).
Técnico: Levir Culpi



De virada, Peixe bate o Furacão e consegue vantagem para volta

Em uma partida repleta de alternativas na Vila Capanema, em Curitiba, o Santos venceu o Atlético Paranaense por 3 a 2, pelo primeiro encontro valendo pelas oitavas de final da Libertadores da América. Com o resultado, a equipe alvinegra vai levar para a casa a vantagem de poder garantir a vaga para a sequência da competição mesmo com um empate.

O Furacão começou embalado e, aos seis minutos, Nikao aproveitou cruzamento para estufar a rede e abrir o placar. O Peixe chegou ao empate aos 25 minutos, com Kayke tocando por cima de Weverton. A virada veio na segunda etapa, com Bruno Henrique, aos 11 minutos, Kayke, com um golaço, aumentou a vantagem e Ederson descontou para o Rubro-Negro.

As equipes se encontram novamente para o jogo de volta no dia 10 de agosto, às 21h45 (de Brasília), na Vila Belmiro, em Santos.

O jogo

O Furacão começou a partida pressionando, sufocando o Peixe. Aos dois minutos, Ederson fez a jogada individual e cruzou, mas ninguém conseguiu alcançar. A pressão deu resultado aos seis minutos, depois que Sidcley chegou pela lateral e cruzou rasteiro para Lucho, que furou, mas contou com a chegada de Nikão, que bateu de primeira e abriu contagem.

O gol animou ainda mais o torcedor, que empurrou o time para chegar perto do segundo, aos oito minutos, com Thiago Heleno subindo para testar por cima da meta de Vanderlei. A marcação rubro-negra estava adiantada, acuando o Santos. Aos 16 minutos, a primeira chegada de perigo da equipe alvinegra, com Kayke cabeceando para o meio da área e Bruno Henrique errando a finalização.

O Peixe equilibrou as ações e, aos 25 minutos, Jean Mota iniciou a jogada, trabalhando com Lucas Lima, que lançou Kayke. O atacante invadiu a área e tocou por cima de Weverton para deixar tudo igual. O jogo mudou depois do empate, ficando mais restrito ao meio-campo. Aos 32 minutos, Lucho recebeu na área foi travado e ficou pedindo pênalti, sem ser atendido. Aos 35 minutos, Vanderlei trabalhou bem ao parar cruzamento errado de Otávio. Furacão no ataque, aos 44 minutos, mas o chute de Lucho parou na trave após desvio de Vanderlei.

Para a segunda etapa, as equipes voltaram sem modificações. Logo no primeiro minuto, Rosseto perdeu a bola para Thiago Maia, que encontrou Kayke que, sozinho, parou na defesa de Weverton. A resposta veio aos cinco minutos, em contra-ataque com Douglas Coutinho, que bateu cruzado, para fora. Porém, aos 11 minutos, Victor Ferraz fez a jogada, Weverton não agarrou o chute e Bruno Henrique, em cima da linha, empurrou para a rede para decretar a virada.

O Atlético voltou a pedir pênalti, aos 19 minutos, depois que Carlos Alberto fez fila e foi tocado por Jean Motta. O jogo seguiu. A partida voltou a ficar pegada e equilibrada. Até que, aos 22 minutos, Kayke recebeu cruzamento rasteiro e de letra apareceu para desviar e marcar um golaço na Vila. A torcida atleticana, mostrando irritação, começou a pedir a queda de Eduardo Baptista.

Porém, era um confronto com muitas alternativas e, aos 26 minutos, Sidcley cruzou, Rosseto escorou e Ederson apareceu para desviar e descontar para o Rubro-Negro. Aos 31 minutos, Lucas Lima cobrou falta, a defesa afastou e, na sobra, Bruno Henrique chutou cruzado em cima da zaga. Aos 38 minutos, Bruno Henrique invadiu a área, fez a fila e chutou pela linha de fundo. O Atlético estava aberto, mas não conseguia forçar, facilitando o trabalho do Peixe, que segurou a vantagem para a volta.

Kayke valoriza jogo ‘sábio’ do Santos e torce por dupla com Oliveira

A ‘decisão’ contra o Atlético-PR começou da pior maneira possível para os santistas. Antes mesmo dos 10 minutos de jogo, o Furacão já vencia por 1 a 0, na Vila Capanema. Porém, mesmo com a desvantagem no placar, o Santos soube manter a tranquilidade e buscou a virada por 3 a 2, nesta quarta-feira, no confronto de ida das oitavas de final da Libertadores.

E o triunfo no Paraná só foi possível graças a Kayke. Oportunista, o atacante marcou duas vezes, sendo que o último foi um golaço de letra. Porém, mesmo após a bela apresentação, o camisa 11 preferiu valorizar a partida inteligente do alvinegro.

“É um recurso (gol de letra). O Bruno Henrique foi feliz no drible. Vimos o gol rapidinho no vestiário após o jogo e fico feliz por ser auxiliado pelo Bruno, Copete, Lucas Lima. Fica mais fácil com eles. Temos que dar valor ao nosso jogo. Jogamos de forma sábia e saímos daqui com o que esperávamos”, explicou Kayke.

Vale lembrar que o camisa 11 só assumiu a titularidade do Peixe após problemas de Ricardo Oliveira. O centroavante sentiu contusão no tornozelo depois do clássico contra o Corinthians, no dia de 3 de junho. Além disso, ele também foi acometido com uma pneumonia.

Porém, o camisa 9 já está recuperado e voltou a treinar no CT Rei Pelé. Aproveitando a boa fase, Kayke não se intimida com o retorno de Oliveira e até projeta uma dupla de ataque com o capitão do santista. “Estou esperando pelo retorno do Ricardo. É um grande jogador e meu amigo. Já já ele voltará e podemos tranquilamente jogar juntos também”, disse.

Com a vitória, o Santos leva uma imensa vantagem para o jogo de volta. Agora, o Peixe pode até ser derrotado por 1 a 0 ou 2 a 1, na Vila Belmiro, no próximo dia 10 de agosto, que consegue a classificação para as quartas de final da Libertadores.

“Temos que esquecer a vantagem. Atlético-PR pode reverter, mas não podemos deixar. Ainda não passamos de fase”, concluiu Kayke.

‘Dono do jogo’, Lucas Lima valoriza dedicação do Santos: “Honramos”

Lucas Lima foi o ‘dono’ da partida entre Santos e Atlético-PR, nesta quarta-feira, na Vila Capanema. Inspirado, o camisa 10 chamou a responsabilidade, colocou a bola no chão e conduziu o Peixe na virada por 3 a 2 sobre o Furacão, no confronto de ida das oitavas de final da Libertadores.

O meia, inclusive, foi eleito o melhor em campo pelos organizadores da competição. Porém, mesmo assim, Lucas Lima acabou sendo substituído por Emiliano Vecchio aos 42 minutos do segundo tempo. Incomodado com a saída, ele chegou a reclamar com a comissão técnica, mas negou qualquer atrito com Levir Culpi e exaltou a raça dos santistas no Paraná.

“Foi mais uma situação que nossa defesa estava pedindo um volante para proteger mais o setor, foi só no calor da partida mesmo. O mais importante foi o empenho e a dedicação da nossa equipe, honramos aí com o apoio da nossa torcida maravilhosa e conseguimos um grande resultado”, disse o meia na saída do gramado.





Atlético-GO 1 x 1 Santos

Data: 01/07/2017, sábado, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 11ª rodada
Local: Estádio Olímpico Pedro Ludovico, em Goiânia, GO.
Público: 5.898 pagantes
Renda: R$ 97.145,00
Árbitro: Claudio Francisco Lima e Silva (SE)
Auxiliares: Cleriston Clay Barreto Rios (SE) e Fabio Pereira (TO).
Cartões amarelos: Jorginho, Marcão Silva e Bruno Pacheco (A); Thiago Maia (S).
Cartão vermelho: Jorginho (A).
Gols: Andrigo (12-1) e Thiago Maia (23-2).

ATLÉTICO-GO
Felipe; Eduardo (Jonathan), Marcão, Roger Carvalho e Bruno Pacheco; Marcão Silva, Andrigo (Abuda), Luiz Fernando, Jorginho e Breno Lopes (Diego Rosa); Everaldo.
Técnico: Doriva

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Noguera (Thiago Ribeiro), David Braz e Caju; Yuri, Alison (Thiago Maia) e Vitor Bueno (Lucas Lima); Vladimir Hernández, Arthur Gomes e Kayke.
Técnico: Levir Culpi



Mistão do Santos ‘acorda’ no 2º tempo e empata com lanterna Atlético-GO

O torcedor do Santos acompanhou dois times diferentes neste sábado. O primeiro, que iniciou o jogo contra o Atlético-GO, no estádio Olímpico, em Goiânia, foi apático, mal tecnicamente e facilmente dominado pelo Dragão, que abriu o placar com Andrigo. Já a outra equipe, beneficiada com a expulsão de Jorginho logo na volta do intervalo, mostrou força para pressionar o adversário durante toda a segunda etapa e buscar o empate em 1 a 1 com Thiago Maia, em duelo válido pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O empate foi ruim para os dois clubes. Com 17 pontos, o alvinegro subiu para a quarta colocação, mas pode ser ultrapassado por até seis times. Já o Atlético-GO, por sua vez, segue na lanterna do Brasileirão, com apenas sete pontos.

O jogo

O jogo começou bastante trucado em Goiânia. Com apenas três titulares, o Santos mostrava muito desentrosamento e errava diversos passes. Já o Atlético-GO, por sua vez, seguia com a pouca qualidade técnica apresentada nos últimos jogos e repetia os erros do Peixe.

Porém, a partida saiu da chatice após um erro coletivo da zaga santista. Aos 11 minutos, Caju perdeu a bola para o adversário, Noguera não acompanhou a sequência da jogada e Vanderlei acabou derrubando Breno Lopes dentro da área. Pênalti para o Dragão.

Na cobrança, o goleiro santista se redimiu e defendeu o chute de Everaldo. No rebote, porém, a zaga alvinegra não acompanhou Andrigo, que chegou em velocidade e empurrou para o fundo das redes, abrindo o placar no estádio Olímpico.

O tento animou os atleticanos. Aos 16 minutos, Luiz Fernando cobrou falta direto para o gol e Vanderlei se esticou todo para salvar o Peixe.

Mesmo com a vantagem no marcador, o Dragão seguiu apertando o Santos, que ficou acuado, sofreu com a pressão e não assustou o goleiro Felipe.

Além da derrota parcial no placar, o técnico Levir Culpi também perdeu Vitor Bueno. Aos 29 minutos, o camisa 7 caiu no gramado após choque com Marcão Silva. Por conta disso, o meia Lucas Lima, que estava sendo poupado, precisou entrar em campo.

O camisa 10, porém, pouco acrescentou na reta final do primeiro tempo. O Peixe seguiu jogando mal e só não foi para o intervalo com uma desvantagem maior porque a pontaria dos atleticanos estava ruim.

Precisando da virada para voltar ao G4 do Brasileirão, o técnico Levir Culpi voltou para a segunda etapa com Thiago Maia na vaga de Alison. Porém, que ajudou mesmo o Santos foi Jorginho, do Atlético-GO.

O meia, que já tinha amarelo, deu uma entrada dura em Vladimir Hernández e acabou expulso pelo árbitro Claudio Francisco Lima e Silva.

Com a vantagem numérica dentro de campo, o Peixe cresceu no jogo. O problema é que mesmo com a posse de bola, a equipe santista não conseguia chegar com qualidade ao gol de Felipe.

Porém, aos 23 minutos, o Dragão repetiu o Santos e sofreu o empate após falha coletiva da defesa. Abuda saiu jogando errado e perdeu a bola. Na sequência, Lucas Lima tocou para Thiago Maia. O volante mandou uma bomba de fora da área e contou com a ‘ajuda’ do goleiro Felipe para empatar a partida.

O empate animou os santistas. Com um homem a mais no gramado, o alvinegro se lançou ao ataque em busca da vitória. Os últimos minutos do jogo marcaram uma pressão tremenda do Santos em cima do acuado Atlético-GO.