Juventus 3 x 1 Santos

Data: 24/01/2008, quinta-feira, 19h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 3ª rodada
Local: Estádio Bruno José Daniel, em Santo André, SP.
Público: 4.582 pagantes
Renda: R$ 93.940,00
Árbitro: Flávio Rodrigues Guerra
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho e Maurício Machado Ferronato
Cartões amarelos: Marcus Vinícius, Dedimar, Marcelo, Cadu e Lima (J); Marcinho Guerreiro (S).
Cartão vermelho: Dedimar (J)
Gols: João Paulo (05-1); João Paulo (03-2), Lima (07-2) e Marcinho Guerreiro (47-2).

JUVENTUS
Marcelo; Valdir, Dedimar, Alemão (Vágner) e João Paulo; Vampeta, Fernando Miguel (Sena), Naves e Cadu; Marcus Vinícius (Levi) e Lima.
Técnico: Sérgio Soares

SANTOS
Fábio Costa; Adaílton, Domingos e Betão (Adriano); Filipi (Vítor Júnior), Marcinho Guerreiro, Rodrigo Souto, Rodrigo Tabata e Carlinhos; Renatinho e Kléber Pereira.
Técnico: Emerson Leão



Santos dá vexame no ABC e amarga zona da degola

No dia em que pretendia dar início a uma recuperação no Campeonato Paulista, o Santos deixou o estádio Bruno José Daniel, em Santo André, nesta quinta-feira, vaiado após uma derrota por 3 a 1 para o Juventus, pela terceira rodada da competição.

O clube da Vila Belmiro é o único considerado “grande” que ainda não conseguiu vencer. Pior. Entre os quatro maiores times do Estado, é o que coleciona os piores resultados.

Com o revés, o Alvinegro permanece com apenas um ponto, e agora amarga duas derrotas e um empate em um torneio em que deve ver os seus maiores rivais de baixo para cima na tabela de classificação. Já o clube da Mooca foi a quatro pontos após a sua primeira vitória.

Sem os “craques” exibidos por Palmeiras, São Paulo e Corinthians na renovação dos elencos para a temporada 2008, o clube do litoral demonstrou falhas de marcação, criação e conclusão, apesar de exercer pressão sobre o rival, em uma noite em que voltou a sentir a ira de sua torcida.

Betão, que chegou para reforçar o setor defensivo, foi novamente criticado. E do outro lado do gramado, Vampeta, vetado por Emerson Leão durante o período em que o técnico comandou o Timão, estreou com a camisa do Moleque Travesso foi à forra.

Foi do veterano volante, pelo menos, uma jogada em que dois marcadores santistas ficaram para trás no primeiro tempo. Um lance abreviado por passe longo e forte para o ataque do clube da capital.

Depois de levar um susto logo no começo do primeiro tempo, com um gol de João Paulo aos 5min, o Santos resolveu pressionar e “entrar” em campo. Mas, apesar de encurralar o adversário em seu campo de defesa, se cansou de errar passes e arremates.

E foi assim até o intervalo, com a torcida já perdendo a paciência. No reinício do jogo, João Paulo novamente surpreendeu e ampliou a vantagem dos mandantes lono no início ao aproveitar assistência e, de quebra, o vacilo da marcação alvinegra.

Lima, na sequência, aumentou a agonia santista ao arrematar lance de fora da área e ver a bola entrar no canto de Fábio Costa. A partir daí o Peixe voltou a pressionar, e por alguns minutos ganhou novamente o apoio de seu torcedor.

O time de Emerson Leão dominou as ações do jogo, e conseguiu diminuir apenas aos 47min, quando Marcinho Guerreiro se deu bem e emendou um lance confuso. Este foi o primeiro gol do Peixe no Paulista.