São Caetano 1 x 2 Santos

Data: 21/04/2001
Competição: Campeonato Paulista
Local: Estádio Anacleto Campanella, em São Caetano, SP.
Público e renda: não divulgados.
Árbitros: Alfredo dos Santos Loebeling e João Luís dos Santos
Cartões amarelos: César, Fabinho e Aílton (SC); Robert e Claudiomiro (S).
Gols: Renato (12-1) e Márcio Griggio (43-1); Rincón (30-2, de pênalti).

SÃO CAETANO
Luciano; Nelsinho (Marlon), Daniel, Serginho (Magrão) e César; Simão, Fabinho, Esquerdinha e Adãozinho (Aílton) ; Wágner e Márcio Griggio.
Técnico: Jair Picerni

SANTOS
Fábio Costa; Russo, Galván, Claudiomiro e Léo (Michel); Paulo Almeida, Rincón, Renato e Robert (André Luís); Deivid e Dodô (Elano).
Técnico: Geninho



Santos bate São Caetano e fica mais perto da vaga

Com 2 a 1, time também diminui chances do rival do ABC no Paulista

O Santos deu ontem um passo primordial para se classificar às semifinais do Paulista. Em São Caetano, a equipe de Rincón bateu o time da casa por 2 a 1 e, com apenas mais um jogo por fazer, atingiu 26 pontos e assumiu isoladamente o segundo lugar, pelo menos até hoje, quando jogam Corinthians e Rio Branco.

Para além dos três pontos, a vitória foi importante porque o São Caetano era um rival direto pela vaga. Agora, o clube do ABC, com 21 pontos, está praticamente fora. O último jogo dos santistas será contra o Mogi Mirim e, dependendo de outros resultados hoje e na rodada seguinte, poderá se classificar até com uma derrota.

A tensão da disputa direta pela vaga foi transferida para o campo, que abrigou jogadas ríspidas, faltas violentas e provocações. Só no primeiro tempo, foram distribuídos quatro cartões amarelos, dois para jogadores convocados para a seleção brasileira, Robert e César -o terceiro chamado por Leão que atuou ontem foi o lateral santista Léo.

O São Caetano, que, contrariando sua postura ofensiva, iniciou com apenas um atacante, cometeu a maior parte das faltas, e o Santos foi melhor na etapa inicial. O time santista tocou melhor a bola, sob a cadência do volante Rincón, e, apesar de ter mais qualidade no lado esquerdo, com Léo e Robert, priorizou o lado direito do campo, com Russo e Deivid.

Foi a partir desse setor que o Santos fez 1 a 0. Deivid cruzou, Renatinho chutou fraco, a bola espirrou em Dodô e voltou para Renatinho, que, de bico, marcou.

O empate do São Caetano surgiu de cruzamento de Esquerdinha, que Márcio Griggio, de costas para o gol, marcou de cabeça.

O time da casa voltou melhor na etapa final e só não fez outro gol porque parou em Fábio Costa.

Como de praxe, a torcida santista, que ontem invadiu o Anacleto, elegeu Dodô como o responsável pela queda do time e pediu a saída dele. Foi atendida aos 25min, quando Dodô deu lugar a Elano. Mas foi Deivid quem começou a resolver a situação santista. Ele foi derrubado na área por Daniel. Rincón cobrou bem o pênalti , no canto direito, e fez 2 a 1.

Ciente de que a derrota significaria praticamente a desclassificação, o técnico do São Caetano, Jair Picerni, foi para o tudo ou nada aos 34min: trocou dois defensores (Nelsinho e Serginho) por dois atacantes (Magrão e Marlon). Logo em seguida, Geninho fez o inverso, tirando o meia Robert, que não vinha bem no jogo, para pôr o zagueiro André Luís. Foi mais feliz do que o colega.