Santos 3 x 1 Atlético-PR

Data: 30/08/2007, quinta-feira, 20h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 22ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 2.784 pagantes
Renda: R$ 31.732,00
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (Fifa-RS)
Auxiliares: Marcel Bertanha Barison e José Antônio Chaves (ambos do RS).
Cartões amarelos: Domingos (S) e Alan Bahia (A)
Gols: Antonio Carlos (11-1) e Domingos (29-1); Pedrinho (08-2) e Kléber Pereira (31-2).

SANTOS
Fábio Costa; Baiano, Marcelo, Domingos e Kléber; Maldonado, Adriano, Petkovic (Rodrigo Tabata) e Pedrinho (Vitor Júnior); Marcos Aurélio e Kléber Pereira (Renatinho).
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

ATLÉTICO-PR
Viáfara; Nei, Antonio Carlos, Danilo e Edno; Valencia, Alan Bahia, Claiton (William) e Ramon (Evandro); Ferreira e Pedro Oldoni (Gustavo).
Técnico: Ney Franco



Santos vira, afunda Atlético-PR, mantém boa fase e cola no G-4

Mesmo com dificuldades, o Santos manteve o aproveitamento recente no Campeonato Brasileiro e venceu de virada diante de sua torcida. Nesta quinta, na Vila Belmiro, o time do técnico Vanderlei Luxemburgo saiu atrás no marcador, mas ganhou do Atlético-PR por 3 a 1 e se aproximou do G-4.

Com o resultado, o Santos chegou aos 36 pontos, assumiu a quinta colocação na tabela do Nacional, à frente do Palmeiras pelo número de vitórias (11 contra dez), e está apenas dois atrás do Botafogo, que ocupa o quarto lugar com 38.

Além disso, a equipe da Baixada Santista também manteve sua boa fase na competição, que começou no início de agosto. Nesse mês, foram seis vitórias nos últimos sete jogos, que fizeram o clube pular da 13ª posição para a situação atual.

Se o período foi bom para o Santos, o mesmo não pode dizer o Atlético-PR. No mês em que trocou de técnico (Antônio Lopes saiu para a chegada de Ney Franco), o clube rubro-negro atuou oito vezes (uma pela Sul-Americana), perdeu cinco, empatou duas e venceu apenas uma. Agora, o time ocupa a 17ª posição, com 23 pontos.

“A situação ficou com o sinal vermelho. Embora tenhamos muitas rodadas ainda pela frente, a gente sabe que tem elenco para contornar os problemas, mas estamos precisando de vitórias”, disse o técnico Ney Franco.

Para os donos da casa, mais que a proximidade com o G-4, o triunfo é importante para manter o time na busca ao líder São Paulo. Objetivo do técnico Vanderlei Luxemburgo, o já distante título brasileiro ficaria ainda mais complicado se o Santos ficasse 14 pontos atrás do arqui-rival (situação que aconteceria em caso de derrota).

“A gente conversou que não adiantava torcer para os adversários tropeçarem e não fazer o nosso papel. Nós fizemos e lá na frente vamos ter o confronto direto e podemos passar os concorrentes”, disse o meia Pedrinho.

E as dificuldades do início do jogo sugeriam a possibilidade de tropeço. Atrapalhado pela ausência do volante Rodrigo Souto, lesionado, e pela forte marcação do Atlético-PR, o meio-campo alvinegro não repetiu as boas atuações das partidas recentes e teve dificuldades na criação.

Como dominava a criação adversária, o clube da Arena da Baixada encontrou espaços no início da primeira etapa, e conseguiu abrir o placar. Logo aos 11min, Ramon cruzou da esquerda e Antonio Carlos se aproveitou de falha da defesa para cabecear firme e abrir o placar.

Daí em diante, o time visitante recuou, chamou o Santos para o seu campo de defesa e acabou sofrendo o empate, também por meio de bola alta. Aos 29min, Kléber cobrou falta na área do Atlético-PR, Domingos desviou, a bola bateu na trave esquerda, de novo em Viáfara e entrou.

A virada do time litorâneo viria logo no início da etapa final. Aos 8min, depois de cruzamento da direita, Pedrinho dominou no peito e bateu de perna esquerda para virar. Aos 31, Kléber Pereira ainda cobrou pênalti com categoria e marcou seu nono gol desde que chegou ao clube.

Na próxima rodada, no domingo, o Santos faz o clássico contra o Corinthians no Pacaembu. No mesmo dia, o Atlético-PR recebe o Atlético-MG na Arena da Baixada.