Palmeiras 3 x 1 Santos

Data: 06/03/2005
Competição: Campeonato Paulista – Turno único – 11ª rodada
Local: Estádio do Parque Antarctica, em São Paulo, SP.
Público: 17.570 pagantes
Renda: R$ 226.911,00
Árbitro: Edilson Pereira de Carvalho
Cartões amarelos: Nen (P); Leonardo, Léo e Robinho (S).
Gols: Daniel (44-1); Ricardinho (08-2), Pedrinho (27-2) e Pedrinho (37-2).

PALMEIRAS
Marcos; Nen, Daniel e Gláuber; Corrêa, Marcinho, Claudecir (Alceu), Cristian e Lúcio; RIcardinho (Warley) e Osmar (Pedrinho).
Técnico: Candinho

SANTOS
Mauro; Flávio, Ávalos, Domingos (Leonardo) e Léo; Bóvio, Tcheco (Basílio), Fábio Baiano e Ricardinho; Robinho e Deivid (Evando).
Técnico: Osvaldo de Oliveira



Defensivo, Palmeiras vence e afasta Santos do título

Nos contra-ataques, tática cautelosa surpreende favoritos do clássico

Em tarde de Pedrinho e Marcos, o Palmeiras bateu o Santos por 3 a 1, no Parque Antarctica, e acabou com a invencibilidade do time da Vila no Estadual. Com o resultado, o Santos perdeu a vice-liderança do torneio para o Mogi Mirim, que goleou o Atlético Sorocaba por 4 a 1.

O goleiro e o meia do Palmeiras foram os grandes destaques do jogo. O primeiro garantiu o resultado com pelo menos quatro defesas importantes. Já Pedrinho, que, recuperado de contusão, atuou pela primeira vez na temporada, marcou dois gols e chorou depois de um deles.

“É muito sentimento que rola ao mesmo tempo. Meu filho que nasceu, problemas particulares e profissionais. Mas dei a volta por cima”, afirmou Pedrinho.

O Palmeiras chegou aos 17 pontos e está em oitavo lugar. Já o Santos segue com 24 e ocupa a terceira posição do Paulista-05.

O jogo

Se o Palmeiras, atuando em seu estádio, começou o jogo em cima do Santos, logo o time do litoral equilibrou e passou a comandar as ações. No entanto seu principal jogador, Robinho, era marcado bem de perto pelo zagueiro Nen e pouco pegava na bola.

Ainda assim o time teve as melhores chances da primeira etapa: aos 14min, o volante Tcheco fez grande jogada, driblando três zagueiros, e sofreu falta na entrada da área. Na batida, Ricardinho exigiu grande defesa de Marcos.

Mas as melhores chances santistas da primeira etapa apareceram com Deivid. Aos 36min, o atacante fez boa jogada pela esquerda e bateu, à direita de Marcos. Quatro minutos depois, o atacante recebeu bola de Ricardinho e bateu novamente para fora. Aos 41min, ele chegou a driblar Marcos, mas não teve ângulo para tocar para o gol vazio.

O Palmeiras, por sua vez, levava perigo nos contra-ataques, em jogadas aéreas, e foi assim que chegou ao primeiro gol. Aos 42min, Correa recebeu bola na esquerda e cruzou na cabeça do zagueiro Daniel, que cabeceou sem chances para Mauro: 1 a 0.

Duelo e retorno

Com a substituição do contundido Tcheco por Basílio, no intervalo, o Santos voltou melhor para a segunda etapa. Tendo o seu “tridente” ofensivo restabelecido, a equipe da Vila voltou melhor para o jogo.

O time logo chegou ao empate. Aos 7min, em lance discutido, Deivid caiu na área entre dois zagueiros palmeirenses. O árbitro Edílson Pereira de Carvalho apitou pênalti. Ricardinho bateu com categoria e fez.

O empate animou a equipe visitante, que via um Robinho, mais solto, travar um duelo com o goleiro Marcos. Aos 10min, o atacante recebeu bola cara a cara com o goleiro e bateu, para excelente defesa do goleiro. Cinco minutos depois, Robinho bateu de fora da área para outra grande defesa. Após chute de Basílio, Robinho sorriu e foi abraçar o palmeirense.

Mas a grande estrela da tarde só entrou aos 15min: vendo o time acuado, Candinho sacou Osmar e colocou Pedrinho. Em seu primeiro jogo na temporada, o meia, atuando avançado, acabou sendo decisivo.

Em um contra-ataque rápido, aos 26min, Pedrinho recebeu na área e tocou sem chances para Mauro. Dez minutos depois, o meia dominou após lançamento de Lúcio e marcou seu segundo gol na partida.