Santos 2 x 0 São Caetano

Data: 05/02/2009, quinta-feira, 21h30.
Competição: Campeonato Paulista
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Árbitro: Guilherme Cereta de Lima (SP)
Auxiliares: Alex Alexandrino e João Paulo Spim Redondo (SP)
Cartões amarelos: Rodrigo Souto (S); Betinho e Tobi (SC).
Cartões vermelho: Pará (S)
Gol: Róbson (20-2) e Róbson (27-2).

SANTOS
Fábio Costa; Luizinho (Pará), Fabiano Eller, Adaílton e Léo; Roberto Brum, Rodrigo Souto, Madson e Lucio Flavio (Róbson); Roni (Bolaños) e Kléber Pereira.
Técnico: Márcio Fernandes

SÃO CAETANO
Luiz; Júlio, Marcelo Batatais, Marco Aurélio e Bruno Recife (Vando); Tobi, Ademir Sopa, Zé Eduardo e Vandinho; Luan e Tuta (Betinho).
Técnico: Oswaldo Alvarez



Róbson ofusca Léo e dita vitória do Santos contra o São Caetano

Em SantosO Santos preparou festejos na noite de quinta-feira para o lateral Léo, estreante no Paulistão e de volta ao time depois de três anos e meio em Portugal. Porém, outro estreante no torneio roubou a cena do ídolo alvinegro: o meia Róbson, que deixou o banco de reservas para marcar os dois gols do Santos na vitória sobre o São Caetano, 2 a 0, na Baixada.

“Pude ajudar o Santos. E sentia que poderia decidir. Treinei muito nessa semana. Agradeço o Márcio Fernandes pela chance”, disse Róbson.

Sem vencer havia duas partidas, o Santos espantou possibilidade de crise interna, empatando com o 4º colocado São Paulo na classificação geral, com 10 pontos. Derrotado, o São Caetano segue com nove pontos.

“Inimiga” do Santos na derrota contra o Ituano, a trave novamente atrapalhou o time da Vila. Em Itu, o Santos chutou seis vezes na trave. Desta vez, o poste “reapareceu” contra o São Caetano somente no começo do jogo.

No primeiro lance de perigo do Santos na partida, logo aos 2 min, o atacante Roni chutou com força ao gol de Luiz. A bola bateu na trave, cruzou a linha do gol e bateu na trave do outro lado.

Diferentemente dos outros jogos realizados na Vila neste Paulistão, contra Guará e Mirassol, o Santos não teve amplo domínio nos 45 min iniciais.

Bem armado em campo, o São Caetano armou esquema defensivo para anular Kléber Pereira (o zagueiro Marco Aurélio fez marcação individual) e bloqueou o avanço dos laterais santistas. Estreante neste Estadual, o lateral Léo pouco avançou na etapa inicial.

E foi do time do ABC as principais oportunidades da etapa inicial, com boas finalizações de Luan e Vandinho.

A falta de criação no meio-campo santista cansou o técnico Márcio Fernandes, que trocou Lucio Flavio, ainda em má fase, por Róbson na segunda etapa. A mudança surtiu efeito imediato. O Santos trocou passes no ataque, criando inúmeras oportunidades de gol. Ex-Mogi Mirim, Róbson fez o papel que competia a Lucio Flavio: cobrou faltas, finalizou a gol e alimentou o ataque santista.

Aos 20 min da segunda etapa, Róbson foi premiado. O meia-direita de 20 anos aproveitou belo passe de Roni e chutou cruzado ao gol, abrindo o placar.

Sete minutos depois, o jovem aumentou o marcador. Em noite inspirada, Robson teve frieza para invadir a área do São Caetano, após lançamento preciso de Madson.

Desanimado, o São Caetano não esboçou reação após os gols santistas, facilitando para o Santos.