Vídeos: (1) Gols e (2) melhores momentos.

Santos 2 x 0 Vasco

Data: 14/10/2012, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 30ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 6.555 pagantes
Renda: R$ 105.170,00
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (Asp. Fifa-GO).
Auxiliares: Roberto Braatz (Fifa-PR) e Thiago Gomes Brígido (Asp. Fifa-CE).
Cartões amarelos: Henrique e Rafael (S); Nilton e Fellipe Bastos (V).
Gols: Miralles (08-1); Miralles (02-2).

SANTOS
Rafael; Bruno Peres, Bruno Rodrigo, Durval e Léo; Adriano, Henrique (Gérson Magrão), Arouca e Felipe Anderson; Miralles (Patito Rodríguez) e Bill.
Técnico: Muricy Ramalho

VASCO
Fernando Prass, Jonas (Pipico), Rodolfo, Douglas Wendel; Nílton, Fellipe Bastos, Felipe (Jhon Cley) e Carlos Alberto (Marlone); Éder Luis e Alecsandro.
Técnico: Marcelo Oliveira



Miralles marca duas vezes, Santos vence outra sem Neymar e tira Vasco do G4

Na Vila Belmiro, Santos estreia novo uniforme e vê argentino brilhar em péssimo dia vascaíno

Existe vida sem Neymar para o Santos . Em mais uma partida sem seu melhor jogador, o time de Muricy Ramalho superou o Vasco por 2 a 0 neste domingo com dois gols do argentino Miralles, fazendo com que o clube carioca saísse do G4 pela primeira vez neste Campeonato Brasileiro .

O resultado positivo faz o Santos chegar a quatro partidas sem derrotas e segue se afastando das últimas posições. Tem 41 pontos e ocupa a oitava colocação. O sonho da Libertadores segue distante, já que o São Paulo atingiu 52 e ultrapassou o Vasco, que jogou sem Juninho Pernambucano e tem dois pontos a menos.

Os dois clubes terão pouco tempo de descanso até a próxima rodada. Na quarta-feira, novamente na Vila Belmiro, o Santos recebe o Atlético-MG, que briga pelas primeiras posições do Brasileiro. Já o Vasco tenta retornar ao G4 em clássico contra o Botafogo, na quinta.

O jogo

Há seis anos sem vencer o Santos na Vila Belmiro, o Vasco começou sufocando seu adversário com base na troca de passes ofensiva pelo lado esquerdo, entre Wendel, improvisado na lateral, e Felipe. Com o passar do tempo, ainda na etapa inicial da partida, os comandados de Muricy Ramalho notaram que o avanço de Wendel deixava desguarnecido o lado direito do ataque santista – jogadas ofensivas pelo setor acabaram sendo a tônica de todo o primeiro tempo.

Depois de Carlos Alberto tentar organizar o Vasco do meio para frente, o Santos equilibrou a partida e, logo aos oito minutos, aproveitou a avenida que tinha à disposição do lado direito para abrir o placar. Bill recebeu lançamento longo na intermediária, logo após um desarme cometido para cima de Carlos Alberto ,e fez lançamento em velocidade para Miralles, que invadiu a área sem marcação e bateu no canto direito de Fernando Prass para marcar o primeiro do Santos.

Aos 13 minutos, na tentativa de responder, Felipe conseguiu lançamento em profundidade para Éder Luis, que balançou as redes de Rafael, mas foi flagrado em posição de impedimento. No lance seguinte, Henrique recebeu na intermediária e tocou rápido para Bruno Peres, que tentou o cruzamento, mas acabou criando ótima oportunidade de aumentar o placar no tiro direto involuntário. No último instante, Fernando Prass deu um tapa na bola e afastou pela linha de fundo o que poderia ser o segundo gol dos donos da casa.

Na única jogada pelo lado esquerdo do ataque, Léo desarmou Jonas e fez o passe para Miralles, que não conseguiu o domínio e acabou servindo Bill. A zaga do Vasco afastou em um primeiro momento, mas a sobra ficou com Bruno Peres, que encheu o pé e obrigou Fernando Prass a praticar defesa incrível em mais uma tentativa do lateral direito santista, de volta ao time após lesão.

Aos 30, o Santos criou sua última boa oportunidade na etapa inicial. No momento em que Carlos Alberto tentava o lançamento na área do Santos, a forte marcação à frente da zaga conseguiu o corte. Na sobra, o vascaíno acabou desarmado por Miralles, que fazia pelo primeiro tempo e conseguiu servir Bruno Peres, que passava pela direita para tentar o drible para cima de Fernando Prass. A boa saída do goleiro vascaíno impediu o último fôlego do Santos, que depois só trabalhou a bola, sem perigo.

Logo na primeira jogada da etapa complementar, Nilton pisou no tornozelo de Miralles, que saiu de campo para atendimento, mas não foi motivo de preocupação para a comissão técnica. De volta ao jogo após se recuperar prontamente, o artilheiro do jogo recebeu passe em profundidade de Felipe Anderson, nas costas da marcação de Douglas, e bateu por baixo de Fernando Prass para aumentar a vantagem santista na Vila Belmiro.

Aos 12 minutos, o Vasco criou sua primeira boa oportunidade no segundo tempo, após lançamento em velocidade de Felipe para Éder Luis, que acertou em cima do goleiro Rafael. Na sobra, Nilton completou por cima da meta santista, rente ao travessão. Na sequência do lance, no entanto, Léo fez o desarme no campo de defesa e tocou para Miralles, que lançou Bill de primeira. Fernando Prass saui do gol, falhou no corte e quase deu espaço para o santista completar.

O Vasco continuou atento, mas só teve chances em jogadas interrompidas pela arbitragem, como no lance em que Alecsandro recebeu passe na entrada da área, dominou com a coxa e virou chutando, no ângulo de Rafael, que caiu e conseguiu defender com precisão. O lance já estava paralisado por impedimento. Minutos mais tarde, Bruno Peres encostou a mão na bola e, na cobrança de falta, Fellipe Bastos acertou a trave em lance que também estava parado.

Mesmo com Marlone, Jhon Cley, Pipico e o time mais ofensivo, o Vasco não conseguiu criar espaços na segura defesa santista, que conseguiu garantir o resultado positivo após as entradas de Gérson Magrão e Patito. Nome do jogo, Miralles saiu de campo aplaudido.

Batidores – Santos TV:

Satisfeito por aproveitar ‘brecha’, Miralles vira goleador sem Neymar

Na estreia do novo uniforme listrado, o argentino marca dois gols e garante vitória sobre o Vasco no Brasileiro

No momento em que o atacante Neymar foi convocado para dois amistosos da seleção brasileira, o técnico Muricy Ramalho optou por dar sequência de jogos a Miralles. Em sua segunda partida consecutiva como titular do Santos , o argentino marcou duas vezes na vitória sobre o Vasco neste domingo . Chegou a seis gols e é o terceiro artilheiro da equipe no Campeonato Brasileiro, atrás de André e do próprio Neymar.

Satisfeito por aproveitar a ‘brecha’ atuando mais aberto ao lado de um atacante finalizador, o atacante elogia o técnico Muricy Ramalho no sentido de lhe conceder uma sequência de jogos como titular do Santos.

“Às vezes não chegam muitas bolas, então quando chegam eu tenho que concluir. O Santos tem muitos jogadores de qualidade, minha missão é aproveitar as oportunidades e contra o Vasco eu aproveitei. Fico contente, muito feliz, porque esperei muito tempo no Brasil e não estava conseguindo jogar como queria”, comentou Miralles, criticando o Grêmio, clube que defendeu até junho, quando foi trocado pelo ex-santista Elano.

Obediente taticamente e elogiado pelo comandante por esse motivo, Miralles não titubeia ao relatar o motivo de ter tido espaço para aproveitar as oportunidades: o meio-campista Wendel, improvisado na lateral do Vasco, deu espaços demais: “O jogador deles não marcou muito, porque era um meia. Na primeira chance que tive consegui fazer o gol, não aproveitei algumas, mas depois marquei de novo. Tento dia a dia melhorar e não tenho problema com posição”.

Muricy vê Santos taticamente forte e sem depender tanto de Neymar

Vitória neste domingo sobre o Vasco por 2 a 0 foi a segunda consecutiva da equipe sem contar com o atacante em campo

A vitória sobre o Vasco neste domingo , a segunda consecutiva sem Neymar em campo, enchem o técnico Muricy Ramalho de confiança. O treinador do Santos vê sua equipe cada vez mais preparada para superar o desentrosamento e conquistar os pontos necessários para terminar o Campeonato Brasileiro de forma digna.

Com 41 pontos somados nas primeiras 30 rodadas, o Santos não pensa mais em se classificar para a Libertadores e também não se anima com a reação tardia conquistada nas últimas partidas. Apesar disso, a evolução e a obediência tática demonstrada agradam a Muricy, que entrou em campo neste domingo sem contar até com André, suspenso por acúmulo de cartões amarelos e substituído por Bill.

“Não podemos ser dependentes, porque ano que vem vamos perder o Neymar de novo. Estamos nos preocupando com isso e nos reforçando bastante. Perdemos muitos jogadores após a Libertadores por valorização natural, e agora chegou a hora de esse time dar uma mudada depois de um tempo junto. Você procura as saídas para jogar sem o seu principal jogador e temos feito isso com eficiência”, aponta Muricy, explicando que a reação tardia não fará o time ambicionar algo a mais em 2012.

Sem os jogadores “diferentes”, como gosta de dizer, o técnico cita a obediência tática como trunfo na reta final do Brasileirão. “O time que não tem os diferentes tem que ter obediência tática que seja mais cumprida, e utilizamos isso em jogadas como os contra-ataques do Miralles. Temos um time um pouco desentrosado, então precisa trabalhar mais em relação a posicionamento e parte tática”.

A respeito da vitória conquistada sobre o Vasco, Muricy detectou falhas de marcação do adversário pelo lado esquerdo, setor em que o meia Wendel foi improvisado como lateral. Com jogadores de velocidade, o treinador prevê que, na próxima quarta-feira, o Atlético-MG entrará da mesma forma ofensiva que o Vasco entrou neste domingo: “Eles vêm para cima e às vezes vão abrir espaço. Contra o Vasco aproveitamos”.

Léo fala em aposentadoria, mas Muricy pede tratamento e renovação

Lateral tem a intenção de permanecer no Santos em 2013, mas condicionou extensão do contrato por mais um ano ao tratamento das dores no joelho

Recuperado de uma lesão na panturrilha esquerda, o lateral esquerdo Léo não entrava em campo pelo Santos desde a conquista da Recopa Sul-Americana, no dia 27 de setembro. Neste domingo, participou dos 90 minutos da vitória por 2 a 0 sobre o Vasco , na Vila Belmiro, e voltou a reclamar de dores no joelho que atrapalham a sequência da carreira aos 37 anos.

O experiente ala tem a intenção de permanecer no Santos em 2013, mas condicionou a renovação de contrato por mais um ano ao seu tratamento das dores no joelho. Léo deseja passar por uma artroscopia que o deixaria fora de campo por pelo menos dois meses, mas que exterminaria as dores. Caso o Santos não aceite renovar o vínculo em função da ausência certa nos primeiros meses de 2013, ele encerra a carreira.

“Converso muito com a comissão, com a direção, e venho fazendo o que tenho que fazer com meu joelho, porque o velhinho ainda dá trabalho. Mas eu compenso muito e sinto as dores. Se for da vontade do Muricy, faço no começo do ano a intervenção cirúrgica. Se não me quiserem, eu pararia de jogar ao fim do contrato”, revelou o camisa 3, capitão do Peixe neste domingo.

Léo aproveita a oportunidade para fazer o lobby pessoal e garantir que pode atuar por mais uma temporada, em alto nível, como titular do Santos, que briga pelo tetracampeonato paulista logo no início do ano: “Já conversaram comigo, mas vamos ver o que é melhor para mim e para o clube. Meu custo benefício é bem melhor do que de alguns garotos que passam a vida no departamento médico, mas está tranquilo”.

Citado por Léo, Muricy Ramalho deseja contar com o veterano lateral esquerdo, mas pede uma palavra médica para que possa contar com o camisa 3 em 2013. “Ele tem que resolver o problema do joelho, porque sabe que vai jogar competições duras, de alto nível. Jogadores do nome que ele tem precisam aguentar. Ele estava jogando demais, não há nada que aguente, precisa jogar dois e descansar um. O que eu recomendo é primeiro procurar um especialista e resolver isso, depois até para renovar é mais fácil”.