Corinthians 0 x 3 Santos

Data: 30/08/2000, quarta-feira, 20h30.
Competição: Copa João Havelange (Campeonato Brasileiro) – Módulo Azul – 1ª fase – 9ª rodada
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo, SP.
Público: 4.591 pagantes
Renda: R$ 40.780,00
Árbitro: Alfredo dos Santos Loebeling (SP).
Cartões amarelos: Kléber, João Carlos e Rodrigo Pontes (C).
Gols: Edmundo (06-1), Dodô (25-1) e Edmundo (38-1).

CORINTHIANS
Maurício; Índio, Fábio Luciano, João Carlos e Kléber; Pereira (Romeu), Rodrigo Pontes, Andrézinho (Luiz Mário) e Ricardinho; Fernando e Gil.
Técnico: Oswaldo Alvarez

SANTOS
Carlos Germano; Michel, Sangaletti, Claudiomiro e Léo; Rincón, Renato, Robert (Caio) e Valdo; Edmundo e Dodô.
Técnico: Giba



Santos atropela e deixa Corinthians em coma

À véspera do 90º aniversário, time estuda ‘degola’ para acalmar torcida

Torcedores que há sete meses vibravam com o título do Mundial da Fifa, em uma escalada de conquistas que começou com o Paulista, passando pelo bicampeonato brasileiro, queimavam bandeiras ontem à noite nas arquibancadas no Morumbi, em protesto por mais um fracasso do Corinthians, contra o Santos.

O time da capital perdeu por 3 a 0 pela Copa João Havelange. Todos os gols foram marcados no primeiro tempo da partida.

O resultado evitou a “degola” do técnico santista, Giba, que estava com o cargo ameaçado após uma série de três resultados negativos, mas deve ter suas consequências ainda hoje no Parque São Jorge, na véspera do aniversário de 90 anos do Corinthians. A demissão do diretor de futebol, Carlos Nujud, que voltou a ser alvo dos protestos da torcida, e/ou a do técnico Oswaldo Alvarez estão entre as possibilidades.

Após o jogo, o treinador dissimulou sobre uma possível saída. Como forma de tentar se segurar no cargo, Nujud ainda pode anunciar um reforço. O volante Djair, do Botafogo-RJ, é um dos nomes prováveis. Uma entrevista hoje chegou a ser cogitada pelo parceiro HMTF, mas não foi confirmada. Além do desmanche pós-Mundial, o Corinthians vem enfrentando uma onda de contusões.

No jogo de ontem, o Santos soube explorar essa fragilidade e conseguiu ser superior desde o início. A estréia do volante Pereira não foi suficiente para que o Corinthians, que havia sido derrotado pelo Grêmio no último domingo, conseguisse uma reação.

O primeiro gol santista, de Edmundo, saiu logo aos 6min, após duas falhas seguidas da marcação corintiana. Na primeira, do volante Rodrigo Pontes, Robert tomou a bola que originou a jogada. A segunda foi do zagueiro João Carlos, que chegou atrasado.

As poucas chances do Corinthians eram em bolas paradas, enquanto o rival perdia várias.

Dodô ampliou o placar aos 25min, completando um cruzamento de Robert, que invadiu o campo de ataque pela esquerda trocando passes com Léo.

Em nova falha da zaga do Corinthians, Edmundo fez 3 a 0, aos 38min da etapa inicial. A bola foi cruzada por Léo, e João Carlos “”furou” ao tentar interceptar.

No segundo tempo, o jogo continuou fácil para o Santos, que procurava administrar o resultado construído no primeiro. Nos lances de perigo, explorando os contra-ataques, Dodô e Edmundo abusavam das jogadas individuais, evitando os passes na hora de finalizar que poderiam ter propiciado uma goleada.

Giba diz ter definido time ideal

Mais tranquilo por ter afastado por hora a possibilidade de ser demitido, após a vitória de ontem sobre o Corinthians, o técnico do Santos, Giba, disse que encontrou a formação ideal para o time, com Rincón, Renato, Robert e Valdo compondo pela primeira vez o meio-campo, além de Claudiomiro transferido para a zaga.

“Conseguimos uma boa saída de passes, com a defesa bem protegida ao mesmo tempo. O time mostrou uma forte marcação, chegando ao ataque com propriedade. Pretendo manter todos nessas funções. A idéia é mexer o mínimo possível daqui para a frente para que o time possa ganhar entrosamento”, afirmou.

Dessa forma, o treinador santista acredita que sua equipe conseguirá obter a estabilidade na Copa João Havelange.

“Não adianta pressionarem por causa de dois resultados ruins fora de casa e uma derrota em um clássico (contra o Palmeiras) em casa. A vitória é importante sempre, mas não há motivo para pressão no primeiro tropeço”, disse.

Para o atacante Edmundo, artilheiro do Santos na Copa JH, com seis gols, foi importante o desempenho de Robert. “Facilita para a gente. Se eu não tiver ajuda do meio-campo, vou ficar morto lá no ataque”, afirmou.



Fonte: Jornal Folha de SP – http://acervo.folha.com.br/fsp/2000/08/31/20//707332