Palmeiras 2 x 1 Santos

Data: 15/07/2010, quinta-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 8ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 9.400 torcedores
Renda: R$ 356.886,00
Árbitro: Cleber Welington Abade (SP)
Auxiliares: Ednilson Corona (Fifa-SP) e Roberto Braatz (Fifa-PR)
Cartões Amarelos: Gabriel Silva, Edinho, Tinga e Marcos Assunção (P); Neymar, Pará e Paulo Henrique Ganso (S).
Gols: Ewerthon (12-1), Tinga (21-2) e Marcel (37-2).

PALMEIRAS
Deola, Vitor, Danilo, Léo e Gabriel Silva; Edinho, Márcio Araújo, Marcos Assunção e Lincoln (Tinga); Kléber (Tadeu) e Ewerthon (Patrik)
Técnico: Flávio Murtosa

SANTOS
Rafael; Maranhão, Edu Dracena, Durval e Pará; Arouca, Wesley, Alan Patrick (Zé Eduardo) e Madson (Paulo Henrique Ganso); Neymar (Marcel) e André
Técnico: Dorival Junior



Sob olhar de Felipão, Palmeiras ‘renasce’ e vence Santos por 2 a 1

A volta de Luiz Felipe Scolari já serviu para renovar o caminho do Palmeiras no Campeonato Brasileiro. E olha que o comandante ainda nem ficou no banco de reservas. Nesta quinta-feira, o time alviverde esbanjou vontade e derrotou o Santos por 2 a 1 com direito à torcida de Felipão nas tribunas do Pacaembu.

O Palmeiras não deu chance para o azar diante dos menos de dez mil torcedores que compareceram ao estádio sob a forte chuva que assolou o duelo. Na base da raça, o time alviverde segurou o Santos ao longo dos 90 minutos e levou a melhor com um golaço de Ewerthon no primeiro tempo e outro do estreante Tinga na etapa final. Marcel descontou para o Santos.

“O Murtosa já passou a forma na qual o Felipão trabalha. Obedecemos tudo e o resultado está aí”, celebrou o volante Marcos Assunção. “Sabíamos da importância dessa vitória. Hoje era pra valer e mostramos isso”, completou Kléber, lembrando da derrota no amistoso contra o Boca Juniors da semana passada.

Com o triunfo, a equipe de Felipão chega aos 12 pontos no Nacional, agora na sétima posição. O clube do Palestra Itália também mantém a escrita com sua segunda vitória sobre o rival da Baixada na temporada – é o único grande de São Paulo que leva vantagem no confronto direto contra o Santos em 2010.

Enquanto isso, resta aos comandados de Dorival Júnior lamentar pelo fim do embalo após a parada da Copa do Mundo. Com o revés desta noite, o clube praiano mantém os 12 pontos, na quarta colocação do Nacional.

“A parada foi boa para o Santos. Estávamos muito desgastados, mas infelizmente perdemos com um gol meio anormal. Não foi o dia do Santos”, avaliou o meia Paulo Henrique Ganso.

Apesar de contar apenas com Lincoln como meia de criação, o Palmeiras começou a partida com domínio da posse de bola. Isso porque o time alviverde marcou a saída de bola rival e isolou as peças ofensivas da equipe alvinegra. Aos 12min, o clube mandante fez valer o bom início e abriu o placar com golaço de Ewerthon.

Atrás no placar, o Santos finalmente começou a ameaçar a meta de Deola após o gol, mas de maneira discreta. Enquanto isso, o Palmeiras seguiu com boa marcação e velocidade nos contra-ataques. Desta forma, manteve a vantagem até o fim do primeiro tempo.

“Estamos errando muitos passes e eles estão marcando bem. Precisamos voltar a jogar de igual para igual no segundo tempo”, lamentou o atacante André no intervalo. “Quando você começa na frente, fica mais fácil. Estamos marcando e saindo bem para o ataque. Só falta fazer o segundo para ficarmos mais tranquilos”, analisou Kléber.

A etapa final começou com as duas equipes criando chances claríssimas de gol. A entrada de Paulo Henrique Ganso renovou as investidas alvinegras, mas o Palmeiras seguiu assustando nos contra-ataques.

Aos 21min, o time alviverde não perdoou. Tinga aproveitou desvio de Edu Dracena e ampliou após rápida saída de bola da defesa. Mesmo sem muita organização no ataque depois do gol, Marcel ainda descontou aos 37min, mas não impediu o revés santista.

As duas equipes voltam a campo já neste domingo para a disputa da nona rodada do Campeonato Brasileiro. O Palmeiras vai até Florianópolis enfrentar o Avaí, enquanto o Santos retorna à Vila Belmiro em duelo contra o Fluminense.