São Paulo 2 x 1 Santos

Data: 19/07/2009, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 12ª rodada
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo, SP.
Público: 10.955 pessoas (10.913 pagantes)
Renda: R$ 247.895,00
Árbitro: José Henrique de Carvalho (SP)
Auxiliares: Ednilson Corona (Fifa-SP) e Everson Luis Luquesi Soares (SP).
Cartões amarelos: Junior Cesar, Dagoberto e Renato Silva (SP); Germano e Astorga (S).
Gols: Washington (44-1) e Roni (46-1); Washington (05-2).

SÃO PAULO
Bosco; André Dias, Renato Silva e Miranda; Jean, Richarlyson, Hernanes (Eduardo Costa), Marlos (Arouca) e Junior Cesar; Dagoberto (Oscar) e Washington.
Técnico: Ricardo Gomes

SANTOS
Douglas; Luizinho, Domingos, Astorga e Léo; Roberto Brum, Germano, Pará (Felipe Azevedo), Paulo Henrique Ganso (Neymar) e Madson; Roni (Tiago Luís).
Técnico: Serginho Chulapa (interino)



Washington desencanta, São Paulo vence e amplia crise no Santos

São Paulo e Santos entraram para o clássico no Morumbi dispostos a tentar amenizar a fase nebulosa que atormenta as equipes. A tarefa de reverter o mau momento coube a Washington, autor dos dois gols do êxito tricolor, 2 a 1, sobre os santistas, que completaram três jogos sem vencer no Campeonato Brasileiro.

Contestado pela torcida são-paulina, Washington não marcava havia oito rodadas. Neste período na “seca”, o atacante perdeu vaga no time titular após o segundo jogo de Ricardo Gomes à frente do São Paulo.

“Sabia que uma hora os gols iriam acontecer. Tinha certeza que seria natural. Hoje todo mundo foi companheiro na equipe. Saí satisfeito com o desempenho do time”, elogiou Washington.

O resultado serviu para afastar um pouco o São Paulo da zona de rebaixamento. A equipe de Ricardo Gomes agora tem os mesmos 14 pontos do Santos e está em 12º lugar. O rival aparece logo em seguida, mas vive fase pior. O time alvinegro tem sido alvo de duros protestos (com direito a ovadas) e conta com a chegada de Vanderlei Luxemburgo nesta segunda-feira para se reabilitar.

SANTOS
Neste domingo, o São Paulo começou o clássico investindo no ataque. Washington teve pelo menos duas boas oportunidades de gol, mas parou no goleiro Douglas. Sem Kléber Pereira, reprovado no teste físico minutos antes do clássico, o Santos atuou sem um centroavante fixo, tendo Roni com maior liberdade de movimentação no ataque.

Apesar da correria em campo, a má fase das duas equipes ficou evidente durante boa parte da primeira etapa. São Paulo e Santos abusaram nos erros de passe.

O Santos pouco incomodou a defesa adversária; São Paulo desperdiçava cruzamentos à área e arremates em gol, com Washington e Dagoberto.

A monotonia, porém, foi quebrada aos 44 min do primeiro tempo. Dagoberto encontrou Washington entrando na área. O camisa 9 tricolor resvalou a bola, no canto esquerdo de Douglas.

O clássico até então “gelado” esquentou no final da primeira etapa. O Santos conseguiu o empate nos acréscimos com Roni, que se atirou na bola, aproveitando cruzamento de Germano e tirando Bosco da jogada.

O São Paulo voltou na ter vantagem no marcador logo no começo do segundo tempo. E novamente com Washington, que aproveitou rebote de Douglas, chutando com o pé esquerdo, aos 5 min.

Na esperança de dar vida ao ataque santista, o técnico Serginho Chulapa colocou Neymar, Tiago Luís, além do meio-campista Felipe Azevedo, ex-Paulista de Jundiaí, que fez sua estreia no Santos.

As mudanças surtiram pouco efeito; o São Paulo seguia com maior controle de jogo, mas desperdiçava os arremates.

Inspirado, Washington reclamava com Marlos e Dagoberto, pedindo para ser acionado dentro da área.

O jogo caiu de rendimento nos 30 minutos finais de partida. Apagado em campo, Madson tentou o empate aos 43 min em um belo chute, mas Bosco defendeu. À frente no marcador, o São Paulo deixou Washington como um autêntico pivô. Ele segurava a bola no ataque, retendo o jogo, à espera do término.