Vídeos: (1) Gols e (2) melhores momentos.

Portuguesa 3 x 0 Santos

Data: 06/10/2013, domingo, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 26ª rodada
Local: Estádio do Canindé, em São Paulo, SP.
Público: 7.979 pagantes
Renda: R$ 211.730,00
Árbitro: Péricles Bassols Pegado Cortez (RJ)
Auxiliares: Bruno Boschilia e Moisés Aparecido de Souza (ambos do PR).
Cartões amarelos: Rogério e Bergson (P); Vladimir e Mena (S).
Gols: Luis Ricardo (15-1); Gilberto (14-2) e Gilberto (21-2, de pênalti).

PORTUGUESA
Lauro; Luis Ricardo, Moisés Moura, Valdomiro e Rogério; Ferdinando, Bruno Henrique, Moisés e Souza (Corrêa); Bergson (Wanderson) e Gilberto (Henrique).
Técnico: Guto Ferreira

SANTOS
Vladimir; Cicinho, Edu Dracena, Gustavo Henrique e Mena; Renê Júnior (Everton Costa), Arouca, Leandrinho (Léo) e Cícero; Thiago Ribeiro e Willian José (Giva).
Técnico: Claudinei Oliveira


Portuguesa atropela o Santos no Canindé e deixa o rival mais longe do G4

Com o resultado, os santistas caíram para a oitava posição, permanecendo nos 36 pontos. A Lusa, por sua vez, pula para o 10º lugar no Brasileirão, agora com 34 pontos ganhos

Depois de vencer o São Paulo, o Santos desperdiçou a chance de embalar no Campeonato Brasileiro . O time praiano foi derrotado pela Portuguesa por 3 a 0, na noite deste domingo, no Canindé. Luis Ricardo e Gilberto, com dois gols, marcaram os tentos do triunfo rubro-verde.

Com o resultado, os santistas caíram para a oitava posição, permanecendo nos 36 pontos. A Lusa, por sua vez, pula para o 10º lugar no Brasileirão, agora com 34 pontos ganhos.

O jogo

A primeira chance de gol da partida foi criada pelo Santos. Aos quatro minutos, o atacante Thiago Ribeiro tocou para Cícero. Dentro da grande área, o meia levou a melhor sobre a marcação e bateu cruzado, com a bola passando pelo goleiro Lauro e próxima à trave esquerda dos donos da casa.

A Portuguesa respondeu aos 11, com o atacante Gilberto chutando de fora da área, para boa defesa do goleiro Vladimir, em dois tempos. Com o jogo movimentado, a Lusa foi mais eficiente e abriu o placar, aos 15. O lateral-direito Luis Ricardo fez bom lance individual, antes de finalizar para o gol. Vladimir ainda tocou na bola, mas não conseguiu evitar o tento rubro-verde: 1 a 0.

Além do gol, a Portuguesa se manteve melhor em campo, durante a maior parte do primeiro tempo. Porém, os donos da casa não conseguiram ampliar a vantagem no marcador. Já o Peixe encontrava dificuldades para criar perigo ao gol de Lauro. Aos 36, a equipe praiana ainda perdeu o volante Renê Júnior, com dores musculares. O atacante Everton Costa entrou em seu lugar.

No minuto seguinte, os santistas quase empataram quando, aos 37, Cícero tocou de cabeça, mas a bola saiu ao lado direito da meta defendida pelo arqueiro da Lusa. Antes do intervalo, aos 43, o meia Leandrinho chegou a anotar o empate, mas a arbitragem anulou a jogada, marcando impedimento.

Na volta para a etapa complementar, os alvinegros tentaram impor uma pressão ao adversário. Aos três minutos, o centroavante Willian José arriscou da entrada da área, exigindo boa defesa de Lauro. Apesar do ímpeto do Santos, a Portuguesa voltou a balançar as redes. Aos 14, o meia Bruno Henrique tocou por cima da defesa do Peixe e a bola foi para Gilberto. O atacante girou na frente de Vladimir, que trombou com o lateral-direito Cicinho e deixou o gol livre, para o segundo gol rubro-verde.

Os santistas quase descontaram no minuto seguinte, com o atacante Thiago Ribeiro acertando a trave. No rebote, Everton Costa desperdiçou a chance de diminuir a vantagem da Lusa. Sem o gol alvinegro, a Portuguesa aproveitou para consolidar a sua vitória, com mais um gol. Após pênalti cometido por Vladimir, Gilberto converteu e marcou o terceiro dos donos da casa, aos 21.

O Santos esteve perto do gol, aos 34, quando Léo, que entrou na vaga de Leandrinho, tabelou com Thiago Ribeiro, se projetando na área e pegando a sobra de primeira, mandando à direita de Lauro.
A Lusa quase alcançou o quarto gol, aos 38, quando Luis Ricardo partiu em direção à área, rolando a bola para trás, mas ninguém conclui o lance. A bola ainda volta para o lateral rubro-verde, que chutou para fora.

Santistas admitem que busca pelo G4 ficou difícil após derrota no Canindé

O revés para a Lusa deixou o time alvonegro na oitava posição, com 36 pontos, sete a menos do que o Botafogo, quarto colocado da Série A

A derrota de 3 a 0 para a Portuguesa , na noite deste domingo, no Canindé, fez com que os jogadores do Santos reconhecessem a dificuldade para a equipe alcançar o G4 do Campeonato Brasileiro. O revés para a Lusa deixou o time alvonegro na oitava posição, com 36 pontos, sete a menos do que o Botafogo, quarto colocado da Série A.

“Lógico que fica mais difícil. Se tivéssemos vencido hoje (domingo), teríamos encostado ainda mais no G4. Mas a gente tem que ter os pés no chão. Vamos vivenciar jogo após jogo, porém, com a derrota aqui fica muito difícil”, analisou o zagueiro e capitão santista, Edu Dracena.

O meio campista Léo também comentou o impacto da derrota para os rubro-verdes. Na opinião do experiente jogador, de 38 anos, os alvinegros cometeram muitos erros durante os 90 minutos, que custaram a conquista de um melhor resultado ao time praiano.

“Falta muita coisa ainda para a gente chegar ao G-4, mas erramos demais. Isso não pode acontecer. Não tivemos posse de bola e isso, também, atrapalhou bastante”, comentou Léo.

Claudinei admite má exibição contra Portuguesa e sai em defesa de Vladimir

Técnico disse que não iria culpar nenhum jogador pelo tropeço do domingo no Brasileirão

O técnico Claudinei Oliveira reconheceu que o Santos esteve em uma noite pouco inspirada na derrota para a Portuguesa , neste domingo, no Canindé. Para o treinador, a equipe praiana esteve abaixo do esperado e, por conta disso, o placar da partida (3 a 0) acabou sendo tão elástico a favor da Lusa.

“Realmente, nós não fizemos um bom jogo. Conversamos com os atletas após a partida e todos reconheceram que não estivemos bem. Sofremos o primeiro gol, mais tarde perdemos o (volante) Renê Júnior e tentamos colocar mais um atacante, que foi o Everton Costa, mas não deu certo. Ainda optamos pelo Léo e pelo Giva, mas não tivemos posse de bola. Existe também o mérito da Portuguesa. Agora, temos que trabalhar para recuperar esses pontos”, disse Claudinei, que aproveitou para sair em defesa do goleiro Vladimir.

O jovem arqueiro substituiu Aranha, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, e teve a sua atuação questionada depois do confronto. O comandante alvinegro evitou críticas a Vladimir, descartando que o resultado tenha sido construído por conta de uma atuação ruim do goleiro.

“De maneira nenhuma vamos responsabilizar qualquer jogador pelos resultados. O futebol é feito de erros e acertos. A responsabilidade é sempre minha, eu escalo o time. O Aranha vinha de uma sequência boa e o Vladimir poderia sentir a falta de ritmo. Na minha opinião, isso não aconteceu. Ele até fez boas defesas no primeiro tempo. Ao meu ver, o Vladimir não teve participação direta no resultado”, concluiu.

O técnico também negou que tenha deixado o atacante Neílton no banco por um impasse contratual. O jogador tem vínculo até maio do ano que vem e, em novembro, já poderá assinar um pré-contrato com outro clube. Ele foi reserva e Claudinei escalou Everton Costa e Giva diante da Portuguesa.

“Primeiro, nós optamos pelo Everton, porque ele é forte fisicamente e pode recompor o meio-campo, acompanhando a subida do lateral e atacando pelo ‘corredor’ (lados do gramado). Depois optamos pelo Giva, que vem entrando bem e sendo mais utilizado do que o Neílton. Coloquei esses dois atletas porque, na minha opinião, o momento deles é melhor do que o vivido pelo Neílton”, comentou.

Claudinei aproveitou para destacar que, caso veja necessidade, irá colocar o jovem atacante em campo. “Por enquanto, não recebemos nenhuma determinação dos dirigentes e, enquanto for assim, o Neílton estará sempre à disposição. Assim que precisar e eu achar que devo, vamos colocá-lo para atuar. Quando precisar, ele vai ser utilizado, normalmente”, encerrou.