Vídeo: (1) Gol e (2) melhores momentos.

Ponte Preta 1 x 0 Santos

Data: 21/10/2012, domingo, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 32ª rodada
Local: Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, SP.
Público: 13.468 pagantes
Renda: R$ 268.310,00
Árbitro: Guilherme Ceretta de Lima (SP).
Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse (Fifa-SP) e Bruno Salgado Rizo (SP).
Cartões amarelos: Baraka, Renê Júnior e Uendel (PP); André e Bruno Peres (S).
Gol: Luan (12-1).

PONTE PRETA
Edson Bastos, Cicinho (Xaves), Ferron, Cléber e João Paulo; Baraka, Wendel Santos, Renê Júnior e Nikão (Uendel); Luan (Rildo) e Roger.
Técnico: Guto Ferreira

SANTOS
Rafael; Bruno Peres, Bruno Rodrigo, Durval e Gérson Magrão; Adriano (Patito Rodríguez), Henrique (Bernardo), Arouca e Felipe Anderson; Neymar e Miralles (André).
Técnico: Muricy Ramalho



Com atuação fraca, Santos é derrotado pela Ponte Preta em Campinas

Gol de Luan ainda no primeiro tempo define vitória do time da casa, que chega a 40 pontos e se distancia da zona de rebaixamento

Com uma fraca atuação, o Santos conheceu neste domingo mais uma derrota no Campeonato Brasileiro . O time comandado por Muricy Ramalho visitou a Ponte Preta no Moisés Lucarelli, em Campinas, e saiu de campo derrotado por 1 a 0. O gol dos mandantes foi anotado por Luan na etapa inicial.

O resultado ajudou a Ponte Preta a respirar um pouco no Brasileirão. Com o triunfo, a equipe campineira chegou a 40 pontos, agora na 13° posição do torneio. Já o Santos caiu para o 11° lugar, com 42 pontos.

Na próxima rodada, o Santos recebe o Náutico, quinta-feira, em local a ser definido. Interditada pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), pelo incidente com a ambulância que não entrou no gramado do estádio, no empate com o Atlético-MG, na última quarta, a Vila Belmiro ainda pode ser liberada para o duelo. Caso contrário, o Pacaembu deve receber o jogo. Já a Ponte Preta recebe o Cruzeiro, também na quinta, no Moisés Lucarelli.

O jogo

Precisando da vitória para se afastar da zona do rebaixamento, a Ponte Preta começou a partida pressionando. Logo aos cinco minutos, o atacante Luan fez jogada individual, cortando para o meio e finalizando de perna direita, para defesa de Rafael.

Melhor em campo, a Ponte dominava o jogo e não demorou para abrir o placar. Aos 12, João Paulo avançou pela esquerda e cruzou para Cicinho, que, na tentativa de finalizar, ajeitou para Luan. O atacante, em posição legal, apenas completou para o gol vazio e colocou os campineiros em vantagem no Moisés Lucarelli: 1 a 0.

A Ponte quase ampliou em rápido contra-ataque, aos 17. Nikão lançou Roger, que driblou o zagueiro e arriscou o chute, mandando a bola por cima no travessão.

Sem dar espaços para o Santos em campo, a equipe da casa esteve perto do segundo gol em outra grande oportunidade. Aos 28, Nikão levantou na área para Roger, que ajeitou de cabeça para o meio. A bola foi para a cabeçada de Cléber, no canto direito. Rafael se esticou e espalmou o forte toque do zagueiro campineiro, para escanteio.

Com Nikão, aos 34, a Ponte Preta quase balançou as redes santistas, em uma finalização de voleio do meia. A bola passou muito perto da trave esquerda do camisa 1 do Santos.

Antes do intervalo, os donos da casa ainda tiveram mais uma boa chance de gol. Aos 38, Luan acionou Roger, que fez o giro em cima da marcação adversária, batendo de primeira para mais uma grande defesa de Rafael, que de mão troca, espalmou a bola para escanteio.

Depois de um primeiro tempo ruim, o técnico Muricy Ramalho resolveu promover duas alterações no Santos, na volta para o segundo tempo. O volante Henrique deu lugar ao meia Bernardo, enquanto o argentino Miralles foi substituído por André, no ataque.

Apesar das substituições, o Santos pouco produzia em termos ofensivos. Com isso, a Ponte Preta esperava o momento certo para contra-atacar. Aos 15, Roger chegou na frente de Bruno Rodrigo, em uma enfiada de bola dentro da grande área, mas Rafael evitou o segundo gol do rival.

Aos 22, após cruzamento, a bola sobrou quicando na frente de Luan e o atacante armou o voleio, com o pé direito. A bola acertou o travessão, em mais uma grande chance desperdiçada pela Ponte.

Os santistas enfim criaram uma chance de perigo, com André. Aos 27, em cobrança de falta pelo lado direito, Bernardo lançou a bola na cabeça do centroavante, que tocou no canto esquerdo de Edson Bastos. A cabeçada passou ao lado do gol.

Enquanto no time da casa o meia Nikão deu lugar ao lateral Uendel, aos 29, e Rildo substituiu Luan, aos 41, Muricy arriscou sacar um volante, Adriano, para a entrada do meia-atacante argentino Patito Rodríguez, em sua última troca, aos 37.

Porém, mesmo com as tentativas do seu treinador, a equipe santista não teve forças para chegar ao empate nos minutos finais.

Após derrota, Neymar dispara: “Entramos como se fosse treino”

O camisa 11 se irritou com o desempenho santista e apontou a determinação da Ponte Preta dentro de campo como decisiva para a vitória alcançada pela equipe campineira

O atacante Neymar criticou duramente a atuação do Santos na derrota por 1 a 0 diante da Ponte Preta , neste domingo, no estádio Moisés Lucarelli. O camisa 11 se irritou com o desempenho santista e apontou a determinação da Ponte Preta dentro de campo como decisiva para a vitória alcançada pela equipe campineira.

“O nosso time entrou como se fosse um treino”, disse. “Não podemos dar esse mole. Eles venceram porque entraram com espírito de decisão. Mesmo fora de casa, temos que fazer melhor, entrar para ganhar”, completou.

Neymar não se eximiu de responsabilidade e acredita que os jogadores do Santos atuaram mal contra a Ponte, sem exceções. “Ninguém esteve bem. Todos nós fomos mal. Hoje (domingo) ninguém foi mais ou menos. Para mim, todo mundo foi de ruim para pior”, analisou.

Com o Santos tendo chances praticamente nulas de alcançar o G4 nestas últimas seis rodadas do Brasileirão, o atacante, que entrou em campo mediante um efeito suspensivo conseguido pelo departamento jurídico do clube praiano, pede dedicação nos últimos jogos do Santos no campeonato.

Para Neymar, mesmo sem maiores aspirações na competição nacional, o Santos precisa terminar com dignidade a sua participação no torneio. “Somos trabalhadores honestos. Só isso”, encerrou.

Muricy admite má atuação e vê Ponte Preta com mais “fome”

Além dos jogadores, o próprio técnico santista reconheceu a atuação apática de sua equipe diante do time de Campinas

O Santos não esteve em uma das suas noites mais felizes na derrota por 1 a 0 diante da Ponte Preta , neste domingo, no Moisés Lucarelli. Além dos jogadores, o próprio técnico santista, Muricy Ramalho, reconheceu a atuação apática de sua equipe diante da Ponte Preta.

“A Ponte mereceu porque quis jogar e a gente não jogou. Não podemos reclamar de nada. Se começa a dar desculpa, acaba tirando o mérito do adversário”, afirmou Muricy, antes de reconhecer a maior disposição do time adversário em campo durante todo o confronto.

“Eles tiveram muito mais fome do que nós. Não tem explicação o futebol que mostramos hoje (domingo). Estamos bem descansados, bem alimentados. Não tem como achar justificativas. Você precisa entrar a 100 km/h, caso contrario o adversário vai ganhar. Tem dia que não tem jeito e, realmente, produzimos muito pouco”, comentou.

O treinador do clube praiano ainda lamentou que as substituições promovidas por ele, na volta do primeiro para o segundo tempo, não tenham surtido o efeito desejado. Queríamos ter maior poder de armação de jogadas, pois só temos meias de ligação direta. Colocamos o Bernardo (no lugar do volante Henrique) para isso, com o intuito de que não passássemos direto da defesa para o ataque. Esse é o nosso grande problema. Não temos controle de bola e sofremos com isso”, finalizou Muricy.

Para Muricy, falta de objetivos não é desculpa para atuação do Santos

Treinador diz que jogadores devem manter motivação sempre, mesmo que não seja mais possível conquistar vaga na Libertadores

O técnico Muricy Ramalho ficou bastante desapontado com o rendimento do Santos na derrota por 1 a 0 para a Ponte Preta . Indagado sobre as razões para a fraca atuação, ele rechaçou que a falta de objetivos no Brasileirão tenha sido uma das razões.

“Quem está vestindo a camisa do Santos não pode ter essa”, disse Muricy, referindo-se a falta de motivação. “Só por causa disso tem que ter a maior motivação do mundo. Agora, isso existe dentro de cada um. Motivado você tem que estar sempre”, completou.

O comandante santista, que em outras oportunidades se mostrou contrário a este tipo de método, sabe que as chances de conquistar uma vaga na próxima Libertadores são apenas matemáticas, mas negou qualquer tipo de trabalho neste sentido, nas últimas rodadas do campeonato.

Muricy Ramalho apenas quer ver os seus comandados jogando com empenho e seriedade neste final de campeonato. “Não existe essa coisa de psicológico. Jogar todo dia é obrigação. Não podemos dar desculpas, pois seria tirar os méritos do adversário e isso não pode acontecer. Agora, nós temos que melhorar nas últimas rodadas. O time todo foi muito mal e é nossa função mostrar um futebol melhor neste término de competição”, concluiu.

Com a derrota para a Ponte Preta, o Santos está na 11° colocação do Brasileirão, com 42 pontos ganhos. A distância para o São Paulo, último integrante do G-4, é de 13 pontos.