Santos 2 x 0 São Caetano

Data: 06/05/2007, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – Final – Jogo de volta
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo, SP.
Público: 58.953 pagantes
Renda: R$ 1.028.550,00
Árbitro: José Henrique de Carvalho
Auxiliares: Ednilson Corona e Ana Paula da Silva Oliveira.
Cartões amarelos: Fábio Costa, Ávalos, Jonas, Moraes e Adaílton (S); Canindé, Triguinho, Douglas, Luís Alberto, Paulo Sérgio, Luiz e Ademir Sopa (SC).
Cartão vermelho: Luiz Alberto (SC)
Gols: Adaílton (24-1) e Moraes (36-2).

SANTOS
Fábio Costa; Maldonado, Adaílton, Ávalos e Kléber; Rodrigo Souto, Cléber Santana (Carlinhos), Pedrinho (Rodrigo Tabata) e Zé Roberto; Jonas (Moraes) e Marcos Aurélio.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

SÃO CAETANO
Luiz Silva; Paulo Sérgio, Maurício, Thiago e Triguinho; Luís Alberto, Glaydson (Ademir Sopa), Canindé (Galiardo) e Douglas; Luiz Henrique (Marcelinho) e Somália.
Técnico: Dorival Júnior



Santos ‘dá troco’ no São Caetano e conquista bicampeonato

A vontade e o poder de superação do Santos falaram mais alto neste domingo. Com um gol do atacante Moraes, de 20 anos, aos 36min do segundo tempo (Adaílton abriu o placar na etapa inicial), o time alvinegro devolveu a derrota por 2 a 0 para o São Caetano no primeiro jogo da final e conquistou o bicampeonato paulista. Este foi o 17° título estadual da história do clube.

“A equipe inteira lutou até o fim e mereceu. No meu caso, foi muito emocionante fazer esse gol tão importante. Vinha a semana toda planejando isso, mas o objetivo mesmo era ajudar o time a ser campeão. Tenho que agradecer ao professor [Luxemburgo] por essa oportunidade”, comemorou o herói santista Moraes.

Para chegar à conquista, o Santos precisou comprovar por que teve campanha absoluta ao longo de toda a competição, com 17 vitórias, quatro empates e apenas duas derrotas. Contando com tarde inspirada de Zé Roberto e apoio incondicional de sua torcida (o Morumbi contou com quase 60 mil torcedores, maior público da competição), o time da Baixada mostrou grande raça para acabar com a vantagem da equipe adversária.

O esforço foi compensado por uma conquista que a torcida alvinegra não comemorava desde a “era Pelé”. Isso porque o Santos não conseguia vencer dois Campeonatos Paulistas consecutivos havia quase quarenta anos. A última vez que isso tinha acontecido foi em 1968. No ano seguinte, a equipe levantaria o tri.

E para atingir o feito, a equipe de Vanderlei Luxemburgo precisou ser a primeira a superar o São Caetano em uma fase de mata-mata no Estadual. Até o jogo deste domingo, o clube do ABC estava invicto nessa modalidade de disputa. Além disso, a vantagem de 2 a 0 nunca havia sido invertida em uma decisão de Paulista.

Antes do confronto, o Santos ainda passou por uma semana conturbada, na qual perdeu o zagueiro Antônio Carlos e o ala-direito Denis por lesões. Somado a isso, o atacante Rodrigo Tiuí e o lateral Pedro deixaram o clube trocando acusações com Luxemburgo. Já seu adversário teve mais tranqüilidade e ainda contou com os reforços de Canindé e Glaydson, que estavam suspensos.

Logo no início da partida, o time santista imprimiu forte ritmo, se lançou ao ataque e criou inúmeras oportunidades, em especial com Marcos Aurélio. O empenho foi coroado com o gol de cabeça do zagueiro Adaílton, aos 24min. O segundo poderia ter até saído na etapa inicial, não fosse um defesa do goleiro Luiz em chute de Zé Roberto e a trave, que salvou o São Caetano em uma conclusão de Jonas.

No intervalo, o técnico Dorival Júnior se dirigiu ao árbitro José Henrique de Carvalho para se queixar de sua atuação, o que gerou repúdio de Luxemburgo. O treinador santista também correu em direção ao juiz para reclamar da atitude do comandante do São Caetano.

No início do segundo tempo, o Santos encontrou dificuldades para se aproximar da meta adversária, apesar de manter o domínio da posse de bola. Com o decorrer do jogo, o time alvinegro passou a explorar mais as jogadas pelo alto, principalmente com Kléber. E foi assim que o atacante Moraes, que havia entrado no segundo tempo, marcou de cabeça aos 36min (seu segundo pelo time) para selar mais uma conquista da equipe praiana.

Agora, o Santos se concentra na busca do seu terceiro título da Copa Libertadores. Na quinta-feira, a equipe receberá o Caracas-VEN, na Vila Belmiro, pelas oitavas-de-final da competição. Um empate por 0 a 0, ou até 1 a 1, dará classificação ao time, já que no jogo de ida houve igualdade de 2 a 2. O São Caetano, por sua vez, voltará a atuar no próximo sábado, já pela estréia na Série B do Campeonato Brasileiro, contra o Criciúma.