Vídeos: (1) Gols e (2) melhores momentos.

Santos 2 x 1 XV de Piracicaba

Data: 24/02/2013, domingo, 18h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 9ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 5.103 pagantes
Renda: R$ 139.593,00
Árbitro: Aurélio Santanna Martins
Auxiliares: Marco Antonio Gonzaga da Silva e David Botelho Barbosa
Cartões amarelos: Renê Júnior e Arouca (S); Vinícius Bovi e Luiz Eduardo (XV).
Gols: Cesinha (06-2), André (25-2, de pênalti) e André (28-2).

SANTOS
Rafael; Bruno Peres, Edu Dracena, Durval e Léo; Renê Júnior, Arouca, Cícero (Patito Rodríguez) e Montillo (Marcos Assunção); Giva (Felipe Anderson) e André.
Técnico: Muricy Ramalho

XV DE PIRACICABA
Bruno Fuso; Vinicius Bovi, Cesinha, Luiz Eduardo e Gustavo Goiano (Adriano); Adilson Goiano (Léo Mineiro), Jairo, Diego Silva (Bruno Gaúcho) e Diguinho; Márcio Diogo e Paulinho.
Técnico: Sérgio Guedes



Santos sai atrás no placar, mas vence o XV de Piracicaba com dois gols de André

Após três rodadas de jejum, time da Vila Belmiro volta a vencer no Campeonato Paulista e alcança os 17 pontos

Desfalcado da sua principal estrela, o atacante Neymar, o Santos sofreu, mas conseguiu fazer as pazes com a vitória no Campeonato Paulista após três rodadas. Jogando dentro de casa, o time da Vila Belmiro contou com dois gols de André para vencer o XV de Piracicaba de virada por 2 a 1.

O resultado levou os santistas para a quarta posição, com 17 pontos, perdendo nos critérios de desempate para o Mogi Mirim, que tem a mesma pontuação e é o terceiro colocado. O XV, por sua vez, caiu para o 14° lugar, com apenas nove pontos ganhos.

O Santos volta a campo diante do Corinthians, no próximo domingo, às 16 horas (horário de Brasília), no Morumbi. Já o time piracicabano recebe o Mirassol, na sexta-feira, a partir das 19h30, no Barão de Serra Negra.

O jogo

Mesmo sem Neymar, o Santos começou o jogo pressionando, em busca do seu primeiro gol. O Peixe quase abriu o placar aos dois minutos, quando aproveitando uma cobrança de escanteio, Giva cortou o seu marcador e bateu na direção do gol, para defesa parcial do goleiro Bruno Fuso. No rebote, o centroavante André se esticou para completar em direção ao gol, mas a bola passou rente a trave direita do arqueiro do XV de Piracicaba.

Após a chance criada logo nos primeiros minutos da partida, o Nhô Quim conseguiu conter o ímpeto santista e, aos poucos, passou a se aventurar no ataque, levando perigo ao goleiro alvinegro Rafael.

A melhor oportunidade dos piracicabanos aconteceu aos 25, quando Márcio Diogo recebeu na área, levou para o fundo, driblando Bruno Peres e chutou na trave. A bola sobrou, mas ninguém apareceu para completar e a zaga do Santos cortou o lance, cedendo escanteio.

Bem distribuído em campo, o XV quase marcou aos 39, quando o lateral-esquerdo Gustavo Goiano arriscou de longa distância e exigiu uma boa defesa de Rafael. Com tranquilidade, o camisa 1 do Peixe evitou o gol e não deu rebote, apesar da perigosa finalização do ala rival.

No minuto seguinte, os santistas responderam com Giva cruzando para André completar de cabeça. Só que o camisa 9 tocou fraco e sem direção, com a bola passando a esquerda do gol do Nhô Quim, saindo pela linha de fundo.

Na volta para a etapa complementar, o Alvinegro Praiano teve uma boa chance, logo aos três minutos, quando Bruno Peres aproveitou um corte errado da defesa do XV de Piracicaba para bater, de perna esquerda, por cima do gol adversário.

Mas foi o Nhô Quim que chegou ao gol, pouco depois. Aos seis, Cesinha aproveitou cruzamento pela direita e tocou de cabeça para o gol. A bola ainda bateu na trave, nas costas de Rafael e foi parar nas redes: 1 a 0 para o XV.

O Santos esteve perto de alcançar o empate, aos 13. Mais uma vez, o novato Giva, que fazia a sua estreia entre os profissionais, tirou a marcação do lance e cruzou para André, que não cabeceou bem e desperdiçou mais uma grande oportunidade para fazer o gol.

Em desvantagem, o técnico Muricy Ramalho resolveu abrir mão do esquema tático 4-4-2, colocando a sua equipe no 4-3-3, com a entrada do argentino Patito Rodriguez no lugar do meia Cícero.

O empate chegou, após Luiz Eduardo colocar a mão na bola dentro da área, para interceptar um cruzamento. O árbitro marcou pênalti e na cobrança, aos 25, André deixou tudo igual no marcador na Vila.

Embalado pelo gol de empate, o Peixe chegou a virada na sequência. Aos 28, Giva desviou cobrança de escanteio na altura da primeira trave e André, dentro da pequena área, saltou para cabecear e selar a virada santista: 2 a 1.

Com Adriano no lugar de Gustavo Goiano, Bruno Gaúcho na vaga de Diego Silva e Léo Mineiro substituindo Adilson Goiano, o técnico Sérgio Guedes colocou o Nhô Quim mais a frente, em busca do empate. No Alvinegro Praiano, Muricy sacou Giva para a entrada de Felipe Anderson.

Melhor após a virada, o Santos quase ampliou a vantagem, quando Patito Rodriguez soltou uma bomba, aos 35, defendida no reflexo por Bruno Fuso.

Perto dos últimos minutos do duelo, Muricy Ramalho sacou o meia Montillo para a entrada do experiente volante Marcos Assunção, visando dar mais poder de marcação ao time e valorizando a posse de bola até o apito final do árbitro, garantindo a vitória santista.

Bastidores – Santos TV:

André valoriza gols, mas se desculpa com Giva por “roubar” um

Atacante tem atuação decisiva e balança as redes duas vezes na vitória de virada do Santos sobre o XV de Piracicaba

André tem aproveitado o retorno aos titulares do Santos . Na v itória por 2 a 1 diante do XV de Piracicaba neste domingo, o atacante marcou os dois gols da equipe, que encerrou um jejum de três jogos sem vitórias no Campeonato Paulista.

“Se eu tivesse feito gols nos primeiros jogos do ano, ninguém estaria falando. Procurei melhorar a parte física. A confiança voltou e fico feliz em ajudar”, disse André, que inclusive revelou ter “tirado” o segundo gol santista do jovem Giva, que fez a sua estreia entre os profissionais alvinegros ante o XV.

“Infelizmente, eu ‘roubei’ o gol do Giva. Mas quero dar os parabéns para ele, que jogou muito bem e fez uma grande estreia”, comentou o atacante, que antes havia marcado em cobrança de pênalti.

Sobre a vitória, André destacou a importância do resultado, que amenizou a cobrança da torcida, que chegou a ficar impaciente depois de o Nhô Quim ter aberto o placar, com o zagueiro Cesinha. O triunfo levou o Santos para a quarta colocação do Estadual, com 17 pontos.

“Todo mundo estava sendo vaiado até o gol, mas depois saímos aplaudidos. Foi importantíssimo voltar a ganhar. O Santos está de parabéns pela raça demonstrada dentro de campo”, encerrou.

Muricy elogia XV e considera que Santos não jogou bem

Técnico santista comentou sobre as dificuldades para vencer a equipe do interior e disse que o Santos precisa evoluir bastante na competição

Depois de ver a sua equipe sofrer para derrotar o XV de Piracicaba, por 2 a 1, na noite deste domingo, na Vila Belmiro, o técnico Muricy Ramalho elogiou a postura do adversário do Santos. Para o treinador santista, o futebol apresentado pelo Nhô Quim dificultou as ações do Peixe em campo e, além disso, não explica a razão pela qual os piracicabanos se encontram apenas na 14° posição no Campeonato Paulista, com somente nove pontos.

“É um time bem armado e não entendemos, às vezes, como times assim estão com poucos pontos. Por isso, você precisa analisar o rendimento que as equipes vem tendo, ao invés da colocação na tabela. Eles têm um time muito organizado, que nos dificultou muito. Tivemos que colocar o Patito (Rodriguez, no lugar de Cícero) para dar mais profundidade, abrindo pelos lados. Com um velocista, a gente teve mais chances de gols”, analisou Muricy.

Aliado à boa exibição do XV, o comandante alvinegro admitiu que o Santos poderia ter se apresentado melhor, dentro de casa. “A gente tem que jogar melhor. É normal para um começo de temporada, porém, nós temos que evoluir”, ponderou, para depois acrescentar: “Mas vale lembrar que não tem ninguém jogando muito bem na competição”.

Muricy Ramalho, entretanto, acredita que os santistas conseguiram render mais na segunda etapa, mesmo com o susto do gol do zagueiro Cesinha, aos seis minutos. André, com um gol de pênalti, e outro de cabeça, após cobrança de escanteio, decretou a virada do Peixe na Vila.

“Foi uma partida complicada. O que valeu mesmo foi a vitória. No primeiro tempo, foi um jogo chato, sem chances de gol. Na segunda etapa, nos abrimos um pouco mais e eles também arriscaram um pouco. Tivemos algumas oportunidades e aproveitamos duas. Acho que fomos melhores no segundo tempo. Criamos bastante”, finalizou.

Após críticas a Neymar, Pelé se vê como “paizão” e questiona time do Santos

Ex-jogador deu entrevista criticando o foco da carreira do camisa 11 durante a semana, mas tratou de colocar panos quentes na situação e ressaltou seu carinho por Neymar

Durante a semana, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo , Pelé teceu inúmeras críticas ao atacante Neymar. Neste domingo, o Rei esteve na Vila Belmiro para acompanhar a vitória do Santos sobre o XV de Piracicaba, por 2 a 1, e falou sobre a polêmica com o camisa 11 santista. Pelé ressaltou o carinho que tem pelo camisa 11 do Peixe, apontando as observações feitas sobre o comportamento de Neymar como críticas construtivas para o seu crescimento.

“Sou ‘paizão’ dele aqui, desde o começo. Damos uma força grande para o Neymar. Uma vez eu fiz uma brincadeira, dizendo que tecnicamente ele era melhor do que o Messi e isso mexeu com o pessoal. O Neymar é excelente, mas está perdendo um pouco o foco”, afirmou Pelé à Rádio Globo, reforçando as críticas feitas ao craque santista.

“A minha preocupação é com o jogador e com o Santos, também. Quando eu disse (na entrevista publicada durante a semana), na verdade estou ajudando. Quanto mais você orienta o atleta, melhor ele vai ficar”, destacou.

O Rei, que assistiu ao jogo no seu camarote particular na Vila, ao lado da namorada, ainda disparou contra o time comandado pelo técnico Muricy Ramalho. Pelé cobrou um melhor rendimento da equipe, que na visão do eterno camisa 10 alvinegro, está “refém” do talento de Neymar.

“Todo time que tem um grande jogador, não pode ser dependente de apenas um. Mesmo na época de ouro do Santos, não era só o Pelé. Tinham grandes ‘cobras’ comigo, eu não jogava sozinho. É muito difícil você levar uma equipe a vitória, sem ajuda. Hoje você não pode sentir tanta falta assim de um grande jogador. O que ganha campeonato é equipe, você precisa ter conjunto”, concluiu.