Figueirense 3 x 0 Santos

Data: 16/07/2008, quarta-feira.
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis, SP.
Árbitro: Jaílson Freitas (BA)
Auxiliares: Adailton José de Jesus e Alessandro Rocha de Matos (BA).
Cartões amarelos: Michael, Molina, Domingos, Adriano, Wesley, Souto (S); Diogo, Cleiton Xavier (F).
Cartão vermelho: Magal (F).
Gols: Edu Salles (27-1), Edu Salles (44-1) e Tadeu (12-2).

FIGUEIRENSE
Wilson, Ânderson Luís, Bruno Perone, Asprilla e William Mateus (Leandro Carvalho); Diogo, Magal, Marquinho e Cleiton Xavier (Rodrigo Fabri); Edu Salles (Ricardinho) e Tadeu
Técnico: PC Gusmão

SANTOS
Felipe, Apodi (Lima), Domingos, Fabiano Eller e Kleber; Adriano, Rodrigo Souto, Molina (Wesley) e Michael (Tiago Luís); Maikon e Kléber Pereira.
Técnico: Cuca



Santos leva 3 a 0 do Figueira, e se afunda; Cuca se demite

A promessa feita por Cuca de que o Santos engataria reação no Brasileiro foi adiada. Sem qualquer organização tática, sobretudo no 2º tempo, o time da Vila foi facilmente superado pelo Figueirense, 3 a 0, em Florianópolis, e só não ficou na lanterna do torneio porque o Ipatinga também perdeu na rodada.

Com esse resultado, o Santos completa dez jogos sem vitória e está perto de alcançar sua pior marca negativa em Brasileiros, quando ficou 11 partidas sem vencer no ano de 1996.

Ainda sem vencer em oito jogos à frente do Santos, Cuca não resistiu após mais um revés e pediu demissão -foram quatro derrotas e quatro empates. O presidente Marcelo Teixeira, porém, bancou a permanência do treinador pelo menos até o retorno à Baixada. O clube já contactou os técnicos Geninho e Zetti.

Com oito pontos ganhos, o Santos continua na penúltima colocação. Já o Figueirense segue em franca ascensão no Brasileiro, somando 19 pontos, ampliando invencibilidade de cinco partidas.

“Não adianta baixar cabeça, botar culpa em jogador. Só nos resta vencer. Não adiana pensar em outro resultado a não ser vencer o Sport”, declarou o zagueiro santista Fabiano Eller à rádio CBN.

Figueirense e Santos abusaram das faltas, truncando o jogo nos 45 min iniciais. Pressionado na zona de rebaixamento, o time da Vila Belmiro repetiu os mesmos erros de jogos anteriores. Mesmo com maior tempo com a posse da bola, a equipe pecou na finalização por ansiedade.

O Figueira adotou postura oposta. Com menor domínio de bola, o clube catarinense foi mais decisivo, levando perigo à meta santista em contra-ataques e em faltas. E em duas jogadas iniciadas após falhas santistas, Edu Salles marcou aos 27 e aos 44 min da etapa inicial.

Na segunda etapa, o desenho tático foi o mesmo. Organizado taticamente, a equipe da casa ampliou, com Tadeu. Após o terceiro gol do time catarinense, o Santos deixou de lado qualquer esquema. Kleber virou praticamente um atleta de ataque. O avante Tiago Luís passou a atuar pelo lado esquerdo.

Desesperado, Cuca tirou os dois laterais, colocando os atacantes Lima e Tiago Luís. Em seguida, outro avante entrou: Wesley. Mesmo congestionado no ataque, o Santos não conseguiu minimizar os estragos deixados pelo Figueira.

Em situação crítica no Brasileiro, o Santos tenta encerrar jejum diante do Sport, domingo, na Vila Belmiro. Já o Figueirense encara o Fluminense, sábado, no Rio.