Botafogo 0 x 1 Santos

Data: 18/10/2008, sábado, 18h20.
Competição: Campeonato Brasileiro – 30ª rodada
Local: Estádio do Engenhão, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 20.634 pagantes
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (Fifa-RS)
Auxiliares: Roberto Braatz (Fifa-PR) e Carlos Berkenbrock (SC)
Cartões amarelos: Renato Silva e André Luís (B); Domingos, Roberto Brum e Wendel (S).
Gol: Molina (26-2).

BOTAFOGO
Renan, Thiaguinho, Renato Silva, André Luís e Triguinho; Diguinho, Túlio, Lúcio Flávio (Zárate) e Carlos Alberto (Marcelinho); Jorge Henrique e Wellington Paulista (Lucas Silva).
Técnico: Ney Franco

SANTOS
Fábio Costa, Wendel, Domingos, Adaílton (Fabão) e Kleber; Roberto Brum, Rodrigo Souto, Bida (Pará) e Molina; Cuevas (Robson) e Lima.
Técnico: Márcio Fernandes



Com gol de Molina, Santos volta a vencer fora de casa contra Bota

Peixe escapa do risco de degola e afasta a equipe do Rio de Janeiro da briga pela vaga na Libertadores

O Santos voltou a vencer fora de casa neste sábado pelo Campeonato Brasileiro. Enfrentando o Botafogo, no Engenhão, o Peixe mostrou que está deixando para trás o fantasma do rebaixamento ao superar a equipe carioca. O gol marcado pelo meia Molina decretou o segundo triunfo dos paulistas longe de casa, que não venciam uma vitória fora da Vila Belmiro desde 30 de julho, quando o Peixe bateu o Internacional, por 1 a 0.

Com o resultado, o Santos se afastou da zona do rebaixamento, se consolidando na 13° posição, com 36 pontos, dentro do grupo dos times que estariam classificados para a próxima Sul-americana. O Botafogo permanece na sexta colocação, com 46 pontos.

Na próxima rodada, os dois clubes voltam a jogar no sábado. O Botafogo vai até Minas Gerais, onde encara a partir das 16 horas, encara o Ipatinga. Já o Santos recebe o Figueirense, às 18h20 (horário de Brasília), na Vila Belmiro. Para este compromisso o Peixe não poderá contar com o lateral Wendel, que recebeu o terceiro cartão amarelo e cumpre suspensão automática.

O jogo
A partida começou com as duas equipes se estudando bastante. A primeira chance de gol surgiu por parte dos visitantes. Aos 13 minutos, Bida puxou o contra-ataque e tocou para Rodrigo Souto, que deixou Lima na cara do gol. O substituto de Kléber Pereira chegou a driblar o goleiro Renan, mas mandou a bola por cima do gol na hora da finalização.

Recuperado do susto, o Botafogo resolveu incomodar Fábio Costa. Com 16, Thiaguinho tabelou com Carlos Alberto e cruzou para Wellington Paulista. O centroavante do time carioca bateu para boa defesa do arqueiro santista. No minuto seguinte foi a vez de Renan trabalhar, espalmando um chute forte de longa distância do volante Bida.

A partida continuava equilibrada, com as duas equipes dando trabalho aos goleiros. Aos 21, Wellington Paulista limpou a marcação e finalizou para mais uma defesa de Fábio Costa.

O Peixe não se intimidou e respondeu aos 29. Wendel cruzou na medida para Lima, que antecipou a chegada do zagueiro e de carrinho quase marcou o primeiro gol do time da Vila Belmiro. Renan, demonstrando ter bastante reflexo, desviou pela linha de fundo.

Iguais no placar, Botafogo e Santos viram dois seus principais atletas deixarem o campo contundidos. Pelos cariocas, Lúcio Flávio sentiu uma lesão muscular, dando lugar ao centroavante argentino Zarate. Do lado santista, Nelson Cuevas teve um problema no músculo adutor na coxa direita. O meia Róbson entrou na vaga do avante paraguaio.

Aos 44 minutos, a última chance do primeiro tempo. Thiaguinho levantou a bola na área e mais uma vez Wellington Paulista apareceu para finalizar. De cabeça, o centroavante botafoguense exigiu uma grande intervenção de Fábio Costa, que mostrou estar totalmente recuperado da contusão que o afastou durante três meses dos gramados.

Na volta do intervalo, a primeira chance foi dos donos da casa. Aos 11, André Luiz subiu sozinho e cabeceou ao lado do gol. O Peixe não demorou para responder. Três minutos após, Kléber encontrou Róbson na entrada da área. O meio-campista bateu fraco, no meio do gol, para defesa de Renan.

Vendo o time da Vila Belmiro controlar as ações no meio-campo, o técnico Ney Franco colocou Fábio no lugar de Wellington Paulista procurando reequlibrar a posse de bola. O Santos continuava jogando melhor e criava boas oportunidades para fazer o gol. Aos 26, os santistas chegaram lá. Molina bateu com precisão uma falta na lateral, encobrindo Renan e anotando o seu quarto tento na competição.

Agüentando a pressão dos cariocas, o Peixe ainda teve algumas chances de marcar o segundo gol, com o atacante Lima e o meia Róbson, porém o placar permaneceu inalterado até o apito final do árbitro.

“Eu comemorei para desabafar mesmo. Há um mês não estava passando por momentos muito bons, mas agora as coisas estão melhorando de novo. Bati forte e fechado para que o goleiro não pudesse pegar. Acho que bati como tinha que ser e peguei o goleiro de surpresa”, explicou Molina após celebrar seu gol com a torcida santista.

Enquanto isso, o Botafogo, que ainda luta por uma vaga na Copa Libertadores da América de 2009, parou nos 46 pontos e viu seu sonho ficar mais distante de ser realizado.

“Foi lamentável, principalmente o nosso segundo tempo. Temos que esquecer a derrota, pois temos um grupo qualificado para chegar em algum lugar respeitável dentro do Campeonato Brasileiro”, lamentou Diguinho após o duelo.