São Paulo 0 x 0 Santos

Data: 31/08/2008, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 23ª rodada
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo, SP.
Público: 14.547 pagantes
Renda: R$ 366.553,00
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (Fifa-RS)
Auxiliares: Altemir Hausmann (Fifa-RS) e Roberto Braatz (Fifa-PR)
Cartões amarelos: Rodrigo (SP); Fabiano Eller e Michael (S).

SÃO PAULO
Rogério Ceni; André Dias, Miranda e Rodrigo (Éder Luis); Joilson (Zé Luis), Jean, Hernanes, Jorge Wagner e Richarlyson; André Lima e Borges.
Técnico: Muricy Ramalho

SANTOS
Douglas; Wendel, Fabiano Eller, Domingos e Kléber (Wesley); Brum, Rodrigo Souto, Bida e Michael (Carleto); Kléber Pereira e Cuevas (Molina).
Técnico: Márcio Fernandes



São Paulo e Santos ficam no 0 a 0 e se complicam na tabela

Assim como fizeram no primeiro turno do Campeonato Brasileiro deste ano na Vila Belmiro, São Paulo e Santos não mostraram muita inspiração na partida do Morumbi neste domingo. Em confronto que teve um primeiro tempo chato e o segundo um pouco mais movimentado, o clássico paulista ficou apenas no 0 a 0.

Com esse resultado, o São Paulo adia mais uma vez o sonho de retornar à zona de classificação para a Copa Libertadores do próximo ano, mantendo a quinta colocação do início da rodada. Mas a esperança de título fica ainda mais longe com a vitória do Grêmio sobre o Vasco. Já o Santos permanece na incômoda zona de rebaixamento, onde está desde a quinta rodada da competição nacional.

A partida começou equilibrada, com as duas equipes se estudando e errando muitos passes no meio campo, mas o Santos iniciou ligeiramente melhor, conseguindo ficar mais com a posse de bola em seu campo de ataque. Mesmo assim, não levava muito perigo ao gol de Rogério Ceni, que pouco trabalhava.

A partir dos 15min do primeiro tempo, o São Paulo conseguiu equilibrar o confronto, acertando a marcação e pressionando os visitantes com qualidade. Borges e André Lima passaram a aparecer em bons lances de ataque, munidos principalmente por Hernanes, que voltava ao time depois da medalha de bronze.

No geral, o primeiro tempo foi fraco tecnicamente. As duas equipes pouco criaram efetivamente e os goleiros se movimentaram apenas para fazer reposições de bola e defesas de cruzamentos errados. Ambas as equipes sofriam com seus meio-campos, que não conseguiam fazer a ligação com o ataque com qualidade.

Na saída para o intervalo, os jogadores dos dois times assumiram que a partida não estava das melhores. “Eles estão praticamente todos atrás da linha da bola, por isso estamos tendo dificuldade para finalizar. Precisamos trabalhar mais para conseguir chegar”, afirmou o meia são-paulino Jorge Wagner.

“Temos de jogar de forma mais inteligente. Fora de casa não podemos nos desesperar senão vamos tomar o gol”, disse o zagueiro santista Fabiano Eller, seguido pelo lateral-esquerdo Kléber. “Estamos marcando bem o time deles, só falta encaixarmos uma boa bola para os nossos atacantes para abrirmos o placar.”

O segundo tempo começou um pouco mais movimentado, com o São Paulo melhor, ficando mais com a bola em seus pés, mas atacando de forma desordenada, inclusive com seus zagueiros. Com isso, o Santos ficava com os contra-ataques, que levavam algum perigo à defesa do time da casa.

Depois dos 10min da etapa complementar, a equipe tricolor passou a ir para o ataque com mais qualidade, principalmente depois das entradas de Éder Luis e Zé Luis. O goleiro santista Douglas passou a trabalhar mais, mas os visitantes seguiam indo para o ataque após boas roubadas no meio campo. Mesmo assim, o placar no estádio do Morumbi não saiu do zero até o final da partida.