Paraná 1 x 0 Santos

Data: 29/09/2001, sábado, 15h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 15ª rodada
Local: Estádio Durival de Britto, em Curitiba, PR.
Público: 6.498
Renda: R$ 78.448,00
Árbitro: Vágner Tardelli Azevedo (RJ).
Cartões amarelos: Ageu, Lúcio Flávio, Maurílio e Márcio (P); Galván, Cléber, Paulo Almeida, Robert e Marcelinho Carioca (S).
Gol: Maurílio (32-2).

PARANÁ
Marcos; Flávio Santos, André, Ageu e Cris; Hélcio, Fernando, Zada (Aílton) e Lúcio Flávio (Fredson); Maurílio (Rinaldo) e Márcio.
Técnico: Paulo Bonamigo

SANTOS
Fábio Costa; Preto, Galván (Elano) e Cléber; Russo, Paulo Almeida, Marcelo Silva, Robert e Léo; Marcelinho Carioca e Viola.
Técnico: Cabralzinho



Cabralzinho perde seu 1º jogo, e Santos cai para 10º

Em casa, Paraná vence o time da Vila Belmiro por 1 a 0 e fica entre os 8

O Paraná acabou ontem com o aproveitamento de 100% do técnico Cabralzinho no Brasileiro-2001. Após três vitórias consecutivas, o Santos perdeu por 1 a 0 para o time paranaense, no estádio Durival de Brito, em Curitiba. Com o resultado, a equipe da Vila Belmiro permaneceu com 22 pontos na tabela e deixou a zona de classificação do Nacional, caindo do sétimo para o décimo posto.

Para piorar, o Santos é a equipe que mais jogou até agora no campeonato: 15 vezes. Já o Paraná, único que ainda não empatou no torneio, obteve ontem sua oitava vitória, chegou aos 24 pontos e se manteve entre os oito que irão à próxima fase.

Na partida de ontem, marcada pelos erros de passes e pelas tentativas de chutes a gol de longa distância, o ataque santista não conseguiu superar a defesa armada pelo técnico Paulo Bonamigo. Marcelinho, Viola e Robert chegaram poucas vezes com perigo ao gol do time paranaense. O volante Élcio, do Paraná, fez marcação individual no meia Robert, responsável, ao lado de Marcelinho, pela armação das jogadas.

O primeiro lance de perigo da partida ocorreu aos 23min. Após cruzamento de Maurílio, Cris cabeceou no canto direito de Fábio Costa, que, ao fazer a defesa, se chocou com a trave e precisou ser atendido pelos médicos do clube.

Aos 27min, o Santos respondeu. Em tabela rápida com Marcelinho, Robert chutou forte, de fora da área, à direita do gol do time paranaense.

Porém a melhor jogada santista na primeira etapa aconteceu aos 37min. Marcelinho cruzou para Viola, que cabeceou forte e obrigou o goleiro Marcos a fazer uma difícil defesa.

Marcelinho, irritado com a forte marcação que vinha recebendo, agrediu com um empurrão o lateral-direito Flávio Santos, aos 40min, e recebeu cartão amarelo.

Na segunda etapa, o Santos permaneceu acuado no seu campo de defesa, aceitando a pressão do Paraná. O ataque santista não concluiu nenhuma jogada que levasse perigo ao gol de Marcos.

A pressão do Paraná surtiu efeito aos 32min, quando ruiu o principal trunfo do técnico Cabralzinho para o jogo de ontem. A defesa do time (a menos vazada do campeonato, com 13 gols sofridos) não conseguiu interceptar a bola num escanteio cobrado por Maurílio pelo setor esquerdo. A bola chegou à área, passou pelos atletas santistas e entrou no gol de Fábio Costa. Os jogadores ainda reclamaram de uma falta do atacante Márcio no goleiro. “O juiz viu que fui empurrado, mas preferiu confirmar o gol olímpico do Maurílio”, declarou o goleiro Fábio Costa após o jogo.

Os jogadores santistas creditaram o mau futebol às péssimas condições do gramado do estádio paranaense. “É impraticável. Tem muita lama”, disse Marcelinho.

Já para Cabralzinho, o time não soube organizar as jogadas no meio-campo. “Foram muitos erros de passe. O time não soube valorizar a posse de bola. Do banco de reservas, percebi que os jogadores foram precipitados em muitas oportunidades”, afirmou.

O zagueiro Galván, que ontem recebeu seu terceiro cartão amarelo, desfalcará o Santos na partida diante do São Paulo, quarta-feira, na Vila Belmiro.



Fonte: Jornal Folha de SP – http://acervo.folha.com.br/fsp/2001/09/29/20//121204