Santos 1 x 1 CRAC-GO

Data: 10/07/2013, quarta-feira, 24h50.
Competição: Copa do Brasil – 3ª fase – Jogo de ida
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 3.800 pagantes
Renda: R$ 108.690,00
Árbitro: Leandro Júnior Hermes (PR)
Auxiliares: Bruno Boschilia e Ivan Carlos Bohn (ambos do PR).
Cartões amarelos: Alan Santos e Cícero (S); Washington e Pantico (C).
Gols: Leandrinho (39-1); Ben Hur (21-2).

SANTOS
Aranha; Rafael Galhardo (Bruno Peres), Gustavo Henrique, Durval e Léo; Arouca (Alan Santos), Cícero, Leandrinho e Montillo; Neílton e Willian José (Giva).
Técnico: Claudinei Oliveira (interino)

CRAC
Aleks; Rodnei, Bruno Alves, Ben Hur e Rodrigo Crasso; Coquinho, Washington, Heber e Wanderley (Didi); Johnathan (Diogo Medeiros) e Pantico (Willian Amendoim).
Técnico: Marcelo Rocha



Sob o olhar de Neymar, Santos apenas empata com o CRAC na Vila Belmiro

Duelo de volta entre as duas equipes pela terceira fase da Copa do Brasil acontece no dia 24. Um empate sem gols classifica os goianos

Sob os olhares atentos do atacante Neymar, que passa férias no Brasil antes de se apresentar para o período de pré-temporada do Barcelona, o Santos apenas empatou com o CRAC por 1 a 1 na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro. O confronto abriu a disputa entre os dois clubes, nas terceira fase da Copa do Brasil.

O placar foi aberto aos 39 minutos do primeiro tempo com Leandrinho, que acertou belo voleio para colocar o Santos na frente. Mas, aos 21 do segundo tempo, Ben Hur empatou para os visitantes.

O Santos volta a enfrentar o time goiano no próximo dia 24, no Estádio Genervino da Fonseca. Mas vale destacar que um empate classifica o CRAC para a etapa seguinte da competição.

Antes disso, os santistas voltam a atuar pelo Campeonato Brasileiro, diante da Portuguesa, no próximo sábado, a partir das 18h30 (horário de Brasília), na Vila Belmiro.

O jogo

O Santos começou bem a partida, pressionando o CRAC. A primeira chance do Peixe aconteceu logo aos seis minutos, quando Rafael Galhardo cobrou falta na área e, após toques de cabeça, Willian José bateu de voleio, mandando por cima do gol.

Aos 12, Arouca recebeu bom passe em profundidade de Montillo pela direita e cruzou. A bola foi rebatida, mas sobrou para o próprio meia argentino bater forte, só que por cima do gol, desperdiçando a segunda chance dos santistas no jogo.

Após duas oportunidades criadas pelos donos da casa, os goianos responderam com Pantico. Aos 18, o atacante do CRAC arriscou de longe e exigiu boa defesa de Aranha, que espalmou a bola pela linha de fundo.

Os alvinegros responderam aos 30, quando Willian José dominou na entrada da área, cortou para a perna esquerda e chutou forte. A bola passou rente a trave do goleiro Aleks.

No fim do primeiro tempo, o time praiano abriu o placar. Aos 39, Leandrinho acertou um voleio de fora da área para marcar um golaço. No segundo tempo, a a primeira chance de gol foi do Peixe. Aos três, Montillo ganhou de Rodnei e cruzou para Neílton, que não finalizou corretamente, mandando a bola para fora e desperdiçando grande chance para ampliar a vantagem santista.

A resposta do CRAC veio aos 11, quando Heber arriscou de perna esquerda e acertou a trave de Aranha, assustando a torcida da equipe praiana.

Na busca pelo empate, o técnico Marcelo Rocha lançou mão da sua terceira e última alteração, aos 14, sacando Pantico para a entrada de Willian Amendoim, no ataque. Logo em seguida, os alvinegros também substituíram, com Bruno Peres no lugar de Rafael Galhardo, na lateral direita.

Os goianos chegaram ao empate com o zagueiro Ben Hur, aos 21. Washington fez boa jogada pela direita, driblando Arouca e cruzando para a cabeçada do defensor, sem chances de defesa para Aranha.

Bastidores – Santos TV

Claudinei lamenta chances perdidas no empate diante do Crac na Vila

Para treinador, Santos teve domínio da partida nesta quarta, no confronto de ida pela terceira fase da Copa do Brasil. Mas não conseguiu traduzir isso em gols

O técnico do Santos, Claudinei Oliveira, lamentou o empate em 1 a 1 de equipe com o CRAC-GO nesta quarta-feira, na Vila Belmiro. Para o treinador, o time teve amplo domínio das ações, mas não conseguiu traduzir em gols a sua superioridade em relação aos goianos, no confronto de ida da terceira fase da Copa do Brasil.

“A gente teve a proposta de pressionar o CRAC-GO, criamos mais chances de gol, só que não convertemos. Nos momentos de dificuldade, tentamos trabalhar, fazer a bola rodar, para encontrar espaços. Só que, mesmo depois do gol, eles não mudaram a proposta. Eles tiveram uma bola na trave e o gol. Fomos buscar o resultado, mas não conseguimos. Em qualquer outro esporte seria inimaginável a gente não ganhar hoje (quarta). Só que, nem sempre, quem tem mais posse de bola e cria mais chances, vence o jogo, no futebol”, disse Claudinei.

O treinador ainda agradeceu o apoio dos torcedores, do começo até o fim da partida. “Temos que agradecer a postura do torcedor, que nos incentivou o tempo todo, mesmo quando tivemos dificuldades para criar. Claro que todos ficam chateados, mas esse apoio foi muito importante. Agora, vamos procurar trabalhar para evoluir”, comentou.

O Santos volta a enfrentar o CRAC-GO no próximo dia 24, no Estádio Genervino da Fonseca, e precisa vencer para eliminar o time goiano ou, então, empatar por dois ou mais gols. Porém, caso o jogo de volta termine 0 a 0, a equipe de Catalão irá avançar de fase na Copa do Brasil.

Claudinei diz que Santos deveria “fechar as portas” se não pensar em vencer CRAC

Time da Vila Belmiro ficou no empate em 1 a 1 com time de Goiás no jogo de ida da terceira fase da Copa do Brasil

Apesar do empate em 1 a 1 com o CRAC-GO nesta quarta-feira, na Vila Belmiro, o Santos segue confiante na classificação para as oitavas de final da Copa do Brasil. Para o técnico interino, Claudinei Oliveira, o time tem amplas condições de vencer o jogo da volta, marcado para o próximo dia 24.

“Em nenhum momento falei que a gente ganharia fácil do CRAC-GO, mas disse que qualquer vitória era uma vantagem. Agora, se não pensarmos que o Santos tem condições de vencer o CRAC-GO lá, temos que ‘fechar as portas’. Não é nenhum absurdo”, analisou Claudinei.

“A Copa do Brasil é um campeonato atípico, diferente. São apenas dois jogos e você não pode errar. Mas empatar aqui e ganhar lá, é algo normal. Absurdo seria eu dizer que vamos ganhar de 5 a 0 do Barcelona (Espanha), aí todos vocês (jornalistas) diriam que o Claudinei está louco”, completou o comandante santista.

O treinador também não quis projetar alterações na equipe para o duelo com a Portuguesa, marcado para o próximo sábado, às 18h30 (horário de Brasília), na Vila Belmiro, pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro. No empate com os goianos, Claudinei Oliveira manteve a mesma formação que havia derrotado o São Paulo, no último domingo, no Morumbi.

“O jogo de sábado ainda está longe, temos tempo para pensar. Não é o momento de pensar nisso (fazer mudanças), ainda”, finalizou o comandante interino.