Palmeiras 2 x 2 Santos

Data: 19/07/2007
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio Parque Antarctica, em São Paulo, SP.
Público: 18.662 pagantes
Renda: R$ 307.130,00
Árbitro: Sálvio Spinola Fagundes Filho (SP)
Auxiliares: Carlos Augusto Nogueira Júnior e Valter José dos Reis (ambos de SP)
Cartões amarelos: Valdivia e Edmundo (P); Domingos, Rodrigo Souto, Adriano e Vítor Júnior (S).
Gols: Kléber (10-1), Nen (18-1) e Pedrinho (46-1); Rodrigo Souto (47-2, contra).

PALMEIRAS
Diego Cavalieri, Nen, Gustavo e Dininho (Valmir); Paulo Sérgio (Wendel), Pierre, Martinez, Valdivia e Leandro (Edmundo); Luís e Luiz Henrique
Técnico: Caio Júnior

SANTOS
Fábio Costa, Adailton, Domingos e Marcelo; Alessandro, Rodrigo Souto, Adriano, Rodrigo Tabata (Kléber Pereira), Pedrinho (Vítor Júnior) e Kléber; Marcos Aurélio (Carlinhos)
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Santos cede o empate no último minuto e Palmeiras mantém série invicta

Em cima da hora, o Palmeiras conseguiu empatar com o Santos no clássico desta quinta-feira, no Parque Antarctica. No último lance da partida, um gol contra de Rodrigo Souto fez com que o placar do jogo terminasse 2 a 2, e o time do técnico Caio Júnior ampliasse sua invencibilidade para cinco jogos no Campeonato Brasileiro – três vitórias e dois empates.

“Foi um jogo muito movimentado, rápido, entre dois times de qualidade. Tivemos de nos expor algumas vezes e fomos coroados no fim pela busca constante. Diante das circunstâncias até que foi bom”, disse o goleiro Diego Cavalieri.

“Acontece. É a jogada forte do Palmeiras [bola aérea]. O primeiro foi de mão, e o segundo acabou batendo no Rodrigo Souto e entrou. Mesmo fora de casa, produzimos bem, e é isso que nos felicita”, avaliou Fábio Costa, capitão da equipe alvinegra.

Com o resultado, o Santos chega a 15 pontos, na 15ª colocação no Campeonato Brasileiro – duas posições acima da zona de rebaixamento. Já o Palmeiras alcança os 19, no sexto posto, ao lado de São Paulo e Paraná, perdendo mais uma vez a chance de encostar nos líderes da tabela.

Curiosamente, as duas equipes vivem situações opostas em se tratando de retrospecto em clássicos neste Brasileiro. O Palmeiras ainda não perdeu nenhum, com dois empates e uma vitória, enquanto o Santos não venceu, com um revés e duas igualdades.

Antes da partida contra o Santos, o Palmeiras vinha de três vitórias e um empate, que levaram a equipe para as primeiras posições na tabela. Curiosamente, o início da seqüência positiva foi em um clássico, contra o Corinthians, quando o clube do Parque Antarctica ganhou por 1 a 0. Agora, o empate no último minuto dá moral para os comandados de Caio Júnior continuarem brigando pela liderança.

Por outro lado, a igualdade também não foi tão ruim para a equipe litorânea, que vem em reação contundente no torneio. Depois de sofrer uma goleada de 4 a 0 para o Vasco, em São Januário, o Santos recuperou-se ao vencer o Cruzeiro por 4 a 1 e o líder Botafogo por 3 a 0, ambos na Vila Belmiro.

Nesse período, um fator fundamental para o crescimento da equipe foi a melhora do ataque. Antes do início da reação, o time de Vanderlei Luxemburgo havia feito sete gols em nove jogos. Depois, em três partidas, as redes foram balançadas outras nove vezes, com uma média superior ao restante da competição.

O Palmeiras, por sua vez, recupera de vez seu prestígio no Parque Antarctica. Depois de um início irregular no Campeonato Brasileiro diante de sua torcida, a equipe vem de uma vitória (2 a 0 sobre o América-RN) e agora consegue o empate no fim do clássico. Antes disso, haviam sido duas derrotas, um empate e apenas um triunfo em casa.

Conseguir isso, porém, não foi fácil. Armado no 3-6-1, com apenas Marcos Aurélio na frente, o time de Vanderlei Luxemburgo contou com a volta do lateral Kléber da seleção brasileira para a armação. Atuando livre no meio-campo, o ala arriscou um chute da intermediária aos 10min do primeiro tempo e contou com falha de Diego Cavalieri para abrir o placar.

A resposta do Palmeiras passou pelos pés de outro atleta que retornou ao time titular depois de disputar a Copa América. Valdivia, de volta da seleção chilena, comandou o meio-campo alviverde que empatou o marcador em um lance de bola aérea aos 18min. Paulo Sérgio cobrou falta da direita, Nen desviou de cabeça, a bola bateu em Marcelo e entrou. Na comemoração, os jogadores fizeram questão de cumprimentar Diego Cavalieri, que havia falhado no outro lance.

Daí em diante, a partida permaneceu equilibrada. Perigo somente aos 46min, quando Rodrigo Tabata cobrou falta da direita e Pedrinho, livre de marcação, abaixou-se na pequena área para recolocar o Santos na frente do marcador.

O resultado, então, fez com que o Palmeiras partisse para o ataque, dando espaços para as jogadas rápidas do time alvinegro. A boa atuação de Diego Cavalieri e a ineficiência do ataque alviverde, porém, mantinham o placar inalterado, com destaque para a estréia de Kléber Pereira no ataque do Santos e o retorno de Edmundo ao time da casa após lesão.

No último minuto, porém, depois de bola alçada na área da equipe alvinegra, Martinez desviou de cabeça, a bola bateu em Rodrigo Souto e enganou o goleiro Fábio Costa, dando números finais ao marcador.