Santos 4 x 1 Portuguesa

Data:13/07/2013, sábado, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 7ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 5.860 pagantes
Renda: R$ 169.191, 00
Árbitro: Rodrigo Guarizo do Amaral (SP)
Auxiliares: Vicente Romano Neto e Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo (ambos de SP).
Cartões amarelos: Rafael Galhardo (S); Ferdinando (P).
Gols: Neílton (01-1) e Willian José (11-1); Neílton (30-2), Bruno Moraes (42-2) e Giva (46-2).

SANTOS
Aranha; Rafael Galhardo, Edu Dracena, Durval e Léo; Alan Santos, Cícero, Leandrinho (Alison) e Montillo; Nilton (Giva) e Willian José (Henrique).
Técnico: Claudinei Oliveira (interino)

PORTUGUESA
Lauro; Luis Ricardo, Lima, Valdomiro e Rogério; Ferdinando, Corrêa, Souza e Cañete; Matheus (Bruno Moraes) e Diogo (Bruno Henrique).
Técnico: Edson Pimenta



Santos goleia Portuguesa com dois de Neílton e alcança a 3ª vitória consecutiva

Jovem atacante brilhou e marcou duas vezes, com Willian José e Giva anotando os outros dois gols do alvinegro

Em boa fase no Campeonato Brasileiro, o Santos derrotou a Portuguesa, por 4 a 1, na noite deste sábado, na Vila Belmiro. Com dois gols de Neílton, um de Willian José e um de Giva, o Peixe chegou a sua terceira vitória consecutiva na competição. Bruno Moraes descontou para a Lusa.

O resultado levou os santistas para o quarto lugar do Brasileirão, com 11 pontos, em condição temporária, antes do complemento desta que é a sétima rodada da Série A. Com a derrota, a Portuguesa permanece na 15ª posição, com sete pontos ganhos.

O Alvinegro Praiano volta a campo diante do Coritiba, no dia 21, às 16 horas (horário de Brasília), na Vila Belmiro. Já a Lusa visita o Goiás, no mesmo dia, só que a partir das 18h30, no Serra Dourada.

O jogo

O Santos começou a partida em ritmo forte e, logo no primeiro minuto, se aproveitando de cruzamento de Montillo, que passou por Willian José, Neílton completou para o fundo das redes, marcando o seu segundo gol no Campeonato Brasileiro, abrindo o placar para o Peixe na Vila.Com a vantagem, os santistas passaram a encontrar mais espaços e, aos 11, ampliaram a vantagem no marcador. Willian José concluiu, de cabeça, cruzamento preciso de Leandrinho, estufando as redes de Lauro: 2 a 0 para a equipe praiana.

Os alvinegros quase chegaram ao terceiro gol, aos 18, quando após escanteio cobrado pelo lado direito, Durval assustou Lauro, quase marcando em cabeçada, que passou muito perto do gol. A Lusa respondeu e chegou com perigo, aos 23, quando Corrêa bateu falta, Valdomiro subiu e, de cabeça, quase descontou para os visitantes.

Dois minutos depois, a Portuguesa esteve perto de diminuir, quando Cañete tocou de calcanhar, dentro da área, para Matheus, que bateu prensando e a bola passou muito perto do gol de Aranha. No minuto seguinte, mais uma vez a Lusa assustou, desta vez em um chute de longa distância de Corrêa, que explodiu na trave esquerda do goleiro do Santos.

Em seu melhor momento no jogo, a Portuguesa criou mais uma boa chance, aos 29. Após sair do gol em uma cobrança de escanteio, afastando a bola da área, Aranha voltou a tempo de fazer uma grande defesa, espalmando a cabeçada de Rogério no seu contrapé, salvando o Peixe de sofrer o primeiro gol.

Após essas oportunidades criadas pelos visitantes, os santistas conseguiram equilibrar a partida, amenizando a pressão da Lusa até o intervalo. Na volta para o segundo tempo, o técnico Edson Pimenta trocou Matheus por Bruno Moraes, no ataque da Portuguesa.

A primeira boa chance de gol da etapa complementar surgiu aos quatro, quando Neílton fez uma finta de corpo no seu marcador, após passe preciso de Montillo, porém, o goleiro Lauro saiu bem do gol e evitou que o jovem atacante alvinegro balançasse as redes novamente.

A Lusa esteve mais uma vez perto do gol, quando Cañete pegou o rebote de um escanteio, aos 20, e mandou a bola na trave esquerda de Aranha. Para evitar que os visitantes voltassem a pressionar, o técnico interino do Santos, Claudinei Oliveira, sacou o meia Leandrinho para a entrada do volante Alison, aos 26.

Mas o Peixe definiu a partida quando, aos 30, após boa troca de passes dos santistas no campo de ataque, a bola foi para Neílton, que limpou a marcação de Luis Ricardo, e arrematou de perna esquerda, marcando o terceiro dos alvinegros. No minuto seguinte, o atacante deu lugar a Giva.

O Santos quase chegou ao quarto gol, aos 32, quando Willian José dominou dentro da área, puxou para a perna direita e tentou acertar o canto esquerdo de Lauro, que se esticou e espalmou a bola para escanteio. Este foi o último lance do centroavante, que pouco depois saiu para a entrada de Henrique.

Com a grande desvantagem no placar, a Portuguesa ainda queimou as suas duas últimas alterações, com Jean Mota na vaga de Rogério e Moisés no lugar de Diogo. No fim, aos 42, Bruno Moraes descontou de voleio, após cruzamento de Luis Ricardo, pela direita.

Apesar disso, o Peixe conseguiu se segurar nos últimos minutos, e ainda teve Giva marcando mais um gol, aos 46, confirmando a terceira vitória do seu time no Campeonato Brasileiro. O atacante aproveitou o rebote de Lauro, após chute de Henrique, para dar números finais ao confronto.

Bastidores – Santos TV:

Claudinei elogia Lusa, mas não vê goleada santista como injusta

Santos venceu por 4 a 1 na Vila Belmiro e chegou ao seu terceiro triunfo seguido no Brasileiro

O técnico interino do Santos , Claudinei Oliveira, analisou a vitória sobre a Portuguesa, por 4 a 1, na noite deste sábado, na Vila Belmiro. Para o treinador, apesar chances criadas pelo adversário, o placar elástico foi conquistado com merecimento por parte dos seus comandados.

“Acho que Portuguesa não foi mal, criou chances e o Aranha fez boas defesas. Tivemos um ímpeto inicial importante, a nossa postura de marcar pressão na saída de bola, deu resultado, e fizemos 2 a 0. Depois, a nossa marcação ficou sem o encaixe que deve ter. Por isso, conversei com o Alan Santos e o Cícero para que eles ficassem na frente da defesa, para guardar o setor. Ficamos melhores e tivemos mais chances de gol. Tivemos várias chances de gol, fizemos quatro. A Portuguesa não jogou mal, mas o placar não foi injusto”, disse Claudinei.

Indagado se o Santos teria oscilado no fim do primeiro tempo e começo da etapa complementar, o comandante defendeu a sua equipe. “A Portuguesa, por ter cinco jogadores no meio-campo, dificultou. Nós nos posicionamos bem no segundo tempo, demos a bola para ele e marcamos para sair no contra-ataque. Da mesma forma que marcamos pressão no começo da partida, tivemos essa postura de esperar para sair no contra-ataque. Foi uma opção tática nossa”, comentou.

Com a terceira vitória consecutiva dos alvinegros no Campeonato Brasileiro – Atlético-MG, São Paulo e Portuguesa -, Claudinei Oliveira vê o time em um bom momento e não acredita que os atletas vão deixar a boa fase subir à cabeça nos próximos jogos.

“Ninguém pode deixar subir à cabeça, não é uma vitória que vai mudar isso. Temos jogadores experientes, que já ganharam Copa Libertadores, e mesmo os jovens, têm uma bagagem boa das categorias de base. É natural isso, (a moral) tem que estar elevada, porque eles merecem”, encerrou.

Neílton agradece a Claudinei e se esquiva de comparações com Neymar

“Ser comparado com um ídolo do Santos é sempre muito bom, mas eu tenho que continuar trabalhando”, disse o atacante, autor de dois gols diante da Portuguesa

Após brilhar na vitória do Santos sobre a Portuguesa, por 4 a 1, o atacante Neílton, autor de dois gols na partida, falou sobre a fase que vive no time praiano. Satisfeito com o bom momento, o jogador agradeceu a confiança do técnico interino, Claudinei Oliveira, que tem lhe dado sequência na equipe titular.

“O Claudinei sempre confiou na gente, desde a base. Ele está sabendo fazer essa mescla com os experientes e têm dado certo. Os mais velhos estão nos ajudando bastante”, afirmou Neílton, que tem nove partidas e três gols no elenco principal santista.

Sobre as comparações com Neymar, negociado recentemente com o Barcelona (Espanha), o atacante preferiu manter os “pés no chão” e não se colocar como sucessor da Joia. “Ser comparado com um ídolo do Santos é sempre muito bom, mas eu tenho que continuar trabalhando. Tenho que construir a minha história”, ponderou.

Claudinei também foi indagado sobre as comparações entre os dois, mas fez questão de ressaltar as qualidades de Neílton. “O Neymar hoje é um extra classe, não podemos comparar. O Neílton fez uma partida muito boa (contra a Lusa), errou muito menos do que em outros jogos, e vamos corrigindo aos poucos o que ele precisa melhorar. Ele está evoluindo e foi muito feliz. Esperamos que ele possa manter essa regularidade”, analisou.

Vale destacar que a cúpula alvinegra tem a posição de Neílton como uma das prioridades de reforços para o restante da temporada. Porém, com a continuidade na equipe, o garoto vem ganhando confiança e deve prosseguir como titular, diante do Coritiba, no próximo dia 21, em confronto marcado para a Vila Belmiro, pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro.

Torcedores do Santos cobram diretoria e se posicionam contra Fernandinho

“Ôôôôô, Fernandinho é o c…”, gritou a torcida durante goleada por 4 a 1 sobre a Portuguesa

Mesmo com a vitória de 4 a 1 do Santos sobre a Portuguesa , na noite deste sábado, na Vila Belmiro, a principal torcida organizada do clube protestou contra a diretoria. Na frente do vestiário da equipe santista, os torcedores cobraram reforços e, também, criticaram alguns jogadores que estão na mira do time alvinegro, caso do atacante Fernandinho, do Al-Jazira (Emirados Árabes).

Acha que Fernandinho seria um bom reforço para o Santos? Opine!

“Ôôôôô, Fernandinho é o c…”, gritaram os torcedores, para depois reforçarem o coro por reforços: “Não é mole, não… essa semana tem que ter contratação”.

O Comitê de Gestão do Santos, alvo de vários questionamentos recentemente, também esteve entre os alvos da torcida organizada. “Laor (presidente Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro), preste atenção, o Comitê está acabando com o Peixão”.

Nas última semanas, torcedores santistas têm criticado bastante o trabalho da direção do clube, principalmente dos membros do Comitê de Gestão. Com a saída do atacante Neymar para o Barcelona (Espanha), além da chegada de poucos reforços – os laterais Cicinho e Mena foram contratados para o restante do Brasileirão – a pressão aumentou para que a equipe ganhasse novas peças.