Vídeo: (1) Melhores momentos e (2) Repostagem Globo Esporte.

Santos 2 x 0 Universidad de Chile

Data: 26/09/2012, quarta-feira, 19h00.
Competição: Recopa Sul-Americana – Jogo de volta
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 23.876 presentes (22.388 pagantes).
Renda: R$ 651.890,00
Árbitro: Martín Vázquez (URU)
Auxiliares: Mauricio Espinosa e Miguel Nievas (ambos do URU).
Cartões amarelos: Adriano e Durval (S); Rojas, Martínez, Gonzalez e Lorenzetti (U).
Gols: Neymar (27-1); Bruno Rodrigo (15-2).

SANTOS
Rafael; Bruno Peres (Éwerthon Páscoa), Bruno Rodrigo, Durval e Léo (Gérson Magrão); Adriano, Arouca, Felipe Anderson e Patito Rodríguez (Miralles); Neymar e André.
Técnico: Muricy Ramalho

UNIVERSIDAD DE CHILE
Jhonny Herrera; Acevedo (Paulo Magalhães), González, Rojas, Mena; Martínez, Rodríguez (Francisco Castro), Aránguiz (Marino) e Lorenzetti; Ubilla e Gutiérrez.
Técnico: Jorge Sampaoli



Santos bate La U, conquista inédita Recopa e volta a sorrir em seu centenário

Neymar perde pênalti, mas deixa sua marca e decide partida complicada contra time chileno

Em meio a um Campeonato Brasileiro decepcionante e vivendo dias turbulentos desde a saída de Paulo Henrique Ganso para o São Paulo , o Santos arrumou novamente um motivo para sorrir no ano de seu centenário. Após conquistar o tricampeonato paulista no começo do ano, o time praiano venceu nesta quarta-feira a Universidad de Chile por 2 a 0 e faturou a Recopa Sul-Americana, disputada entre os campeões da Libertadores e da Copa Sul-Americana 2011. O título inédito é a sexta taça continental levantada pelo clube da Baixada, que agora vai aparecer na liderança do ranking da Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) na próxima atualização.

Em um Pacaembu com temperatura congelante, mas com boa presença de público , o time de Muricy Ramalho começou o jogo sendo dominado pela equipe estrangeira, que esteve perto de marcar em várias ocasiões. Uma linda jogada entre Léo, André e Neymar, porém, terminou em gol do camisa 11, que ainda perdeu um pênalti no final do primeiro tempo. Na etapa complementar, porém, o zagueiro Bruno Rodrigo fez de cabeça aos 15min e tranquilizou o Santos e sua torcida, que comemoraram mais uma conquista internacional. Foi o 94° título da equipe praiana em sua história.

Sem tempo para comemorar muito, o Santos agora volta suas atenções para o Brasileirão, torneio no qual ocupa a modesta 11ª colocação. Na próxima rodada, o clube da Baixada viaja a Porto Alegre para enfrentar o Grêmio, que briga por posições no topo da tabela. A partida está marcada para domingo, às 18h30 (horário de Brasília). A equipe praiana está 11 pontos atrás do Vasco, 4° colocado e último integrante do G4, que classifica para a próxima edição da Libertadores.

O jogo

Aos gritos de “vai pra cima deles, Neymar”, o craque do Santos começou o duelo dando susto logo nos primeiros segundos: ele bateu da meia-lua e por pouco não venceu Johnny Herrera. “La U”, porém, não se intimidou, e partiu para cima em seguida, exigindo saída arrojada de Rafael para salvar investida pelo meio da área. Com marcação por pressão, a equipe chilena impedia o toque de bola do Santos, deixando os atacantes Neymar e André isolados e tendo que voltar a para buscar a bola. Além de fechar os espaços, a equipe azul atacava com perigo, e por pouco não marcou com Martínez – por centímetros, o meia não alcançou um cruzamento perigoso. Depois, aos 13min, o time estrangeiro chegou novamente em boa tabela pela esquerda, mas a zaga afastou o perigo na pequena área.

Acuado, o Santos arriscava jogadas pelas pontas, com Neymar pela esquerda e Pato Rodríguez pela direita. Os chilenos, porém, seguiam marcando bem. Marcar Neymar, todavia, é tarefa complicada, e o craque apareceu aos 27min para abrir o placar: após Léo dar linda caneta na lateral e começar a jogada, o camisa 11 tocou para André, que fez o pivô e devolveu na medida para o parceiro de ataque tocar fora do alcance de Johnny Herrera e fazer o Pacaembu explodir de alegria. Minutos depois, “La U” tentou empate com cruzamento perigoso, mas quase levou mais um em rápido contra-ataque puxado por Felipe Anderson. A finalização do meia não entrou por centímetros.

Quando o Santos parecia satisfeito em levar o 1 a 0 para o intervalo, Neymar, sempre ele, apareceu de maneira decisiva novamente. Ele recebeu pela direita, completamente livre, e entortou o zagueiro Rojas, que passou uma rapa: pênalti. Na cobrança, porém, bateu muito mal, e Johnny Herrera espalmou sem dar rebote, encerrando a etapa inicial.

A defesa do pênalti pareceu motivar a Universidad de Chile, que voltou dos vestiários disposta a igualar o placar. Atacando pelas avenidas deixadas por Léo e Bruno Peres nas laterais do Santos, a equipe azul cruzava com insistência na área, com Bruno Rodrigo e Durval tendo que se desdobrar para afastar. Bem na defesa, Bruno Rodrigo ainda arrumou tempo para ir ao ataque e ampliar o placar no Pacaembu: aos 15min, após levantemento perfeito de Felipe Anderson, o zagueiro cabeceou no canto de Johnny Herrera, que ficou estático.

Após sofrer mais um gol, o ímpeto de “La U” finalmente esfriou, e o Santos passou a controlar o duelo com tranquilidade. Mesmo com mais espaço, porém, o time do técnico Muricy Ramalho não criou mais chances claras de gols, mas via sua zaga segurar com tranquilidade as investidas do adversário. Com o 2 a 0 no placar, bastou, então, tocar a bola e assitir as tentativas de dribles de Neymar, que infernizava a vida do lateral esquerdo Mena com cortes e pedaladas. Ao apito final, festa alvinegra no Pacaembu, e finalmente um novo motivo para sorrir no conturbado centenário santista.

Bastidores – Santos TV:

Neymar dá volta olímpica sozinho, minimiza faixa de capitão e vibra: ‘A gente dá trabalho’

Neymar é o grande diferencial do Santos atualmente. Nesta quarta-feira, não foi diferente. Com a faixa de capitão no braço, Neymar fez um gol e comandou a vitória santista por 2 a 0 sobre a Universidad de Chile, que garantiu ao time paulista o troféu da Recopa Sul-Americana. Segundo revelou o técnico Muricy Ramalho, o próprio Neymar pediu para ser o capitão da equipe no duelo. Mesmo assim, o jovem jogador minimizou o fato.

“Já fui (capitão) outras vezes. Não faz diferença. Independente do capitão, todo o time tem que conversar em campo. (A faixa) Serve mais para tirar a moedinha (antes do jogo). Não é que sou um capitão bonzinho, só tento ajudar todo mundo. É uma emoção muito grande levantar a taça, fico feliz, é um sonho que tenho desde pequeno. É um clube que eu amo, e hoje estar sendo o capitão é muito importante”, disse Neymar.

Após o término da partida, uma cena curiosa foi vista no Pacaembu. Neymar, durante muito tempo, deu a volta olímpica sozinho, saudando os torcedores santistas nas arquibancadas. E o jogador comemorou bastante o título alcançado nesta quarta-feira.

“Estou muito feliz, é mais um título. Só tenho que agradecer a todos que torceram. Muita gente não dá valor (para a Recopa), mas para quem está disputando vale muito, e pra quem não tinha, hoje temos o título”, vibrou Neymar, contente com a média de títulos do Santos dos últimos anos.

“A gente dá um pouco de trabalho para todo mundo. É o terceiro ano seguido que a gente consegue essa média (de duas taças por ano), e está todo mundo de parabéns”, completou Neymar.

No duelo desta quarta-feira, o placar a favor do Santos só não foi mais elástico porque Neymar desperdiçou uma penalidade no fim da primeira etapa. O jogador, por sinal, também perdeu um pênalti no jogo de ida, no Chile, que acabou empatado em 0 a 0. Por isso, Neymar brincou com o goleiro Johnny Herrera ao fim da partida. Nesta quarta, o ex-arqueiro do Corinthians defendeu a batida de Neymar.

“Falei para o goleiro: ainda vou fazer um gol de pênalti em você. Ele deu risada”, contou Neymar, que ainda dedicou o título da Recopa ao amigo Paulo Henrique Ganso, que se transferiu recentemente para o rival São Paulo.

“Agora não tem que ficar chorando o leite derramado. Ele está feliz. Desejo tudo de bom para ele. Paulinho: você faz parte disso, porque jogou a primeira final”, disse Neymar.