Corinthians 1 x 2 Santos

Data: 14/12/1988, quarta-feira.
Competição: Campeonato Brasileiro (Copa União) – 2º turno – 10ª rodada (penúltima)
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 30.710 pagantes
Renda: Cr$ 27.701.200,00
Árbitro: José de Assis Aragão (SP)
Gols: Giba (11-1) e Dida (30-1); César Ferreira (42-2).

CORINTHIANS
Ronaldo; Dida, Marcelo, Dama e Aílton; Biro-Biro, Gilberto Costa e Sérgio Gil (Paulinho Carioca); Viola (Paulo Sérgio), Marcos Roberto e João Paulo.
Técnico: José Carlos Fescina

SANTOS
Ferreira; Heraldo, Nildo, Luisinho e Ijuí; César Ferreira, César Sampaio e Mendonça (Tuíco); Júnior (César Pereyra), Sócrates e Giba.
Técnico: Marinho Peres


Santos derrota o Corinthians no Pacaembu

O Santos derrotou o Corinthians por 2 a 1 à noite no Pacaembu. Com este resultado a equipe santista melhorou sua posição na classificação geral, agora com 30 pontos e tem boa chance de fugir do rebaixamento. Já o Corinthians perdeu a chance de se isolar na liderança do grupo B e ficar mais perto da classificação para a segunda fase.

Sócrates fez sua primeira partida contra seu ex-time e limitou-se a ficar parado no meio-campo. Fez alguns lançamentos e foi vaiado ao errar um passe de calcanhar. Ele jogou com uma proteção no joelho esquerdo devido a uma torção que quase o tirou da partida.

Quem brilhou foi Mendonça, que aos 11-1 marcou um gol olímpico. Teve o mérito roubado pelo meia Giba, que em entrevista à Rádio Record disse que resvalou a cabeça na bola. O árbitro José de Assis Aragão ouviu a declaração e mudou sua opinião, marcando o gol para Giba porque “é melhor fazer justiça de que cometer um erro”.

Antes de entrar em campo o goleiro Ferreira cobrou do presidente Miguel Assad, uma dívida de Cz$ 1 milhão referente a suas “luvas”, aproveitando a contusão do titular Nilton.

O Santos jogou com motivação extra de Cz$ 100 mil para cada jogador oferecido pelo Coritiba, interessado na derrota do Corinthians, além do prêmio oficial de Cz$ 150 mil.

O meia Juninho, quinto jogador do meio-campo santista, saiu contundido aos 34-1 e foi substituído por César Pereyra, uruguaio que disputou o Campeonato Paulista pelo Palmeiras.

Aos 22-2, o técnico Marinho Peres foi expulso por reclamação contra a arbitragem.

Créditos:
Vídeo: indicado por Danilo Barbosa