Santos 2 x 1 Brasiliense

Data: 12/04/2006, quarta-feira, 21h45.
Competição: Copa do Brasil – Oitavas de final – Jogo de ida
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público:
Renda: R$
Árbitro: Wallace Nascimento Valente (ES)
Auxiliares: Adailson Alves Pereira (ES) e Marcos Antônio Moreira Collodetti (ES).
Cartões amarelos: Douglas Silva, Agenor, Deda e Wellington Dias (B).
Cartões vermelhos: Wendel (S) e Rafael (B)
Gols: Carlos Alberto (08-1), Wendel (10-1) e Cléber Santana (39-1).

SANTOS
Fábio Costa; Luiz Alberto, Ronaldo Guiaro (Kléber) e Manzur; Fabinho, Heleno, Cléber Santana, Rodrigo Tabata (Léo Lima) e Wendel; De Nigris (Magnum) e Reinaldo.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



BRASILIENSE
Gustavo; Agenor (Maricá), Rafael, Padovani e Augusto; Deda, Carlos Alberto, Iranildo e Douglas Silva (Coquinho); Wellington Dias e Joãozinho (Índio).
Técnico: Lula Pereira



Em jogo de campeões, Santos bate o Brasiliense

No duelo entre dois campeões estaduais, o dono do título paulista levou a melhor e ficou mais próximo de vaga nas quartas-de-final da Copa do Brasil. Na noite desta quarta-feira, o Santos recebeu o Brasiliense na Vila Belmiro e fez valer sua força dentro do alçapão para superar o time do Distrito Federal por 2 a 1.

O time de Vanderlei Luxemburgo, porém, não teve facilidade. Saiu em desvantagem no marcador, mas conseguiu a virada ainda no primeiro tempo. No entanto, a expulsão de Wendel na etapa final prejudicou os anfitriões, que viram o Brasiliense ficar à vontade na Vila Belmiro até Rafael e Iranildo também receberem o cartão vermelho.

O triunfo acontece três dias depois de a equipe alvinegra encerrar jejum de 21 anos no Estadual, graças à vitória sobre a Portuguesa, no último domingo, pelo encerramento do Campeonato Paulista. No entanto, apesar da importante conquista, o elenco não teve folga e voltou a treinar normalmente no dia seguinte para o compromisso pelo torneio nacional.

Afinal, a Copa do Brasil garante ao campeão uma vaga na próxima Copa Libertadores, um dos objetivos de Vanderlei Luxemburgo à frente do Santos. Se faturar a competição eliminatória, o clube alvinegro chega com menos pressão ao Campeonato Brasileiro, que começa neste fim de semana.

Responsável pelas eliminações de Sergipe e URT nas fases anteriores, o time paulista pela primeira vez recebeu o duelo de ida, já que a partir das oitavas-de-final os dois jogos acontecem, independentemente do resultado do primeiro.

O Brasiliense, por sua vez, passou por São Raimundo-RR e Remo nos seus confrontos anteriores e terá a vantagem de decidir a vaga nas quartas-de-final em casa, na próxima quarta-feira, em Taguatinga, no Distrito Federal. O empate, porém, favorece a equipe alvinegra.

Apoiado por sua torcida nesta noite, o Santos manteve seu ótimo desempenho como anfitrião em 2006. Agora, o time de Luxemburgo acumula 12 vitórias nas 12 partidas realizadas na Vila Belmiro, performance que foi fundamental para a conquista do Campeonato Paulista.

Antes de tentar confirmar sua vaga na Copa do Brasil, o clube alvinegro estréia no Brasileiro no próximo domingo, diante do Goiás, no estádio Serra Dourada. O Brasiliense, rebaixado à Série B, começa sua caminhada rumo ao acesso contra o Náutico, em Recife, na noite de sábado.

O jogo

Sem se intimidar com o bom retrospecto santista na Vila Belmiro, o Brasiliense começou a partida dando trabalho a Fábio Costa. No primeiro minuto, Augusto recebeu livre e bateu sobre o goleiro. Wellington Dias, de fora da área, também fez o camisa 1 santista entrar em ação.

Aos 8min, porém, Fábio Costa nada pôde fazer. Carlos Alberto arriscou da entrada da área e o chute cruzado entrou no canto direito, depois de bater na trave, para colocar o Brasiliense em vantagem. A festa dos visitantes durou pouco tempo.

Dois minutos depois, Reinaldo deixou Wendel em ótima condição dentro da área, pela esquerda. O meio-campista, improvisado na lateral, finalizou com precisão e colocou a bola entre a primeira trave e o goleiro Gustavo para deixar tudo igual no placar.

A rápida reação fez bem ao Santos, que passou a dominar as ações no meio-campo e a oferecer constante perigo à meta de Gustavo. Wendel, apoiando bastante, aproveitou os espaços no lado do campo para pressionar o adversário

O Brasiliense, por sua vez, quase retomou a vantagem em lance de bola parada aos 37min. No entanto, foi o Santos quem estufou as redes, aos 39min. Wendel recebeu de Reinaldo dentro da área e foi derrubado por Agenor. Cléber Santana converteu o pênalti e virou a partida para os anfitriões.

Depois do intervalo, o time alvinegro voltou com a mesma postura ofensiva para tentar o terceiro gol. Contudo, Vanderlei Luxemburgo não esperava que Wendel, aos 13min, daria entrada dura em Coquinho, sendo justamente expulso pelo árbitro.

Mesmo com um a menos, o Santos teve as melhores chances para chegar ao gol. Reinaldo, aos 21min, tentou de bicicleta. Sete minutos mais tarde, o mesmo atacante arrancou em velocidade e, livre, finalizou muito mal na saída de Gustavo.

A reação do Brasiliense ficou mais distante quando o zagueiro Rafael cometeu falta para cartão amarelo e, como já havia recebido o primeiro, também foi expulso. Iranildo, por reclamação, foi outro mandado mais cedo para o vestiário pelo árbitro, deixando os visitantes com nove atletas em campo. Então, o Santos só precisou administrar o resultado.

Luxemburgo ataca a turma do amendoim

Técnico diz que grupo de torcedores deveria “ficar em casa” para o bem do Santos e se espanta com vaias logo após conquista.

Não foi preciso mais que um jogo após a conquista do Campeonato Paulista para que o técnico Vanderlei Luxemburgo voltasse a condenar a postura adotada por parte dos torcedores associados do Santos que, segundo o treinador, atuou “contra” a equipe na vitória de quarta-feira frente ao Brasiliense, por 2 x 1, no jogo de ida das oitavas da Copa do Brasil.

Luxa fez questão de interromper a entrevista coletiva para registrar sua queixa contra a “turma do amendoim” santista, expressão criada pelo então técnico do Palmeiras, Luiz Felipe Scolari, para definir um grupo de torcedores das sociais do Parque Antarctica que assistia aos jogos com a exclusiva missão de criticar técnico e jogadores.

“Quero aproveitar para comentar sobre esse pessoal de ‘trás’ [sociais]. Eles começaram a vaiar o time logo após o título, falando que a equipe é ruim. Não deram um jogo sequer de calma. Esse pessoal deveria ficar em casa. Seria muito mais benéfico ao Santos”, atacou Luxa.

A bronca de Luxa com a turma do amendoim já é antiga. Na reta final do Paulistão, o técnico do Peixe considerou que ainda não havia a tão desejada “unidade” entre elenco e torcida. O estopim da revolta ocorreu na difícil vitória santista diante do Bragantino, de virada, por 3 x 1.

Na ocasião, Luxa se irritou com as vaias dos torcedores das sociais, ira que ganhou força agora diante do time de Brasília. Apesar das constantes reclamações do bloco das sociais da Vila, o desempenho do Santos em casa impressiona: 12 vitórias em 12 jogos.

Peixe espera ‘padrão Vila’ em Brasília

Clube mantém aproveitamento de 100% dos pontos no Litoral Paulista e quer mesma força contra o Jacaré fora de casa.

O Santos ratificou sua força dentro da Vila Belmiro. Na vitória sobre o Brasiliense, por 2 x 1, a equipe alvinegra somou o seu 12º êxito em 12 partidas realizadas dentro de casa na temporada – 10 pelo Paulistão e duas pela Copa do Brasil.

Necessitando de um empate no jogo de volta em Taguatinga/DF para assegurar a vaga às quartas da Copa do Brasil, o Peixe espera “carregar” o futebol praticado no alçapão para o duelo decisivo ante Brasiliense. Nos últimos três jogos longe da Vila, a equipe saiu derrotada em duas delas – Guarani e São Paulo.

Para o zagueiro Luiz Alberto, que retornou ao time após ficar ausente do duelo do título estadual contra a Portuguesa, ninguém atualmente no país supera o Santos no quesito “fator casa”.

“Eu sei muito bem o que é tentar vencer na Vila. Eu mesmo nunca consegui derrotar o Santos quando defendia outras equipes. Creio que o Santos seja a equipe que melhor aproveita o mando de campo. Temos que aproveitar esses dois jogos fora [Brasiliense e Goiás, esse último pelo Brasileirão] e jogar como se fosse uma decisão na Vila”, pediu o beque.

Um dos destaques do jogo, o atacante Reinaldo considerou a vitória em casa importante, porém, o gol marcado pelo Jacaré serve de alerta ao time. Caso o Santos perca o segundo jogo pela contagem simples, o time estará desclassificado, pois o gol marcado fora de seus domínios tem peso maior.

“O 2 x 1 foi um placar curto, apesar de não deixar de ser bom. Se já foi difícil bater o Brasiliense em casa, imagine como será o jogo de volta”, declarou.

Com a vitória por 2 x 1, o Peixe se classifica à etapa seguinte da competição podendo empatar ou até mesmo perder para o Brasiliense por um gol de diferença (desde que faça pelo menos dois gols). Caso o duelo de volta termine com vitória do jacaré por 2 x 1, a classificação será definida nos pênaltis.