Santos 3 x 2 Atlético-MG

Data: 09/10/2002, quarta-feira, 20h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 16ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 13.631
Renda: R$ 127.640,00
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (RS).
Cartões amarelos: Preto (S); Paulinho e Mancini (A).
Gols: Alberto (27-1); Souza (10-2), Alex (40-2), Robinho (43-2) e Kim (48-2).

SANTOS
Júlio Sérgio; Michel (Wellington), Preto, Alex e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano e Diego (Robert); Robinho e Alberto (Willian).
Técnico: Emerson Leão.

ATLÉTICO-MG
Eduardo; Neguete, Nem e Batata; Mancini, Genalvo, Paulinho, Souza (Cleison) e Michel; Marques (Renaldo) e Washington (Kim).
Técnico: Geninho


Santos vence de novo na Vila e vai a 3º lugar

A fama de bom visitante do Atlético-MG não foi capaz de acabar com a invencibilidade do Santos na Vila Belmiro no Campeonato Brasileiro. Em uma partida com final eletrizante, o time do litoral venceu os mineiros por 3 a 2 e completou o nono jogo sem derrota no seu estádio no Nacional.

O resultado fez ainda o time subir na classificação. Agora, o Santos é o terceiro colocado, com o mesmo número de pontos que o São Caetano (29). É superado, porém, pelos critérios de desempate.

Mesmo restando mais de um terço da primeira fase, os santistas já igualaram a maior marca de vitórias (nove) do clube na fase inicial de um Brasileiro desde 1999.

Já o Atlético-MG, que ganhou 62% de seus pontos fora de casa, continua, apesar da terceira derrota consecutiva, dentro da zona de classificação (é o oitavo).

As previsões do comando santista, que previa um jogo difícil, se confirmaram ontem à noite. Contra o esquema de três zagueiros do técnico Geninho, mantido apesar dos desfalques, o jovem ataque do clube paulista não conseguia criar o grande número de oportunidades de suas outras partidas, marca registrada da equipe santista neste semestre.

Sem força para penetrar na zaga mineira trocando passes, o Santos precisou de um lance de bola parada para abrir o placar.

Aos 28min, Diego cobrou escanteio, o zagueiro Alex cabeceou para Alberto, que antecipou-se ao goleiro Eduardo e marcou, também com a cabeça, seu sétimo gol no Brasileiro-02.

A partir desse momento, os mineiros começaram a deixar espaços, que foram aproveitados pelos atacantes rivais. A situação complicou-se ainda mais quando Marques, principal atacante do time, deixou o campo machucado.

Antes do início da segunda etapa, o técnico do Santos, Emerson Leão, mostrava-se preocupado com a força do adversário.

“Não podemos permitir os avanços deles”, disse o treinador, que não teve seu desejo atendido.

O empate saiu logo aos 11min, com um belo gol. O atacante Washington dominou dentro da área e tocou para o meia Souza, que antes da bola tocar o chão chutou forte para vazar Júlio Sérgio.

A igualdade deixou o Santos perdido em campo. O Atlético-MG seguiu pressionando, mas esbarrou nas defesas do goleiro da equipe paulista.
Para tentar mudar o panorama da partida, o técnico Leão tirou o lateral-direito Michel, que voltava ao time depois de cumprir suspensão por doping, e Alberto, colocando, respectivamente, Wellington e William.

Mas foi só com sua terceira substituição que Leão teve resultado. No seu primeiro lance, aos 39min, Robert, que havia entrado no lugar de Diego, chutou da entrada da área, a bola rebateu na zaga e depois de muita confusão na área, Alex chutou forte para desempatar o confronto.

Com o Atlético-MG todo no ataque, o Santos teve espaço para fazer o terceiro, aos 44min, em forte chute de Robinho, que colocou a bola no ângulo do gol defendido pelo goleiro Eduardo.

Enquanto a torcida, que mais uma vez encheu a Vila Belmiro, comemorava, o Santos teve um momento de desatenção e viu o Atlético-MG descontar, com Paulinho, aos 47min.



Fontes: Jornal Folha de São Paulo e Revista Lance.