Guarani 0 x 0 Santos

Data: 19/09/2010, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 23ª rodada
Local: Estádio Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas, SP.
Público: 10.998
Renda: R$ 240.725,00
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (Asp. Fifa-SP).
Auxiliares: Carlos Augusto Nogueira Júnior e Danilo Ricardo Simon Manis (ambos de SP)
Cartões amarelos: Renan, Reinaldo e Fabão (G); Edu Dracena, Tiago Luís e Léo (S).

GUARANI
Douglas; Apodi, Fabão, Ailson e Márcio Careca; Renan, Paulo Roberto, Baiano (Fabiano) e Mário Lúcio (Reinaldo); Geovane (Rodrigo Heffner) e Ricardo Xavier
Técnico: Vagner Mancini

SANTOS
Rafael; Maranhão, Edu Dracena, Durval e Léo; Arouca, Danilo, Alex Sandro e Marquinhos (Alan Patrick); Madson (Marcel) e Zé Eduardo (Tiago Luís)
Técnico: Dorival Júnior



Em jogo fraco, Guarani e Santos empatam sem gols

Sem Neymar, afastado, santistas não conseguiram furar bloqueio bugrino em Campinas

A partida entre Guarani e Santos não foi um jogo com grandes oportunidades de gol. Por causa disso o resultado não poderia ser outro que não o 0 a 0, em duelo realizado na tarde deste domingo, no Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas.

Com esse empate, o Santos permanece na sexta posição no Campeonato Brasileiro, agora com 35 pontos. Já o Guarani continua na nona colocação, só que agora com 30 pontos.

Na próxima rodada, os santistas voltam a campo em um clássico contra o Corinthians, quarta-feira, às 22 horas (horário de Brasília), na Vila Belmiro. Enquanto isso, os campineiros enfrentam o São Paulo, também na quarta, só que às 19h30, no Morumbi.

O jogo

Sem Neymar – suspenso pela diretoria como forma de punição pela polêmica com o técnico Dorival Júnior – e apostando num ataque com dois jogadores de mais velocidade, casos de Madson e Zé Eduardo, o Santos tentou tomar a iniciativa da partida. Porém, com a boa marcação do Guarani e a falta de criatividade do meio-campo santista – do lado do Bugre, houve o mesmo problema -, o jogo foi caminhando sem muitas emoções.

Tanto isso é verdade que, a primeira chance de gol do confronto só foi surgir aos 31 minutos. Madson recebeu a bola na entrada da área e tocou para Zé Eduardo que, na saída do goleiro Douglas, tentou encobri-lo, mas acabou mandando a bola para fora.

Antes do intervalo, apenas mais um lance mereceu maior destaque. Aos 37, Madson apareceu de novo, invadindo a área com a bola dominada e finalizando rasteiro, cruzado, para boa defesa de Douglas.

Na volta para a etapa complementar, o Santos voltou a assustar o gol de Douglas. Desta vez, em um chute de fora da área de Marquinhos. Aos quatro, a bola foi rolada para o meia que, de frente para o gol, soltou a bomba, exigindo uma grande defesa do arqueiro bugrino.

Mas, com a partida ainda em ritmo lento, os dois treinadores resolveram mexer em suas equipes. No Santos, aos 15, Dorival Júnior sacou Marquinhos para a entrada de Alan Patrick. Dois minutos depois, o técnico santista tirou Zé Eduardo para colocar Tiago Luís em campo. No Guarani, aos 16, Vagner Mancini trocou o meia Mário Lúcio para a entrada de um atacante, Reinaldo. Mais tarde, aos 23, Baiano foi substituído por Fabiano.

Aos 26, mais uma vez o Santos teve uma boa oportunidade, em uma finalização de fora da área. Alan Patrick arriscou o chute buscando o ângulo direito e Douglas, bem posicionado, conseguiu espalmar a bola para escanteio.

No minuto seguinte, Dorival sacou Madson para a entrada do centroavante Marcel no Peixe. No Bugre, aos 31, Mancini tirou o atacante Geovane para que o lateral direito Rodrigo Heffner viesse para o jogo.

Aos 38, foi a vez do Guarani assustar, com Márcio Careca. O lateral esquerdo pegou o rebote de um arremate de Fabão, com um chute que passou rente a trave direita de Rafael. Os dois times ainda buscaram o gol, porém, a falta de pontaria acabou sendo determinante para que o 0 a 0 perdurasse até o final da partida no placar.