Santos 1 x 2 Corinthians

Data: 16/11/1994, quarta-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 2ª fase – Grupo F – 12ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 13.087 pagantes
Renda: R$ 83.009,00
Árbitro: Antônio Cláudio Perin (SP)
Cartões amarelos: Branco, Gralak, Zé Elias e Daniel (C): Maurício Copertino, Índio, Gallo, Giovanni e Júnior (S).
Gols: Marques (06-1) e Tupãzinho (37-1); Neto (13-2).

SANTOS
Gilberto; Índio, Júnior, Maurício Copertino e Silva; Dinho (Giovanni), Gallo, Carlinhos e Neto; Macedo e Guga (Marcelinho).
Técnico: Serginho Chulapa

CORINTHIANS
Ronaldo (Ricardo Pinto); Leandro Silva, Gralak, Henrique e Branco (Daniel Franco); Zé Elias, Marcelinho Paulista, Embu (Wilson Mano) e Souza; Tupãzinho e Marques.
Técnico: Jair Pereira



Corinthians ganha do Santos no Pacaembu

O Corinthians conquistou sua primeira vitória e quebrou a invencibilidade do Santos no returno da segunda fase. Ontem, no Pacaembu, o time do técnico Jair Pereira derrotou a equipe santista por 2 a 1.

O Corinthians iniciou a partida marcando sob pressão a saída de bola santista. Os volantes Marcelinho Souza, Zé Elias e Embu marcavam individualmente os meias Neto e Carlinhos e o atacante Macedo.

No ataque corintiano, os “baixinhos” –com menos de 1,70– Tupãzinho, Souza e Marques trocavam passes rápidos e ganhavam as principais jogadas da alta e pesada defesa do Santos.

Logo aos 6min, Souza fez tabela com Tupãzinho, que tocou para Marques livre abrir o placar.

O Santos não tinha penetração no ataque. Guga e Macedo ausentes não eram opção para Neto.

Apesar de diminuir o ritmo após 25min, o Corinthians conseguia criar as melhores chances para ampliar o resultado.

O lateral Branco fez ótimo lançamento para Marques pela esquerda. O atacante invadiu e retribuiu o passe do primeiro gol para Tupãzinho: 2 a 0, aos 37min.

Em desvantagem no placar, o time de Serginho foi para o ataque e aos 41min teve o lance mais polêmico do jogo. Neto fez boa jogada pela esquerda e reclamou falta do zagueiro Henrique dentro da área. O juiz nada marcou.

Ao final da primeira etapa, o goleiro Ronaldo e o lateral Branco se chocaram. Os dois foram substituídos no intervalo. Branco foi levado ao Hospital Santa Catarina com suspeita de fratura nas costelas. Ronaldo, com dores no ombro esquerdo e na coluna cervical, foi substituído por Ricardo Pinto.

No segundo tempo, o técnico Serginho atendeu o pedido da torcida e colocou o meia-atacante Giovanni. Com a alteração, Neto ficou livre para armar os contra-ataques santistas, enquanto Giovanni distribuía os passes no meio-campo.

Em um desses lances, Neto foi lançado, invadiu a área, driblou Gralak e diminuiu: 2 a 1.

Agressão põe em risco no Santos cargo de Serginho

Pelé disse às 14h de ontem à reportagem que a posição de Serginho como técnico do clube ficou “abalada” após o tumulto ocorrido anteontem no vestiário do Santos, no Pacaembu, após perder do Corinthians por 2 a 1.

Serginho agrediu com uma cabeçada o repórter Gilvam Ribeiro, da TVA e do ‘Diário Popular’. O jornalista sofreu um corte no supercílio do olho direito. “Foi lamentável. Isso pode prejudicar o time no campeonato”.

Repórter – O que você acredita que possa acontecer com Serginho?
Pelé – Ele deverá receber uma pena dura pelo incidente.

Repórter – Como fica agora a situação de Serginho como treinador do Santos?
Pelé – Está abalada. Nós escolhemos o Serginho pela sua liderança junto aos jogadores. Nós sempre soubemos que ele não é um técnico estrategista, mas o seu espírito de liderança pode se comprometer com esse tipo de ação.
Além disso, é a segunda vez que ele se envolve em um caso semelhante. Em Campinas, com um bom advogado, nós conseguimos contornar a situação. Agora eu já não sei o que vem pela frente.

Repórter – Você, que assistiu ao jogo de anteontem, acredita que a atuação do árbitro possa ser usado pelo Serginho como desculpa para o seu comportamento?
Pelé – O juiz (Antônio Cláudio Perin) teve algumas falhas, mas nada que justificasse a atitude do nosso técnico contra um profissional da imprensa.

Repórter – Você acha que os problemas enfrentados na parte administrativa possam ter afetado o técnico do Santos?
Pelé – Não acredito que o comportamento de Serginho tenha sido motivado pela crise administrativa. Acho, sim, que o ocorrido anteontem pode acabar prejudicando o time de agora em diante. O pior é que esse não era o momento para acontecer esse fato lamentável.

Repórter – Por que?
Pelé – Pelo fato de o time estar na liderança do campeonato. Além disso, os problemas da diretoria estão se resolvendo aos poucos. Isso mancha ainda mais o Santos.

Repórter – Você acha que o ex-presidente Kodja será afastado definitivamente?
Pelé – É ele ou eu. Ele tem que pagar todos os prejuízos que trouxe ao clube. Se não puder e for comprovada a sua culpa, então que seja preso.