Santos 4 x 2 Cruzeiro

Data: 11/11/2001, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 23ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 7.818 pagantes
Renda: 66.655,00
Árbitro: Heber Roberto Lopes (PR)
Cartões amarelos: Léo, Cléber e Viola (S); João Carlos, Augusto Recife e Maicon.
Cartão vermelho: Ricardinho (C, 28-2).
Gols: Alex (23-1), Viola (24-1) e Marcelinho Carioca (28-1); Viola (14-2), Elano (30-2) e Oséas (39-2).

SANTOS
Fabio Costa; Preto, Galvan, Cléber (Pereira); Valdir, Renato, Marcelo Silva (Elano), Canindé e Léo (Leandro); Marcelinho Carioca e Viola.
Técnico: Cabralzinho

CRUZEIRO
André, (Bosco), Maicon, Luizão, João Carlos, (Irineu), Sérgio Manoel, Augusto Recife, Ricardinho, Jorge Wagner, Alex (Adriano Chuva), Oséas e Jussiê.
Técnico: Marco Aurélio



Santos vence e espreita 8ª posição

Time bate Cruzeiro e já tem mesmo número de pontos que o Palmeiras, dono da última vaga

Com a vitória de 4 a 2 sobre o Cruzeiro, o Santos aumentou suas chances de classificação à próxima fase do Brasileiro. Está na décima posição, com 35 pontos, como o Palmeiras, em oitavo.

No último domingo, o time havia superado o Grêmio, em seu estádio, pelo mesmo placar. Na próxima quinta, a equipe enfrentará o Internacional, em Porto Alegre, sem dois titulares -o zagueiro Cléber e o lateral Léo, ambos suspensos por cartões amarelos.

O Santos preocupou sua torcida ao sair atrás no placar. Nos 20 primeiros minutos, o jogo transcorreu sob um temporal. Nesse período, as principais chances foram do Cruzeiro que, aproveitando os erros de passe do Santos, ameaçava nos contra-ataques.

Aos 6min, Maicon avançou pela direita, passou por Léo e acertou um forte chute na trave. O predomínio mineiro se consolidou aos 24min, com o gol de Alex. Em cobrança de escanteio de Ricardinho, o meia concluiu de cabeça.

Apesar de não ter conseguido até então ameaçar o gol de André, o Santos virou a partida em cinco minutos. Depois de dar a saída, obteve um escanteio que Marcelinho cobrou à meia altura, e Viola, aos 25min, marcou de cabeça.

Empurrado pela torcida, o time pressionou, e Renatinho, de cabeça, fez outro gol no minuto seguinte, mas o árbitro anulou, anotando falta de Cléber em André.

Aos 30min, o Santos virou. Após confusão na defesa cruzeirense, a bola sobrou para Marcelinho, que acertou um chute forte.
No intervalo, o técnico do Santos, Cabralzinho, partiu para cima do árbitro Heber Roberto Lopes, mas foi contido por policiais. Expulso minutos antes, supostamente por reclamação, o técnico havia se recusado a sair do banco.

De temperamento normalmente pacato, o treinador deixou o gramado revoltado com a decisão do juiz. Segundo afirmou, a expulsão foi injusta porque ele não teria reclamado, mas tentado orientar seus jogadores.

“Ele [o árbitro” falou que não queria conversa e me mandou tomar naquele lugar”, declarou.

Após o intervalo, o treinador tentou voltar ao banco junto com o auxiliar Serginho Chulapa, mas ambos foram obrigados a sair.
Com isso, Cabralzinho ficou assistindo à partida de uma das saídas do gramado. Correndo, o médico Jorge Merouço levava até o banco as instruções do treinador.

Mesmo sem técnico no banco, o Santos voltou melhor e ampliou o placar aos 14min. Em lance pela direita, o lateral Valdir cruzou a bola na área, e Viola completou.

O domínio santista se ampliou com a entrada de Elano no lugar do volante Marcelo Silva. O time passou a tocar a bola com facilidade, envolvendo a defesa mineira.

A situação se complicou ainda mais para o Cruzeiro com a expulsão do volante Ricardinho.

Com um jogador a menos, o time mineiro perdeu a capacidade de reação e ficou à mercê do toque de bola dos santistas, que, aos 30min, fizeram o quarto gol.

Após receber a bola na entrada da grande área, o meia Elano acertou um chute forte no canto esquerdo do goleiro Bosco.
Em um lance isolado, aos 39min, quando o Santos já havia relaxado a marcação, o Cruzeiro conseguiu marcar o segundo, com o atacante Oséas, que chutou fraco de fora da área, mas Fábio Costa não conseguiu interceptar.

Gol do Cruzeiro ajudou, afirma técnico santista

O técnico Cabralzinho atribuiu ao gol inicial do Cruzeiro o desempenho do Santos na partida de ontem. De acordo com o treinador, a equipe estava “sonolenta” antes de levar o gol, que, segundo ele, despertou o time.

“O gol do Cruzeiro foi até benéfico. Naquele momento, a equipe acordou e se superou para virar”, afirmou.

Para o treinador, se a reação não tivesse acontecido com rapidez, o nervosismo poderia ter dominado os jogadores e permitido ao rival assumir o controle do jogo.

“Caso tivéssemos deixado o Cruzeiro crescer na partida, seria uma grande desvantagem para nós”, disse.

O goleiro Fábio Costa afirmou que a segunda vitória consecutiva em casa devolveu a confiança ao grupo, que, após a derrota por 2 a 0 para o Corinthians na Vila, foi ameaçado por membros de torcidas organizadas, que invadiram o CT Rei Pelé.

“Agora, espero que aqueles babacas que invadiram o CT estejam aqui para nos aplaudir”, declarou ele.

No Cruzeiro, a derrota expôs a crise do Cruzeiro, que, antes do jogo, já tinha se agravado pelo atrito entre o técnico Marco Aurélio e o volante Rincón, afastado do grupo por ter se recusado a ficar no banco de reservas.

Ao deixar o campo, o zagueiro Luizão criticou os companheiros: “Na hora em que o jogo fica difícil, todo mundo se esconde. Aí, nós passamos essa vergonha”.

“É preciso ter calma. Vou conversar com o Luizão. Temos de falar entre nós”, disse o técnico.