Santos 1 x 1 Oeste

Data: 02/02/2012, quinta-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 4ª rodada
Local: Arena Barueri, em Barueri, SP.
Público: 10.364 pagantes
Renda: R$ 246.970,00
Árbitro: Robério Pereira Pires
Auxiliares: Vicente Romano Neto e Gustavo Rodrigues de Oliveira.
Adicionais: Maurício Antonio Fioretti e Philippe Lombard.
Cartões amarelos: Bruno Rodrigo (S); Adriano Alves, Cris, Leandro Mello, Roger e Gualberto (O).
Gols: Wanderson (41-1); Ibson (26-2).

SANTOS
Rafael; Pará, Bruno Rodrigo, Durval e Léo; (Maranhão); Henrique (Alan Kardec), Arouca, Elano (Ibson) e Paulo Henrique Ganso; Neymar e Borges.
Técnico: Muricy Ramalho

OESTE
Zé Carlos; Adriano Alves, Éder Lima e Cris; Leandro Mello, Dionísio, Wanderson (Gualberto), Roger (Assisinho) e Fernandinho; Mazinho (Serginho) e Tadeu.
Técnico: Estevam Soares



Na “estreia”, titulares decepcionam e Santos não sai do empate com Oeste

O Santos jogou pela primeira vez neste Campeonato Paulista com a sua formação titular. Mas, nem isso foi capaz de dar a equipe a sua segunda vitória no torneio. Com um gol de Ibson, o Peixe reagiu após sair atrás no placar e empatou com o Oeste de Itápolis, em 1 a 1, na noite desta quinta-feira, na Arena Barueri. Wanderson marcou para os visitantes.

Com o empate, os santistas caíram duas posições e, agora, estão fora da zona de classificação para o mata-mata do Paulistão. O time da Vila Belmiro soma seis pontos, na nona colocação. Enquanto isso, o Rubrão subiu um posto e, agora, ocupa o 18° lugar na tabela de classificação do Estadual, com três pontos ganhos.

O jogo

Com a sua equipe quase completa, o Santos iniciou a partida pressionando o adversário, que apostava em uma tática defensiva, com ênfase nos contra-ataques, para tentar surpreender o adversário.

E com esse plano de jogo, o Oeste chegou pela primeira vez ao ataque. Com 10 minutos, o centroavante Tadeu recebeu uma boa enfiada de bola pelo lado direito e arriscou uma finalização da entrada da área, exigindo boa defesa de Rafael.

O Peixe não deixou por menos e, no minuto seguinte, a resposta do time da Vila Belmiro quase resultou em gol. Rápido, Neymar fez fila e tocou para Borges. O camisa 9 santista bateu forte, o goleiro Zé Carlos defendeu e, na sequência, a zaga do Rubrão afastou o perigo de sua área.

Depois deste lance, mesmo sentindo a falta de ritmo de jogo, o Alvinegro Praiano continua tendo domínio das ações. Tanto que, aos 24, mais uma vez o Santos assustou o Oeste. Primeiro, Paulo Henrique Ganso abriu a jogada para Léo pela esquerda, com o lateral devolvendo a bola para o meia. Inteligente, Ganso fez o corta-luz para Borges emendar para o gol, só que a bola passou rente ao ângulo direito de Zé Carlos.

Mais tarde, com Elano, que havia sentido dores e pedido para ser substituído, o Peixe teve a sua melhor chance. Aos 35, o meia cobrou bem a falta, acertando a trave do Oeste.

Apesar das boas oportunidades criadas, os santistas deram espaço para mais um contra-ataque perigoso do time de Itápolis. Aos 41, o Oeste desceu nas costas do lateral Pará e, se aproveitando de cruzamento perfeito de Mazinho, Wanderson tocou de cabeça para o fundo das redes, abrindo o placar a favor dos visitantes: 1 a 0 para o Rubrão.

Antes do intervalo, o Oeste quase ampliou a sua vantagem, em outro vacilo do sistema defensivo alvinegro. Aos 44, Fernandinho levantou a bola da esquerda para o centro da área e Tadeu encaixou uma boa cabeçada, defendida com segurança por Rafael.

No intervalo, Elano finalmente foi substituído, mesmo sem o motivo da sua saída do confronto ter ficado claro. De qualquer forma, Ibson entrou em seu lugar com a missão de continuar apoiando o ataque pelo lado direito.

Logo aos cinco minutos do segundo tempo, o Santos poderia ter alcançado o empate. Neymar começou na jogada, deixou a bola para Ganso que, com uma boa assistência, deixou Borges em condições favoráveis para o chute. No entanto, o arremate do centroavante passou raspando a trave direita de Zé Carlos, em mais uma chance desperdiçada pela equipe.

Após substituições de parte a parte, com o técnico Muricy Ramalho lançando o time mais a frente, com a entrada do centroavante Alan Kardec na vaga do volante Henrique, o Peixe chegou ao empate.

Aos 26, Ibson estava bem colocado e aproveitou a sobra para matar a bola no peito e, dentro da pequena área, fuzilar o goleiro Zé Carlos, deixando tudo igual na Arena Barueri.

No minuto seguinte, com Borges, os santistas quase chegaram à virada. Neymar colocou o camisa 9 frente a frente com Zé Carlos, mas Borges falhou na conclusão, possibilitando ao goleiro adversário mais uma boa defesa.

Cansado, o veterano Léo, que completou 400 jogos pelo Alvinegro Praiano, deixou o campo para a entrada de Maranhão, aos 34, na última substituição da equipe no duelo.

Perigoso, o Oeste quase surpreendeu o Santos outra vez, aos 38. Em lance confuso dentro da grande área, a bola sobrou para Tadeu acertar o travessão de Rafael, assustando a torcida do Peixe.

Nos últimos minutos do jogo, os santistas ainda tentaram uma pressão, porém, com um condicionamento físico ainda abaixo do ideal, o Rubrão segurou o empate até o apito final do árbitro.