Figueirense 3 x 1 Santos

Data: 04/12/2005, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 42ª rodada
Local: Estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis, SC.
Público: 6.385 pagantes
Renda: R$ 39.492,00
Árbitro: Fabrício Neves Corrêa (RS)
Auxiliares: Sérgio Buttes C. Filho (RS) e Luiz Roberto P. Guaranha (RS)
Cartões amarelos: Vinícius (F); Heleno, Carlinhos, Rogério e Alexandre (S).
Cartão vermelho: Bóvio (S)
Gol: Alexandre (10-1); Henrique (20-2), Luiz Alberto (23-2) e Márcio Martins (30-2).

FIGUEIRENSE
Dalton, Bruno (Bolívia), Vinícius, Édson e Edno (Márcio Martins); Moreira, Henrique, Rodrigo Souto e Fernandes; Alexandre, Tiago Silvy (Cláudio).
Técnico: Adílson Batista

SANTOS
Saulo; Zé Leandro, Rogério, Luiz Alberto e Carlinhos (Alexandre); Heleno, Bóvio, Luciano Henrique (Edmílson) e Léo Lima; Basílio (Diego) e Cláudio Pitbull.
Técnico: Serginho Chulapa (interino)



Por 2006, Figueirense vence o Santos em Santa Catarina

Valendo por 2006, o Figueirense venceu o Santos por 3 a 1, neste domingo à tarde, no estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis. Os dois times apenas cumpriram tabela na última rodada do Campeonato Brasileiro.

Figueirense e Santos foram para a partida já sem pretensões na atual competição. O time catarinense estava livre do rebaixamento, enquanto o paulista tinha sua vaga garantida na Copa Sul-Americana. Por isso, as duas equipes entraram com times bastante modificados.

No Figueirense, a principal ausência foi de Edmundo. Destaque do time no Brasileirão, o jogador levou o terceiro cartão amarelo um jogo antes, contra o Brasiliense. Aquela partida, inclusive, pode ter sido a despedida de Edmundo do clube, já que ele está muito próximo de voltar ao Palmeiras.

O Santos, que foi comandado pelo interino Serginho Chulapa mais uma vez, encerrou seu ano negro. Após conquistar o Brasileirão em 2004, o time alvinegro decepcionou no Paulistão, Libertadores, Copa Sul-Americana e na atual edição do nacional.

Com a vitória, o Figueirense encerra o Brasileirão em boa fase, com quatro vitórias em seus últimos cinco jogos. Já o Santos, em crise, perdeu seu sexto jogo em seus últimos oito no campeonato, incluindo a goleada por 7 a 1 sofrida diante do Corinthians.

Em casa e com público regular, o Figueirense mostrou mais disposição no primeiro tempo e criou boas chances, marcando uma vez, com Alexandre. O Santos, abusando das jogadas mais duras, teve Bóvio expulso nos acréscimos.

Na etapa final, o jogo ficou um pouco mais equilibrado, mas com leve domínio catarinense. O time da casa ainda marcou um golaço, com Henrique, enquanto Luiz Alberto, cobrando falta, diminuiu para o Santos. Márcio Martins fechou o placar.

O jogo

Melhor no jogo, o Figueirense colocou velocidade no início da partida e abriu o placar aos 10min. Fernandes chutou para o gol e Saulo defendeu. Alexandre pegou o rebote, mas o goleiro santista salvou outra vez. Em novo rebote, o mesmo Alexandre completou para o gol.

Mesmo com a desvantagem no placar, o time santista não conseguiu sair para o jogo. Os donos da casa continuaram melhor, com mais domínio e posse de bola. No entanto, não conseguiram criar novas oportunidades de gol.

Cometendo muitas faltas, o Santos, além de não ameaçar o gol do Figueirense, ainda complicou-se mais no final do primeiro tempo. Bóvio fez falta dura no meio-campo e recebeu o cartão vermelho diretamente.

No segundo tempo, os gols saíram em maior número. O Figueirense ampliou aos 20min, em lindo chute de fora da área de Henrique. Três minutos depois, Luiz Alberto, cobrando falta, diminuiu para o Santos.

Apesar do gol santista, o Figueirense continuou melhor em campo e pressionando. O terceiro gol catarinense também saiu em cobrança de falta. Márcio Martins chutou forte, a bola desviou em Alexandre e entrou.

Chulapa lamenta as falhas do Santos

Após a derrota por 3 a 1 para o Figueirense, treinador criticou erros do time, neste domingo, no Orlando Scarpelli.

A partida não poderia mudar em nada o futuro do Santos no Campeonato Brasileiro. Mas a derrota por 3 a 1 para o Figueirense, no estádio Orlando Scarpelli, não agradou ao técnico interino Serginho Chulapa.

Após o confronto, o último no certame nacional, o comandante lamentou os erros da equipe, sobretudo nos gols marcados pelos catarinenses através de Alexandre, Henrique e Márcio Martins.

“Quando o adversário tem méritos na jogada, não posso questionar. Mas entregamos de bandeja todos os gols deles”, disse.

Com a derrota na região Sul, o Peixe não atingiu seu único objetivo na rodada final: chegar ao sexto lugar. Para piorar, a equipe despencou para a décima posição, rendimento bem abaixo ao do ano passado, quando ficou com o título.

A partir de segunda-feira, o presidente Marcelo Teixeira deve começar a definir o futuro do elenco e também sair em busca de um novo treinador. O próprio Serginho Chulapa corre por fora para ser efetivado no cargo.

O ex-atacante, porém, tem contra si Vanderlei Luxemburgo, demitido neste domingo do Real Madrid e sonho declarado da diretoria. Vadão, rebaixado com o Verdy Tokyo, do Japão, também surge com força.

Férias e futuro incerto

O Santos foi para campo ‘em férias’. Vários jogadores foram liberados pela diretoria antecipadamente. Giovanni, Fabinho, Geílson e Paulo César estavam suspensos e não poderiam jogar, assim como Zé Elias, Ávalos, Gavião, Kléber e Mauro.

A ausência mais significativa, porém, foi do meia Ricardinho. O jogador teria condições de atuar, mas também foi liberado, o que aumentou a especulação em torno de sua permanência na Vila Belmiro. No entanto, sua situação só deverá ser resolvida depois do dia dez de dezembro, data das eleições presidenciais no Santos.