Vídeos: (1) Gol e (2) melhores momentos.

Ituano 0 x 1 Santos

Data: 30/01/2013, quarta-feira, 22h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 4ª rodada
Local: Estádio Novelli Júnior, em Itu, SP.
Público e renda: N/D
Árbitro: Leonardo Ferreira Lima
Auxiliares: Fabrício Porfírio de Moura e Claudenir Donizeti Gonçalves da Silva.
Cartões amarelos: Durval (S).
Cartões vermelhos: Leandro Silva (I).
Gol: Cícero (03-2).

ITUANO
Anderson; Leandro Silva, Cléber, Vitor Hugo e Patrick; Marcinho Guerreiro, Luciano (Kleiton Domingues), Cambará e Fernando Gabriel; Marcão (Adaílton) e Michel (Tiago Bezerra).
Técnico:Roberto Fonseca.

SANTOS
Rafael; Bruno Peres, Jubal, Durval e Guilherme Santos; Adriano, Cícero e Montillo (Pinga); Miralles, André (Felipe Anderson) e Neymar.
Técnico: Muricy Ramalho



Com gol de Cícero, Santos bate Ituano e segue líder do Paulistão

Com a terceira vitória em quatro jogos, time da Vila Belmiro chega a dez pontos e segue em primeiro lugar na tabela de classificação

Sem uma atuação brilhante, o Santos conseguiu derrotar o Ituano, por 1 a 0, na noite desta quarta-feira, no Estádio Novelli Júnior. O meia Cícero marcou o gol da vitória, no começo do segundo tempo.

O triunfo fora de casa manteve o Santos na liderança do Campeonato Paulista, após quatro jogos. O time chega aos 10 pontos ganhos na tabela. Já o Ituano segue sem vencer, com dois pontos, na 15ª posição.

O Santos enfrenta o São Paulo, em clássico marcado para o próximo domingo, às 17 horas (horário de Brasília), na Vila Belmiro. Já o Ituano visita o Mirassol, no dia anterior.

O jogo

Logo no primeiro minuto da partida, Cambará sobe mais alto que a zaga santista, após cobrança do escanteio, e a sua cabeçada passa por cima do gol, assustando o goleiro Rafael.

O Peixe respondeu, em cobrança de falta com Neymar, aos 18. A Joia bateu a infração por cima da barreira, exigindo boa defesa de Anderson, que espalmou a bola, afastando o perigo.

Sem conseguir furar o bloqueio montado pelo Ituano, o time alvinegro precisou das orientações do técnico Muricy Ramalho no intervalo para voltar melhor e abrir o placar.

Com o meia Felipe Anderson no lugar do centroavante André, que mais uma vez não deixou a sua marca e foi substituído, o Santos melhorou e chegou ao gol, aos três minutos, com um forte chute de Cícero, de fora da área. Anderson não conseguiu fazer a defesa e a bola balançou as redes.

Melhor na etapa complementar, a equipe praiana quase marcou o segundo, logo em seguida. Aos sete, após confusão na área, a bola sobrou para Miralles, que tirou o goleiro e bateu desequilibrado, na direção do gol. Antes de a bola entrar, a zaga do Galo de Itu salvou aquele que seria mais um gol do Peixe.

No minuto seguinte, Bruno Peres se lançou ao ataque e arriscou um chute de longa distância, com a bola passando perto da trave de Anderson.

Com a vantagem no placar, os santistas passaram a jogar com maior segurança, neutralizando o adversário e apostando nos contra-ataques. Em um deles, aos 37, Neymar recebeu dentro da área e, cercado por um zagueiro, encontrou espaço para dar um leve toque por baixo da bola, encobrindo o goleiro Anderson e acertando o travessão.

Antes do apito final, o lateral-direito Leandro Silva, que já tinha cartão amarelo, fez falta dura em Neymar e foi expulso pelo árbitro, deixando o seu time com um a menos nos últimos minutos do confronto.

Os santistas souberam administrar a vantagem nos minutos finais e alcançaram a terceira vitória no Paulistão.

Muricy valoriza vitória: “É importante mesmo não jogando bem”

Técnico do Santos valorizou a vitória magra diante do Ituano que garantiu o time na liderança do Paulista

Com um gol do meia Cícero, no início do segundo tempo, o Santos derrotou o Ituano por 1 a 0, na noite desta quarta-feira, no Estádio Novelli Júnior. O técnico Muricy Ramalho não ficou totalmente satisfeito com a exibição de sua equipe, ressaltando que alguns aspectos ainda precisam ser melhorados. Apesar disso, o treinador valorizou o resultado obtido fora de casa, que garantiu ao Peixe a permanência na liderança do Campeonato Paulista.

“O placar foi justo. O time enfrentou dificuldades, pois ainda não se encontra bem fisicamente. Por isso, é importante marcar pontos, mesmo quando não jogamos bem”, disse Muricy, nos vestiários do clube praiano.

Na partida contra o Galo de Itu, o comandante santista não pôde contar com o zagueiro Neto, além dos volantes Renê Júnior e Arouca, todos vetados pelo departamento médico. Na zaga, o jovem Jubal estreou. No meio, Adriano substituiu Renê Júnior e o argentino Miralles entrou na vaga de Arouca, modificando o esquema tático alvinegro para o 4-3-3.

Mesmo assim, Muricy Ramalho viu a sua equipe sofrer com a marcação adversária na primeira etapa e o Santos só melhorou após o intervalo, com a saída do centroavante André para a entrada do meia Felipe Anderson, que melhorou a qualidade da posse de bola do time da Vila Belmiro.

“O número de atacantes não significa ofensividade. Não agredimos no primeiro tempo. No segundo, fomos melhores e tivemos mais chances. Ficamos mais com a bola no pé e tivemos o controle do jogo”, concluiu.

Neymar questiona suposta ofensa de técnico: “Me chamou de macaco?”

Atacante do Santos reclama de suposto ato de racismo de treinador do Ituano, que nega ter feito qualquer tipo de ofensa

O Santos venceu o Ituano por 1 a 0 nesta quarta-feira, no Estádio Novelli Júnior. O atacante Neymar não marcou gol, mas nem por isso deixou de ser o centro das atenções. Isto porque, durante o primeiro tempo, teria sido vítima de um ato de racismo do técnico adversário, Roberto Fonseca. Os dois bateram boca e, só após a intervenção da arbitragem, os ânimos esfriaram.

“Me chamou de macaco?”, indagou Neymar ao se dirigir para o treinador adversário. “Você viu isso aqui? Isso é o que?”, completou o camisa 11, em pergunta direcionada ao quarto árbitro.

Na saída para o intervalo, Neymar evitou acusar Fonseca e saiu rapidamente para os vestiários. “Não sei, não sei. Eu não entendi (o que ele falou). Tanto que voltei para perguntar. Ele falou que eu era surdo”, disse.

O comandante do Ituano, por sua vez, negou qualquer tipo de ofensa racista ao atacante. “Acho que ele deve estar surdo. Eu disse que ele era cai-cai, estava se jogando toda hora, os nossos atletas indo na bola, e o árbitro estava apitando. A não ser que ele esteja até fazendo adivinhação agora”, comentou.

Como o quarto árbitro não ouviu a suposta agressão verbal de Roberto Fonseca, tampouco o juiz principal do jogo, a acusação não deve ser registrada na súmula do duelo pelo delegado da Federação Paulista de Futebol.