Santos 1 x 3 Corinthians

Data: 26/04/2009, domingo.
Competição: Campeonato Paulista – Final – Jogo de ida
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 17.259 torcedores
Renda: R$ 1.044.330,00
Árbitro: Wilson Luiz Seneme (SP)
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho (SP) e Everson Luquesi Soares (SP).
Cartões amarelos: Pará, Fabão, Germano (S); André Santos, Elias, Cristian, Morais, Chicão (C).
Gols: Chicão (10-1) e Ronaldo (25-1); Felipe (15-2, contra) e Ronaldo (31-2).

SANTOS
Fábio Costa; Luizinho, Fabiano Eller, Fabão e Triguinho (Maikon Leite); Pará, Germano, Madson, Paulo Henrique Lima (Róbson) e Neymar; Kléber Pereira (Roni).
Técnico: Vagner Mancini

CORINTHIANS
Felipe; Alessandro, Chicão, William e André Santos; Cristian (Túlio), Elias, Douglas (Boquita) e Morais; Jorge Henrique (Fabinho) e Ronaldo.
Técnico: Mano Menezes



Corinthians vence e amplia vantagem nas finais

Ronaldo ratificou a condição de decisivo em grandes jogos. Com uma atuação de gala, silenciou a Vila Belmiro sob olhar de Pelé. Desta vez, a vítima do camisa 9 corintiano foi o Santos. Mesmo com a vantagem de poder empatar os dois jogos para faturar o título paulista, o Corinthians venceu os donos da casa por 3 a 1, neste domingo, com dois gols do Fenômeno.

Com esta vitória, o Corinthians segue invicto no Estadual. São 22 jogos sem derrota. Agora o time de Parque São Jorge pode até perder por dois gols de diferença para o Santos, dia 3 de maio, no Pacaembu, que conquista o título.

“Eu estava vendo que o Fábio Costa ficava adiantado no primeiro tempo. Fiquei com isso na cabeça durante todo o tempo. Aí aproveitei uma jogada que acho que foi decisiva para o jogo”, detalhou Ronaldo sobre o seu segundo gol no Santos.

Logo no primeiro lance ofensivo do Corinthians no jogo o time abriu o marcador. Em cobrança de falta, aos 10min, Chicão chutou no contrapé de Fábio Costa.

Em desvantagem, o Santos investiu ofensivamente, mas, nervoso, pecava nas finalizações. O Corinthians apenas se resguardava na defesa.

Recuado, o Corinthians chamou o Santos para o ataque. A estratégia funcionou. Ronaldo recebeu a bola sem marcação e, frente a frente com Fábio Costa, o camisa 9 marcou o segundo gol do Corinthians, aos 25min.

O resultado adverso fez o Santos partir para cima do rival. E não faltaram oportunidades para o Santos fazer o primeiro gol. Em 15 minutos, o time da Vila criou quatro excelentes chances, mas errou nas finalizações. Em uma das jogadas, o goleiro Felipe tirou a bola de Kléber Pereira. No rebote, o corintiano espalmou chute de Neymar.

O Corinthians seguiu usando os contra-ataques para ameaçar a defesa santista. Após o intervalo, o jogo continuou apresentando o mesmo ritmo. Santos no ataque e o Corinthians administrando a vantagem, deixando apenas Ronaldo no ataque.

De tanto pressionar, o Santos marcou o gol após cruzamento de Triguinho. Felipe falhou no lance. Na súmula, o árbitro Wilson Luiz Seneme deu gol contra do corintiano.

A partir do gol santista ficou acentuado o duelo entre o ataque dos anfitriões e a defesa dos visitantes. O Corinthians apenas resistia à pressão dos anfitriões. Mas o time paulistano tinha Ronaldo.

Isolado no ataque, o camisa 9 fez o que ninguém imaginava. Em vez de arriscar chute com força, Ronaldo preferiu encobrir Fábio Costa com a perna esquerda, marcando um gol antológico.

“É um sonho pensar que aqui o Rei fez tantos gols. É uma honra ser rei mesmo que seja por um dia na casa do Rei. Foi ótimo”, declarou Ronaldo.

O segundo gol de Ronaldo desestruturou o Santos, que deixou de apertar a zaga corintiana. Mancini ainda promoveu a estreia de Maikon Leite, que não jogava havia oito meses. Ele ainda criou lances ofensivos, mas Felipe impediu a reação santista.