Vídeos: (1) Gols e (2) melhores momentos.

Santos 1 x 2 Botafogo

Data: 15/09/2013, domingo, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 21ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 11.301 pagantes
Renda: R$ 178.707,00
Árbitro: André Luiz de Freitas Castro (GO)
Auxiliares: Cristhian Passos Sorence (GO) e Nadine Schramm Camara Bastos (SC).
Cartões amarelos: Mena, Alison e Cicinho (S); Seedorf, Dória, Hyuri e Gegê (B).
Gols: Elias (39-1); Cícero (21-2) e Elias (11-2).

SANTOS
Aranha; Cicinho, Edu Dracena, Durval e Mena; Alison (Arouca), Leandrinho (Everton Costa), Cícero e Renato Abreu (Neílton); Gabriel e Thiago Ribeiro.
Técnico: Claudinei Oliveira

BOTAFOGO
Jéfferson, Edilson, Dória, Bolívar e Julio César; Marcelo Mattos, Renato, Seedorf (André Bahia) e Hyuri (Octávio); Rafael Marques e Elias (Gegê).
Técnico: Oswaldo de Oliveira



Botafogo põe fim à invencibilidade do Santos na Vila e mantém luta pelo título

Elias anotou os dois gols do time carica, que segue na cola do Cruzeiro na tabela do Campeonato Brasileiro

Com uma vitória por 2 a 1, na noite deste domingo, o Botafogo deu fim a uma marca impressionante do Santos na Vila Belmiro. Isto porque, a última derrota do Peixe em seu estádio havia acontecido no dia 30 de agosto do ano passado, quando o Bahia ganhou por 3 a 1, na última exibição do meia Paulo Henrique Ganso com a camisa praiana.

O triunfo como visitante manteve o time carioca na segunda posição do Campeonato Brasileiro, agora com 42 pontos. Enquanto isso, o Santos caiu para o nono lugar, com 28 pontos ganhos.

O jogo

O primeiro lance de perigo do jogo foi do Botafogo. Aos cinco minutos, Elias arriscou de fora da área, o goleiro Aranha não segurou o chute e acabou cedendo o escanteio para os visitantes. A resposta do Santos veio aos sete, quando Renato Abreu encontrou Leandrinho livre na grande área e o jovem meia tocou de cabeça, exigindo grande defesa de Jéfferson.

No minuto seguinte, o Peixe esteve mais uma vez perto do gol. Após boa trama do ataque santista pela direita, Cicinho chutou cruzado, Thiago Ribeiro se esticou, mas a bola passou sem que o atacante conseguisse completar para o fundo das redes. Melhor em campo, o time praiano assustou novamente, aos 12. Com espaço para avançar ao campo de ataque, o volante Alison resolveu arriscar de longa distância, quase surpreendendo o goleiro da equipe carioca, com a bola passando sobre o gol de Jéfferson.

Porém, a melhor oportunidade de gol dos donos da casa, no começo da partida, surgiu aos 14. Cicinho roubou a bola do atacante botafoguense, Rafael Marques, no campo de defesa do Glorioso, e cruzou para Thiago Ribeiro. Só que o avante do Santos isolou, desperdiçando uma grande chance de gol para o seu time.

Após essa jogada, o confronto continuou bastante disputado, com o Peixe tomando mais a iniciativa de buscar o gol. No entanto, se os donos da casa criaram as oportunidades mais claras de gol, o Botafogo aproveitou melhor as suas chances e abriu o placar, próximo do intervalo. Aos 39, Seedorf tocou para Julio César, que cruzou para Rafael Marques finalizar e exigir grande defesa de Aranha, mas Elias aproveitou o rebote e marcou o gol dos cariocas.

Na volta para o segundo tempo, o panorama do duelo continuou o mesmo, com os santistas buscando o empate. Só que os botafoguenses foram mais eficazes, outra vez, balançando as redes. Aos 11, Hyuri tabelou com Renato e cruzou para Elias tocar de cabeça, firme no canto esquerdo de Aranha, sem chances de defesa para o camisa 1 da equipe praiana: 2 a 0 para o Glorioso.

Com a desvantagem ainda maior no placar, aos 13, o técnico Claudinei Oliveira trocou o experiente meia Renato Abreu, promovendo a entrada do jovem atacante Neílton. A pressão dos donos da casa deu resultado aos 21, quando após bom lance de Cicinho pela direita, rolando a bola para o meio, Cícero acertou uma “bomba” de perna esquerda, superando Jefferson e dando um novo ânimo ao seu time no jogo.

Depois do gol, Claudinei resolveu promover mais duas alterações. A primeira, aos 25, sacando Alison, que estava pendurado com cartão amarelo, para a volta de Arouca. Já a segunda, no minuto seguinte, foi a entrada do atacante Everton Costa no lugar do meia Leandrinho. Na equipe carioca, também aos 26, Oswaldo de Oliveira trocou Hyuri por Octávio.

O Glorioso quase chegou ao terceiro gol, com o lateral-direito Edílson. Aos 29, o ala botafoguense cobrou falta, a bola desviou na barreira e explodiu no travessão de Aranha, antes de ir para fora.

Com a vantagem no marcador, os cariocas fizeram mais uma substituição, com Elias saindo para a entrada de Gegê, aos 37. Aos 45, o meia holandês Seedorf deixou o gramado, com o zagueiro André Bahia reforçando o sistema defensivo para os minutos finais da partida, garantindo mais uma vitória botafoguense na competição.

Claudinei lamenta derrota, mas elogia Santos: “Tivemos mais chances”

Técnico santista disse que o Botafogo foi pragmático, não errou e chegaram à vitória neste domingo, na Vila Belmiro

A derrota para o Botafogo, na noite deste domingo, impôs ao Santos o fim de uma invencibilidade que já durava mais de um ano na Vila Belmiro. Mas, apesar do resultado negativo, o técnico do Peixe, Claudinei Oliveira, elogiou bastante a atuação de sua equipe. Na visão do treinador, os santistas criaram muitas oportunidades de gol e poderiam ter saído com um outro placar deste jogo.

“Quero ver o jogo com mais calma depois, mas creio que tivemos mais chances do que o Botafogo. Eles foram pragmáticos, não erraram e conseguiram vencer. Claro que perder na Vila é complicado, estávamos invictos há mais de um ano. Mas enfrentamos de igual para igual uma das melhores equipes da competição, com jogadores de qualidade e que está brigando pela liderança do Brasileirão”, disse Claudinei.

O comandante ainda foi indagado se o cansaço causado pela “maratona” de quatro partidas (Goiás, Internacional-RS, Flamengo e Bota) em pouco mais de uma semana pode ter contribuído para a derrota diante do Glorioso, dentro de casa.Porém, Claudinei Oliveira evitou atribuir ao desgaste físico a razão pelo revés.

“É difícil dimensionar a influência desta ‘maratona’ na derrota. Fizemos quatro jogo em oito dias, o que é muito, principalmente em um esporte de contato como o futebol. Além disso, temos o tamanho do campo. Enfim, é natural que os atletas acusem o desgaste. Não temos condições de treinar o time também. Mas não adianta falarmos de cansaço, porque o Botafogo foi mais eficiente do que nós. Dentro da estratégia deles, foram mais eficazes e contundentes”, concluiu.

Na próxima rodada, o Santos, que é o nono colocado da Série A, com 28 pontos, visita o Grêmio. A partida acontece quarta-feira, a partir das 19h30 (horário de Brasília), na Arena do Grêmio.

Claudinei projeta volta de Montillo ao Santos e garante respaldo aos jovens

Meia foi liberado pelos médicos e pode começar a partida contra o Grêmio, quarta-feira

Depois de ser vetado pelo departamento médico, o meia Montillo poderá reforçar o Santos na próxima rodada do Brasileirão, diante do Grêmio, quarta-feira, às 19h30 (de Brasília), na Arena Arena Grêmio. O jogador foi liberado pelos médicos e depende apenas do aval do técnico Claudinei Oliveira.

“O Montillo faz a diferença. Com ele em campo, as coisas acontecem mais favoravelmente”, afirmou o treinador santista, destacando que a presença do meia dá uma maior tranquilidade para o restante da equipe, composta por alguns jovens jogadores.

“Nós perdemos três ou quatro atletas mais experientes, dentre eles o Montillo e o Arouca. Como não temos tantos jogadores em termos de experiência, em algumas partidas os garotos são brilhantes e fazem a diferença, mas em outros, não. Na dificuldade, a experiência aparece”, destacou.

Apesar de ter ressaltado a importância da maturidade dos atletas mais velhos do grupo, Claudinei Oliveira garantiu que os alvinegros continuarão apostando nos novos talentos, durante a sequência do Campeonato Brasileiro.

“Não dá para falar que chegamos ao limite, pois os jovens estão em evolução. Isso é normal. Porém, vamos continuar apostando na garotada. Não temos problema nenhum quanto a isso”, concluiu.

Gabriel nega abatimento com críticas e diz que “cobram de quem tem potencial”

Atacante do Santos reconhece atuação abaixo do que poderia ter apresentado na derrota para o Botafogo, na Vila Belmiro

Criticado por parte da torcida que compareceu a Vila Belmiro e assistiu a derrota do Santos para o Botafogo no domingo, o atacante Gabriel garantiu que não irá se abater com as cobranças. Para ele, as críticas fazem parte do processo de amadurecimento de qualquer jogador que sobe para o elenco principal.

“Eles cobram de quem tem potencial, por isso estou tranquilo. Sei que posso dar mais no segundo tempo. Eles fizeram certo em ‘pegar no meu pé’. Eu mesmo quando era torcedor ‘pegava no pé’ de alguns. Tenho que melhorar para, quando começar jogando, fazer um segundo tempo tão bom quanto no primeiro”, disse Gabriel, que foi defendido pelo técnico Claudinei Oliveira.

Indagado sobre o assunto, o atacante reconheceu que poderia ter tido uma melhor apresentação contra o Botafogo. “Acho que fui bem no primeiro tempo e dei uma caída na segunda etapa. Fazia tempo que eu não jogava 90 minutos. Claro que a gente sofre com as críticas, mas confio no meu potencial. A pressão existe em todo lugar e temos que conviver com isso”, comentou.

Apesar das críticas, Gabriel deve ser mantido como titular por Claudinei diante do Grêmio, em jogo marcado para a próxima quarta-feira, a partir das 19h30 (horário de Brasília), na Arena do Grêmio. O confronto é válido pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro.