XV de Jaú 2 x 0 Santos

Data: 19/05/1996, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – 2º turno – 12ª rodada
Local: Estádio Zezinho Magalhães, em Jaú, SP.
Público: 6.299 pagantes
Renda: R$ 58.885,00
Árbitro: Oscar Roberto Godoi (SP).
Cartões amarelos: Ryuler (XV); Narciso e Marcos Adriano (S).
Cartão vermelho: Mello (XV, 37-1).
Gols: Auecione (21-2) e Esquerdinha (33-2).

XV DE JAÚ
Rui; Marcos Alexandre, Camilo (Marquinhos), Ryuler e Marcelo Adriano; Carlos Alberto, Arnaldo, Mello e Esquerdinha; Auecione (Dida) e Mendonça (Ticheak).
Técnico: Ivan Inocêncio

SANTOS
Edinho; Cláudio (Camanducaia), Sandro, Narciso e Marcos Adriano; Gallo, Jamelli (Clóvis), Vágner e Giovanni; Macedo e Robert (Marcelo Passos).
Técnico: Orlando Amarelo



Santos é derrotado e fica 6 pontos atrás do Palmeiras

A derrota para o já rebaixado XV, ontem, em Jaú, por 2 a 0, deixou o Santos, o vice líder, em uma situação difícil no Campeonato Paulista restando três rodadas.

A três rodadas para o fim da competição, o time, que soma 25 pontos e divide a vice-liderança do torneio com o São Paulo, torce agora por uma combinação de resultados.

O líder Palmeiras, com a goleada de ontem sobre o Botafogo, abriu seis pontos de vantagem sobre o time santista, que tem 16 gols de saldo, contra 26 dos palmeirenses.

O Santos, agora, necessita de um tropeço do líder para seguir com esperança de ganhar o segundo turno do torneio, único meio de impedir a conquista do título pelo Palmeiras por antecipação.

No jogo de ontem, o Santos desperdiçou três chances de abrir o marcador no primeiro tempo, que terminou em 0 a 0.

Na volta para o segundo tempo, o time santista não conseguiu evitar o ataque rival.

Aos 21min, Auecione roubou a bola no meio-campo, driblou a zaga santista e chutou de fora da área para fazer o primeiro gol.

Impulsionado pela torcida, o XV ainda fez um gol de contra-ataque, aos 33min, quando Esquerdinha chutou rasteiro no canto esquerdo de Edinho, após receber um lançamento de Marquinhos.

O Santos tentou uma reação no final do jogo, mas não conseguiu.

Time deixa estádio ‘escondido’

Sofrer uma derrota para o penúltimo colocado na classificação geral do Campeonato Paulista não estava nos planos do time do Santos, que agora ficou seis pontos atrás do Palmeiras na classificação, com dez gols a menos que o rival no saldo de gols.

O fraco desempenho da equipe abriu uma crise, e a diretoria decidiu impedir o acesso de repórteres ao vestiário após o jogo.

Saída escondida

Os jogadores e a equipe técnica do time saíram do estádio se escondendo da imprensa e evitando dar explicações sobre o resultado.

Ao final do jogo, ainda no gramado, o ponta Macedo colocava a culpa pela derrota na falta de sorte da equipe diante do XV de Jaú.

“O time criou várias chances, mas não soube finalizar”, afirmou o atacante do Santos.

Segundo Macedo, perder para o XV “é uma brincadeira”, impensável para quem sonha com o título do Campeonato Paulista.

Marcação

O centroavante Clóvis, que entrou no Santos no início do segundo tempo, afirmou que o grande problema foi a dificuldade para superar a forte marcação do XV.

“O XV jogou muito recuado, sendo difícil furar o bloqueio”, declarou.

Clóvis também reclamou da má atuação de sua própria equipe. Para ele, sem conseguir criar as jogadas que precisava, o Santos não merecia ter vencido o jogo.

Novo técnico do XV elogia “jogo eficiente”

O destaque da partida em Jaú acabou sendo o técnico do XV, Ivan Inocêncio, que treinava a equipe de aspirantes.

Ele assumiu a equipe na última sexta-feira, em substituição a Lori Sandri, e levou o XV à primeira vitória contra um time grande neste Campeonato Paulista.

Ele disse que sua estréia “foi muito boa”, na primeira oportunidade em que dirigia uma equipe profissional. “A longa convivência com Cilinho me ensinou muito”, disse, lembrando o treinador que o trouxe para Jaú neste ano.

O novo treinador do XV não se conformava com as fracas atuações. Segundo ele, “o XV tem um grupo muito forte, só faltava acertar os jogadores em campo e armar um esquema de jogo eficiente”.

Para ele, as conversas de incentivo ao grupo às vésperas do jogo foram decisivas para a vitória.



Fonte: Estadão