Jogos inesquecíveis


Santos 6 x 3 Benfica

Data: 15/06/1961
Competição: Torneio de Paris – Final
Local: Parc des Princes, em Paris, França.
Público: 36.364
Árbitro: Pierre Achinte (FRA)
Gols: Lima (16-1), Pelé (24-1), Coutinho (28-1), Pepe (35-1, de falta); Pepe (02-2), Eusébio (18-2), Eusébio (23-2), Eusébio (34-2) e Pelé (43-2).

SANTOS
Laércio; Getúlio, Mauro Ramos, Brandão e Décio Brito; Lima e Mengálvio; Dorval, Coutinho, Pelé e Pepe.
Técnico: Lula

BENFICA
Barroca; Mário João, Germano e Ângelo (Mendes); Neto e Cruz; José Augusto, Santana (Eusébio), Águas, Coluna e Cávem.
Técnico:



Santos goleou Benfica e conquistou Paris

O Santos conquistou pela segunda vez consecutiva o Torneio de Paris, ao derrotar o Benfica, campeão da Europa, por 6 a 3, ante público de quase 40 mil pessoas que lotava o Parc des Princes e por várias vezes se levantou para aplaudir os brasileiros, gritando “Pelé, Pelé, Pelé”.

Depois de chegar aos 5 a 0 nos primeiros minutos do segundo tempo, quando tudo indicava que o Benfica seria massacrado, o Santos, mais uma vez, relaxou-se em campo e permitiu ao adversário reagir.

Mesmo assim, a equipe brasileira mostrou o melhor futebol que se tem visto nos últimos tempos na Europa e deixou claro que é um team incomparável, ainda que desfalcado.

Pepe assume o trono por um dia e faz Pelé o vice-rei em Paris

Pepe fez concorrência a Pelé (o Rei de Paris nestes dias) e era mais perseguido pelo público que seu companheiro, pela multidão que esperava o quadro do Santos à saída do estádio, depois de sua vitória por 6 a 3 sobre o Benfica, campeão da Europa, ontem.

Pepe, que já chegou aqui com a sua publicidade aumentada por causa dos gols de longa distância que marcou contra o Racing, na semana passada, em Marselha, alucinou o público, quando atendendo aos gritos em uníssono de “Pepe, Pepe, Pepe” marcou o quarto gol do Santos ao cobrar, de 30 metros de distância, uma falta contra o Benfica.

No vestiário, Pelé, que mantinha uma serenidade admirável mesmo depois de grande vitória, disse apenas que, na sua opinião, o Santos tinha ganho por merecimento o Torneio de Paris.

A euforia maior era dos dirigentes, que diziam em altos brados considerar esse jogo como uma final de Copa do Mundo, pois o Benfica é o campeão da Europa e eles tem o Santos na conta de melhor team da América do Sul. Estão confiantes na continuação de uma boa campanha de seu quadro, mesmo depois da volta de Formiga ao Brasil, por contusão, ontem mesmom e ainda sabendo que Zito não poderá jogar mais mas próximas partidas. Mas Zito não voltará ao Brasil, porque como titular da seleção brasileira, é sempre uma atração a mais na excursão.



Fontes:
Ficha técnica: Prof. Guilherme Nascimento e Jornal do Brasil, 16/6/1961, pág. 12.