Vídeos: (1) Melhores momentos e (2) Reportagem do Globo Esporte.

Santos 3 x 1 Atlético-MG

Data: 05/05/2010, quarta-feira.
Competição: Copa do Brasil – Quartas de final – Jogo de volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 14.245 pagantes
Renda: R$ 278.478,00
Árbitro: Jaílson Macedo Freitas (BA)
Auxiliares: Adson Márcio Lopes Leal (BA) e Belmiro da Silva (BA).
Cartões amarelos: Ricardinho, Diego Tardelli e Fabiano (A); Neymar (S).
Cartão vermelho: Fabiano (A)
Gols: André (16-1), Neymar (43-1) e Correa (45-1); Wesley (04-2).

SANTOS
Felipe; Pará, Durval, Edu Dracena e Léo (Alex Sandro); Arouca, Wesley e Paulo Henrique Ganso; Neymar (Zé Eduardo), Robinho e André (Marquinhos).
Técnico: Dorival Júnior.

ATLÉTICO-MG
Aranha, Carlos Alberto, Werley, Jairo Campos e Júnior (Marques); Zé Luis, Fabiano, Correa (Evandro) e Ricardinho (Leandro); Muriqui e Diego Tardelli.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Santos vence Atlético-MG, garante vaga à semifinal e volta a festejar na Vila

No duelo dos campeões estaduais nas quartas de final da Copa do Brasil, o Santos prolongou a comemoração pelo título paulista ao vencer o Atlético-MG, por 3 a 1, na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, e classificar-se à semifinal da competição. O placar agregado do confronto foi 5 a 4 para os santistas.

André, Neymar e Wesley foram os responsáveis pelos gols do Santos. O Galo marcou o seu com Correa, mas precisava de outro gol para levar a decisão da vaga aos pênaltis.

Na semifinal, o Santos encara o Grêmio. A ordem de mando das duas partidas será definida na tarde de quinta-feira. Do outro lado da chave, Atlético-GO e Vitória disputam uma vaga à final. A decisão da competição só acontecerá após a Copa do Mundo.

O clima de rivalidade era evidente no confronto após as provocações dos santistas a Vanderlei Luxemburgo durante a semana . O treinador foi recebido com hostilidade pela torcida santista. Os gritos de “mercenário” apimentavam ainda mais o duelo.

Com o 3 a 2 para o Atlético-MG, no jogo de ida, no Mineirão, o Santos entrou em campo precisando de uma vitória simples para passar de fase. Determinado, o time pressionou a saída de bola atleticana e aplicou um sufoco no início do jogo. O Galo sobrevivia na base dos “chutões” e pouco aparecia no campo ofensivo.

Com tanta pressão aplicada, o time da Vila chegou ao primeiro gol, aos 16 minutos, justamente em uma roubada de bola no campo defensivo do Atlético. Ganso foi o responsável pelo desarme. O meia rolou para Neymar na ponta esquerda da área, em posição irregular, e o camisa 11 cruzou para André desviar para o gol.

Após o gol sofrido, o Galo passou atuar com mais jogadores à frente da linha do meio-de-campo. Precisando de gols, o time comandando por Luxemburgo passou a assustar e chegou perto de marca o primeiro, aos 34 minutos, quando Diego Tardelli chutou a bola na trave.

O panorama do jogo mudou completamente, e o Santos passou a aproveitar os contra-ataques. Em um deles, puxado por Pará, aos 43 minutos, Robinho recebeu a bola na direita da área, e rolou para Neymar completar para o gol vazio.

A torcida santista estava animada, e preparada para festejar no intervalo. Porém, Correa diminuiu em chute forte de fora da área, aos 45 minutos, e deixou o estádio calado. O placar parcial de 2 a 1 garantia a classificação santista, pelos gols marcados fora de casa.

Para o segundo tempo, Vanderlei Luxemburgo sacou Ricardinho e colocou Leandro para ganhar velocidade. Rapidez quem teve foi o Santos, que marcou o terceiro logo aos 4 minutos. Wesley aproveitou passe de Edu Dracena, a surpresa na grande área, e chutou forte no meio do gol.

Luxa, então, partiu para nova substituição, colocando Evandro no lugar de Correa. Sem ver resultados práticos, o treinador atleticano gastou a última alteração aos 20 minutos, com a entrada de Marques no lugar de Júnior.

O Atlético-MG pouco ameaçava o Santos. O adversário, porém, era perigoso nos contra-ataques. Robinho perdeu a chance de carimbar a classificação, aos 31 minutos, ao perder ótima chance na frente de Aranha.

A tarefa santista de segurar o resultado foi facilitada com a expulsão de Fabiano, aos 37 minutos. O time mandante teve tranquilidade para tocar a bola nos minutos finais, e esperar o fim do jogo para festejar novamente.

Luxa desabafa, revela ameaça de morte por ajudar Robinho e diz que não volta ao Santos

Vanderlei Luxemburgo fez um pronunciamento após a desclassificação do Atlético-MG frente ao Santos. O treinador demonstrou profunda chateação pelas provocações dos santistas na véspera da partida, e pela maneira como foi recebido na Vila Belmiro. Luxa vê ingratidão por parte de seus ex-comandados, e elegeu Robinho como o principal vilão.

Luxemburgo comentou ter participado da formação do atleta, e o protegido em algumas oportunidades. O técnico revelou ter recebido ameaça de morte em Santos por evitar contatos de Robinho com um criminoso da cidade.

“O Robinho puxou um coro provocativo, e nunca vi tamanha ingratidão. Vocês sabem o que é “12”?. É uma arma. E foi dessa maneira que fui ameaçado por tentar protegê-lo. Em 2004, ele estava com muita amizade com um bandido, que depois foi preso, aqui de Santos. Ele ficava toda hora falando com ele no celular, e um dia, proibi ele de atender aos telefonemas. Esse bandido foi atrás de mim para tirar satisfação. Disse que tinha que fazer isso para deixar o Robinho pensando apenas no futebol”, revelou Luxa.

“Na época do sequestro da mãe dele (novembro de 2004) eu sempre fiquei do lado, dando apoio. Acho que não merecia esse tratamento. Me doei ao máximo”, complementou.

Luxemburgo já havia demonstrado sua irritação com Robinho ao comentar o episódio em que o atacante Robinho abaixou a bermuda de Diego na concentração da seleção brasileira, durante a preparação para o Pré-Olímpico de 2004. Após o jogo, o santista também deu demonstrou chateação pela lembrança.

“Fiz uma brincandeira com o Ney(mar), e o Vanderlei apelou sem necessidade. Não fiz isso para incentivar briga. Ele interpretou de maneira errada. Paciência”, disse Robinho.

Vanderlei Luxemburgo não foi cumprimentado por nenhum jogador santista antes ou depois da partida contra o Atlético-MG. Como também foi hostilizado por torcedores, que gritavam “mercenário” em sua entrada no estádio, o treinador tomou uma decisão radical.

“Nunca vi tanta ingratidão no futebol. Já estou decidido de que nunca mais volto ao Santos. Só virei à Vila como treinador adversário. Minha história nesse clube terminou hoje”, declarou Luxa, que teve quatro passagens como técnico do Santos. A última delas foi na temporada passada.

“Eles (jogadores do Santos) mostraram serem mesmo moleques. A molecagem dentro de campo, ganhando como fizeram hoje, é válida. A desrespeitosa, fora de campo, não. Eu não sou moleque como eles, e mereço respeito”, finalizou Luxa.

Ainda em campo, Neymar chegou a pedir, por intermédio de repórteres, desculpas ao treinador.

“Gostaria de dizer para o Vanderlei que ele foi como um pai para mim enquanto esteve aqui, e não tive a intenção de desrespeitá-lo. Quero pedir desculpas”, disse Neymar.