Vídeos: (1) Gols e (2) melhores momentos.

Santos 1 x 1 Grêmio

Data: 01/06/2013, sábado, 16h20.
Competição: Campeonato Brasileiro – 3ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 6.329 pagantes
Renda: R$ 183.845,00
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)
Auxiliares: Fabrício Vilarinho da Silva (GO) e Rodrigo Henrique Correa (RJ).
Cartões amarelos: Léo e Arouca (S); Pará, Werley e Vargas (G).
Gols: Vargas (11-1); Willian José (33-2, de pênalti).

SANTOS
Rafael; Rafael Galhardo (Alan Santos), Edu Dracena, Durval e Léo; Renê Júnior (Gabriel), Arouca, Cícero e Montillo (Felipe Anderson); Neílton e Willian José.
Técnico: Claudinei Oliveira (interino)

GRÊMIO
Dida; Pará, Werley, Bressan e Alex Telles; Adriano (Ramiro), Souza (Guilherme Biteco), Elano e Zé Roberto; Vargas e Barcos (Kleber).
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



No primeiro jogo sem Muricy, Santos reage e empata com Grêmio na Vila
Sob comando de interino, equipe da casa evita derrota com gol de pênalti de Willian José

Após viver uma semana conturbada, que culminou com a demissão do técnico Muricy Ramalho, na última sexta-feira, o Santos buscou forças para reagir no segundo tempo e empatou com o Grêmio, por 1 a 1, na tarde deste sábado, na Vila Belmiro, pelo Campeonato Brasileiro. Os tricolores abriram o placar com Vargas, no primeiro tempo, mas sofreram o gol de Willian José, de pênalti, na etapa complementar.

O resultado manteve o Santos na 14ª posição, agora com dois pontos. Já os gremistas, com um jogo a menos, estão na sexta colocação, com quatro.

O jogo

Sem Muricy e sob o comando do interino Claudinei Oliveira, o Santos tentou começar a partida pressionando o Grêmio. Apesar disso, não conseguiu criar nenhuma chance de gols nos primeiros minutos do jogo.

O time gaúcho levou perigo, aos sete minutos, quando o atacante Vargas recebeu cruzamento do lateral-esquerdo Alex Telles, mas cabeceou a bola por cima do gol defendido por Rafael.

Pouco depois, os visitantes abriraram o placar. Aos 11, Zé Roberto encontrou Vargas por trás da zaga e, com tranquilidade, o chileno bateu na saída do goleiro santista, balançando as redes dos donos da casa, na Vila.

Com a defesa gremista bem postada, os alvinegros tiveram dificuldades para encontrar espaços, visando levar perigo ao gol do veterano Dida. Mas, aos 35, o Santos teve uma ao oportunidade. O jovem Neílton achou Rafael Galhardo entrando na área, em velocidade, só que o lateral-direito finalizou errado, com a bola saindo à esquerda da meta da equipe gaúcha.

No minuto seguinte, outra vez com Neílton iniciando a jogada e fazendo o cruzamento para Willian José, que não desviou a bola como queria, em lance que não levou perigo ao gol dos tricolores.

Em sua última tentativa de chegar ao empate, antes do intervalo, aos 43, o Santos viu Léo fazer bom lance individual pela esquerda, antes de chutar de perna direita, por cima da meta de Dida.

No começo da etapa complementar, na base da pressão, o time santista assustou o Grêmio. Aos nove, Alex Telles travou chute à queima-roupa de Cícero. Um minuto depois, Willian José cabeceou, a bola desviou em Alex Telles, e saiu pela linha de fundo.

Com os donos da casa passando a assustar mais, o técnico da equipe gaúcha, Vanderlei Luxemburgo, resolveu fazer duas alterações. Aos 15, Ramiro substituiu Adriano. Três minutos mais tarde, Luxemburgo sacou o argentino Barcos para a entrada de Kleber.

Aos 25, foi a vez de o estreante treinador alvinegro fazer a sua primeira substituição. O volante Renê Júnior saiu para a entrada do jovem atacante Gabriel, o Gabigol – apelido dado ao garoto nas categorias de base -, em campo. Dois minutos depois, Claudinei trocou Montillo por Felipe Anderson, no meio-campo.

A pressão do Santos surtiu efeito, quando Souza cometeu pênalti, em toque de mão na área. Na cobrança, aos 33, Willian José converteu contra o seu ex-clube, marcando o seu primeiro gol com a camisa alvinegra.

Bastidores – Santos TV:

Arouca enaltece ‘nova postura’ do Santos; interino fala em ‘encaixe diferente’

Em casa, equipe santista buscou o empate após sair atrás do marcador

No primeiro jogo após a demissão do técnico Muricy Ramalho, o Santos empatou com o Grêmio, por 1 a 1 , na tarde deste sábado, na Vila Belmiro. Apesar do pouco tempo de trabalho do interino Claudinei Oliveira, que teve apenas um dia para trabalhar o time, o volante Arouca elogiou a postura da equipe praiana, que saiu atrás no marcador, com um gol de Vargas no primeiro tempo, mas reagiu e alcançou a igualdade, em cobrança de pênalti anotada por Willian José, na etapa complementar.

“Foi apenas um jogo com o Claudinei, mas o time já mostrou outra postura. O Santos apresentou uma crescente na partida”, ponderou Arouca, enaltecendo o rendimento santista em campo.

Indagado sobre os elogios do meio-campista, Claudinei se mostrou lisonjeado, mas optou por dividir os méritos pela reação alvinegra com os jogadores. “Com relação às palavras do Arouca, posso dizer que não deu tanto tempo de trabalhar a parte tática, mas procuramos fazer alguns ajustes. Foi mais o encaixe do time. O trabalho não estava errado, fiz apenas uma correção de rota, dentro do que eu entendo de futebol. Respeito muito o Muricy e o grande trabalho que ele fez aqui, mas tenho uma maneira de pensar, que é diferente dele”, disse.

Sobre o posicionamento tático do Santos, o comandante interino destacou o que quis mudar neste sábado. “Pedi para o Willian José jogar mais aberto, para termos mais posse de bola. A equipe começou a atuar com o Neílton e o Montillo mais abertos, um pela direita, outro pela esquerda, para dar um apoio ao (Rafael) Galhardo e ao Léo. Além disso, conseguimos defender melhor. Antes, o Rafael fazia quatro, cinco ou seis defesas complicadas e era o melhor em campo. Hoje (sábado), foi uma só. Não sofremos tanto risco de levar gols, mesmo contra atletas de qualidade”, comentou.

Edu Dracena pede paciência e ressalta necessidade de reforços no Santos

Com a saída de Neymar, capitão santista pede paciência ao torcedor pelos bons resultados

Capitão do Santos, o zagueiro Edu Dracena analisou o momento vivido na temporada. O defensor admitiu que o time vem sofrendo, após a saída do atacante Neymar para o Barcelona e a recente demissão do técnico Muricy Ramalho, e destacou que os santistas precisam da chegada de novos reforços, para terem mais condições de atingir os seus objetivos, no Campeonato Brasileiro.

“A gente pede paciência ao torcedor, mas sabemos que a dedicação em campo tem sido a melhor possível. Nós precisamos de mais elenco, para suportamos a competição que temos pela frente”, afirmou Dracena após o empate com o Grêmio , na Vila Belmiro.

Sobre as dificuldades encontradas sem Neymar, o zagueiro lembrou que, neste momento de transição, alguns atletas oriundos das categorias de base estão recebendo chances para atuar, como foi o caso do atacante Neílton, titular contra o Grêmio.

“Vida, tem (sem Neymar). Até quando o Pelé parou, o Santos continuou. É difícil ficar sem o Neymar, mas o Santos já provou várias vezes que o raio cai no mesmo lugar. Toda mudança tem o seu tempo de adaptação, mas temos jogadores jovens, de qualidade, e que estão buscando espaço. Apesar disso, sabemos que não podemos ir só de molecada no Brasileirão. É um campeonato longo, difícil, e precisamos de reforços”, concluiu.

Léo e Arouca admitem surpresa com a saída de Muricy do Santos

“Fiquei sabendo às três horas da tarde (15 horas), quando liguei o rádio no carro, indo para o treino (no CT Rei Pelé)”, comentou Léo

A demissão do técnico Muricy Ramalho do comando do Santos , na última sexta-feira, pegou os jogadores da equipe praiana de surpresa. O lateral-esquerdo Léo e o volante Arouca admitiram que não aguardavam a decisão pela troca do treinador, tomada pela diretoria santista. Sem Muricy, Claudinei Oliveira, que estava nos Juniores (sub-20), está dirigindo o time alvinegro, interinamente.

Santos acertou na demissão de Muricy Ramalho? Comente

“Eu não esperava nada. Fui pego de surpresa. Fiquei sabendo às três horas da tarde (15 horas), quando liguei o rádio no carro, indo para o treino (no CT Rei Pelé)”, contou o camisa 3 do Peixe. “Sabemos que o futebol é assim e temos que continuar trabalhando. A vida segue”, completou Léo.

Arouca seguiu praticamente a mesma linha de raciocínio do experiente ala do Santos. Apesar de surpreso com a mudança na comissão técnica, o meio-campista reconheceu que, dentro do futebol, as reformulações são naturais dentro de qualquer clube.

“Todos nós ficamos surpresos, mas as coisas são assim no futebol. Agora é vida que segue. Temos que fazer de tudo para que a nossa equipe possa melhorar”, ponderou Arouca.

Em sua estreia, Claudinei promoveu os retornos de Edu Dracena, recuperado de tendinite patelar no joelho direito, e Léo, que havia sido poupado na derrota para o Botafogo, na última quarta. Em compensação, o interino apostou na escalação do jovem Neílton, na vaga do argentino Patito Rodriguez, que sequer ficou no banco de reservas no empate com o Grêmio, neste sábado, na Vila Belmiro.

“Não tenho nada contra o atleta. Foi uma opção minha. Sei que é duro para o jogador atuar numa partida e, na seguinte, não ir nem para o banco. Pode ser que isso mude no próximo jogo (diante do Criciúma, quarta-feira, fora de casa), pois vou ter mais tempo para trabalhar e conhecer melhor os jogadores”, destacou Claudinei Oliveira.