Atlético-MG 3 x 1 Santos

Data: 27/09/2009, domingo, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 26ª rodada
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte, MG.
Público: 36.294 pagantes
Renda: R$ 485.238,00
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (DF)
Auxiliares: Erich Bandeira (Fifa-PE) e Cesar Augusto de Oliveira Vaz (DF)
Cartões amarelos: George Lucas e Fabão (S).
Gols: Evandro (05-1); Diego Tardelli (11-2), Diego Tardelli (28-2) e Kléber Pereira (33-2).

ATLÉTICO-MG
Carini; Carlos Alberto, Jorge Luiz, Werley e Thiago Feltri; Jonílson, Márcio Araújo, Corrêa e Evandro (Ricardinho); Éder Luís e Diego Tardelli (Rentería).
Técnico: Celso Roth

SANTOS
Felipe; George Lucas, Fabão, Eli Sabiá e Léo; Emerson (Pará), Rodrigo Souto, Rodrigo Mancha (Germano) e Madson; Felipe Azevedo (Neymar) e Kléber Pereira.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Com 2 gols de Tardelli, Atlético vence Santos e segue na cola do G-4

No duelo de alvinegros, o Atlético-MG venceu o Santos, por 3 a 1, na noite deste domingo, no Mineirão, mantendo-se na quinta posição do Campeonato Brasileiro, mas com os mesmos 44 pontos do Internacional, que fecha o G-4 por ter uma vitória a mais: 13 contra 12. Com a derrota, o time santista se manteve na 12ª colocação, afastando-se mais ainda do grupo de classificação para a Libertadores.

A vitória do Goiás sobre o Grêmio, por 2 a 1, e os empates de São Paulo e Internacional contra Corinthians e Flamengo, por 1 a 1 e 0 a 0, respectivamente, impediam que o Atlético-MG voltasse ao G-4 ao término da 26ª rodada. Pressionado a vencer, para não se distanciar dos seus concorrentes, o alvinegro mineiro entrou entusiasmado em campo e abriu o caminho da vitória com um gol de Evandro, logo aos 5min do primeiro tempo.

O Santos, que teve um desfalque de última hora, com a contusão de Robson, iniciou a partida com a proposta de segurar a pressão do adversário, para tentar explorar seus erros. Mas não teve tempo e custou a assimilar o golpe.

Quando dominava a partida, no começo da etapa final, a equipe de Vanderlei Luxemburgo sofreu o segundo gol, marcado de pênalti por Diego Tardelli, que ainda fez o terceiro, igualando-se à Adriano, do Flamengo, e Jonas, do Grêmio, na artilharia com 13 gols.

A festa do torcedor atleticano, que compareceu em bom número ao Mineirão, foi completa por causa da estreia do experiente meia Ricardinho, que substituiu a Evandro, pouco antes dos 30 minutos do segundo tempo. Quando ele foi colocado por Celso Roth, o Atlético já vencia por 3 a 0, e o Santos ainda marcou seu gol, por meio de Kléber Pereira, aos 33 minutos.

“O importante foi que a nossa equipe ganhou. É difícil depois de um longo tmpo a gente retomar o ritmo. Foi legal, a equipe conseguiu um belo resultado, toca bem a bola, procura os espaços. Principalmente no segundo tempo a gente conseguiu impor o nosso ritmo e uma bela vitória”, afirmou Ricardinho.

O jogo

“Está 1 a 0, mas podia estar 3 a 0 para a gente, tivemos muitas chances, Nosso time está bastante ligado”, comentou o meia Evandro, autor do único gol atleticano, nos 45 minutos iniciais, ao deixar o gramado para o intervalo. O primeiro tempo, especialmente no seu começo, foi marcado pela superioridade do time da casa, que abriu o placar, logo aos 5min, e criou outras chances para ampliar o marcador.

Foram 10 finalizações do Atlético-MG na etapa inicial, resultado de uma estratégia de arriscar chutes de fora da área. Sete bolas não tiveram pontaria, embora muitas delas passando perto do gol defendido por Felipe, que fez duas defesas difíceis. Já o Santos concluiu apenas três vezes, duas delas para fora. O uruguaio Carini, que fez seu segundo jogo pelo alvinegro, o primeiro perto da torcida, limitou-se cortar cruzamentos.

O volante Emerson, que atuou apenas na etapa inicial, reconheceu a dificuldade santista na primeira etapa. “Nossa equipe se assustou um pouquinho, tivemos dificuldade nos primeiros 15 minutos e tomamos o gol. Depois o jogo deu uma equilibrada e conseguimos chegar no jogo”, observou o experiente jogador, referindo-se ao crescimento santista.

Apesar disso, Vanderlei Luxemburgo não gostou da atuação da sua equipe. Prova disso é que o Santos voltou com duas alterações para a etapa final: Pará e Germano entraram nas vagas de Emerson e Rodrigo Mancha. E nos dois primeiros minutos, a equipe paulista finalizou duas vezes, com Rodrigo Souto e Germano, respectivamente. Nos dois casos, a bola foi para fora.

Ao contrário do primeiro tempo, em que só assistiu o adversário, no começo do jogo, na etapa final, o Santos voltou tomando a iniciativa da partida. Em sete minutos, já havia finalizado três vezes, o mesmo número de toda a etapa inicial. Mas, em contra-ataque, o Atlético-MG chegou ao segundo gol.

Éder Luís recuperou uma bola, arrancou em jogada individual e foi parado com falta, dentro da área, pelo zagueiro Fabão, de acordo com marcação do árbitro Wilton Pereira Sampaio. Com paradinha, Diego Tardelli marcou o seu 12º gol no Brasileiro. Nos minutos seguintes, o alvinegro mineiro, na base da velocidade e empurrado por seus torcedores, teve chances de chegar ao terceiro.

Aos 28min, o Atlético ampliou o marcador. Corrêa lançou Tardelli, que esperou a saída do goleiro Felipe e tocou para as redes. Logo depois, Carlos Alberto desperdiçou outra oportunidade. O santos não se abateu e marcou um gol, aos 33min. Madson fez a jogada pela direita e Kléber Pereira completou de cabeça para as redes.

O Santos se entusiasmou e partiu para buscar o segundo, enquanto o time atleticano procurava tocar a bola, para segurar a vantagem. Carini fez ainda uma boa defesa em chute de Kléber Pereira, mas a partida terminou com a vitória atleticana. “A gente sabia do potencial do Atlético, um adversário que jogou jogou muito. Temos de esfriar a cabeça e pensar no Palmeiras”, comentou o goleiro Felipe.