Portuguesa 0 x 0 Santos

Data: 12/11/1994, sábado, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro- 2ª fase – Grupo F – 11ª rodada
Local: Estádio do Canindé, em São Paulo, SP.
Público: 16.544 pagantes
Renda: R$ 100.458,00
Árbitro: Alfredo dos Santos Loebeling (SP)
Cartões amarelos: Marcio Griggio e Tiba (P); Carlinhos, Gilberto e Júnior (S).
Cartões vermelhos: Jorjão e Paulinho Kobayashi (04-2); Luis Simplício (30-2).

PORTUGUESA
Paulo César; Ednam, Jorjão, Ildo e Zé Roberto; Norberto, Luís Simplício, Márcio Griggio (Gilmar Francisco) e Caio; Tiba e Paulinho McLaren.
Técnico: Candinho

SANTOS
Gilberto; Índio, Júnior, Maurício Copertino e Silva; Marcelo Fernandes (Paulinho Kobayashi), Cerezo, Carlinhos e Neto (Giovanni); Macedo e Guga.
Técnico; Serginho Chulapa



Goleiros asseguraram o empate no Canindé

Os goleiros Gilberto, do Santos, e Paulo César, da Portuguesa, garantiram o empate para o clássico de anteontem, no Canindé.

“Mostrei para aqueles que me criticavam o meu valor”, disse Gilberto. “Só joguei três partidas no Campeonato Paulista e o Pepe me tirou do time.”

Gilberto foi transferido para o Santos no começo do ano, junto com o volante Dinho e o atacante Macedo, vindos do São Paulo. Os três jogadores foram trocados pelo volante Axel.

“Vou ficar dez jogos invictos e repetir a marca que tive no Sport”, disse o goleiro, se referindo ao seu ex-clube. “Estou calando a boca de muita gente, que não confiava na minha capacidade”, afirmou.

A melhor participação de Gilberto aconteceu aos 9min do 2º tempo, ao defender dois chutes seguidos do meia Márcio Griggio.

“Foram duas bolas difíceis, pois ele chutou sem marcação”, disse Gilberto, que está há cinco jogos sem tomar gol.

Gilberto substituiu Edinho, que perdeu a vaga por deficiência técnica depois da derrota para o Bahia, em Salvador, (3 a 2).

Já Paulo César completou 451 minutos sem sofrer gol. “A nossa defesa está atuando bem desde o começo do campeonato”, afirmou o goleiro, que sofreu seu último gol contra o Fluminense, na derrota por 2 a 1, no Rio.

Serginho e Candinho já fazem contas

O empate entre Portuguesa e Santos anteontem (0 a 0) no Canindé agradou aos técnicos dos dois times. “Um clássico regional é sempre difícil”, disse o técnico Candinho, da Portuguesa.

Após o jogo, o treinador já fazia contas, pensando na classificação para a próxima fase do Brasileiro. “Agora precisamos de mais seis pontos para garantir a classificação para as quartas-de-final.” “Com esses pontos, nos classificaremos pelo índice técnico ou pela conquista do primeiro lugar no returno”, afirmou.

Para o técnico Serginho, o Santos tem que ganhar os dois jogos que fará em casa do total de quatro que ainda tem nesta fase. O Santos enfrenta Corinthians e Guarani, em São Paulo, e sai para jogar contra Fluminense e Grêmio.

A Portuguesa também tem mais duas partidas no Canindé: Palmeiras e Paraná. Vai ao Rio enfrentar o Botafogo e a Porto Alegre pegar o Grêmio. Com o empate, o time de Candinho completou 30 jogos invicto no Canindé. A Portuguesa não perde no estádio desde setembro de 93, quando foi derrotada pelo América mineiro, por 2 a 1.

A partida contra o Santos foi marcada pelo equilíbrio e pelos passes errados. Os dois times tiveram rendimento semelhante. O Santos errou 64 dos 300 passes feitos (21%). A Portuguesa, falhou em 68 dos 366 passes (19%).

“Meu time só jogou 45 minutos”, disse o técnico Serginho, se referindo ao melhor desempenho da equipe na etapa final.

“Tivemos todas as chances de conseguir a vitória no primeiro tempo”, afirmou Candinho.

O time da Portuguesa fez 21 finalizações. O destaque foi o meia Márcio Griggio, que acertou quatro das cinco vezes em que finalizou na partida.

O maior obstáculo do time santista foi a ausência de seus volantes titulares (Dinho e Gallo, suspensos).

Serginho critica o meia Kobayashi

“Tive vontade de lhe dar uns petelecos.” Esta foi a reação do técnico Serginho, do Santos, após a expulsão do meio-campo Paulinho Kobayashi.

“O time estava perdendo no setor de meio-campo. Então resolvi colocá-lo para melhorar o passe da equipe. Ele entra e faz aquilo. Não é possível”, disse o técnico santista revoltado.

Paulinho Kobayashi, que entrou na partida no intervalo em substituição a Marcelo Fernandes, foi expulso aos 3min após trocar empurrões com o zagueiro Jorjão. O Santos tinha uma cobrança de falta, próxima à área do Santos, e o jogador santista tentava dificultar a visão do goleiro Paulo César, se posicionando à frente da barreira da Portuguesa.

“Não era lance para expulsão”, disse Kobayashi, constrangido no vestiário depois do jogo. “Não interessa. Foi infantilidade da parte dele”, disse Serginho. “Você tem o intervalo para alterar a equipe e todo o trabalho é jogador fora”, afirmou.

O técnico Candinho também não economizou críticas a Jorjão e Luís Simplício, seus jogadores expulsos. “Poderíamos ter conseguido a vitória, se os jogadores não fossem expulsos de besteira”, afirmou o treinador da Portuguesa. “Com dois pontos hoje poderíamos, praticamente, garantir a classificação”, disse. “Erros assim são inadmissíveis “, completou.

Segundo Candinho, “a Portuguesa tinha 80% do domínio da partida e se tivesse um prosseguimento normal, com certeza, venceria o adversário”.

A preocupação do treinador é com a próxima partida. O atacante Tiba recebeu o terceiro cartão amarelo e não enfrenta o Palmeiras, quarta-feira no Canindé.

O volante Norberto é dúvida para o clássico. O jogador saiu de campo machucado. O volante Simão e o zagueiro Jorginho voltam ao time, depois de cumprirem suspensão.

No Santos, o técnico Serginho poderá contar com os retornos dos volantes Dinho e Gallo para o jogo com o Corinthians, no Pacaembu, também na quarta-feira.

A diretoria do Santos divulga hoje o resultado da auditoria feita sobre o caso do “Telebingo do Peixe”.