Juventude 2 x 1 Santos

Data: 18/08/2002, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 2ª rodada
Local: Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul, RS.
Público: 8.168
Renda: R$ 61.910,00
Árbitro: Wagner Tardeli Azevedo
Cartões amarelos: Anderson Luís e Denis (J); Maurinho, Elano, Diego e Robinho.
Cartões vermelhos: André Luis (S) e Mineiro (J).
Gols: Cláudio Pitbull (18-2), Leonardo Manzi (28-2) e William (37-2).

JUVENTUDE
Diego; Mineiro, Paulão, Índio e Filipe Alvim; Anderson Luís, Marcelo (Marcelinho Paulista) Dionatan e Denis (Leonardo Manzi); Michel e Cláudio Pitbull (Itaqui)
Técnico: Ricardo Gomes

SANTOS
Julio Sérgio; Maurinho (Bernardi), André Luis, Preto e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano (Wellington) e Diego; Robinho (William) e Alberto.
Técnico: Emerson Leão



Santos perde para o Juventude em Caxias

O Santos foi até Caxias do Sul e sofreu sua primeira derrota no Campeonato Brasileiro: 2 a 1 para o Juventude. Os gols gaúchos foram marcados por Cláudio Pitbull e Leonardo Manzi. William descontou para o Santos.

Com esse resultado, o Santos permanece com três pontos em dois jogos, enquanto o Juventude pula para sete pontos ganhos em três partidas.

A equipe gaúcha via neste jogo uma espécie de decisão. Dependendo do resultado, no entendimento dos seus dirigentes, traçaria seu destino no torneio: vencendo, conseguiria afastar o fantasma de ter perdido muitos jogos em seu estádio na edição do torneio no ano passado, o que quase o rebaixou.

Por isso, começou a partida pressionando o Santos. Em apenas oito minutos de jogo, já havia desperdiçado três boas oportunidades de gol.
Como o domínio da partida não se converteu em gols, o Santos começou a se adaptar à adversidade de jogar fora de casa.

Aos 13min, após jogada de Robinho, Paulo Almeida chutou na trave -o goleiro Diego chegou a ir em direção à bola, mas o chute seria indefensável.

A partir desse lance e da insistência santista, a partida ficou equilibrada. Mais precisamente, após os 15min do primeiro tempo, o Santos conseguiu impor mais seu bom toque de bola, especialmente com Robinho e Diego.

O Juventude, em uma jogada isolada, teve excelente oportunidade aos 35min, mas Cláudio Pittbul a desperdiçou, chutando a bola para fora.
O não-aproveitamento de oportunidades no início do jogo pelo Juventude e a ânsia do Santos em recuperar o espaço que havia perdido no meio-campo nos primeiros 15 minutos deixaram as duas equipes visivelmente nervosas.

A partida ficou truncada, com excesso de passes no meio-campo. Os momentos mais empolgantes do primeiro tempo ficaram por conta das demonstrações de habilidade do atacante Robinho no domínio de bola.

Aos 44min do primeiro tempo, por exemplo, Robinho fez excelente jogada, passando pelos adversários aos dribles, mas Alberto não aproveitou a chance. O Juventude ainda tentou algumas jogadas no final do primeiro tempo, mas seus atacantes não conseguiam demonstrar objetividade.

Para o segundo tempo, o Santos voltou mais equilibrado, conseguindo impor seu toque de bola. O Juventude, ao contrário do que ocorrera no começo do primeiro tempo, perdeu o controle do meio-campo.

A torcida da equipe gaúcha começou a pedir a entrada do atacante Leonardo Manzi, que poderia tornar seu ataque mais eficiente.

O técnico Ricardo Gomes concordou, mas, em vez de tirar Cláudio Pittbul, tirou o meia Dênis, tornando a equipe mais ofensiva. Com dois atacantes, aos 19min do segundo tempo, Manzi atraiu a marcação santista e Pittbul fez 1 a 0.

Para recompor o meio-campo, Ricardo Gomes tirou o meia Marcelo da equipe e colocou o volante Marcelinho Paulista -mais forte na marcação.

O Santos, com bom toque de bola, não conseguia mais se impor na marcação e voltou a perder terreno. Em um contra-ataque, Manzi, decisivo na partida, fez o segundo gol, desviando do goleiro Diego. William, em bela jogada, fez o gol do Santos, aos 39min do segundo tempo.