Vídeos: (1) Melhores momentos e (2) Reportagem do Globo Esporte.

Palmeiras 1 x 2 Santos

Data: 18/04/2009, sábado.
Competição: Campeonato Paulista – Semifinal – Jogo de volta
Local: Estádio Parque Antarctica, em São Paulo.
Público: 26.447 torcedores
Renda: R$ 1.071.800,00
Árbitro: Salvio Spinola Fagundes Filho (SP)
Auxiliares: Vicente Romano Neto e Giovani Cesar Canzian (SP)
Cartões amarelos: Maurício Ramos 2, Marcão (P); Roberto Brum, Fabão, Madson e Neymar (S).
Cartões vermelhos: Maurício Ramos e Diego Souza, (P); Domingos (S).
Gols: Madson (17-1); Kléber Pereira (06-2, de pênalti) e Pierre (29-2).

PALMEIRAS
Marcos; Fabinho Capixaba, Danilo, Maurício Ramos e Pablo Armero; Pierre, Jumar (Ortigoza), Evandro (Marcão) e Diego Souza; Lenny (Deyvid Sacconi) e Keirrison
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

SANTOS
Fábio Costa; Luizinho, Fabão, Fabiano Eller e Triguinho; Germano, Roberto Brum (Pará), Madson, Paulo Henrique Lima; Neymar (Domingos) e Kléber Pereira (Roni)
Técnico: Vagner Mancini



Com briga e confusão, Santos bate Palmeiras e vai à final do Paulista

O Santos começou a temporada desacreditado, com atuações irregulares e com problemas no elenco. Mas quando chegou a fase decisiva do Campeonato Paulista, a equipe mostrou sua força. Neste sábado, o time de Vagner Mancini não se intimidou com a pressão do Parque Antarctica lotado e aplicou 2 a 1 no Palmeiras para avançar à final depois de um confronto marcado pelo clima tenso e por uma confusão generalizada.

Em meio a uma partida com atletas nervosos, o duelo precisou ser parado no fim do segundo tempo graças a uma briga de Diego Souza e Domingos. Por pouco, outros jogadores não aderiram à disputa, e a confusão não tomou proporções maiores. No fim, o Santos levou a melhor e agora enfrenta o Corinthians, que eliminou o São Paulo no domingo, no Morumbi.

“A confusão não pode tirar o brilho da vitória do Santos. Fomos totalmente superiores ao Palmeiras e fizemos por merecer. Não jogamos na defesa e isso fez a diferença”, comemorou Vagner Mancini, que vai à primeira final de Paulista como técnico depois de dois triunfos por 2 a 1 na semi.

Com 11 vitórias, quatro empates e quatro derrotas na primeira fase, o Santos teve um longo caminho até a decisão. Depois de começar o ano com um técnico novato (Márcio Fernandes) e ver até uma briga no elenco – entre Fabiano Eller e Fábio Costa -, o time praiano precisou lidar com uma forte desconfiança da torcida.

Entretanto, a chegada de Vagner Mancini aliada à ascensão de Neymar e Paulo Henrique recolocou o Santos na disputa. A partir da semifinal, a reação se consolidou com duas boas apresentações diante dos atuais campeões. Ao mesmo tempo, o Palmeiras fica em um clima ainda mais conturbado. O time volta suas atenções à Libertadores, torneio em que também vive uma situação difícil.

Mesmo com o estádio completamente tomado pela torcida alviverde, o Palmeiras teve dificuldades no início do confronto e viu o Santos tomar a iniciativa com mais posse de bola. Após os dez minutos iniciais, os anfitriões entraram no clima na torcida. Com isso, começaram a pressão sobre o clube alvinegro.

Até que aos 17min, Madson aproveitou falha generalizada da zaga alviverde após tiro de meta de Fábio Costa e passe de Neymar e abriu o placar para o Santos. O gol conteve os avanços dos donos da casa, enquanto os visitantes continuaram levando perigo à meta de Marcos. Nervoso, o Palmeiras não mostrou reação e ficou praticamente sem criação ofensiva até o fim do primeiro tempo.

“Não nos achamos dentro de campo. Precisamos mudar e também entrar mais no clima de decisão se quisermos ir para a final”, lamentou Pierre antes de se dirigir aos vestiários. “Se melhorarmos a movimentação, podemos fazer mais”, destacou Madson logo em seguida.

As entradas de Deyvid Sacconi e Ortigoza deixaram o Palmeiras mais ofensivo na etapa final. Mas logo aos 8min o Santos esfriou as pretensões alviverdes novamente. Neymar foi derrubado dentro da área por Maurício Ramos, que foi expulso pelo lance. Na sequência, Kléber Pereira acertou o pênalti e aumentou a vantagem alvinegra.

Foi quando as vaias aumentaram no Parque Antarctica. Apagado, Keirrison foi um dos mais criticados pela torcida, assim como o técnico Vanderlei Luxemburgo. Quando parecia que o Santos não teria mais dificuldades, Pierre arriscou de fora da área aos 29min e contou um frango clamoroso de Fábio Costa para descontar.

Com ânimos renovados, os anfitriões voltaram ao jogo. Até que Domingos entrou na vaga de Neymar aos 35min e entrou em discussão Diego Souza quase no mesmo instante. Nervoso, o meia respondeu e logo em seguida o árbitro expulsou os dois. Foi o suficiente para começar a confusão. Domingos caiu no gramado após ser empurrado e simulou uma agressão mais forte, o que deixou o camisa 7 do Palmeiras inconformado.

Mesmo segurado por uma série de jogadores, Diego Souza correu para cima do defensor novamente e o agrediu com uma rasteira. Após uma paralisação de cinco minutos, o zagueiro deixou a confusão sorrindo, ao mesmo tempo em que Diego Souza finalmente retornou para os vestiários. Depois disso, não sobrou mais tempo para o placar ser alterado.