Atlético-MG 2 x 0 Santos

Data: 26/07/2012, quinta-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 12ª rodada
Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte, MG.
Público: 20.418 pagantes
Renda: R$ 826.305,00
Árbitro: Antônio Denival de Morais (PR).
Auxiliares: Roberto Braatz (Fifa/PR) e José Carlos Dias Passos (PR).
Cartões amarelos: Serginho e Danilinho (A); Arouca (S).
Gols: Danilinho (43-1); Réver (19-2).

ATLÉTICO-MG
Victor; Marcos Rocha, Réver, Leonardo Silva e Júnior César; Pierre, Serginho (Fellipe Soutto), Danilinho e Ronaldinho; Bernard (Guilherme) e Jô (André).
Técnico: Cuca

SANTOS
Aranha; Bruno Peres, Bruno Rodrigo, David Braz e Léo; Adriano, Henrique, Arouca e Felipe Anderson; João Pedro (Victor Andrade) e Bill.
Técnico: Muricy Ramalho



Atlético-MG vence o Santos e volta à liderança do campeonato

Danilinho e Réver marcaram os gols da sétima vitória seguida do time mineiro. Já a equipe paulista está na zona do rebaixamento

O torcedor atleticano que lotou as arquibancadas do Independência nesta quinta-feira comemorou mais uma vitória do no Campeonato Brasileiro, o sétimo triunfo seguido da equipe alvinegra. O Atlético-MG impôs melhor futebol e superou o Santos por 2 a 0, ultrapassando o Vasco e recuperando a liderança do Brasileirão, com 31 pontos.

Já o Santos, com apenas 10 pontos, está na 18ª colocação, na zona do rebaixamento.

O primeiro gol atleticano foi anotado pelo meia-atacante Danilinho, que recebeu assistência precisa de Marcos Rocha e fuzilou a meta do goleiro Aranha. O tento alvinegro foi o de número 40 mil da história do Campeonato Brasileiro. O zagueiro Réver marcou o segundo aproveitando rebote do arqueiro santista. Com o revés, o Santos permanece com dez pontos e entra na zona de rebaixamento.

Na sequência do Campeonato Brasileiro, o Atlético-MG terá um duelo importante na parte de cima da tabela, enfrentando o Fluminense no Engenhão, em partida marcada para o próximo domingo. Já o Santos, vai receber a Ponte Preta na Vila Belmiro, também no domingo.

O jogo

O duelo entre mineiros e paulistas começou de forma equilibrada, com as duas equipes atuando de forma aberta em busca do gol. O Atlético-MG iniciou a partida explorando as laterais, com Marcos Rocha e Júnior César apoiando bastante. Já o Santos apostou nas jogadas em velocidade e na marcação da saída de bola atleticana.

Aos 13, o Atlético-MG chegou a balançar as redes com o avante Jô, mas o árbitro paranaense Antônio Denival de Morais seguiu orientação dos auxiliares e marcou impedimento na jogada, gerando reclamação dos atleticanos. Aos 16, Bernard recebeu bom lançamento, mas não conseguiu o domínio, perdendo boa chance de marcar.

Aos poucos a equipe da casa passou a ter maior volume de jogo e começou a agredir o Santos com maior intensidade, forçando o time de Muricy a recuar as linhas de marcação. Aos 26, o volante Serginho apareceu como elemento surpresa e quase surpreendeu o goleiro Aranha. Girando a bola com qualidade, o Atlético-MG procurou encontrar espaços na defesa santista, o que garantiu ao Galo maior posse de bola durante todo o jogo.

A melhor chance dos visitantes no primeiro tempo só surgiu aos 36, com Bruno Rodrigo desviando cobrança de escanteio da direita e acertando o travessão do goleiro Victor, que não conseguiu fazer a defesa. O troco do Galo não demorou, e veio com Marcos Rocha recebendo assistência de Danilinho e carimbando a trave esquerda de Aranha.

Aos 43, o grito de gol que estava entalado na garganta do torcedor foi ouvido em alto e bom som no Independência. O lateral Marcos Rocha retribuiu o passe que havia recebido de Danilinho, deixando o companheiro livre, quase na marca do pênalti, Danilinho não perdoou e fuzilou a meta de Aranha para deixar o Atlético-MG em vantagem.

Na volta para etapa complementar, o Atlético-MG continuou com as rédeas do jogo, criando as melhores oportunidades para ampliar o marcador. Aos sete minutos, o Galo conseguiu boa trama ofensiva, mas na hora de concluir a jogada, Bernard errou o alvo, em mais um bom momento da equipe mineira no jogo.

Aos 14, Marcos Rocha fez jogada individual e mandou a bomba para o gol, no rebote da zaga, Bernard mandou para as redes, porém, auxiliar Roberto Braatz, marcou impedimento, gerando reclamação dos atleticanos. Com dificuldade na saída de bola, o Santos explorou os contra-ataques, levando perigo quando a equipe encaixava as jogadas.

Aos 19, a pressão atleticana surtiu efeito após uma roubada de bola de Marcos Rocha, que cruzou na medida para Leonardo Silva, que testou com violência para o gol, o goleiro Aranha deu rebote e o zagueiro Réver empurrou para as redes ampliando a vantagem.

Mesmo com o placar favorável, o Atlético-MG não diminuiu o ritmo e quase chegou ao terceiro gol aos 33, com o avante Jô, que obrigou o arqueiro santista a fazer grande defesa. O atacante atleticano ainda teve mais oportunidades, porém, passou em branco na partida. Nos minutos finais, o Galo administrou o resultado para comemorar o sétimo triunfo seguido e liderança isolada do Brasileiro com 31 pontos.

Santistas lamentam revés e prometem luta para sair da crise

Time do técnico Muricy Ramalho sofre com os desfalques e está na zona de rebaixamento do Brasileirão

A derrota para o Atlético-MG por 2 a 0, na noite desta quinta-feira, no Estádio Independência, levou o Santos para a 18° colocação, na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. Lamentando o revés, os jogadores santistas deixaram o gramado chateados com o resultado, que ampliou a má fase santista no Brasileirão – são quatro jogos sem vitórias e sem marcar gols.

“Sabemos que é difícil sofrer mais uma derrota e ir para a zona do rebaixamento. Não é fácil o período que nós estamos passando. Mas vamos procurar nos recuperar”, disse o volante Henrique, abatido com a derrota para o líder Atlético-MG.

Arouca, outro volante do Alvinegro Praiano, também demonstrou tristeza com o resultado. O atleta destacou o empenho do Santos durante a partida, apesar da derrota, e ressaltou que o time precisa trabalhar forte para se recuperar na competição.

“Deu para perceber nesse jogo que o Santos lutou, principalmente no primeiro tempo. Só que o nosso esforço não adiantou. Enfim, precisamos voltar a vencer. Não tem muito o que falar agora. O jeito é continuar trabalhando”, comentou.

O veterano lateral esquerdo Léo também falou sobre a fase negativa do Peixe, que venceu apenas uma vez na Série A deste ano. “O momento não é bom e é normal um abatimento. Porém, um grupo como o do Santos não pode se abater. Temos que continuar trabalhando, jogar e melhorar o nosso rendimento”, encerrou.

Na próxima rodada, os santistas recebem a Ponte Preta, domingo, às 18h30 (horário de Brasília), na Vila Belmiro. O confronto é válido pela 13° rodada do Brasileiro.

Aranha lamenta derrota, mas admite que ‘ninguém esperava vitória’

O goleiro Aranha reencontrou o ex-clube, o Atlético-MG, e não terá boas recordações quando se lembrar da partida. Com um time repleto de desfalques, incluindo as estrelas Neymar e Ganso, na Seleção olímpica, o Santos foi pressionado durante quase todos os 90 minutos e acabou derrotado por 2 a 0 (veja os melhores momentos no vídeo ao lado). Com o resultado, o Santos entrou na zona do rebaixamento.

Além dos problemas internos, o Peixe teve pela frente o Galo, que chegou à sua sétima vitória seguida no Brasileirão, o que lhe rende a liderança isolada, com 31 pontos. Com tal cenário, Aranha lamentou a derrota, mas reconheceu que poucos acreditavam na vitória santista nesta noite.

– Sabíamos que o jogo ia ser muito difícil, poucas pessoas acreditavam que íamos vencer aqui. Tínhamos o propósito de vir aqui, fazer um jogo duro e aproveitar as oportunidades, mas mais uma vez não conseguimos. E pela qualidade do Atlético-MG, pelo momento que eles vivem hoje, fizeram por merecer a vitória.

Aranha voltou a frisar a força do adversário e citou que mesmo se o time não tivesse levado o primeiro gol no fim da etapa inicial, a história poderia ter sido diferente.

– É difícil prever este tipo de situação, mas o Atlético-MG estrava com um volume de jogo grande, com mais qualidade que a gente para chegar ao ataque, e não sei se seria diferente a história do jogo. Mas o Atlético-MG jogou bem e mereceu a vitória.

Com o time em 18º, na zona de rebaixamento do campeonato, o goleiro resume bem o que é preciso fazer para sair dessa situação.

– Temos de trabalhar, não tem outro jeito. Temos de procurar melhorar, errar menos e acertar mais no que precisamos melhorar, só assim vamos sair dessa situação.