Paysandu 2 x 3 Santos

Data: 24/08/2005, quarta-feira, 21h45.
Competição: Campeonato Brasileiro – 22ª rodada
Local: Estádio Mangueirão, Belém, PA.
Público: 31.338 pagantes
Renda: N/D
Árbitro: Wagner Tardelli Azevedo(Fifa-RJ)
Auxiliares: Aristeu Leonardo Tavares (Fifa-RJ) e Hilton Moutinho Rodrigues (Fifa-RJ)
Cartões amarelos: Marquinhos, Vânderson, Felipe Saad, Marco Aurélio e Luiz Augusto (P); Zé Elias, Bóvio, Halisson, Giovanni, Élton e Wendel (S).
Cartão vermelho: Felipe Saad (P)
Gols: Róbson (32-1), Marco Aurélio (38-1) e Giovanni (44-1); Geílson (05-2) e Zé Elias (27-2).

PAYSANDU
Alexandre Fávaro; Marco Aurélio, Marquinhos, Felipe Saad e Cléber (Leandro Eugênio); Vânderson, Marabá, Carlos Alberto (Gian) e Luiz Augusto e Rodrigo (Balão); Róbson.
Técnico: Gílson Kleina

SANTOS
Saulo; Bóvio, Ávalos (Halisson), Luiz Alberto e Wendel; Zé Elias, Élton, Ricardinho e Giovanni (Flávio); Robinho e Diego (Geílson).
Técnico: Gallo



Robinho cumpre promessa e Santos encosta no líder

“Espero poder deixar o Santos na liderança do Brasileiro”. Robinho se despediu do Santos da forma com que prometeu: perto da liderança. Mesmo com atuação apagada do atacante, o clube paulista venceu o Paysandu por 3 a 2, de virada, no Mangueirão, depois de estar perdendo por dois gols, e agora divide a primeira colocação do Campeonato Brasileiro com o Corinthians.

A frase, dita pelo craque em julho, não foi seguida à risca, mas a equipe do técnico Gallo já aparece com a mesma pontuação do rival, 39, perdendo apenas no número de vitórias (12 contra 11).

Já o Paysandu permanece em situação deliciada e não consegue sequer deixar a zona do rebaixamento. O clube de Belém segue com 16 pontos e não sai da lanterna do Nacional-05.

Ao contrário de sua despedida da Vila Belmiro, quando marcou dois gols, Robinho não balançou as redes, mas contribui para a virada obtida com gols de Giovanni, Geílson e Zé Elias – dois deles no segundo tempo.

A segunda promessa da noite, porém, não pôde ser cumprida. No intervalo, Robinho garantiu que faria “o seu” na etapa completamentar. Ele chegou a esboçar algumas “pedaladas”, contudo, foi contido pela forte marcação do volante Marabá.

“Ficaria triste se fizesse um gol e o Santos não saísse vitorioso. Agora é torcer para os companheiros continuarem bem aqui. Quero agradecer esse torcedor, que sempre me aplaudiu”, acrescentou.

Ambos os times voltam a campo no próximo domingo. O Paysandu enfrenta o Fluminense, às 18h10, no Rio de Janeiro. O Santos recebe o Coritiba, no mesmo horário, na Vila Belmiro.

O jogo

Com a obrigação de vencer em casa, o Paysandu começou a partida encurralando o Santos no campo de defesa. Atuando pelas laterais, o time de Belém chegava com muito perigo ao ataque e só não abriu o placar pelas boas defesas do goleiro Saulo.

A melhor delas surgiu aos 17min. Marabá ficou com a sobra da defesa na direita e chutou cruzado. O camisa 1 paulista, bem colocado, conseguiu espalmar pela linha de fundo e evitar o primeiro gol do confronto.

Até aos 22min, o Santos já havia perdido o zagueiro Ávalos e o atacante Diego, ambos machucados. Assim, o time bicolor voltou a assustar aos 24min. Após cobrança de escanteio, Róbson desviou de cabeça e Saulo fez ótima defesa.

Aos 32min, porém, o Paysandu abriu o placar. Depois de falta pela direita, Róbson subiu mais que o zagueiro Luiz Alberto e cabeceou no canto esquerdo de Saulo. Seis minutos mais tarde, o clube paraense ampliou, quando Marco Aurélio recebeu bola da esquerda, dominou e chutou rasteiro.

Quando o primeiro tempo caminhava para o final, o Santos conseguiu descontar. Aos 44min, Geílson deu belo passe para Giovanni, que, livre de marcação, apenas desviou na saída de Alexandre Fávaro.

“A marcação sobre mim está muito forte, mas é bastante leal. Vou tentar me movimentar mais no segundo tempo para escapar deles. Vai sair um [gol] meu agora”, afirmou Robinho, que passou toda a etapa inicial sem concluir contra o gol.

Na volta do intervalo, o Santos retornou mais ligado. Assim como prometeu, Robinho passou a se movimentar mais no ataque e abriu espaços para Giovanni e Ricardinho encostarem.

Assim, o time não demorou a empatar. Aos 5min, Élton avançou pelo meio e serviu Geílson na área. O atacante bateu forte e acertou o canto direito da meta, sem chance de defesa. Aos 12min, o Paysandu quase fez o terceiro. Cléber avançou pela esquerda, invadiu a área e soltou a bomba para bela defesa de Saulo.

O gol da virada santista aconteceu aos 27min, quando a bola sobrou para Zé Elias na esquerda chutar no ângulo direito da meta para garantir a vitória do time da Vila Belmiro.

Robinho se despede com dever cumprido

Atacante fez sete jogos em sua volta ao Santos e leva equipe para à vice-liderança do Brasileiro.

A vontade de Robinho em encerrar sua participação no Santos recolocando a equipe no topo da tabela foi, enfim, alcançada. Sofrendo forte marcação individual, o atacante não fez gol, mas contribuiu para a vitória sobre o Paysandu, por 3 x 2, de virada, em Belém.

Com isso, o time da Vila assumiu a liderança do Brasileiro ao lado do Corinthians, com 39 pontos, porém, o Santos segue em desvantagem em número de vitórias, 12 a 11. Para Robinho, sua festa de despedida poderia ter sido completada com pelo menos um gol.

“O mais importante é que o Santos saiu com a vitória. Claro que eu poderia ter feito um ‘golzinho’ no final, mas não tem problema. Para mim, foi uma honra ter jogado no Santos”, declarou o atleta.

Encerrando seu vínculo no clube paulista, iniciado na equipe profissional em abril de 2002, diante do Guarani, Robinho afirma que continuará tentando ajudar o elenco alvinegro, desta vez como torcedor.

Desde a volta do camisa 7, sob a condição de contratado do Real Madrid, o Santos não perdeu mais no Brasileiro, completando seu sétimo jogo invicto, com quatro vitórias e três empates.

“Irei para o Real Madrid, mas é claro que estarei torcendo pelo Santos. Espero que o Santos seja campeão desse ano”, informou o atacante, que fez 190 partidas com a camisa alvinegra, com 81 gols.

Robinho segue para o Rio de Janeiro nesta quinta-feira às 7 horas, embarcando para Madri às 15 horas. A apresentação do craque em seu novo clube acontece na sexta-feira.

Vitória traz prejuízo para time santista

Peixe perde seis atletas para segunda partida do returno, ante Coritiba, no domingo; time continua favorito mesmo sem Robinho, crê Gallo.

A vitória de virada do Santos diante do Paysandu, na estréia do returno do Brasileiro-05, representou o salto da equipe alvinegra em três posições. Porém, nem tudo foi festa. O jogo em Belém terminou com um saldo de seis baixas para o próximo jogo do clube, contra o Coritiba, domingo, na Vila.

A mais sentida delas – e já prevista desde julho – é do atacante Robinho, que realizou seu último compromisso pelo Santos. Além disso, a equipe não terá os meio-campistas Bóvio, Giovanni e Zé Elias, advertidos com o terceiro cartão amarelo, e com os jogadores Ávalos e Diego, que saíram de campo contundidos.

Se não bastasse, o Santos segue sem Paulo César, Fabinho e Basílio, lesionados. Com tantas perdas, o técnico Gallo já começa a pensar na remontagem do Santos para a segunda rodada do 2º turno.

“Fica complicadíssimo querer definir antecipadamente o Santos com tantos problemas, mas estamos aqui justamente para resolver essas situações”, lamentou o treinador.

Gallo entende que o time da Vila continua sendo candidato ao título nacional, mesmo sem a presença da maior revelação do clube pós-Pelé. Em 12 jogos pela competição nacional deste ano, Robinho perdeu apenas uma vez, diante do Flamengo, pela 4ª rodada.

“O Robinho segue sua vida lá no Real Madrid, e o Santos segue por aqui. O Santos não vai parar sem o Robinho. É lógico que eu fico triste em não poder contar com ele, mas não é por isso que a equipe deixará de ser forte. Estamos preparados para buscar o título”, espera.

“O trabalho continua. Temos que nos adaptar sem o Robinho e procurar manter o mesmo nível do time”, complementou Zé Elias.