São Bento 1 x 1 Santos

Data: 12/01/2006
Competição: Campeonato Paulista – 1ª rodada
Local: Estádio Walter Ribeiro, em Sorocaba, SP.
Árbitro: Philippe Lombard
Auxiliares: Márcio Luiz Augusto e Maria Eliza Correia Barbosa
Cartões amarelos: Neto, Léo Lima, Celsinho (S); Márcio Santos, Fábio Carioca (SB).
Gols: Luciano Henrique (26-2); Genílson (28-2).

SÃO BENTO
Fabiano; Fábio Carioca (Leandro Moreno), Marcelão, Márcio Santos e Tita; Jeci, Rincón, Magal e Celsinho (Genílson); Emerson e Marciano (Alcimar)
Técnico: Roberto Fonseca

SANTOS
Fábio Costa; Neto, Julio Manzur, Luís Alberto e Kléber; Fabinho, Maldonado, Wendell (Léo Lima) e Giovanni (Luciano Henrique); Cláudio Pitbull e Luizão (Geílson)
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Renovado, Santos começa ano com um empate

O Santos contratou o técnico Vanderlei Luxemburgo, demitido do Real Madrid. Com ele, 14 reforços chegaram à Vila Belmiro. Na estréia de cinco destas novidades, contudo, o time do litoral decepcionou sua torcida. Jogando em Sorocaba, a equipe alvinegra não apresentou bom futebol e obteve um empate por 1 a 1 com o São Bento na noite desta quinta-feira, na primeira rodada do Campeonato Paulista.

O principal ponto negativo do Santos nesta quinta-feira foi o meio-campo, que não conseguiu acertar seu posicionamento. “Faltou um pouco de movimentação e ficamos perdidos, principalmente no primeiro tempo”, admitiu o meia Giovanni.

A maior prova de que o Santos não se encontrou é que a equipe litorânea só cresceu quando dois reservas (Luciano Henrique e Léo Lima) entraram nos lugares de Wendell e do próprio Giovanni, que estavam apagados.

Até o técnico Vanderlei Luxemburgo reconheceu que o Santos ficou abaixo do que podia nesta quinta-feira. “É claro que o trabalho está no início, e isso faz muita diferença. O grupo sofreu muitas mudanças e precisa assimilar isso”, ponderou o comandante.

No entanto, o empate não foi suficiente para o treinador perder confiança em seu elenco: “Não sei quando estaremos no ritmo ideal, mas sei que temos potencial e podemos crescer bastante durante a competição”.

Na segunda rodada do Campeonato Paulista, São Bento e Santos entrarão em campo no domingo. O time de Sorocaba jogará às 16h, na Rua Javari, contra o Juventus. Mais tarde, às 18h10, a equipe alvinegra receberá o Mogi Mirim na Vila Belmiro.

O jogo
Time que mais investiu para a disputa do Campeonato Paulista, o Santos começou o confronto com o São Bento com cinco reforços entre os titulares. As modificações fizeram com que a equipe do litoral sentisse falta de entrosamento, sobretudo no início do confronto desta quinta-feira, e não conseguisse criar oportunidades para marcar.

Diante da falta de entrosamento do Santos, o São Bento começou a partida desta quinta-feira pressionando o time alvinegro. “Nossa equipe foi muito bem nos 20 primeiros minutos, marcando muito forte e com bastante movimentação”, analisou o meia Celsinho, do clube do interior.

O ritmo intenso que o São Bento imprimiu no início, porém, não teve vida longa. Aos poucos, o Santos encontrou seu espaço em campo e acabou com a pressão do rival. “Nós estávamos recebendo uma marcação muito forte, mas começamos a tocar a bola e melhoramos”, analisou Giovanni.

Quando começou a tocar a bola com qualidade, o Santos criou duas oportunidades para marcar. A primeira aconteceu com o lateral-direito Neto, estreante, que cobrou falta por cima do travessão. Depois, Cláudio Pitbull invadiu a área pela esquerda, driblou Fábio Carioca para o meio e chutou fraco, nas mãos do goleiro Fabiano.

A evolução que o Santos apresentou no primeiro tempo, contudo, cessou com o intervalo. O time do litoral diminuiu o ritmo no período complementar e viu nova pressão do São Bento. “Temos que aproveitar os espaços que temos no meio-campo”, avisou o técnico Roberto Fonseca, da equipe do interior.

Após as investidas do São Bento no início, o Santos aprimorou a qualidade nos passes e voltou a diminuir o ritmo da partida. “Precisamos ter tranqüilidade para acertar os lançamentos no momento certo e pegarmos a defesa deles desprevenida”, avisou o centroavante Luizão.

Quando acertou um lançamento, realmente, o Santos abriu o placar. Kléber fez lindo passe para Luciano Henrique aos 26min. O meia, que havia entrado no lugar de Giovanni, dominou com o pé direito e tocou de esquerda, por cobertura, na saída de Fabiano.

Só que a vantagem do Santos durou pouco. Dois minutos depois do gol, Magal fez linda jogada pelo meio e tocou na esquerda para Genílson. O atacante dominou e chutou de pé esquerdo, da meia-lua, no canto esquerdo de Fábio Costa, para empatar o confronto.