Guarani 0 x 2 Santos

Data: 02/11/2002, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 23ª rodada (antepenúltima)
Local: Estádio Jaime Cintra, em Jundiaí, SP.
Público: 12.830
Renda: não divulgada
Árbitro: Romildo Correia (SP)
Cartões amarelos: Émerson, Émerson Ávila e Júnior (G); Maurinho e Alberto (S).
Cartão vermelho: Érick (G)
Gols: Diego (31-1) e Robinho (43-1).

GUARANI
Edervan; Patrício, Juninho, Bruno Quadros e Emerson Ávila; Emerson, Otacílio (Leandro Guerreiro), Érick e Júnior; Sérgio Alves (Léo) e João Paulo (Brener).
Técnico: Jair Picerni

SANTOS
Júlio Sérgio; Maurinho (Robert), Alex, Preto e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano (Alexandre) e Diego; Robinho e Alberto (William).
Técnico: Emerson Leão


Santos vence o Guarani e fica perto da classificação no Brasileiro

O Santos esteve longe de apresentar um grande futebol, mas fez o suficiente para vencer o Guarani por 2 a 0, neste sábado à tarde, em Jundiaí, e se aproximar da classificação para as quartas-de-final do Campeonato Brasileiro. Os gols, marcados pela dupla Diego e Robinho, foram marcados no primeiro tempo.

A vitória faz o time da Baixada passar a dividir a vice-liderança com o São Caetano, que também tem 39 pontos. Mas os santistas têm dois jogos a mais que os atuais vice-campeões: 23 a 21. Todos os outros que estão buscando a vaga para a próxima fase também têm partidas a menos que a equipe de Emerson Leão.

O Guarani permanece com 28 pontos em 21 jogos e passa a ter chances muito reduzidas de ser um dos oito classificados. A derrota deste sábado foi a quinta consecutiva dos comandados pelo técnico Jair Picerni.

O jogo

A partida começou equilibrada, com cada time criando uma chance de gol nos primeiros minutos. Aos 5min, o zagueiro santista Alex subiu após cobrança de escanteio e acertou a trave. Logo a seguir, o experiente João Paulo se atrapalhou ao driblar o goleiro Júlio Sérgio e perdeu boa chance.

Com três volantes (Émerson, Otacílio e Érick), o Guarani não dava espaços para o adversário no meio-campo. Mas com apenas um homem de criação (Júnior) e sem seu principal jogador (Martinez, suspenso), o time de Campinas tinha dificuldades para levar a bola ao ataque.

Aos 27min, Robinho quase marcou. Ele foi lançado na área, mas chutou muito fraco, para defesa tranquila do goleiro Edervan. O primeiro gol saiu quatro minutos depois. Diego cobrou falta próximo à entrada da área, Edervan se esticou, mas defendeu quando a bola já havia entrado.

Os jogadores do Guarani reclamaram com o auxiliar Marinaldo Silvério, que acompanhou a jogada, mas de nada adiantou a revolta. O juiz Romildo Correia acertou e seguiu a decisão do bandeirinha.

Além na inferioridade no placar, a equipe de Jair Picerni ficou em desvantagem também no número de jogadores a partir dos 39min. Érick cometeu uma falta fora do lance e acabou, desnecessariamente, sendo expulso.

Os santistas aproveitaram a expulsão e aos 43min fizeram 2 a 0. O lateral-direito Maurinho tabelou com Diego e a bola sobrou para Robinho, que tocou para marcar.

Se o primeiro tempo não foi brilhante, o segundo foi ainda mais morno. As equipes não criaram sequer uma chance de gol. A torcida do Santos chegou até a vaiar por volta dos 30min.

Mesmo perdendo, Picerni preferiu manter o esquema defensivo no Guarani. Não abriu mão dos três volantes ao substituir Otacílio pelo também volante Leandro Guerreiro, e depois trocou a dupla de ataque formada por Sérgio Alves e João Paulo pelos reservas Brener e Léo.

A retranca rendeu ao time de Campinas a quinta derrota seguida e facilitou a tarefa para o Santos, que saiu de campo com a sensação de dever cumprido.

Fontes: Folha de São Paulo e Revista Lance.