Santos 2 x 2 Juventude

Data: 26/08/2001, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 7ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 7.926 pagantes
Renda: R$ 67.960,00
Árbitro: Giuliano Bozzano (SC).
Cartões amarelos: Fábio Costa e Vagner (S); Sidnei, Fernandão, Sidiney Souza e Edinho (J).
Cartão vermelho: Preto (S).
Gols: Vagner (01-1), Fernando (13-1) e Valdir (28-1); Leonardo Manzi (43-2).

SANTOS
Fábio Costa; Preto, Galván e Cléber; Valdir, Vagner (Elano), Válber, Renato e Léo; Robert e Viola.
Técnico: Geninho

JUVENTUDE
Diego; Edinho (Luciano Fonseca), Fernandão, Márcio Pereira e João Marcelo; Sidiney Souza (Ranielli), Sidnei (Luiz Fernando), Fernando e Michel; Dauri e Leonardo Manzi.
Técnico: Zé Teodoro



Santos empata, e torcida xinga Geninho

Equipe da Vila Belmiro fica duas vezes em vantagem diante do Juventude, mas cede igualdade a 2 minutos do fim

O Santos conseguiu o que o técnico Geninho pretendia (marcar um gol logo no início da partida), sofreu o empate, reagiu, mas, com um jogador a menos devido a uma expulsão, não conseguiu conter a pressão do adversário. No final, cedeu o 2 a 2 ao Juventude, na Vila Belmiro.

Após dois empates consecutivos em casa (no domingo anterior, o jogo contra o Botafogo-RJ terminou 0 a 0), a torcida santista canalizou sua revolta para Geninho, que desde a metade do segundo tempo já ouvia o coro “burro”.

Nos dez minutos iniciais, o Santos deu a impressão de que iria golear. O time marcou logo a 1min. Robert cobrou falta da esquerda, e Vagner, jogador mais alto do time (1,88m), concluiu de cabeça para a rede.

Aos 8min, sozinho diante do goleiro, Viola desperdiçou a chance de quebrar seu jejum de gols no Brasileiro.

O empate do Juventude, aos 13min, esfriou o Santos. O árbitro anotou pênalti de Cléber em Michel, marcação contestada pelos santistas. Fernando colocou no canto direito de Fábio Costa.

Um novo lance de bola parada deu origem ao segundo gol do Santos. Em outra cobrança de Robert, Galván ajeitou de cabeça para Valdir completar para o gol.

Apesar da expulsão de Preto, aos 37min, a equipe da Vila manteve os nervos sob controle.

Na segunda etapa, o Juventude passou a dominar a partida. Aos 24min, Viola foi derrubado, e os santistas pediram pênalti. O juiz marcou falta fora da área.

O técnico Zé Teodoro deu duas cartadas para tentar o empate. Colocou o atacante Leonardo Fonseca e os meias Luiz Fernando e Ranielli nos lugares do lateral Edinho e dos volantes Sidnei e Sidiney Souza, respectivamente. De imediato, as iniciativas de Zé Teodoro não produziram resultado e ainda abriram espaços para o ataque do time da casa.

Mas quase no fim do jogo, aos 43min, a equipe gaúcha conseguiu o que queria. Luciano Fonseca dominou e cruzou da direita, Leonardo Manzi ganhou a disputa de cabeça com a defesa e marcou o gol de empate.

Pacato, técnico tem discussão com torcedores

De comportamento normalmente pacato, Geninho não conteve os nervos devido à pressão da torcida do Santos por causa do terceiro empate em quatro jogos na Vila Belmiro pelo Brasileiro.

“A torcida está muito exigente e tem se manifestado de maneira não condizente com a realidade. Em vez de se manifestar contra o juiz, que errava, se preocupava em pressionar o time e em xingar o técnico. Está cheio de gente torcendo contra.” Ainda no primeiro tempo, o treinador bateu boca com torcedores que o xingavam.

Na segunda etapa, devido aos seguidos erros do time no setor ofensivo, o coro “burro, burro, burro” passou a ecoar pela Vila.