Santos 1 x 1 Brasiliense

Data: 11/08/2005, quinta-feira, 20h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 19ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 10.891 pagantes
Renda: R$ 134.424,00
Árbitro: Djalma José Beltrami Teixeira (RJ)
Auxiliares: Aristeu Leonardo Tavares e Hilton Moutinho Rodrigues (ambos do RJ).
Cartões amarelos: Léo Lima (S); Gérson, Vampeta, Régis e Márcio Careca (B).
Cartão vermelho: Léo Lima (S)
Gols: Robinho (39-1); Ávalos (47-2, contra).

SANTOS
Saulo; Paulo César (Flávio), Ávalos, Rogério e Carlinhos; Fabinho (Halisson), Élton, Ricardinho e Léo Lima; Robinho e Giovanni (Basílio).
Técnico: Gallo

BRASILIENSE
Eduardo; Gerson (Igor), Régis e André Turatto; Dida, Alex Oliveira (Róbston), Vampeta (Tiano), Deda e Márcio Careca; Iranildo e Oséas.
Técnico: Joel Santana



Robinho brilha, mas Santos permite empate

Nem Robinho foi suficiente para o Santos nesta quinta-feira. O time paulista não correspondeu à grande atuação do camisa 7, sobretudo no primeiro tempo. Com isso, foi castigado aos 47min da etapa final e empatou com o Brasiliense por 1 a 1, em jogo válido pela 19ª rodada do Campeonato Brasileiro.

“Não temos nem o que falar. Tudo que aconteceu foi péssimo”, classificou o zagueiro Ávalos, autor do gol contra que deu o empate ao Brasiliense, que saiu bastante irritado do gramado da Vila Belmiro.

Graças ao gol (e ao show) de Robinho, o Santos acumula sua quarta partida sem perder. Curiosamente, a série positiva começou quando o camisa 7 voltou à equipe (ele ficou afastado desde o dia 1º de junho devido à negociação com o Real Madrid).

O problema é que, nesta quinta, o Santos foi reduzido a Robinho. Limitado, o restante da equipe não conseguiu superar a marcação imposta pelo Brasiliense e se tornou previsível demais. Assim, a equipe paulista chega a 32 pontos e cai para a sétima colocação do Brasileiro, pior posto já ocupado pelos comandados de Gallo na tabela deste ano (em caso de vitória, o clube da Vila Belmiro apareceria na segunda colocação).

A situação do Brasiliense é ainda pior. A equipe do Distrito Federal coleciona sete partidas sem conhecer um placar favorável. Desde a vitória por 3 a 1 sobre o Goiás, no dia 16 de julho, o time comandado por Joel Santana acumulou cinco empates e duas derrotas.

Com esta seqüência negativa, o Brasiliense estaciona nos 20 pontos e fica com a 17ª posição do Campeonato Brasileiro. Agora, o time do Distrito Federal tem apenas dois pontos de vantagem para zona de rebaixamento, que começa a ser uma ameaça real.

As duas equipes voltam a campo no próximo domingo. O Brasiliense viaja para Florianópolis e encara o Figueirense, às 16h, no estádio Orlando Scarpelli. Mais tarde, às 18h10, o Santos joga contra o Botafogo, no Rio de Janeiro, no Luso-Brasileiro.

O jogo

Ignorando o fato de atuar fora de casa e contra o terceiro melhor ataque do Campeonato Brasileiro, o Brasiliense foi ousado nesta quinta-feira. O time dirigido por Joel Santana exerceu forte pressão sobre a saída de bola do Santos, sobretudo com os volantes Fabinho e Élton, e impediu que os passes chegassem aos homens de criação.

Por conta disso, o Brasiliense dominou amplamente os minutos iniciais do confronto. Os donos da casa tinham como única alternativa ofensiva as arrancadas de Robinho, principal preocupação da defesa visitante.

“A marcação estava muito forte e ficou complicado sair. Tentamos nos movimentar e abrir espaços, mas eles correram demais e nós não conseguimos criar lances de perigo”, admitiu o atacante Robinho.

A situação do Santos se tornou ainda pior aos 22min. Após um passe de calcanhar, Giovanni sentiu uma lesão muscular e foi substituído por Basílio. A modificação cessou a criatividade no meio-campo (Ricardinho e Léo Lima estavam apagados) e deixou os donos da casa nos pés de Robinho.

Aos 39min, contudo, Robinho provou ser mais do que suficiente. O camisa 7 arrancou com a bola pelo meio, driblou Gérson para a esquerda e o deixou o defensor do Brasiliense no chão. Depois, chutou de fora da área, de pé direito, e acertou o canto direito baixo do goleiro Eduardo.

“Erramos uma saída de bola e demos espaço a um jogador que não poderia ter esse espaço. Isso complicou nossa vida e destruiu todo o trabalho que fizemos no primeiro tempo”, lamentou o treinador Joel Santana.

No segundo tempo, contudo, Robinho teve ainda mais espaço. E assim, quase propiciou o segundo gol do Santos aos 9min. O camisa 7 rolou para Ricardinho dentro da área e o meia cruzou para Basílio na direita. Completamente livre, o camisa 18 concluiu de primeira e mandou a bola em cima do goleiro Eduardo.

Depois deste lance, o Brasiliense acertou a marcação sobre Robinho. O camisa 7, que no primeiro tempo foi acompanhado pelo lento Gérson, passou a ser perseguido por André Turatto. E sem a genialidade dele, o Santos não teve força para ameaçar o gol defendido por Eduardo.

Diante do péssimo momento vivido pelo Santos, o Brasiliense chegou ao empate nos acréscimos. Aos 47min, Iranildo cobrou falta para a área e Ávalos desviou de cabeça para vencer o goleiro Saulo e marcar contra.

Excesso de problemas

O técnico Gallo precisou fazer três alterações ainda no primeiro tempo nesta quinta-feira, na Vila Belmiro, no empate por 1 a 1 com o Brasiliense.

Em 45 minutos, o Santos perdeu o lateral-direito Paulo César, o volante Fabinho e o meia Giovanni, todos vítimas de lesões musculares.

O excesso de problemas revoltou o técnico Gallo. “Fomos muito prejudicados por isso. É claro que é uma circunstância do jogo, mas não há como negar que o nosso time foi desmontado ainda no primeiro tempo”, lamentou.

Robinho gera tumulto

Grande nome do Santos no jogo desta quinta-feira, o atacante Robinho iniciou uma confusão na Vila Belmiro. Em sua penúltima partida no estádio, o jogador foi até a torcida no intervalo e arremessou sua camisa.

Dois torcedores seguraram o uniforme de Robinho e começaram a brigar para ficar com a lembrança do jogador. A confusão só foi contida quando a Polícia Militar intercedeu e, depois de alguns instantes de confronto, conseguiu tranqüilizar a situação.

Santos lamenta “última jogada”

Lance que resultou no gol de empate do Brasiliense gera diversas explicações por parte do elenco santista; Peixe cai para a 7ª posição.

O Santos deixou escapar a vice-liderança do Brasileiro-05 aos 47 minutos da segunda etapa, em um gol contra do zagueiro Ávalos. A jogada foi o principal alvo das lamentações da equipe alvinegra, que agora termina a 19ª rodada na 7ª colocação.

“Infelizmente tentei tirar a bola, mas acabou dando errado. Puro azar. Estava tudo certo e um erro no final acabou estragando todo o nosso trabalho”, desabafou o zagueiro Ávalos.

“Bobeamos em um detalhe. No último lance eles fizeram o gol”, completou o volante Élton.

Para o técnico Gallo, o indicativo de que o Santos encontraria dificuldade na partida ocorreu já no primeiro tempo, quando o time perdeu os jogadores Giovanni, Paulo César e Fabinho, todos contundidos. O treinador imaginou que o pior poderia ocorrer.

“Perdemos três jogadores no primeiro tempo. O Rogério, Léo Lima e Basílio sentiram no fisicamente e acabamos recuando no final do jogo. Parece que sofreríamos com isso e, no último minuto, na última falta, levamos o gol. Foi um castigo tomar o gol da maneira como tomamos”, lamentou.

O empate dentro da Vila Belmiro teve sabor amargo também para o atacante Robinho, que fez seu penúltimo jogo no estádio antes de se transferir ao real Madrid. Em nove partidas na Vila, o Santos colecionou quatro vitórias, três empates e duas derrotas.

“Claro que esse empate é encarado como uma derrota. O Santos quando joga aqui não pode pensar em empate. Fico contente com o meu gol, mas ficaria mais se tivéssemos ganhado”, declarou o camisa 7.